Arquivo da tag: Bibliografia

The History of Middle-earth I – The Book of Lost Tales

Quem vê O Silmarillion em sua forma atual talvez não imagine o gigantesco trabalho de transformação e carpintaria literária necessário para que a mitologia dos Dias Antigos tomasse a forma que conhecemos hoje. The Book of Lost Tales I (O Livro dos Contos Perdidos I), o primeiro da série The History of Middle-earth, traz para os leitores as versões mais antigas do universo tolkieniano, algumas datando de 1916.

 

As histórias do livro são relatadas a partir do ponto de vista de Eriol, um marinheiro humano que, após muitas viagens pelos Mares Ocidentais, chega a Tol Eressëa, a Ilha Solitária onde vivem os elfos. Lá, Eriol torna-se amigo dos Eldar e se hospeda em Mar Vanwa Tyaliéva, o lar de Lindo e sua esposa Vairë. Os elfos de Eressëa, a pedido de Eriol, começam a contar toda a história de Valinor e das Terras Exteriores (o nome "Terra-média" ainda não havia sido incorporado à mitologia), desde a criação do Mundo.

Exceto a história da Canção dos Ainur, que essencialmente permaneceu com poucas mudanças até a versão "final" do Silmarillion, quase tudo é diferente do que conhecemos hoje. Ossë e Uinen, por exemplo, são Valar; o conceito dos Maiar ainda não havia sido criado. Os Valar têm filhos: Fionwë Úrion (que depois se tornaria o Maia Eonwë) é filho de Manwë e Varda, assim como Oromë – pasmem! – é filho de Yavanna.

O próprio Morgoth é um inimigo muito mais malicioso, com um senso de humor insolente e cruel, diferente do Senhor do Escuro posterior. A importância das Silmarils para a narrativa ainda não havia aparecido: Melko (assim mesmo, sem "r") rouba todas as jóias dos Noldoli (os futuros Noldor), entre elas as Silmarils. Aliás, o Fëanor que aparece aqui já é um grande artífice, mas não pertence à casa real dos Noldoli. O único filho do rei Finwë Nólemë é Turondo, o futuro Turgon de Gondolin.

A linguagem empregada também é muito mais arcaica e solene que a do atual Silmarillion (se é que isso é possível). E as próprias línguas élficas são bem diferentes, até em termos históricos: o quenya aqui já é o alto-élfico, mas a língua que depois se tornaria o sindarin é na verdade o noldorin ou gnômico (de gnomos, nome que designava os Noldor neste estágio da mitologia). A idéia era que os Noldor, durante seu exílio nas Terras Exteriores, teriam sua língua muito modificada em relação ao quenya.

Fica claro também, para quem lê o Lost Tales, a intenção de Tolkien: criar uma "mitologia para a Inglaterra". Isso aparece tanto na associação dos elfos com os fadas do folclore inglês – Eldamar é também chamada de Faëry ou "Terra das Fadas" – quanto na idéia de que Tol Eressëa, em tempos futuros, se tornaria a Grã-Bretanha. Seja como for, The Book of Lost Tales fornece inúmeras chaves para compreender o desenvolvimento do rico universo criativo de Tolkien.

Conteúdo do Livro

Contos – "The Cottage of Lost Play", "The Music of the Ainur", "The Coming of the Valar and the Building of Valinor", "The Chainin of Melko", "The Coming of the Elves and the Making of Kôr", "The Theft of Melko and the Darkening of Valinor", "The Flight of the Noldoli", "The Tale of Sun and Moon", "The Hiding of Valinor" e "Gilfanon´s Tale: The Travail of the Noldoli and the Coming of Mankind"
Poemas - "You and Me", "Kortirion", "Habannan", "Tinfang Warble", "Over Old Hills", "Kôr", "A Song of Aryador" e "Why the Man in the Moon came down too soon"
Mapas – "The earlist map" e "The World Ship"
Escritos datam de 1916 – 1918

Appendix – Names in the Lost Tales Part I:
Retirado dos primeiros "lexicons" das línguas Élficas e também inclui palavras em "Qenya" e "Goldogrin or Gnomish". Palavras etimologicamente conectadas são dadas tomando como base nomes importantes que as contém.
Escritos datam de 1915

Smith of Wooton Major

Um bolo mágico, feito apenas a cada 24 anos para a Festa das Boas Crianças na vila de Wooton Major, carrega em uma de suas fatias um passaporte para Faery, o Reino das Fadas. E o premiado é o jovem Smith, que conhece regiões e maravilhas jamais vistas por olhos mortais.

 

Essa é a premissa de Smith of Wooton Major, outro magistral conto de Tolkien com ambientação medieval e capacidade ilimitada de provocar a fantasia do leitor. Apesar de não fazer parte do ciclo da Terra-média, a influência da grande mitologia tolkieniana se faz sentir no próprio termo Faery, que era utilizado por Tolkien para denominar Valinor em seus escritos mais antigos.

Como em "O Hobbit" e nos capítulos iniciais de O Senhor dos Anéis, Smith of Wooton Major é construído sobre a tensão entre o mundo cotidiano, seguro e palpável, e a irrupção do maravilhoso na vida aparentemente sólida dos seres humanos. O contato com as Terras Imortais aparece como terrível e belo ao mesmo tempo, perigoso mas indispensável para a plenitude do ser humano.

Smith of Wooton Major pode ser encontrado em conjunto com "Farmer Giles of Ham" ou na coletânea "Tales from the Perilous Realm".

As Cartas de J.R.R. Tolkien

As Cartas de J. R. R. TolkienTolkien passou uma enorme parcela de sua vida escrevendo cartas. Com efeito, o autor de O Senhor dos Anéis era um correspondente quase tão prolífico quanto os hobbits do Condado. Certa vez, quando quebrou o braço direito, ele chegou a confidenciar a seu editor: "Não ser capaz de usar uma caneta ou um lápis é, para mim, tão humilhante quanto seria a perda de seu bico para uma galinha".
 

The Letters of J.R.R. Tolkien (As Cartas de J.R.R. Tolkien), livro organizado por Humphrey Carpenter, biógrafo do autor, e por Christopher Tolkien, seu filho mais novo, reúne uma porção significativa da imensa correspondência entre Tolkien e seus familiares, amigos, editores e simples fãs (os quais, surpreendentemente, parecem ter recebido grande atenção por parte do Professor, principalmente nos anos que se seguiram à publicação de O Senhor dos Anéis).

Letters é fascinante em muitos aspectos: consegue revelar as opiniões pessoais de Tolkien sobre cultura, literatura, política, religião e vida familiar, ao mesmo tempo em que lança luz sobre aspectos de sua intrincada e sempre dinâmica mitologia. Ao mesmo tempo, Tolkien se revela um grande frasista, observador agudo das mazelas do século XX, crítico mordaz e irônico, mas que nunca perdia de vista o amor e a compaixão pelos seres humanos.

Algumas passagens são antológicas: os conselhos dados ao filho Michael sobre o amor entre homem e mulher, as cartas emocionadas a Christopher quando este servia a Força Aérea na África do Sul durante a Segunda Guerra Mundial, cartões postais em runas e caracteres fëanorianos para admiradores, observações iradas a respeito de um roteiro cinematográfico completamente distorcido para O Senhor dos Anéis, e até desenhos da coroa do Reino de Gondor.

Letters também ajuda a esclarecer algo que é motivo de tristeza para os fãs de Tolkien: o porquê de O Silmarillion nunca ter sido publicado durante sua vida. O Professor fez de tudo para publicar a mitologia dos Dias Antigos em conjunto com O Senhor dos Anéis, mas só conseguiu, a muito custo, que a editora Allen & Unwin publicasse este último. Quando o sucesso da Saga do Anel veio, era "tarde demais": Tolkien nunca pôde terminar O Silmarillion, por mais que tentasse.

Publicado em 1981, Letters inclui também muitas notas feitas por Humphrey Carpenter e um índice onomástico bastante completo.

 
Em 2006 o livro foi publicado no Brasil pela Editora Arte & Letra , traduzido por Gabriel O. Brum (da Equipe Valinor) e pode ser adquirido diretamente com a Editora neste link .
 

The History of Middle-earth V – The Lost Road and Other Writings

O leitor que deseja conhecer a fundo as origens da lenda de Númenor e de todas as histórias da Segunda Era da Terra-média terá uma fonte das mais importantes em The Lost Road and other writings (A Estrada Perdida e outros escritos), o quinto livro da série The History of Middle-earth.
 

A Estrada Perdida, texto que dá nome ao livro, é uma das obras mais originais de Tolkien, embora infelizmente incompleta. A idéia do livro surgiu das discussões literárias entre Tolkien e seu grande amigo C.S. Lewis, também professor em Oxford. Os dois combinaram que Lewis iria escrever uma história de viagem espacial, enquanto Tolkien escreveria um história de viagem no tempo.

No fim das contas, apenas Lewis conseguiu terminar e publicar seu livro, com o título Out of the Silent Planet, em 1937. É uma pena que Tolkien não tenha conseguido fazer o mesmo com A Estrada Perdida: a história, cheia de fortes elementos autobiográficos, tem como personagem principal Alboin Errol, um professor universitário com uma paixão pelas línguas do norte da Europa e que, em estranhos sonhos, ouvia fragmentos de idiomas desconhecidos: o eressëano (quenya) e o beleriândico (sindarin). Alboin e seu filho Audoin acabam transportados para Númenor, na pele de Elendil e seu filho Herendil (Isildur e Anárion ainda não haviam surgido), e têm que enfrentar a ameaça de Sauron.

The Lost Road traz também as mais antigas versões das histórias da Segunda Era, como o relato do surgimento e queda de Númenor e da fundação dos reinos numenoreanos na Terra-média. Para citar apenas uma das diferenças nessas versões antigas, Gil-galad era a princípio descendente de Fëanor!

Para os interessados na evolução das línguas élficas, The Lost Road encerra dois tesouros. Em primeiro lugar, as Etimologias, uma lista com centenas de raízes élficas primitivas, seus significados e as palavras derivadas delas existentes em quenya, noldorin (o ancestral do sindarin) e outros línguas élficas. Em segundo lugar, o Lhammas ou "Relato das Línguas", em que as características e parentesco das línguas élficas, como eram imaginadas nesse momento (por volta de 1937), eram concebidas.

Finalmente, The Lost Road também apresenta o Quenta Silmarillion de 1937, novas versões dos Anais de Valinor, Anais de Beleriand e do Ainulindalë, bem como o mapa de Beleriand que serviu de base para os mapas publicados em O Silmarillion.

Conteúdo do Livro

The Fall of Númenor O início do conto de Númenor em várias versões. 1936 – 1937

The Lost Road Um novela viagem no tempo com capítulos sobre Númenor, Scyld e AElfwine. Fragmentado e nunca concluído. Poemas incluem "Ilu Ilúvatar", "King Sheave", "The Nameless Land" e "The Song of Aelfwine". 1936 – 1937

The Later Annals of Valinor Anais de Valinor e outro local desde o início das coisas até o nascimento do Sol. Não muda muito de "The Earliest Annals of Valinor". Meados/final de 1930

The Later Annals of Beleriand Anais dos eventos em Beleriand até a Grande Batalha e a destruição de Beleriand. Muito mais completo e terminado que "The Earliest Annals of Beleriand". Meados/final de 1930

Ainulindalë O mito cosmológico. Segue o "The Lost Tales", mas foi completamente reescrito. Meados/final de 1930

The Lhammas Um texto sobre as línguas Élficas (e algumas outras) e seus inter-ralacionamentos.

Quenta Silmarillion Termina com Turin virando um fora-da-lei, mas inclui o final da chegada de Eärendel em Valinor e a Grande Batalha. Depois deste foi escrito o "History of the Elder Days" que permaneceu esquecido por muito tempo. Final de 1930, revisado em 1937-1938.

The Etymologies Um dicionário etimológico do Élfico. Meados de 1930, grandes revisões em 1938

The Genealogies Árvores genealógicas dos príncipes Élficos e das três casas dos Pais dos Homens e uma tabela de divisões do Quendi. Início de 1930.

The List of Names Origens e definições dos nomes encontrados no "Annals of Beleriand" e "Genealogies". 1930

The Second Silmarillion Map Mapa final de Beleriand, no qual o mapa publicado foi baseado. Impresso como originalmente foi desenhado e escrito.

History of Middle-earth VIII – The War of the Ring

Com "The War of the Ring" (A Guerra do Anel), a série History of Middle-earth chega a uma de suas fases mais bem documentadas, num período que abrange basicamente o final da Segunda Guerra Mundial. Christopher Tolkien, então servindo na RAF (Real Força Aérea britânica), recebia de seu preocupado pai cartas constantes, muitas delas acompanhadas de grandes trechos de "O Senhor dos Anéis", que alcançava seus momentos decisivos.
 

"The War of the Ring", título que chegou a ser cogitado para o terceiro volume da saga, traz textos que vão da batalha no Abismo de Helm até a chegada dos Capitães do Oeste ao Portão Negro de Mordor. Mesmo tão perto do final da história, a multidão de rascunhos e passagens rejeitadas mostra que Tolkien ainda continuava tateando e experimentando para chegar ao texto ideal.

Um caso clássico disso é a passagem na qual o palantír de Orthanc aparece pela primeira vez: a princípio, a esfera negra que Gríma lança do alto da torre de Saruman simplesmente se espatifa nos degraus, sem que o autor tivesse qualquer idéia de sua importância para o futuro da história.

O próprio Faramir, um dos personagens mais conhecidos e amados pelos leitores (ou seria pelas leitoras?), surge como um obscuro capitão gondoriano de nome Falborn, para só posteriormente tomar o lugar de irmão de Boromir. Sobre isso, Tolkien escreve: "Tenho certeza de que não o inventei, nem mesmo o quis na história (embora goste dele), mas lá veio ele caminhando pelos bosques de Ithilien". O encontro inicial de Faramir com Frodo e Sam tem um clima bem mais tenso, com o nobre de Gondor abertamente desconfiado de uma traição contra Boromir.

A história dos combates decisivos no Pelennor e diante do Portão Negro também é um tanto estranha: para se ter uma idéia, estava inicialmente programado que um exército combinado de Ents e Elfos aparecesse para ajudar as forças de Aragorn no assalto a Mordor.

O livro conta com as já tradicionais notas de Christopher Tolkien sobre a evolução da história e belos desenhos em preto e branco, feitos pelo próprio Tolkien, de lugares como o Templo da Colina. Minas Tirith e a Toca de Laracna.

Resumo de O Senhor dos Anéis – Livro I (Cap. 1 a 12)

Os resumos foram gentilmente cedidos por Janez Brank (http://www.brank.org/tolksumm/ ), traduzidos do inglês pelo nosso leitor Luciano Soares e revisados por Imrahil.
 
 

Capítulo 1: Uma festa muito esperada
Sessenta anos passaram desde que Bilbo Bolseiro, o herói de O Hobbit, tinha voltado de sua jornada. Ele é conhecido por muitos, tanto pela sua riqueza legendária como pelo fato de que a idade não parece afetá-lo. Ele anuncia uma grande celebração em honra do 111o aniversário dele e o 33o aniversário do seu sobrinho Frodo, que ele tinha adotado como herdeiro alguns anos atrás e trouxera para viver no Bolsão. A festa estava esplêndida, e um grande número de hobbits foi convidado. Mas Bilbo sentia-se estranho ultimamente, e decidiu que precisava de umas "férias" e deixaria o Condado; assim, depois de fazer um discurso depois do jantar, na frente dos 144 amigos mais íntimos dele e de Frodo, e também de seus parentes, ele coloca o anel mágico e desaparece, causando grande surpresa. Ele fala mais uma vez com Gandalf antes de partir, e quase muda a sua intenção original de deixar o anel com Frodo; mas o mago o convence a manter a idéia, e Bilbo parte, muito aliviado e mais feliz do que nunca. Gandalf adverte Frodo para não usar o anel. No dia seguinte Frodo está ocupado, pois Bilbo tinha deixado presentes de despedida para muitos hobbits, e agora uma multidão de pessoas se encontra no Bolsão, muitos deles cavando ao redor e procurando os tesouros imaginários de Bilbo. Gandalf parte, e não volta por muito tempo.

Capítulo 2: A Sombra do Passado
Gandalf visita Frodo só algumas vezes pelos anos que seguem. Frodo se acostuma a ser o mestre do Bolsão, e faz amizade com alguns dos hobbits mais jovem [por exemplo com Peregrin Tûk e Merry Brandebuque] enquanto a maioria o considera esquisito, como Bilbo. Rumores de eventos estranhos fora do Condado surgem, como o da ascensão do Poder Escuro na Terra de Mordor, embora a maioria dos hobbits não acreditasse nisso. No qüinquagésimo ano da vida de Frodo, Gandalf o visita novamente e eles têm uma conversa longa sobre o anel que Frodo tinha herdado de Bilbo. Gandalf explica a Frodo a natureza e a história do anel, que é de fato o maior dos Anéis de Poder e foi feito há muito tempo por Sauron, o Senhor do Escuro de Mordor. Sauron o está procurando agora avidamente. Achando o anel o seu poder cresceria imensamente. O anel deveria ser destruído para que Sauron perdesse seu poder, mas só poderia ser destruído em Orodruin, a Montanha da Perdição em Mordor. Parece que Sauron já tinha ouvido falar de Bilbo e do Condado através de Gollum; assim, o Condado provavelmente não é mais um lugar seguro para Frodo. Ele decide partir, acompanhado por Sam Gamgi, o seu jovem jardineiro, que [ao contrário da maioria dos hobbits] acredita nas antigas histórias e adoraria ver os Elfos.

Capítulo 3: Três não é demais
Frodo vende o Bolsão aos Sacola-Bolseiros e compra uma casa na Terra dos Buques, a leste do Condado, onde ele tinha passado sua infância. No seu qüinquagésimo aniversário, ele deixa o Bolsão e parte com seu amigo Pippin [Peregrin Tûk] e Sam Gamgi; Gandalf o deixou por algum tempo para procurar notícias do que acontecia na Terra-média, e ainda não voltou, o que preocupa muito Frodo. No dia seguinte, os três hobbits notam que estão sendo seguidos pelos misteriosos Cavaleiros Negros. Não sabem exatamente quem eles são, e Frodo, cuidadoso, decide não deixar que os Cavaleiros os vejam. Eles conhecem, durante a noite, um grupo vagante de Altos-elfos conduzido por Gildor Inglorion; Frodo fala por muito tempo com Gildor, e o elfo o aconselha a tentar alcançar Valfenda apesar da ausência de Gandalf, e conta-lhe que os Cavaleiros Negros são os perigosos Servos do Inimigo.

Capítulo 4: Um atalho para cogumelos
No dia seguinte, Frodo decide pegar um atalho para o rio Brandevin, onde Merry deveria encontrá-los naquele dia; queriam chegar lá mais cedo, e evitar serem vistos novamente pelos Cavaleiros Negros. De fato, eles percebem que um dos Cavaleiros está na estrada e decidem sair dela. Depois de uma passagem longa e desagradável pelos bosques, eles alcançam a propriedade de Fazendeiro Magote, que é conhecido por soltar seus cachorros em qualquer invasor que venha a colher os seus cogumelos [como o próprio Frodo tinha experimentado na sua mocidade]. Contudo, ele é bastante amigável, especialmente por conhecer bastante Pippin; ele conta a Frodo e seus amigos que pouco tempo antes um cavaleiro negro estranho e amedrontador perguntara-lhe por um Bolseiro . Para ajudar Frodo a alcançar a balsa do Brandevin da maneira mais segura e rápida possível, Magote leva os três hobbits com sua carroça , e eles acham Merry esperando-os ansiosamente.

Capítulo 5: Conspiração Desmascarada
Conforme eles cruzam o Rio, notam uma figura negra parada, e cada vez mais próxima. Eles vão para a casa nova de Frodo em Cricôncavo, e falam sobre as suas aventuras na viagem. Frodo pretende falar finalmente para os amigos que vai partir o mais cedo possível quando, para o seu assombro, eles dizem que já sabem sobre o Anel, e sobre o propósito de sua viagem, e que pretendem acompanhá-lo e ajudá-lo. Depois do choque inicial, Frodo aceita a ajuda deles alegremente, e eles decidem partir no dia seguinte, bem cedo, pela Floresta Velha, um lugar conhecido como esquisito e perigoso, para evitar as estradas que provavelmente serão vigiadas pelos Cavaleiros.

Capítulo 6: A Floresta Velha
Os hobbits entram na Floresta Velha e logo começam a sentir sua estranheza, como se as árvores estivessem vigiando-os e os odiassem. Eles chegam à Clareira onde os hobbits queimaram uma grande quantidade de árvores há muito tempo atrás. De lá, eles seguem um caminho que os conduz a uma colina que sobe fora da Floresta, e de lá, como eles eventualmente notam, para o Rio Withywindle, a parte central e mais estranha da floresta. Eles querem evitar isso e deixar o caminho, mas acham o terreno sempre mais difícil na direção em que gostariam de ir. Eles caem em um barranco que é muito íngreme para ser escalado novamente e, seguindo-o, chegam ao Withywindle e acham um caminho que corre ao longo dele. Este caminho os traz a um velho salgueiro, perto do qual começam a sentir-se sonolentos de repente. Frodo, Merry e Pippin dormem, e a árvore lança Frodo na água e captura Merry e Pippin debaixo de suas raízes. Sam e Frodo não podem salvá-los, e correm ao longo do caminho, enquanto pedem por ajuda, desesperados. Eles encontram Tom Bombadil, um homem estranho que canta canções absurdas. Tom canta a melodia certa, e o salgueiro liberta Merry e Pippin; então Tom convida os hobbits para irem à casa dele, onde vive com Fruta D"Ouro.

Capítulo 7: Na Casa de Tom Bombadil
Eles comem um jantar magnífico e então vão dormir, e cada um deles tem sonhos diferentes e estranhos. No dia os hobbits falam com Tom Bombadil durante o dia inteiro. Tom lhes fala muito sobre a Floresta, os tipos de árvores e animais, o Velho Homem-Salgueiro, e a história antiga da Terra-média, embora de maneira enigmática. Para a surpresa deles, descobrem que o Anel não tem nenhum poder sobre Bombadil. Ele lhes dá conselhos no dia seguinte, e lhes ensina uma rima parra chamá-lo se eles precisarem da ajuda dele.

Capítulo 8: Névoa nas Colinas dos Túmulos
No dia seguinte, os hobbits deixam a casa de Tom, pretendendo cruzar os Túmulos. Eles fazem um progresso bom pela manhã, e ao redor de meio-dia param para descansar. Estranhamente há um grande pedra fria que se levanta no topo plano de uma colina. Eles adormecem e são despertados por um pôr-do-sol cercado pela névoa. Eles imediatamente se encaminham na direção que eles acreditam ser a mais direta para a Estrada; algum tempo depois Frodo, que estava na frente, passa entre duas pedras paradas e nota que os outros se foram. Ele começa a gritar por ajuda, e é capturado por uma Criatura Tumular. Ele desperta novamente dentro de um túmulo, nota que os outros estão inconscientes perto dele e que uma mão está rastejando na direção deles. Frodo canta a rima que Tom Bombadil tinha lhes ensinado um dia antes, e realmente Tom vem muito rápido, e a luz do dia destrói a Criatura Tumular. Tom desperta os outros três hobbits, e dá a cada um deles uma espada, tirada dos tesouros que estavam dentro do túmulo. Ele também traz os pôneis deles que fugiram à noite, e os acompanha durante algum tempo, até as fronteiras das terras dele. Os hobbits partem, e chegam à aldeia de Bri pela noite.

Capítulo 9: No Pônei Saltitante
O hobbits entram no Pônei Saltitante, uma hospedaria grande em Bri. Um grupo diversificado de hóspedes já esta reunido lá: hobbits locais e homens, anões em viagem, homens estranhos do Sul, e um Guardião misterioso conhecido como Passolargo. Depois da ceia, Frodo, Sam e Pippin decidem unir-se aos hóspedes; Pippin chama a atenção contando uma história sobre o Prefeito do Condado e, empolgado, começa a contar sobre a festa de despedida de Bilbo. Frodo não quer mencionar o desaparecimento de Bilbo, e para interromper Pippin salta sobre uma mesa e começa a cantar e dançar. Ele salta e cai da mesa, e enquanto cai o Anel desliza para o dedo dele, e ele desaparece. Isto causa muita ansiedade, e apesar das explicações posteriores a maioria dos hóspedes deixa o aposento. Passolargo parece saber o real nome de Frodo, e a verdadeira causa do seu desaparecimento, e lhe pede que tenham uma conversa depois. Carrapicho, o estalajadeiro, também se lembra de algo e pede para ter uma conversa particular com Frodo.

Capítulo 10: Passolargo
Passolargo vai falar com Frodo, Sam e Pippin. Ele se oferece para ser o guia deles, e parece já saber muito de Frodo; porém, por causa da sua aparência, os hobbits não confiam nele. Então Carrapicho chega e explica que Gandalf tinha deixado uma carta para um certo Frodo Bolseiro, que Carrapicho esquecera de enviar ao Condado há vários meses atrás. Frodo e seus companheiros batem com a descrição que Gandalf dera a Carrapicho, e este dá a carta a Frodo. Entre outras coisas, essa carta contém um conselho de Gandalf para aceitar a ajuda de um amigo seu, um homem chamado Passolargo [com o verdadeiro nome Aragorn], se eles chegassem a conhecê-lo. Assim, Frodo decide aceitar a ajuda dele como um guia para Valfenda. Merry, que saiu para pegar um ar fresco antes, agora volta e conta que viu os Cavaleiros Negros, e parece que eles têm espiões em Bri. Eles decidem não ir para os quartos designados a eles, e dormem no quarto de hóspedes, depois de trancarem as janelas e a porta.

Capítulo 11: Uma Faca no Escuro
Naquela mesma noite, os Cavaleiros Negros arrombam a casa de Frodo em Cricôncavo, descobrem que Frodo não esta lá, e cavalgam para Bri com grande pressa. Eles arrombam a hospedaria, ou mais especificamente o quarto onde os hóspedes hobbits normalmente dormem. Os hobbits não são descobertos, mas todos os cavalos e pôneis da hospedaria fugiram com medo. No dia seguinte eles compram um pônei e mantimentos [muito mais do que eles poderiam carregar em suas costas]; eles vão em direção a Valfenda, e Passolargo os conduz pela floresta para uma colina chamada Topo do Vento, que oferece uma visão de cima de uma área circunvizinha bem grande. Parece que Gandalf tinha estado lá três dias antes deles. Naquela noite eles são atacados por cinco dos Cavaleiros em uma depressão debaixo do Topo do Vento; Frodo não consegue resistir ao desejo de colocar o Anel, e imediatamente depois de fazer isso percebe que ele pode ver os Cavaleiros muito claramente apesar da escuridão. O capitão dos Cavaleiros ataca Frodo, que o golpeia nos pés mas acaba ferido e perde a consciência .

Capítulo 12: Fuga para o Vau
Passolargo faz o melhor possível para curar Frodo, mas este só poderia receber o tratamento em Valfenda, que eles deveriam alcançar o mais cedo possível. Eles cruzam o Rio Fontegris e, evitando a estrada, caminham pelos ermos e acabam alcançando a região dos trolls onde Bilbo tivera a sua primeira aventura tantos anos atrás. Eles têm que cruzar uma linha de colinas para se pôr mais perto novamente da Estrada, já que a única esperança deles de alcançar Valfenda a tempo é seguir a Estrada que cruza o rio Ruidoságua, ou Bruinen, no vau de Bruinen. Na Estrada eles conhecem Glorfindel, um Senhor Élfico que foi enviado de Valfenda para achá-los e ajudá-los. Eles se aproximam do Vau de Bruinen e são emboscados pelos Cavaleiros Negros. Frodo consegue escapar e cruzar o rio no cavalo de Glorfindel. Então uma grande inundação vem rio abaixo e leva os Cavaleiros.

[tradução de Luciano Soares e Reinaldo]

The Monster and the Critics

Os leitores que aprenderam a conhecer e amar Tolkien como contador de histórias muitas vezes acabam ignorando um aspecto tão importante de seu trabalho quanto a criação literária: o de estudioso apaixonado e erudito sagaz, que apontava novos caminhos de pesquisa e revigorava o estudo de obras fundamentais para a literatura de língua inglesa. A importância da coletânea de ensaios The Monsters & The Critics and Other Essays é grande justamente por reunir as reflexões do Professor sobre temas "acadêmicos", sem nunca deixar de lado seu talento com as palavras, seu bom humor e sua relevância para o leitor moderno.
 

Sete textos de Tolkien formam a coletânea, editada como de costume por Christopher Tolkien. Todos os ensaios, à exceção de On Translating Beowulf, foram apresentados originalmente como palestras em diversas universidades, e englobam um período que vai de 1931 a 1959.

O ensaio-título do livro, Beowulf: The Monsters and the Critics, traz as opiniões de Tolkien a respeito do Beowulf, o poema máximo do período anglo-saxão ou inglês antigo (séculos VI-X de nossa era). Logo em seguida, outro texto dedicado a esse épico: On Translating Beowulf (Sobre a tradução de Beowulf), em que o Professor disseca as complexidades da métrica anglo-saxã (que ele próprio dominava e usou em diversos poemas de O Senhor dos Anéis), e no qual ele sai em defesa do estilo "elevado" na tradução de poemas de um passado épico.

Outro poema medieval, agora do século XIV, é o tema das reflexões de Tolkien no ensaio seguinte. Trata-se de Sir Gawain e o Cavaleiro Verde, obra relacionada ao ciclo arturiano e repleta de dilemas morais e filosóficos.

O coração do livro, sem dúvida, é o texto On Fairy Stories (Sobre Contos de Fadas). Mais que um ensaio, ele é quase um manifesto das convicções de Tolkien a respeito da literatura e do papel do escritor enquanto criador de mundos e renovador da própria Existência. É leitura obrigatória para quem desejar entender a obra e a personalidade tolkieniana.

English and Welsh (Inglês e Galês) trata das influências do idioma galês na Inglaterra e das relações entre as culturas inglesa e galesa, revelando toda a paixão que Tolkien sentia por essa língua que foi a matriz para o sindarin. A Secret Vice (Um Vício Secreto) é de extremo interesse por ser uma explanação longa e detalhada do próprio Tolkien sobre seu prazer em criar línguas imaginárias (o "vício" do título). Num apêndice ao texto, somos presenteados com Markyria (O último navio), um dos maiores textos em quenya conhecidos até hoje.

Fechando a coletânea, há o Valedictory Adress (Discurso de Despedida), feito para marcar a aposentadoria de Tolkien na Universidade de Oxford. O Professor revê sua vida acadêmica, aconselha as novas gerações de Oxford e se despede com o lamento de Galdriel em Lórien e um poema em anglo-saxão que ecoa as canções dos Rohirrim.