Os Anais de Aman – Segunda Seção

The History of Middle-earth XA Valinor tem a honra de prosseguir com a publicação da tradução dos Anais de Aman, um longo registro dos acontecimentos desde a criação de Arda até a Criação do Sol e da Lua. O texto está dividido em seis partes, publicadas quinzenalmente na Valinor (a primeira se encontra aqui) e esta segunda parte engloba o período dos Anos das Árvores até o Acorrentamento de Melkor.
 
 
 
Aqui começa um novo Registro sob a Luz das Árvores
1*

$30    Por mil anos das Árvores os Valar residiram em felicidade em Valinor além das Montanhas de Aman, e toda a Terra-média estava em um crepúsculo sob as estrelas. Para lá raramente os Valar iam, exceto apenas Yavanna e Oromë, e Yavanna freqüentemente lá andava, nas sombras, lamentando porque todo o crescimento e expectativas da Primeira de Arda foram interrompidos. E ela adormeceu muitas coisas belas que surgiram durante a Primavera, tanto árvore e erva e besta e pássaro, de forma que não envelheceriam mais e aguardariam por um tempo de acordar que ainda estava por vir. Mas Melkor residia em Utumno, e não dormia, mas observava e trabalhava; e as coisas malignas que ele pervertera andavam livremente, e as escuras e dormentes florestas eram assombradas por monstros e formas aterradoras. E em Utumno ele moldou a raça de demônios que os Elfos nomeariam Balrogs. Mas estes ainda não saíam dos portões de Utumno, devido à vigilância de Oromë.

$31    Oromë amava profundamente todas as obras de Yavanna, e ele estava sempre pronto para seu chamado. E por esta razão, e porque ele de vez em quando desejava cavalgar em florestas maiores e mais extensas do que as de Valinor, ele também ia com freqüência para a Terra-média, e lá partia em caçadas sob as estrelas. Então seu cavalo branco, Nahar, brilhava como prata nas sombras; e a terra adormecida tremida sob as batidas de seus cascos dourados. E Oromë soprava seu poderoso chifre, ao som do qual as montanhas tremiam, e as coisas malignas fugiam; e Melkor se acuava em Utumno e não ousava sair. Pois é dito que ao mesmo tempo que sua malícia e a força de seu ódio aumentavam, seu coração diminuía; e com todo seu conhecimento e seu poder e seus muitos servos ele se tornou covarde, dando combate apenas àqueles de pouca força, atormentando os fracos e deixando sempre que seus escravos e criaturas fizessem seu trabalho maligno. Mesmo assim seu domínio espalhou-se para o sul sobre a Terra-média, pois após Oromë passar os servos de Melkor se reuniam novamente; e a Terra estava cheia de sombras e mentiras.

(* A lápis abaixo de "1" está "AA" (Anos das Árvores) e também "AV 3501" (Ano dos Valar). – As datas "AA" foram freqüentemente alteradas no manuscrito, e em alguns lugares é bastante difícil interpretar as mudanças; eu forneço apenas as formas finais.)

1000

$32    Veio a acontecer que os Valar realizaram um conselho, pois ficaram preocupados com as informações que Yavanna e Oromë trouxeram das Terras de Fora. E Yavanna falou ante os Valar, e predisse que a chegada dos Filhos de Ilúvatar estava se aproximando, embora a exata hora e local de suas chegadas fossem conhecidas apenas do próprio Ilúvatar. E Yavanna pediu a Manwë para fornecer luz à Terra-média, para parar os males de Melkor e confortar os Filhos; e Oromë e Tulkas falaram da mesma forma, estando ávidos por guerra com Utumno.

$33    Mas Mandos falou e disse que embora a Chegada estivesse preparada ela ainda não aconteceria por muitos Anos; e os Filhos Mais Velhos deveriam vir na escuridão e olhar primeiro para as Estrelas. Por assim fora ordenado.

$34    Então Varda se retirou do conselho, e das alturas de Taniquetil olhou para longe, e contemplou a escuridão da Terra sob as estrelas inumeráveis, fracas e distantes. Então ela começou um grande trabalho, o maior de todos os trabalhos dos Valar desde sua vinda a Arda.

1000 – 1050

$35    Então Varda pegou a luz que saía de Telperion e estava armazenada em Valinor e fez estrelas novas e mais brilhantes. E muitas das estrelas antigas ela reuniu e colocou como sinais nos céus de Arda. O maior destes era Menelmakar, o Guerreiro do Céu. Este, é dito, era um sinal de Túrin Turambar, que deveria vir ao mundo, e uma previsão da Última Batalha que deverá ocorrer ao fim dos Dias.

1050

$36    Por último Varda fez o sinal de estrelas brilhantes que é chamado de Valakirka, a Foice dos Deuses, e este ela colocou próximo ao Norte como uma ameaça a Utumno e um sinal do destino de Melkor.

$37    Naquela hora, é dito, os Quendi, os Filhos Mais Velhos de Ilúvatar, despertaram: a estes os Homens chamaram de Elfos, e muitos outros nomes. Nas Águas do Despertar, Kuiviénen, ele se levantaram do sono de Ilúvatar e seus olhos viram antes de qualquer outra coisa as estrelas do céu. Devido a isso eles sempre amaram a luz das estrelas, e reverenciaram Varda Elentárië acima de todos os Valar.

$38    Nas mudanças do mundo as formas das terras e dos mares foram quebradas e refeitas; rios não mantiveram seus cursos, nem montanhas permaneceram imóveis; e para Kuiviénen não há retorno. Mas é dito entre os Quendi que ele fica distante na Terra-média, a leste de Endon (que é o ponto central) e ao norte; e era uma baía no Mar Interno de Helkar. E que esse mar ficava onde antes ficavam as raízes da montanha de Illuin antes de Melkor derrubá-la. Muitas águas corriam ali a partir das alturas do Leste, e o primeiro som que foi ouvido pelos Elfos foi o som da água correndo, e o som da água batendo na rocha.

$39    Por longo tempo os Quendi residiram em seu primeiro lar à água sob as estrelas e andavam pela Terra maravilhados; e eles começaram a criar uma língua e dar nomes a todas as coisas que percebiam. E nomearam a si mesmos os Quendi, significando aqueles que falam com vozes; pois ainda não tinham encontrado outros seres vivos que falassem ou cantassem.

$40    A este tempo também, é dito, Melian, a mais bela dos Maiar, desejando olhar as estrelas, subiu ao Taniquetil; e repentinamente ela desejou ver a Terra-média, e deixou Valinor e caminhou ao crepúsculo.

1085

$41    E quando os Elfos já habitavam o mundo por trinta e cinco Anos dos Valar (que é como trezentos e trinta e cinco de nossos anos) aconteceu que por acaso chance que Oromë cavalgou até Endon em sua caçada, e virou para o norte no litoral de Helkar e passou sob as sombras das Orokarni, as Montanhas do Leste. E repentinamente Nahar soltou um grande relincho e estancou. E Oromë se surpreendeu e permaneceu em silêncio, e pareceu a ele que na quietude da terra sob as estrelas ele ouvia ao longe o som de muitas vozes cantando.

$42    Então foi quando os Valar finalmente encontraram, como se fosse por acaso, aqueles a quem por tanto tempo esperavam. E quando Oromë olhou para eles se maravilhou, como se eles fossem coisas imprevistas ou inimaginadas; e ele amou os Quendi, e os nomeou Eldar, o povo das estrelas.

A página do manuscrito original foi interpolada neste ponto, um trecho sendo escrito na margem, como segue:

Mas por conhecimento posterior os mestres de conhecimento dizem que infelizmente Orome não foi, possivelmente, o primeiro dos Grandes a encontrar os Elfos, pois Melkor estava vigiando, e seus espiões eram muitos. E acredita-se que se escondendo furtivamente nas próximidades seus servos desviaram alguns dos Quendi que se aventuraram mais longe, e os levaram como cativos para Utumno, e lá os escravizaram. Destes escravos é dito terem vindo os Orkor que se tornaram os principais inimigos dos Eldar. E as mentiras de Melkor rapidamente estavam espalhadas, de forma que sussurros eram ouvidos entre os Quendi, alertando-os que se algum de sua raça sumisse nas sombras e não fosse mais visto, deveriam tomar cuidado com um cavaleiro sinistro em um grande cavalo, pois era este que os capturava para devorá-los. Foi por esta razão que, com a aproximação de Oromë, muitos dos Quendi fugiram e se esconderam.

O texto original então continua, com uma nova data 1086, "Rapidamente Oromë cavalgou de volta a Valinor e levou as novidades aos Valar" (ver $46 abaixo). Mas o trecho passagem interpolada citado acima foi subseqüentemente substituído em uma nova página pela seguinte passagem longa e importante $$43-5 (encontrada no texto datilografado original):

$43    Contudo muitos dos Quendi ficaram aterrorizados à sua chegada. Isto foi feito por Melkor. Pois por conhecimento posterior os mestres de conhecimento dizem que Melkor, sempre vigilante, soube do acordar dos Quendi primeiro, e enviou sombras e espíritos malignos para vigiá-los e emboscá-los. Então veio a acontecer, alguns anos antes da chegada de Oromë, que se qualquer um dos Elfos vagasse mais longe, sozinho ou em grupo pequeno, freqüentemente sumiam e nunca retornavam; e os Quendi diziam que o Caçador os pegara, e ficavam com medo. Contudo, nas mais antigas canções de nosso povo, das quais alguns ecos ainda são lembrados no Oeste, nós ouvimos das formas de sombra que andavam nas colinas de Kuiviénen, ou que passavam repentinamente em frente às estrelas; e do Cavaleiro negro em seu cavalo selvagem que perseguia aqueles que vagavam para capturá-los e devorá-los. Pois Melkor odiava e temia grandemente as cavalgadas de Oromë, e certamente ou enviava seus servos negros como cavaleiros, ou espalhava rumores mentirosos, com o propósito de que os Quendi deveriam evitar Oromë, se porventura se encontrassem.

$44    Por isso aconteceu que, quando Nahar relinchou e Oromë de fato veio entre eles, alguns dos Quendi se esconderam, e alguns fugiram e se perderam. Mas aqueles que tiveram a coragem de permanecer perceberam rapidamente que o Grande Cavaleiro era nobre e belo e não uma sombra da Escuridão; pois a Luz de Aman estava em sua face, e todos os mais nobres dos Quendi foram atraídos em sua direção.

$45    E daqueles dignos de piedade que foram capturados por Melkor pouco é sabido com certeza. Pois quem dentre os vivos desceu às profundezas de Utumno ou explorou a escuridão dos pensamentos de Melkor? Mesmo assim isto é tido como verdade pelos sábios de Eressëa: que todos aqueles dos Quendi que acabaram nas mãos de Melkor, antes de Utumno ser quebrada, foram lá postos na prisão e por artes lentas de crueldade e maldade foram corrompidos e escravizados. Desta forma Melkor gerou a terrível raça dos Orkor em inveja e paródia aos Eldar, de quem se tornaram após isto os mais amargos inimigos. Pois os Orkor tinham vida e se multiplicavam à maneira dos Filhos de Ilúvatar; e nada do que tem vida por si mesmo, nem a aparência de vida, Melkor jamais poderia criar, desde sua rebelião no Ainulindalë antes do Começo: assim dizem os sábios. E profundamente em seus corações escuros os Orkor detestavam o Mestre a quem serviam por medo, criador apenas de suas misérias. Isto, talvez, seja o ato mais vil de Melkor e o mais odioso a Eru.

1086

$46    Oromë permaneceu por algum tempo entre os Quendi, e então rapidamente cavalgou de volta a Valinor e levou as novidades aos Valar. E ele falou das sombras que perturbavam Kuiviénen. Então os Valar sentaram em conselho e debateram longamente o que seria o melhor a fazer para proteger os Quendi; mas Oromë retornou imediatamente à Terra-média e residiu com os Elfos.

1090

$47    Manwë sentou-se por longo tempo em Taniquetil, pensando, e finalmente resolveu declarar guerra a Melkor, ainda que Arda recebesse ainda mais danos naquela batalha. Pela primeira vez, portanto, os Valar atacaram Melkor e não ele aos Valar, e partiram para a guerra em todo seu poder, e eles o derrotaram completamente. Isto eles fizeram em prol dos Elfos, e Melkor bem o sabia, e não esqueceu.

1090 – 2

$48    Melkor confrontou o ataque dos Valar no Noroeste da Terra-média, e toda aquela região foi muito destruída. E a primeira vitória das hostes do Oeste foi rápida e fácil, e os servos de Melkor fugiram deles para Utumno. Então os Valar marcharam sobre a Terra-média e montaram uma guarda sobre Kuiviénen; por isso os Quendi não souberam nada a Grande Guerra dos Deuses, exceto que a Terra mexia e gemia abaixo deles, e as águas foram movidas; e no Norte ocorriam luzes como poderosos fogos. Mas após dois anos os Valar passaram ao norte distante e começaram o longo cerco a Utumno.

1092 – 1100

$49    Aquele cerco foi longo e terrível, e muitas batalhas foram travadas ante seus portões das quais nada são conhecidas aos Quendi, além de rumores. A Terra-média foi dolorosamente sacudida àquele tempo, e o Grande Mar que a separava de Aman aumentou e se aprofundou. E as terras no Norte distante foram todas desoladas naqueles dias, e assim permaneceram para sempre; pois lá Utumno fora escavada de maneira excepcionalmente profunda, e seus poços e cavernas alcançavam longe abaixo da terra, e estavam cheios de fogos e grandes hordas dos servos de Melkor.

1099

$50    E finalmente os portões de Utumno foram quebrados e seus salões postos a céu aberto, e Melkor se refugiou no poço mais profundo. Então, vendo que tudo estava perdido (àquele tempo), ele enviou repentinamente uma horda de Balrogs, os últimos remanescentes de seus servos, e eles atacaram o estandarte de Manwe como se fossem uma onda de chamas. Mas eles foram dispersos no vento de sua fúria e mortos pelo raio de sua espada; e Melkor finalmente ficou sozinho. Então, uma vez que ele era apenas um contra muitos, Tulkas adiantou-se como campeão dos Valar e lutou com ele e jogou-o de rosto no chão e o atou com a corrente Angainor. Assim terminou a primeira guerra do Oeste no Norte.


 
Comentários sobre a segunda seção dos
Anais de Aman

(Não há notas textuais nesta seção do texto). No trecho dado acima os Anais de Aman correspondem ao início do Capítulo 3 Da Chegada dos Elfos nas outras tradições do "Silmarillion" (QS $$18-21, HoME V). Contemporânea (mais ou menos) à escrita dos Anais de Aman foi a grande revisão do Quenta Silmarillion, mas aqui a comparação deve obviamente ser restrita ao texto pré-Senhor dos Anéis, junto com AV2, registros A.V. 1000- 1990 (HoME V).
 

$30
    No AAm é recontada o colocar, por Yavanna, de um sono sobre as coisas vivas que haviam acordado na Primavera de Arda, do qual não há sinal em QS (ou em reescritas posteriores).

A criação dos Balrogs é então mencionada; e enquanto em AAm ($17) o registro das "hordas" de Melkor, espíritos "dos vazios de Ëa" e "amigos secretos e espiões entre os Maiar" e mais completo do que nas outras tradições em qualquer estágio, os Balrogs ainda continuam firmemente citados como sendo demônios de sua própria criação, e mais, tendo sido feitos em Utumno àquele tempo. Sobre a concepção dos Balrogs em AAm veja além nos $$42-5, 50 neste comentário e especialmente $30.


$31
    Que o cavalo de Oromë era branco e ferrado com ouro é dito em QS ($24) e Q ($2), mas esta é a primeira aparição do nome do Cavalo, Nahar. Oromë é aqui representado como uma presença guardiã na Terra-média, em tal extensão que os Balrogs não foram liberados de Utumno devido a ele ($30); confira com AV2 (HoME V) "Morgoth se recolhia ante seu chifre".


$$34-6
    Sobre a criação das estrelas veja $24. Aqui se encontra a afirmação digna de nota de que Menelmakar (Orion) era "um sinal de Túrin Turambar, que deveria vir ao mundo, e uma previsão da Última Batalha que deverá ocorrer ao fim dos Dias". Isto é uma referência à Segunda Profecia de Mandos (no Quenta, HoME IV):


Então deverá ser travada a última batalha sobre os campos de Valinor. Naquele dia Tulkas lutará com Melkor, e à sua direita estará Fionwë e à sua esquerda estará Túrin Turambar, filho de Húrin, Conquistador do Destino; e será a espada negra de Túrin que trará a Melkor sua morte e fim definitivo; e então os filhos de Húrin e todos os homens estarão vingados.

 
O nome em Quenya Menelmacar é mencionado no Apêndice E (I) dO Senhor dos Anéis; nA Sociedade do Anel aparece a forma Sindarin: "o Guerreiro do Céu, Menelvagor, com seu cinto brilhante".


$37
    Que os Elfos acordaram ao primeiro brilhar da Foice dos Valar é dito em AV2 (HoME V); "ao surgirem as primeiras estrelas", QS $20.


$38
    A referência ao local de Kuiviénen é interessante. Sobre isso nada mais é dito na outra tradição além de que ficava "no Leste da Terra-média" (QS $20, preservado nos textos posteriores). No AAm Kuiviénen fica a Nordeste de Endon, o ponto central. Na lista de nomes acompanhando o Ambarkanta (HoME IV) aparece "ambar-endya ou Terra Média da qual Endor é o ponto central", e Endor está escrito sobre o centro da terra do meio nos diagramas do Ambarkanta (HoME IV) – no mapa (HoME IV) é marcado como um ponto: "Endor meio da Terra", e aqui é corrigido para Endon, a forma na presente passagem do AAm, embora mais tarde tenha voltado novamente para Endor (e da mesma forma na versão datilografada de AAm meu pai corrigiu Endon para Endor e em $41). Ver HoME IV.

No AAm Kuiviénen era "uma baía no Mar Interno de Helkar"; em QS ele é "o lago iluminado por estrelas" (e também no Q), o que é mantido nos textos posteriores. No mapa do Ambarkanta ele é mostrado no Nordeste de Endor (Endon), e está marcado no lado mais a leste do Mar de Helkar; no texto ele está "ao lado das águas de Helkar" (HoME IV). Não está claro se estas várias afirmações mostram uma mesma concepção. Aqui no AAm há a primeira referência ao Mar de Helkar (formado após a queda da Lâmpada do norte) desde o Ambarkanta - em cujo texto a própria Lâmpada é chamada Helkar; ver HoME IV.


$39
    Compare com QS $20: "Por algum tempo [Oromë] residiu entre eles, e ensinou-lhes o idioma dos Deuses, a partir do qual mais tarde fizeram a bela fala Élfica" e o Lhammas (HoME V): "dele [Oromë] aprenderam segundo sua capacidade a fala dos Valar, e todas as línguas que derivaram daí podem ser chamadas Oromianas ou Quendianas". E agora é dito no AAm que os Quendi desenvolveram sua própria linguagem, e que eles deram nomes "a todas as coisas que percebiam", antes mesmo de Oromë chegar até eles (que foi 335 Anos do Sol depois de seu despertar). Confira o Conto de Gilfanon no Livro dos Contos Perdidos (HoME I): "Os Eldar ou Quendi receberam o dom da fala diretamente de Ilúvatar".


$40
    Este parágrafo foi interpolado no manuscrito; ele aparece na versão datilografada original. A datação da partida de Melian a este tempo deriva dos Anais de Valinor (HoME IV, HoME V); no QS ($31) é dito que ela "freqüentemente partia de Valinor em longas jornadas nas Terras Daqui". O significado das palavras do AAm, de que Melian, "desejando olhar as estrelas, subiu ao Taniquetil", presumivelmente é de que ela subiu na encosta leste do Taniquetil, de onde a luz das Árvores ficava oculta.


$41
    Conforme comentado em HoME IV, a afirmação de que Oromë "virou para o norte no litoral de Helkar e passou sob as sombras das Orokarni, as Montanhas do Leste" concorda perfeitamente com o mapa do Ambarkanta (IV.249; no mapa as Orokarni são chamadas Montanhas Vermelhas).

"Ele ouvia ao longe o som de muitas vozes cantando": compare com QS $20: "E Oromë chegou junto a eles… enquanto eles permaneciam ainda silenciosos sob o lago iluminado pelas estrelas, Kuiviénen". Veja $39 acima.


$42
    QS ($20) tem aqui a extraordinária afirmação de que "Oromë ao olhar para os Elfos se encheu de amor e maravilhamento; pois a chegada deles não estava na Música dos Ainur, e estava escondida no pensamento secreto de Ilúvatar"; veja minha discussão sobre este trecho, HoME V.

Sobre a história do significado do nome Eldar veja as referências a isto dadas sob a entrada Eldar no Índice do HoME V


$42-5
    A origem dos Orcs. A primeira aparição da idéia de que suas origens estavam conectadas com os Elfos é no QS $18, e mais tarde em QS ($62) é dito que quando Morgoth retornou à Terra-média após a destruição das Árvores

 
ele trouxe à existência a raça dos Orcs, e eles cresceram e se multiplicaram nas entranhas da terra. Estes Orcs Morgoth fez por inveja e para desdenhar os Elfos, e eles eram feitos de pedra e seus corações de ódio.

(Sobre as visões mutáveis de meu pai com relação ao tempo da origem dos Orcs na cronologia dos Dias Antigos veja HoME IV, HoME V). Na interpolação do manuscrito AAm e na sua subseqüente reescrita e ampliação que aparece, junto com a história do Cavaleiro que os rumores afirmavam carregar os Quendi caso eles se perdessem, a teoria de que Melkor gerou os Orcs (aqui chamados Orkor) "em inveja e paródia aos Eldar" a partir dos Quendi escravizados no leste da Terra-média antes mesmo de Oromë chegar entre eles. É explícito ($45) que Melkor não poderia fazer nada que tivesse vida própria desde sua rebelião; mas isto está em aguda contradição com $30, onde é dito que "Utumno ele moldou a raça de demônios que os Elfos nomeariam Balrogs". Não acredito que a interpolação na qual a primeira destas afirmações aparece foi feita depois de um longo intervalo: as visões de meu pai sobre o assunto parecem ter mudado rapidamente, e um registro diferente da origem dos Balrogs é encontrado no logo abandonado texto datilografado que eu chamei AAM* (ver $30). A retenção da afirmação em $30, apesar de sua contradição com aquela em $45, foi devida sem dúvida a um erro não intencional, e ambas aparecem no texto datilografado principal de AAm – veja mais sobre a questão da origem dos Orcs em $127 e no Mitos Transformados.


$47
    As palavras "Pela primeira vez, portanto, os Valar atacaram Melkor e não ele aos Valar" mostra que a história do Ainulindalë de que os Valar teriam ido contra ele a partir de Valinor após a queda das Lâmpadas foi abandonada ($22)


$49
    Sobre as mudanças na Terra ao tempo da Grande Guerra dos Deuses como descritas no Ambarkanta ver HoME IV. Enquanto os dois textos não são necessariamente contraditórios, é curioso que deva ser dito no AAm que a este tempo "o Grande Mar que a separava [Terra-média] de Aman aumentou e se aprofundou" pois no Ambarkanta (HoME IV e ver também o mapa) a largura muito maior do Mar Ocidental do que o do Oriental veio a acontecer à época da fundação de Valinor:

    Para suas proteções adicionais os Valar lançou a Terra-média do centro para o leste, de forma que ficou desequilibrada, e o grande mar do Oeste é bastante largo no meio, o mais largo de todas as águas da Terra. A forma da Terra no Leste era muito parecida com a do Oeste, exceto pelo estreitamento do Mar Oriental, e o deslocamento da terra para aquele lado.


$50
    É notável que os Balrogs continuassem a este tempo, quando O Senhor dos Anéis já fora completado, a ser concebidos como tendo existido em números muito grandes (Melkor enviou repentinamente "uma horda de Balrogs"); ver $50


*

O texto datilografado (AAm*) que meu pai começou mas logo abandonou continua um pouco além do ponto atingido na primeira seção. Diferenças significativas do AAm são as que se seguem:


$30
    … Mas Melkor residia em Utumno, e não dormia, mas observava e trabalhava; e quaisquer bem que Yavanna trabalhar nas terras ele desfazia se pudesse, e as coisas malignas que ele pervertera andavam livremente, e as escuras e dormentes florestas eram assombradas por monstros e formas aterradoras. E em Utumno ele multiplicou a raça de espíritos malignos que o seguiram, os Úmaiar, de quem o chefe eram aqueles demônios a quem os Elfos mais tarde nomearam os Balrogath. Mas estes ainda não saíram dos portões de Utumno, devido ao seu medo de Oromë.

A parte final deste trecho é de muito interesse pois mostra um destacado desenvolvimento da idéia de que Melkor "fez" os Balrogs a este tempo. Eles agora se tornaram "espíritos malignos (Úmaiar) que o seguiram" – mas ele podia "multiplicá-los". O termo Úmaiar, não visto antes, está para Maiar assim como Úvanimor para Vanimor (ver HoME IV, nota de rodapé).


$31
    … e lá partia em caçadas sob as estrelas. Ele tinha grande amor por cavalos e cães de caça, mas todas as bestas estavam em seu pensamento, e ele caçava apenas os monstros e criaturas caídas de Melkor. Se ele os visualizava de longe ou seus grandes cães de caça os farejavam, então seu cavalo branco, Nahar, brilhava como prata enquanto corria através das sombras, e a terra dormente tremia com as batidas de seus cascos dourados. E ao mort Oromë iria soprar seu grande chifre, até as montanhas tremerem…
mort: o toque soprado na morte da caça

… e deixando que seus escravos fizessem seu trabalho maligno. [seus escravos e criaturas, AAm]


$32
    Veio a acontecer que que Manwë convocou os Valar para um conselho, pois eles ficaram preocupados com as informações que Yavanna e Oromë trouxeram das Terras de Fora, dizendo que se Melkor fosse deixado continuar a trabalhar sua vontade sem ser molestado, toda a Terra-média cairia em ruína irrecuperavelmente; e Manwë sabia que a chegada dos Filhos de Ilúvatar estava se aproximando, embora a exata hora e local de suas chegadas fosse conhecidas apenas do próprio Ilúvatar. E Manwë falou disso aos Valar; e Yavanna que a ele que desse luz à Terra-média, para parar os males de Melkor e dar conforto aos Filhos; e

Aqui o texto datilografado de AAm* acaba, ao pé de uma página. Uma vez mais, o que começou como uma cópia estava mudando com ordenada velocidade em uma nova versão. Mas não vejo razão para pensar que qualquer trecho extra jamais tenha existido.


*

Restam ser consideradas umas poucas alterações tardias rabiscadas e notas feitas em uma ou outra cópia da versão datilografada do texto todo.


$$38, 41
        Endon > Endor (ver $38).


$42
    ’e os nomeou Eldar, o povo das estrelas’ > ‘e os nomeou o povo das estrelas’. Na margemn meu pai escreveu (isto é, com referência ao texto original): ‘mas ele não podia – [?como isso] era Quenya tardio’.


$43
    Ao lado do meio deste parágrafo há uma nota na margem: ‘Alterar isso. Orcs não são Élficos’. Ver pp. 408 e seguintes.


$50
    ’uma horda de Balrogs, os últimos remanescentes de seus servos’ > ‘uma horda de Balrogs, os últimos de seus servos que permaneceram fiéis a ele’. Na margem meu pai escreveu: ‘Não se deve supor que mais do que digamos 3 ou no máximo 7 jamais existiram’. Ver $50.

Comentários