thumb_cartas_tolkien1.jpg

Carta #211

[Rhona Beare escreveu fazendo várias perguntas, para que ela pudesse passar as respostas de Tolkien aos companheiros em um encontro de admiradores de O Senhor dos Anéis. Por que, ela perguntou, Sam fala a prece Élfica como “O Elbereth Gilthoniel” no capítulo “As Escolhas de Mestre Samwise” quando em outro lugar a forma usada “A Elbereth Gilthoniel”? (Era esta a grafia usada na primeira edição do livro.) Qual é o significado desta prece, e das palavras de Frodo no capítulo anterior, “Aiya Eärendil Elenion Ancalima!”? Senhorita Beare fez então uma série de perguntas numeradas. ” Pergunta 1 “: Por que (I – Fuga para o Vau) o cavalo de Glorfindel é descrito como tendo “rédeas e arreios” quando elfos montam sem arreios, rédeas ou selas? ” Pergunta 2 “: Como Ar-Pharazôn pode derrotar Sauron quando Sauron tinha o Um Anel?  ” Pergunta 3 “: Quais eram as cores dos dois magos mencionados mas não nomeados no livro? ” Pergunta 4 “: Que roupas os povos da Terra-média vestiam? A coroa alada de Gondor era como de uma Valquíria, ou como a ilustrada na embalagem do cigarro Gauloise? Explique o significado de El – em Elrond, Elladan, Elrohir; quando El- significa “elfo” e quando “estrela”? Explique o significado do nome Legolas. O Rei-bruxo montou um pterodáctilo no cerco de Gondor? ” Pergunta 5 “: Quem é o Antigo Rei mencionado por Bilbo em sua canção de Eärendil? Ele é o Um?]

14 outubro 1958 Faculdade de Merton, Oxford,

Cara Senhorita Beare,

Temo que esta resposta chegue muito tarde para ser útil ao evento; mas não foi possível escrever antes. Só agora voltei de minha licença de um ano, cujo objetivo era me permitir completar alguns dos “trabalhos de estudo” negligenciados durante minha preocupação com ninharias não profissionais (como O Senhor dos Anéis): eu recordo o tom de muitos de meus colegas. De fato o tempo esteve principalmente tomado com problemas graves, incluindo a enfermidade de minha esposa; mas passei todo o mês de agosto trabalhando por longas horas, sete dias por semana, contra o tempo, para terminar uma parte do trabalho antes de ir para a Irlanda a negócios profissionais. Só voltei alguns dias atrás, bem a tempo para nossa Festa de São Miguel.

Em uma calmaria momentânea tentarei responder suas perguntas brevemente. Eu não “sei todas as respostas”. Muito de meu próprio livro me confunde; e seja como for muito dele foi escrito tanto tempo atrás (algo em torno de 20 anos) que leio-o agora como se fosse de uma mão estranha.

O uso de O no Livro II cap. 10 é um erro. Meu de fato, assumido da pág. 770, onde Gilthoniel O Elbereth é, evidente, uma cotação do Livro I pág. 82, que era uma “tradução”, inglês em tudo menos nomes próprios. Porém, a prece de Sam está em puro Élfico e deveria ter tido A como no Livro I pág. 246. Considerando que a língua-hobbit é representada como inglês, O poderia ser justificado como uma inexatidão própria dela; mas não me proponho defender isto. Ele foi “inspirado” a fazer esta prece em um idioma que ele não sabia (II 770). Sendo assim, é claro, no estilo e métrica do fragmento de prece, acho que está composto ou inspirado para sua situação em particular.

Significa, mais ou menos: “O Elbereth Inflamadora (no tempo passado: o título pertence a pré-história mítica e não se refere a uma função permanente) do céu contempla ao longe, para ti eu grito agora na sombra (do medo) da morte. Olhai por mim, O Semprebranca!”. Semprebranca é uma tradução inadequada; como é igualmente branca-de-neve do I pág. 81. O elemento ui (oio do Élfico Primitivo) significa sempre; tanto fan- e los(s) conduzem a branco, mas fan conota a brancura das nuvens (ao sol); loss se refere a neve.

Amon Uilos, em Alto-Élfico Oiolosse, era um dos nomes do cume mais alto das Montanhas de Valinor, na qual Manwë e Varda moravam. De forma que um Elfo usando ou ouvindo o nome Fanuilos, não pensaria (ou figuraria) só uma figura majestosa vestida de branco, de pé em um lugar alto e contemplando ao leste para as terras mortais, ele iria ao mesmo tempo imaginar um imenso pico, coberto de neve, coroado com uma nuvem branca fria ou brilhante.

Ancalima = “excessivamente claro”. Elemento kal a raiz habitual para palavras que se referem a luz; kalima, “brilhando claro”; an- superlativo ou prefixo intensivo.

Pergunta 1. Eu poderia, suponho, responder: “um ciclista performático pode dirigir uma bicicleta com guidões!” Mas de fato rédea era normalmente e descuidadamente usada para o que suponho deveria ter sido chamada uma testeira (1). Ou ainda, uma vez que aquela parte foi adicionada há muito tempo (o Capítulo 112 foi escrito muito cedo) eu não tinha considerado os costumes naturais de elfos com animais. O cavalo de Glorfindel teria uma testeira ornamental, que levaria uma pluma, e com as correias incrustadas com jóias e sinos pequenos; mas Glor. certamente não usaria um freio. Eu mudarei rédea e freio para testeira.

Pergunta 2. Esta pergunta, e suas implicações, é respondida em “A Queda de Númenor” que ainda não está publicada, mas que não posso fazê-lo agora. Você não pode exigir muito do Um Anel, por ele ser é claro uma característica mítica, mesmo porque o mundo dos contos é concebido em termos mais ou menos históricos. O Anel de Sauron é apenas um dos vários tratamentos míticos de colocar a vida de alguém, ou poder, em algum objeto externo, o qual esteja mesmo assim exposto a captura ou destruição com resultados desastrosos para si mesmo. Se eu fosse “filosofar” este mito, ou ao menos o Anel de Sauron, deveria dizer que foi um modo mítico de representar a verdade que potencia (ou talvez preferivelmente potencialidade) se for exercitada, e produz resultados, tem que ser externalizada e então passa, em um grau maior ou menor, além do controle direto da pessoa. Um homem que deseja mostrar ” poder” têm que ter servos, que não são como ele. Mas ele depende então deles.

Ar-Pharazôn, como é contado na “Queda” ou Akallabêth, derrotou servos aterrorizados de Sauron, não Sauron. A “rendição” pessoal de Sauron foi voluntária e astuta: ele conseguiu transporte de graça para Númenor! Ele naturalmente tinha o Um Anel, e assim muito cedo dominou as mentes e vontades da maioria dos Númenorianos. (Eu não acho que Ar-Pharazôn sabia qualquer coisa sobre o Um Anel. Os Elfos mantiveram o assunto dos Anéis em segredo absoluto, tanto quanto eles puderam. Em todo caso Ar-Pharazôn não estava em comunicação com eles. No Conto de Anos você achará pistas do problema: “a Sombra cai sobre Númenor”. Depois de Tar-Atanamir (um nome Élfico) o próximo nome é Ar-Adunakhôr um nome Númenoriano. Veja pág. 315 (2). A mudança dos nomes foi com uma completa rejeição da amizade dos elfos, e do aprendizado “teológico” que os Númenorianos tinham recebido deles.)

Sauron foi derrotado primeiro por um “milagre”: uma ação direta de Deus o Criador, mudando a forma do mundo, quando foi invocado por Manwë: veja III pág. 1099. Embora reduzido a “um espírito de ódio transportado por um vento escuro”, não acho que este espírito hesite em levar o Um Anel, no qual o seu poder de dominar mentes agora depende tanto. Que Sauron não tenha sido destruído na raiva do Único não é culpa minha: o problema do mal, e sua tolerância aparente, é um problema permanente para todos que se preocupam com nosso mundo. O indestrutibilidade de espíritos com vontades próprias, até mesmo pelo Criador deles, também é uma característica inevitável, se qualquer um acredita na existência deles, ou inventa-o em uma história.

Sauron ficou, é claro, “confuso” pelo desastre, e enfraquecido (tendo gasto energia enorme na corrupção de Númenor). Ele precisou de tempo para sua própria reabilitação corpórea, e para obter controle sobre seus ex-servos. Ele foi atacado por Gil-galad e Elendil antes que sua nova dominação fosse completamente estabelecida.

Pergunta 3. Eu não nomeei as cores, porque eu não as sei (3). Eu duvido que se eles tivessem cores distintas. A distinção só foi requerida no caso dos três que permaneceram na área relativamente pequena do Noroeste. (Sobre os nomes ver Pergunta 5) Realmente não sei claramente nada sobre os outros dois – uma vez que eles não dizem respeito a história do Noroeste. Acho que eles foram como emissários para regiões distantes, Leste e Sul, longe do alcance Númenoriano: missionários para terras “ocupadas pelo inimigo”, como eram. Que sucesso tiveram que eu não sei; mas eu temo que eles falharam, assim como Saruman, embora indubitavelmente de diferentes modos; e suspeito que eles foram fundadores ou iniciantes de cultos secretos e tradições “mágicas” que sobreviveram à queda de Sauron.

Pergunta 4. Não sei o detalhe das roupas. Eu visualizo com grande clareza e detalhe a paisagem e objetos “naturais”, mas não artefatos. Pauline Baynes tirou sua inspiração para Farmer Giles em grande parte de desenhos medievais – com exceção dos cavaleiros (que são um pouco “Rei-Arthurianos”) o estilo parece ajustar-se bem o bastante. A não ser a masculina, especialmente em partes do norte como o Condado, usariam calções, Ã s vezes escondidos por uma capa ou longo manto, ou somente acompanhado por uma túnica.

Não tenho dúvida de que na área relatada por minha história (que é grande) a “vestimenta” de vários povos, Homens e outros, era muito diversificada na Terceira Era, de acordo com clima, e costume herdado. Como foi nosso mundo, até mesmo se nós só consideramos a Europa e o mediterrâneo e o muito próximo “Leste” (ou Sul), antes da vitória no nosso tempo do estilo menos adorável de vestimenta (especialmente masculino e “neutro”) que a história registrada revela – uma vitória que ainda continua, até mesmo entre aqueles que na maioria odeiam as terras de sua origem. Os Rohirrim não eram “medievais”, em nosso sentido. Os estilos da Tapeçaria Bay eux(feita na Inglaterra) ajustam-se bem, se lembrar-se que o tipo de malha dos soldados parecem estar usando é só um rude sinal convencional para as cotas de elos pequenos.

Os Númenorianos de Gondor eram orgulhosos, peculiares, e arcaicos, e acho que são melhor retratados em (digamos) termos Egípcios. Em muitas formas eles se assemelham aos “Egípcios” – o amor, e poder para construir, o gigantesco e volumoso. E no seu grande interesse em ascendência e em tumbas. (Mas não é claro em “teologia”: nesse respeito eles eram Hebraicos e até mesmo mais puritanos – mas isto levaria muito tempo para descrever: explicar realmente porque não há praticamente nenhuma “religião”, ou mesmo atos religiosos ou lugares ou cerimônias entre os “bons” ou povos anti-Sauron em O Senhor dos Anéis.) Acho que a coroa de Gondor (o Reino do Sul) era muito alta, assim como no Egito, mas com asas fixadas, não para trás mas em um ângulo.

O Reino do Norte tinha só uma tiara (III 1105). conforme a diferença entre o reinos N. e S. do Egito.

El. Dificuldade em distinguir “estrela” e “elfo”, uma vez que são derivados do mesmo elemento básico EL “estrela”; como o primeiro elemento em compostos el- pode significar (ou pelo menos simboliza) ambos. Como uma palavra separada “estrela” era *elen, plural *eleni em Élfico primitivo. Os Elfos foram chamados eleda/elena “um Elfo (Alto-élfico Elda)” porque eles foram encontrados pelo Vala Oromë em um vale sob a luz das estrelas; e eles sempre permaneceram amantes das estrelas. Mas este nome foi especialmente ligado àqueles que eventualmente marcharam para Oeste guiados por Oromë (e a maioria passou para Além Mar).

As formas em Élfico-Cinzento (Sindarin) deveriam ter sido êl, pl. elin; e eledh (pl. elidh). Mas o último termo não era mais usado entre os Elfos-Cinzentos (Sindar) que não atravessaram o Mar; embora permanecesse em alguns nomes próprios como Eledhwen, “beleza Élfica”. Depois do retorno em exílio dos Noldor (parte dos Altos-Elfos), o Alto-Élfico elda foi assumido novamente pelos Elfos-Cinzentos como eld>ell, e se referia aos Altos-Elfos exilados. Esta é, sem dúvida, a origem de el, ell- em tais nomes como Elrond, Elros, Elladan, Elrohir.

Elrond, Elros. *rondo era uma palavra Élfica primitiva “caverna”. Conf. Nargothrond (caverna fortalecida pelo R. Narog), Aglarond, etc. *rosse significava “orvalho, respingo (de cascata ou fonte)”. Elrond e Elros, filhos de Eärendil (amante do mar) e Elwing (espuma élfica), foram assim chamados, porque eles foram levados pelos filhos de Fëanor, no último ato da contenda entre a casa dos alto-elfos dos príncipes Noldorin a respeito das Silmarils; a Silmaril resgatada de Morgoth por Beren e Lúthien, e dada ao Rei Thingol pai de Lúthien, herdada por Elwing filha de Dior, filho de Lúthien. As crianças não foram mortas, mas deixadas como “bebês na floresta”, em uma caverna com uma queda d´água na entrada. Lá eles foram achados: Elrond dentro da caverna, e Elros que chapinhava na água.4

Elrohir, Elladan: estes nomes, dados aos filhos por Elrond, referem-se ao fato de serem “meio-elfos” (III 1096): eles tinham antepassados mortais como também elfos em ambos os lados; Tuor no lado de seu pai, Beren na mãe. Ambos significam elfo+homem. Elrohir poderia ser traduzido “Elfo-cavaleiro”; rohir que é uma forma mais recente de rochir “senhor do cavalo” de roch “cavalo” + hir “mestre”: Élfico primitivo rokko e kher ou kheru: Alto-élfico: rocco, her (heru). Elladan poderia ser traduzido como “Elfo-Númenoriano”. Adan (pl. Edain) era a forma Sindarin para o nome dado os “pais dos homens”, os membros das Três Casas dos amigos-dos-elfos, cujos sobreviventes se tornaram os Númenorianos depois, ou Dún-edain.

Legolas quer dizer “folhas-verdes”, um nome de bosque – forma dialetal do Sindarin puro laegolas: *lasse (Alto-élfico lasse, S. las(s)) “folha”; *gwa-lassa/*gwa-lassie “coleção de folhas, folhagem” (A.E. olassie, S. golas, -olas); *laika “verde” base LAY- como em laire “verão” (A.E. laica, S. laeg (raramente usado, normalmente substituído por calen), base do bosque).

Pterodáctilo. Sim e não. Eu não pretendi que a montaria do Rei-Bruxo fosse o que é chamado agora um “pterodáctilo”, e frequentemente é desenhado (com muito menos evidência sombria que reside por trás de muitos monstros da nova e fascinante mitologia semi-científica da “Pré-História”). Mas obviamente é pterodáctilo e deve muito à nova mitologia, e sua descrição provê até mesmo um tipo de meio no qual poderia ser um último sobrevivente de eras geológicas mais antigas.5

Pergunta 5. Manwë, marido de Varda; ou em Élfico-cinzento Manwë e Elbereth. Desde que os Valar não tinham nenhum idioma próprio, não precisando de um, eles não tinham nomes “verdadeiros”, só identidades, e seus nomes foram conferidos a eles pelos Elfos, sendo em origem portanto, como eram, “apelidos”, referentes a alguma peculiaridade notável, função, ou ação. (O mesmo é verdadeiro sobre os “Istari” ou Magos que eram emissários dos Valar, e da sua espécie). Por conseguinte cada identidade tinha vários “apelidos”; e os nomes dos Valar não eram necessariamente relacionados em idiomas de Élficos diferentes (ou idiomas dos Homens que derivaram seu conhecimento dos Elfos). (Elbereth e Varda “Senhora das Estrelas” e “Enaltecida” não são palavras relacionadas, mas referem-se à mesma pessoa.) Manwë (Ser Santificado) era Senhor dos Valar, e logo o maior ou Mais Antigo Rei de Arda. Arda “reino” foi o nome dado para nosso mundo ou terra, como sendo o lugar, dentro da imensidão de Eä, selecionado para ser a morada e domínio especial do Rei – por causa de seu conhecimento sobre os Filhos de Deus que apareceriam lá. No mito cosmogônico é dito que Manwë é “irmão” de Melkor que é eles eram contemporâneos e equivalentes em poder na mente do Criador. Melkor se tornou o rebelde, e o Diabo destes contos, que disputou o reino de Arda com Manwë. (Ele era normalmente chamado Morgoth em Élfico-cinzento).

O Único não habita fisicamente qualquer parte de Eä.

Devo dizer que tudo isso é “mítico”, e nenhum novo tipo qualquer de religião ou visão. Até onde eu sei isso é uma invenção imaginativa, que expressa, no único modo que posso, algumas de minhas (sombrias) apreensões do mundo. Tudo que eu posso dizer é que, se fosse “história”, seria difícil de ajustar as terras e eventos (ou “culturas”) em tais evidências como nós possuímos, arqueológica ou geológica, relativa a parte mais próxima ou remota do que é chamado hoje Europa; por exemplo, embora o Condado esteja expressamente declarado ter estado nesta região(Prólogo pp. 2 e 3).6 Eu poderia ter adequado as coisas com maior detalhamento, se a história não tivesse se tornado tão desenvolvida, antes que pergunta me ocorresse. Eu duvido se haveria muito a se ganhar com isso; e eu espero que o, evidentemente longo mas indefinido, lapso de tempo entre a Queda de Barad-dûr e nossos Dias seja suficiente para “credibilidade” literária, até mesmo para os leitores familiarizados com o que é conhecido ou imaginado de “pré-história “.

Eu, suponho, construí um tempo imaginário, mas mantive meus pés em minha própria mãe-terra como lugar. Prefiro isso ao modo contemporâneo de buscar mundos distantes no “espaço”. Entretanto é curioso, eles são estrangeiros, e não dignos do amor daqueles do mesmo sangue. O termo Terra-média não é (a propósito, se tal nota for necessária) minha própria invenção. É uma modernização ou alteração (Dicionário do Novo Inglês “uma perversão”) de uma palavra antiga para o mundo habitado dos Homens, o oikoumene: média porque pensava-se vagamente que estava situada entre os Mares e (na imaginação do norte) entre o gelo do Norte e o fogo do Sul. Middan-geard (inglês antigo), midden-erd, middle-erd (inglês medieval). Muitos revisores parecem assumir que a Terra-média é outro planeta!

Teologicamente (se o termo não for muito grandioso) eu imagino que o quadro seja menos dissonante daquele que alguns (incluindo eu mesmo) acreditem ser verdadeiro. Mas desde que eu deliberadamente escrevi um conto, o qual é construído deliberadamente com ou sem certas idéias “religiosas”, mas não é uma alegoria delas (ou qualquer outra coisa), e não as menciona abertamente, muito menos pregam-nas, não começarei agora a descrevê-las, e me arriscar em pesquisas teológicas das quais não tenho condições. Mas eu poderia dizer que se o conto é “sobre” qualquer coisa (outra senão ele mesmo), não é sobre “poder” como parece amplamente suposto. Busca-pelo-Poder é só o motivo que determina como os eventos ocorrerão, e é relativamente sem importância, eu penso. Está principalmente relacionado a Morte, e Imortalidade; e as “fugas”: longevidade contínua, e armazenamento de lembrança.

Sinceramente

J. R. R. Tolkien.

Notas do Autor

1. Esta leitura foi adotada em impressões posteriores.

2. No Apêndice A de O Senhor dos Anéis (p. 1097) o Rei de Númenor precedendo Ar-Adûnakhôr era Tar-Calmacil; a menção aqui de Tar-Atanamir parece ser nada mais que um deslize. Ver p. 252 de Contos Inacabados.

3. Em outra ocasião Tolkien chamou os outros dois magos de Ithryn Luin, os Magos Azuis; ver p. 428 de Contos Inacabados.

4. No Índice de O Silmarillion os nomes Elrond, Elros, e Elwing são traduzidos como “Abóbada de Estrelas”, “Espuma de Estrelas”, e “Respingo de Estrelas”. Estas interpretações dos nomes são mais recentes que as apresentadas na presente carta.

5. Este parágrafo foi retirado de um outro texto da carta (um rascunho). A versão enviada é mais breve neste ponto.

6. “… mas as regiões habitadas pelos Hobbits dessa época são sem dúvida as mesmas onde eles ainda permanecem: o Noroeste do Velho Mundo, a Leste do Mar. “

Comentários

  1. Muito interessante! É incrível como o mundo se expandiu tanto que até o próprio Tolkien “perdeu” o controle sobre ele. E Essa história de Gondor = Egito?? Nunca tinha pensado nisso.