Arquivo da categoria: Livros

Encontro de fãs de J.R.R. Tolkien e lançamento mundial de A Queda de Gondolin

A editora HarperCollins Brasil está promovendo encontros de fãs em várias cidades para o lançamento mundial de A Queda de Gondolin no próximo dia 30/08, das 20h às 22h. Os eventos serão em parceria com a Livraria Saraiva, Livraria Leitura e Livrarias Curitiba. Os encontros serão mediados por grupos tolkienianos das respectivas cidades, com leituras de trechos do novo livro. A entrada é gratuita.

Em São Paulo, o evento na Saraiva do Pátio Paulista, além de receber Samuel Coto, gerente editorial da HarperCollins Brasil responsável pela obra de Tolkien no país, contará também com a presença de Gabriel Oliva Brum, membro da equipe Valinor e um dos tradutores de Tolkien e revisor técnico das novas edições em português, que falará um pouco sobre detalhes do projeto de tradução que está empreendendo ao lado de Reinaldo José Lopes (tradutor de A Queda de Gondolin, O Silmarillion e O Hobbit, e também membro da equipe Valinor) e Ronald Kyrmse (tradutor de Beren e Lúthien, O Senhor dos Anéis e inúmeras outras obras).

Confira os locais dos eventos:

Belém: Livraria Saraiva Boulevard Shopping (Av. Visconde de Souza Franco, 776)

Belo Horizonte: Livraria Leitura Shopping Del Rey (Av. Presidente Carlos Luz, 3031)

Brasília: Livraria Leitura Pátio Brasil Shopping (SCS Quadra 07 Bloco A – Asa Sul)

Curitiba: Livrarias Curitiba Park Shopping Barigui (R. Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 600)

Fortaleza: Livraria Saraiva Shopping Iguatemi (Av. Washington Soares, 85)

Manaus: Livraria Saraiva Manauara Shopping (Av. Mario Ypiranga Monteiro, 1300)

Rio de Janeiro: Livraria Saraiva Shopping Rio Sul (Av. Lauro Muller, 116)

Salvador: Livraria Saraiva Shopping da Bahia (Av. Tancredo Neves, 148)

São Paulo: Livraria Saraiva Shopping Pátio Paulista (R. Treze de Maio, 1947)

 

(Foto: Tolkien Talk)

Está envolvido com a obra de Tolkien desde 1999 – fundador da Calaquendi, fundador da Valinor, fundador do Conselho Branco (Sociedade Tolkien) e presidente por três mandatos. Participou da publicação em livro do Curso de Quenya e é autor do Modo Tengwar Português

Tradução de As Cartas de J. R. R. Tolkien será relançada pela HarperCollins Brasil

Bom, hora de oficializar a coisa, então, e revisitar esse meu exemplar surrado.

A minha tradução de As Cartas de J. R. R. Tolkien será publicada pela HarperCollins Brasil.  Vou revisar e atualizar o texto completamente, claro; foi a minha primeira tradução profissional de fato, e como tal carrega todos os “poréns” da minha (in)experiência na época, mas ainda hoje é o livro que mais tenho orgulho de ter traduzido e não tenho como agradecer o suficiente ao Thiago Tizzot por ter me dado essa oportunidade. Poder revisitá-lo agora com toda a bagagem que acumulei nesses últimos 13 anos e apresentá-lo com a qualidade que merece dentro desse projeto tolkieniano da Harper é algo indescritível, ainda mais para atender esse desejo do público que não conseguiu colocar as mãos num exemplar da 1ª edição. Bem, logo mais isso não será mais problema.

Além disso, estou ajudando a coordenar toda a nomenclatura que será usada em todos os livros tolkienianos, discutindo com os outros tradutores e editores que termos manter, quais precisam ser retrabalhados (vocês terão algumas surpresas nesse sentido, aguardem!) e que forma a terminologia inédita terá ao longo dessas publicações. É trabalho pra caramba, mas faz tempo que não sinto essa gana trabalhando com traduções… e nada mais lógico isso acontecer com o meu autor favorito, que foi inclusive o motivo de eu me tornar tradutor e que proporcionou tudo o que tenho de melhor hoje na minha vida, tanto no âmbito profissional quanto no pessoal. Sem dúvida um sonho realizado.

E mais adiante? Bem, espero que os livros ali no fundo vejam bastante uso.

Vídeo: Top 5 de “Beren e Lúthien”!

Sauron originalmente era um supergato? Tolkien se inspirando em Shakespeare e numa saga viking? Tudo isso e muito mais neste vídeo sobre a maior história de amor da Terra-média, o amor proibido entre a elfa Lúthien e o humano Beren, em livro que acaba de ser lançado. Confira!

Yiddish Policeman’s Union, O Hobbit, O Senhor dos Anéis, Preacher, O Silmarillion, Cristianismo Puro

Diretor da WMF Martins Fontes fala sobre lançamento de novas obras de Tolkien e sobre a série HoME

14754241Alexandre Martins Fontes, diretor executivo da Editora WMF Martins Fontes, conversou com a BandNews Literatura sobre reedições especiais e novos livros de J.R.R. Tolkien que acabam de ser publicados, além do guia ilustrado do filme O Hobbit: A desolação de Smaug, a adaptação cinematográfica de Peter Jackson. Também lançou luz sobre a polêmica (não)publicação da série HoME (History of Middle-Earth) no Brasil, dizendo que é uma tarefa que exige “fôlego”, pois é uma série de livros com 12 volumes. Contudo, não parece descartar totalmente a possibilidade ao dizer “vamos ver quando é que vamos conseguir lançar”. Veja a entrevista completa:

 

Ao final da entrevista, Martins Fontes e a apresentadora falam sobre uma possível adaptação para o cinema da obra O Silmarillion. Você pode ler aqui mesmo na Valinor as implicações que cercam essa empreitada em Filmando “O Silmarillion”? Vai Sonhando.

“The Fall of Arthur” chega às livrarias brasileiras em dezembro!

TheFallOfArthur-Valinor-2505The Fall of Arthur, o poema inédito de J. R. R. Tolkien que narra os últimos anos do Rei Arthur,  e que foi lançado no Reino Unido no último dia 23, já está confirmado no Brasil!

 

De acordo com o site Omelete, o livro The Fall of Arthur (“A Queda de Arthur”, tradução provável do título por aqui), chegará às livrarias brasileiras, em português, em dezembro deste ano, no encalço do filme O Hobbit: A Desolação de Smaug.

 

Os fãs brasileiros de Tolkien têm ainda mais para comemorar: também segundo o Omelete, a Editora Martins Fontes (que detém os direitos de publicação das obras de Tolkien no Brasil) prepara para setembro próximo o lançamento de uma edição revisada de Tree and Leaf, livro que traz o ensaio On Fairy Stories, lançado anteriormente no Brasil [pela editora Conrad] com o título Sobre Histórias de Fadas, no qual Tolkien discute a natureza das histórias e seu papel na sociedade. O ensaio foi escrito ao mesmo tempo em que O Senhor dos Anéis ganhava forma.  

Publicado “The Fall of Arthur”, poema inédito de J.R.R.Tolkien

TheFallOfArthur-Valinor-2505Ótimas notícias para os fãs de J. R. R. Tolkien: finalmente publicado (no exterior) o poema The Fall of Arthur, trabalho inédito do autor de O Hobbit e O Senhor dos Anéis. E falando em seus dois mais famosos livros, uma exposição em Oxford mostra os trabalhos artísticos originais, feitos por Tolkien, para as duas obras!

 

 Há sete meses noticiamos que o poema The Fall of Arthur (“A Queda de Arthur”, em tradução livre), de Tolkien, seria publicado pela editora britânica HarperCollins. No último dia 23 de maio isso de fato aconteceu.

Considerada sua melhor e mais hábil realização na métrica aliterativa do Inglês Antigo (ou Anglo-Saxão, língua em que autor era uma autoridade), a mesma que o autor usou no também épico Beowulf, é a única empreitada de Tolkien sobre o Rei Arthur. Entretanto, The Fall of Arthur foi escrito em inglês moderno.  Datado da década de 1930, o poema está inacabado (por razões que a família Tolkien desconhece) e foi parcialmente inspirado no poema Morte Arthure, do século XIV. Por décadas ficou guardado na Biblioteca Bodleian, em Oxford, aguardando a luz do dia. Em uma carta de 1934, R. W. Chambers, estudioso e amigo de Tolkien, pede encarecidamente que o autor o termine:

“É realmente muito grande, realmente heroico, independentemente de seu valor em mostrar como a métrica de Beowulf pode ser usada em inglês moderno… Você simplesmente tem de terminá-lo.”

 As trágicas consequências do amor adúltero entre Guinevere e Lancelot e as dúvidas e tormentos do cavaleiro em seu castelo na França, além da fuga de Guinevere de Camelot, a campanha de Arthur no exterior, a grande batalha no mar da Bretanha e um retrado do traidor Mordred são alguns dos fatos e acontecimentos narrados no poema que trata dos últimos momentos do mais famoso de todos os reis das lendas e histórias de fantasia.

O livro conta com 233 páginas, das quais apenas 57 dão conta do poema inacabado. As outras páginas restantes trazem notas, comentários e textos de Christopher Tolkien – filho do autor, organizador e editor de suas obras póstumas – onde destrincha os versos e aponta paralelos entre The Fall of Arthur e a Terra-média.  Em um ponto da obra, um exército liderado por Arthur e Sir Gawain, cai sobre Mirkwood, o antigo nome dado às florestas do leste da Germânia (Alemanha):

“wan horsemen wild in windy clouds

grey and monstrous grimly riding

hadow-helmed to war, shapes disastrous.”

Todo fã de Tolkien que se preze irá reconhecer imediatamente o nome Mirkwood (a Floresta das Trevas) de O Hobbit, a grande floresta no leste da Terra-média, nome que o Professor emprestou à sua floresta ficcional.

The Fall of Arthur ainda não tem previsão de publicação no Brasil (anunciada, pelo menos), mas os fãs e interessados podem aguardar por novidades.

Outra boa notícia para os fãs de Tolkien (da Inglaterra e também para aqueles que tiverem a oportunidade de visitá-la) é que agora podem ver alguns dos trabalhos artísticos originais, para O Hobbit e O Senhor dos Anéis, feitos pelo próprio Tolkien e que estão atualmente à mostra como parte de uma exposição na Biblioteca Bodleian, em Oxford: Magical Books: from the Middle Ages to Middle-earth (“Livros Mágicos: da Idade Média a Terra-média”).

 A exposição também deve agradar os fãs de C.S. Lewis, pois ela apresenta o mapa de Narnia feito pelo autor, além de manuscritos de Philip Pullman.

 Fonte: The Telegraph

“The Fall of Arthur” – novo trabalho de Tolkien será publicado em 2013

O clássico de J.R.R. Tolkien, O Hobbit, já vendeu cerca de 100 milhões de cópias. Agora, quase 40 anos após sua morte, uma obra do autor anteriormente vista apenas por um punhado de membros da família e um amigo próximo está para ser publicada pela primeira vez: The Fall of Arthur (“A Queda de Arthur”, em tradução livre), um poema de 1.000 linhas que conta a história do lendário rei e seus cavaleiros da Távola Redonda, datado da década de 1930.

Foi iniciado pouco antes de ele começar a escrever O Hobbit, mas nunca chegou a terminá-lo. Desde sua morte, em 1973, manteve-se escondido em uma área restrita da biblioteca Bodleian, em Oxford, onde Tolkien foi professor de anglo-saxão. Mesmo estudiosos não tiveram acesso ao trabalho.

A publicação no próximo ano vai desencadear certa agitação, porque Tolkien continua tendo muitos fãs. Os três filmes épicos de seu O Senhor dos Anéis lhe trouxe ainda mais fama, assim como será a nova trilogia de Peter Jackson, de US$ 500 milhões, O Hobbit, cuja  primeira parte será lançada em dezembro.

Porém, enquanto o mundo de fantasia nessas obras foi retirado do conhecimento de Tolkien sobre línguas e folclore, em “A Queda de Arthur” é usado o inglês contemporâneo, mas ele foi escrito em um estilo de verso derivado do século XI.

A Editora HarperCollins, que irá publicar o poema em maio de 2013, foi pega de surpresa quando o filho de Tolkien, Christopher, contatou a empresa sobre a publicação da obra.

Christopher Tolkien dedicou anos de pesquisa para decifrar os fragmentos manuscritos de seu pai. A existência do poema era conhecida apenas por uma breve menções em duas cartas e seis linhas que o biógrafo de Tolkien, Humphrey Carpenter, foi autorizado a publicar.

Chris Smith, diretor editorial da HarperCollins, disse:

“Nós nunca tínhamos visto até que o manuscrito foi entregue a nós. É completamente inédito, fora a menção em um punhado de linhas na biografia de Carpenter. Nas duas cartas, você apenas tem essas escassas referências a ele. Estamos muito felizes de publicar esta obra extraordinária que faz o conto do Rei Arthur respirar novos ares. Tolkien oferece uma narrativa tão convincente de cada pedacinho, assim como de seus contos da Terra-média, que irão enriquecer a lenda deste herói complexo, satisfazendo muitos fãs de Tolkien em todo o mundo”.

Christopher Tolkien foi incapaz de estabelecer exatamente quando o poema foi escrito. O autor fez uma única referência a ele em uma carta de 1955 e manteve uma carta de 1934 de seu amigo, R.W. Chambers, professor de Inglês na University College of Londres, que leu o manuscrito e escreveu em resposta a Tolkien: “É realmente muito grande … verdadeiramente heróico … Você realmente tem de  terminá-lo”.

Para os que já sonham com uma adaptação cinematográfica, deve-se dizer que os direitos de “A Queda de Arthur” não estão disponíveis.

 

Fontes: The Australian e TORN