Arquivo da categoria: Elenco

Morre Sir Christopher Lee, aos 93 anos

É com profundo pesar que anunciamos a morte do ícone do cinema Sir Christopher Lee, aos 93 anos. Lee morreu em um hospital de Londres, onde estava internado devido a insuficiência respiratória e cardíaca, informou o The Telegraph. Também segundo o noticiário britânico, a morte de Christopher Lee aconteceu no último domingo, dia 07 de junho, devido a complicações desse quadro. No entanto, a informação somente foi divulgada à imprensa hoje, 11/06. Continue lendo

A Vida Pós-SdA: Orlando Bloom

orlando_bloom_total.jpg
Orlando Jonathan Blanchard Bloom completou 30 anos em 2007 (é de 13 de
janeiro de 1977) e, apesar de sua dislexia, conseguiu se tornar ator e
mais, um ator que aparece em quatro do quinze filmes com maior
bilheteria em toda a história. E a explosão de popularidade aconteceu
justamente com "O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel" em 2003.
 

Trabalhos Pós-SdA
Após o trabalho em "O Senhor dos Anéis", pelo qual recebeu prêmios de melhor elenco mas nunca um prêmio individual, Orlando Bloom estrelou a trilogia "Piratas do Caribe", ao lado de Keira Knightley e Johnny Depp, onde arrematou U$ 2,5 bilhões para seus já impressionates números. Além disso, ele fez o papel principal em dois blockbusters do Cinema, Kingdom of Heaven e Troy.

Também participou de produções menos conhecidas como Ned Kelly, The Calcium Kid, Elizabethtown, Love and Other Disasters e Haven, fazendo uma média de dois filmes por ano, além de aparecer na série de humor "Extras" onde representou uma versão narcisista e arrogante de si mesmo que absolutamente detesta Johnny Depp.


Prêmios e Destaques
Em 2002 ele foi escolhido pela Teen People como um das "Mais Quentes Estrelas com Menos de 25" e foi consagrado pela People como o mais "quente" solteiro de Hollywood na lista de 2004. Mas, apesar disso, ele não recebeu maiores indicações a prêmios (nem prêmios) por atuações pessoais nos filmes em que atuou.

Os filmes dos quais participou arrecadaram mais de U$ 6,2 bilhões mundialmente e ele está presente em 5 dos 15 filmes com maior bilheteria na história do cinema. Em 2006 ele foi a pessoa do sexo masculina mais procurada no Gooogle News.

        
Futuro Profissional
Bloom, que tem a intenção de se tornar um ator de tetro após se graduar na Guildhall School of Music and Drama, afirmou que gostaria de deixar os filmes por algum tempo e aparecer em papeis nos palcos, e está "avidamente procurando pelo tipo certo de material com o qual ele possa fazer algo" e "retornar ao básico". Bloom atualmente está participando de um Londoin revival de "In Celebration", uma peça de David Storey. Seu personagem é um de três irmãos que retornam para casa para o aniversário de 40 anos de casamento de seus pais. Em 24 de agosato de 2007 ele fez sua primeira aparição em um comercial de TV, tarde da noite na TV japonesas, promovendo a marca Uno de cosméticos, de Shiseido. Uma versão "uma única noite" de 2 minutos  do comercial, com temática sci-fi, deu início à campanha de marketing dos produtos.

Filmografia pós-SdA
2003    Pirates of the Caribbean: The Curse of the Black Pearl, como Will Turner     
        Ned Kelly, como Joe Byrne
2004    Troy, como Paris     
2005    The Calcium Kid, como Jimmy Connelly
        Elizabethtown, Drew Baylor     
        Kingdom of Heaven, como Balian of Ibelin     
2006    Love and Other Disasters, Hollywood Actor playing Paolo
        Haven, como Shy
        Pirates of the Caribbean: Dead Man’s Chest, como Will Turner     
2007    Pirates of the Caribbean: At World’s End, como Will Turner

Está envolvido com a obra de Tolkien desde 1999 – fundador da Calaquendi, fundador da Valinor, fundador do Conselho Branco (Sociedade Tolkien) e presidente por três mandatos. Participou da publicação em livro do Curso de Quenya e é autor do Modo Tengwar Português

A Vida Pós-SdA: Ian McKellen

A Valinor começa hoje uma série de artigos "A Vida Pós-SdA" onde
acompanharemos um pouco da vida pós-Senhor dos Anéis dos atores que
interpretaram no cinema os personagens principais na trilogia de Peter
Jackson. O primeiro ator retratado é Sir Ian "Gandalf" McKellen, cuja
biografia completa pode ser conferida aqui mesmo na Valinor.
 
 

ianmckellen_aknightout.jpgNascido em 25 de Maio de 1939 Sir Ian McKellen completou 69 anos em 2007 e continua levando uma vida bastante ativa em três áreas principais: Teatro, Cinema e Defesa do Direito dos Homossexuais.


Teatro
Desde 1994 McKellen trabalha em uma peça de um homem só chamada, A Knight Out. A peça obteve grande sucesso e continua a ser encenada ainda hoje e Sir Ian a considera como permanentemente "em construção". Ele é uma das pessoas que auxilia o Rose Theatre em Londres e em janeiro de 2006 inaugurou uma "blue plaque" no prédio deste. Em 2007 ele retorna para a Royal Shakespeare Company, nas produções de Trevor Nunn , atuando em The Seagull  e no papel de Rei Lear, grandemente aclamado.

Cinema e TV
ianmckellen_magneto.jpgEm 2003, McKellen apareceu nOs Simpsons, em um episódio com temática britânica chamado "The Regina Monologues", junto com Tony Blair e J. K. Rowling. Em abril e maio de 2005 ele realizou um sonho antigo: participou da mais longa novela da história – ainda em andamento – chamada Coronation Street ("Rua da Coroação"). Essa novela estreou em 9 de dezembro de 1960 e está, portanto, há quase 47 anos no ar! Ian McKellen atuou no papel de Mel Hutchwright. Em 2006 ele faz uma ponta na série de comédia "Extras", do ator Rick Gervais, onde faz o papel de si mesmo dirigindo Andy Millman (Ricky Gervais) em uma peça sobre amantes gays. McKellen recebeu uma indicação ao Emmy de 2007 por esta atuação.

McKellen também apareceu em alguns filmes de lançamento limitado, como Emile (filmado em pouco dias, durante a filmagem de X-Men 2), Neverwas e Asylum. Sir Ian atuou também como Sir Leigh Teabing no The Da Vinci Code, um dos poucos atores elogiados do filme.

Ativismo
ianmckellen_simpsons.pngSir Ian continua sendo um ativista em prol dos direitos dos homossexuais, nunca escondendo sua opção sexual quando perguntado e tornando-a amplamente pública em 1988. No premiação do Oscar de 2002 ele compareceu com seu então namorado, o neo-zelandês Nick Cuthell. Em 2006, McKellen discurson no pré-lançamento do "2007 LGBT History Month" no Reino Unido, levando seu apoio à organização e à sua fundadora, Sue Sanders, uma amiga pessoal (vídeo do discurso). Em 5 de janeiro de 2007 McKellen se tornou patrono do "The Albert Kennedy Trust", uma organização que dá apoio a jovens gays, lésbicas e transexuais sem lar.

Prêmios
2004: Manila, Philippines Pride International Film Festival – Prêmio de Distinção e Carreira
2006: Eleito pelo Independent como a personalidade homossexual mais influente na Grã-Bretanha (em 2007 ficou na quinta posição)
2007: Annie Award por Melhor Atuação de Voz em uma Produção de Desenho Animado, por Flushed Away

Projetos
ianmckellen_lear.jpgSegue uma lista dos projetos dos quais Ian McKellen participou após O Senhor dos Anéis:
2003        – Cinema – Emile, como Emile
2003        – Cinema – X2: X-Men United, como Eric Lensherr/Magneto
2004        – Cinema – Eighteen, como Jason Anders
2004 e 2005 – Teatro – Aladdin, como Old Vic
2005        – Cinema – Neverwas, como Gabriel Finch
2005        – Cinema – Asylum, como Dr. Peter Cleave     
2005        – Cinema – The Magic Roundabout, como a voz de Zebedee
2006        – Teatro – The Cut, como Donmar Warehouse
2006        – Cinema – Displaced (voz)     
2006        – Cinema – Flushed Away, como a voz do Sapo
2006        – Cinema – X-Men: The Last Stand, como Eric Lensherr/Magneto     
2006        – Cinema – The Da Vinci Code, como Sir Leigh Teabing     
2007        – Teatro – King Lear de William Shakespeare, como Lear
2007        – Teatro – The Seagull de Anton Chekov, como Sorin
2007        – Cinema – Magneto, como Eric Lensherr/Magneto (anunciado)
2007        – Cinema – The Colossus, como Cecil Rhodes (pré-produção)

Está envolvido com a obra de Tolkien desde 1999 – fundador da Calaquendi, fundador da Valinor, fundador do Conselho Branco (Sociedade Tolkien) e presidente por três mandatos. Participou da publicação em livro do Curso de Quenya e é autor do Modo Tengwar Português

Karl Urban

Karl-Heinz Urban (Karl Urban) nasceu em Wellington, Nova Zelândia, em 7 de Junho de 1972. Seu pai, um fabricante de couros local, esperava que ele seguisse seus passos nos negócios da família, mas o então garoto preferiu aventurar-se no ramo das artes cênicas. Seu primeiro papel foi aos oito anos de idade, em um show de TV, onde tinha apenas uma fala. Apesar de ter estreado na televisão relativamente cedo, Karl Urban só voltaria a atuar novamente após terminar o colégio.
 

 

karl23Após a conclusão do colegial, enquanto Karl se preparava para ingressar
na Universidade de Victoria, lhe foi oferecido o papel do para-médico
Jamie Forrest no drama televisivo neozelandês “Shortland Street
(1992), dirigido por Simon Benett e Nicholas Bufalo. O ator logo
aceitou o papel, e depois de permanecer no show por duas temporadas,
entre 1992 e 1993, voltou à universidade por apenas um ano, pois era
seu desejo dar segmento à carreira de ator.

Nos próximos anos ele interpretaria diversos papéis teatrais em sua
cidade natal, tendo mudado depois para Auckland, onde havia mais
oportunidades de trabalho. Lá um de seus primeiros papéis foi o de um
viciado em “Shark In The Park” (1989). Também fez uma participação de pouca importância no filme “Once in Chunuck Bay” (ou Chunuk Bair) (1992), de Dale G. Bradley. Karl interpretou também outros papéis na televisão, incluindo a série “White Fang”, de 1993, mas seu trabalho de maior destaque do ator foi mesmo o de Éomer em “The Lord of The Rings” (O Senhor dos Anéis), de Peter Jackson, onde participou de dois dos três filmes da trilogia: The Two Towers (As Duas Torres) e The Return of The King (O Retorno do Rei).

Assim como outros atores que participaram de O Senhor dos Anéis, Karl Urban também atuou em diversos papéis no seriado Xena: A Princesa Guerreira, sendo os mais marcantes os de Cupido, deus do amor, e Júlio César, ditador romano. Além desses, ele fez um papel bíblico (Mael, irmão de Isaac – Altared States(#1.19) em 1996), e o de um selvagem (Kor – Lifeblood (#5.16)).
Seus últimos sucessos foram os longas-metragens The Bourne Supremacy (A Supremacia Bourne) (2004), onde fez o papel de Kirill, e Doom (Doom – A Porta do Inferno) (2005), filme baseado no jogo homônimo, em que protagonizou o personagem John Grimm.

No ano de 2000 nasceu-lhe Hunter, seu primeiro filho com a mulher, Natalie

Curiosidades

  • Karl Urban é uma pessoa muito ativa. Para fazer o personagem Éomer, em O Senhor dos Anéis, por exemplo, ele passou oito semanas tendo aulas de equitação cinco vezes por semana, pelo menos duas horas por dia. O processo foi facilitado pelo fato de o ator ter trabalhado na fazenda de seus tios na juventude.
  • Karl tem um cão da raça black lab terrier chamado Ire (pronuncia-se eye-ree), nome originado de uma canção de Bob Marley, do álbum Uprising.
  • Seus hobbies incluem pesca, surfe, golfe e jardinagem.
  • Karl recebeu um bônus de U$ 400.000,00 por seu trabalho como Éomer em O Senhor dos Anéis [cf. London Daily Mail, Dezembro 5, 2003].
  • É grande amigo do ator Viggo Mortensen, que interpretou Aragorn na trilogia de O Senhor dos Anéis, e também de Renee O’Connor, atriz do seriado Xena.
Filmografia
 
"Comanche Moon" (2007); (minissérie para TV) (pós-produção) … Woodrow F. Call
Pathfinder (Desbravadores) (2007); (completo) … Fantasma
Out of the Blue (2006); … Nick Harvey
Doom (2005); … John Grimm
The Bourne Supremacy (A Supremacia Bourne) (2004); … Kirill
The Chronicles of Riddick (Riddick) (2004); … Vaako
The Lord of the Rings: The Return of the King (O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei) (2003); … Éomer
The Lord of the Rings: The Two Towers (O Senhor dos Anéis: As Duas Torres) (2002); … Éomer
Ghost Ship (Navio Fantasma) (2002); … Munder
"Xena: Warrior Princess" (Xena: A Princesa Guerreira);
– When Fates Collide (2001) Episódio de TV … Júlio César
– Lifeblood (2000) Episódio de TV … Kor
– Ides of March (1999) Episódio de TV … Júlio César
– Endgame (1999) Episódio de TV … Júlio César
– A Good Day (1998) Episódio de TV … Júlio César
The Price of Milk (Amor e Vacas) (2000); … Rob
The Irrefutable Truth About Demons (Demônios – Toda a Verdade) (2000); … Harry Ballard
The Privateers (2000); (TV) … Cap. Aran Dravyk
"Hercules: The Legendary Journeys" (Hércules);
– Render Unto Caesar (1998) Episódio de TV …. Júlio César
– The Green-Eyed Monster (1996) Episódio de TV … Cupido
Via Satellite (1998); … Paul
Heaven (1998); … Sweeper
Amazon High (1997); (TV) … Kor
"Riding High" (1995); (série de TV) … James Westwood
"Shortland Street" (1992); (série de TV) … Para-médico Jamie Forrest (1993-1994)
"Homeward Bound" (1992); (série de TV) … Tim Johnstone
Chunuk Bair (1992); … soldado de Wellington
"Shark in the Park"
    – Suffer Little Children (1990) Episódio de TV
 
Fontes: 

Craig Parker

Craig Parker é um Fijiano, nascido em Suva, capital do país, em 12 de
novembro de 1970. Ele mudou-se com a família para Nova Zelândia quando
ainda era muito jovem, por isso é considerado um ator neozelandês.
 
craig_parkerSua carreira começou na TV, em 1987, quando participou do seriado
“Gloss”. Depois disso, ganhou maior participação como Nicholas Paget em
“Hotshots”. Em 1991 começou a investir na carreira teatral, com a peça
“MacBeth”, mas sem abandonar a televisão, onde atuou em “Gold”. No ano
seguinte, estreou nas telonas com um pequeno papel, Daniel, do filme
“Mother Tongue” e lançou a peça “Weed”.

Seu primeiro grande trabalho veio aos vinte e três anos. Trata-se de
Guy Warner, personagem de uma famosa novela neozelandesa, “Shortland
Street”. Parker dedicou três anos de sua vida à personagem.

Após encerrar sua participação na novela, Craig filmou uma curta
metragem, “Man Made”, participou de mais uma série televisiva, “City
Life”, e voltou ao teatro com a peça “Arcadia”. Ainda trabalhou em
“Hércules”, “Xena”, no filme “No one can hear you” e em algumas peças
de teatro.

O reconhecimento internacional só veio em 2001, quando Craig Parker foi
escalado para interpretar o elfo Haldir, na trilogia cinematográfica de
o Senhor dos Anéis. Mesmo trabalhando com uma personagem polêmica (já
que ela sofreu diversas modificações em relação aos livros), Craig
conseguiu conquistar os fãs Tolkiendili.

Tendo participado do primeiro e do segundo filme, Parker demorava quase
três horas para aplicar a peruca loira, necessária para a
caracterização da personagem. Na verdade, inicialmente ele apenas
dublava o hobbit Frodo nos story boards [1] dos filmes, sendo que foi escalado após o diretor Peter Jackson não encontrar um ator adequado para o papel.

Além das suas habilidades como ator de cinema, televisão e teatro,
Craig ainda é famoso por sua atuação em Theatre Sports, uma espécie de
competição teatral onde os atores devem improvisar textos, perante a
situações propostas.

[1] Um storyboard é a prévia de determinado filme, animação ou
peça publicitária. Semelhante a uma história em quadrinhos, simula as
situações que acontecerão no trabalho final, para que as cenas possam
ser aprovadas antes de serem filmadas.

Fontes:
IMDb
Wikipedia
Craig-Parker.net
Speakers New Zealand

Marton Csokas

Apesar de ter nascido em 30 de junho de 1966 em Invercargill, Nova Zelândia, Marton
Csokas tem origens húngaras. Começou sua carreira como ator em
1989, logo após concluir sua graduação na “Escola de Drama Nova
Zelândia” (The New Zealand Drama School), atuando em peças teatrais e com uma grande participação em uma novela neozelandesa, Shortland Street (1993-1994), na qual fazia o personagem Dr. Leonard Rossi-Dodds. Seu primeiro papel nas telonas foi no filme Um Gênio Chamado Jack (Jack Brown Genius, 1994), no qual atuou como Dennis.
 

marton
Marton escrevia suas próprias peças teatrais e era co-fundador de uma companhia de teatro na Nova Zelândia, The Stronghold Theatre, quando recebeu o convite para participar de um episódio do seriado Hércules (Hercules: The Legendary Journeys, 1995), no qual fez Tarlus. Depois disso, Csokas volta aos estúdios de cinema no papel de Darko, no filme Broken English (1996),
e mantém seus trabalhos com a Renaissance Pictures, onde consegue os
papéis de Khrafstar e Borias no seriado Xena: A Princesa Guerreira (Xena: Warrior Princess), nas temporadas de 1997-1998.

Os anos passaram e Csokas continua promovendo-se como ator, fazendo grandes participações em seriados, como Farscape (2000), Beastmaster (2000), Cleopatra 2525 (2001), e em alguns filmes, entre eles, The Monkey's Mask (2000), no qual fez o papel de Nick Maitland. É nesse momento que ganha o papel de Celeborn nos filmes O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel (The Lord of the Rings: The Fellowship of the Ring – 2001) e O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (The Lord of the Rings: The Return of the King – 2003), que na trama é o marido de Galadriel, a senhora de Lothlórien.

Daí em diante sua carreira decola; em 2002 tem sua voz na dublagem de Star Wars Episodio II: Ataque dos Clones (Star Wars Episode II: Atack of the Clones – 2002), e participações em Triplo X (XXX – 2002), A Supremacia Bourne (The Bourne Supremacy – 2004), e outro grande papel em Cruzadas (Kingdom of Heaven – 2005), no qual fazia Guy de Lusignan.

Csokas é um ator de grande sucesso na Nova Zelândia, onde continua com
seus trabalhos teatrais, minisséries e seriados. Muitos fãs
consideram-no como o melhor ator coadjuvante existente.

Filmografia:

2007 – Romulus, My Father – Hora
2005 – Æon Flux – Trevor Goodchild
2005 – Kingdom of Heaven – Guy de Lusignan
2005 – The Great Raid – Captain Redding
2005 – Asylum – Edgar
2004 – The Bourne Supremacy – Jarda
2004 – Evilenko – Vadim Timurovic Lesiev
2003 – The Lord of the Rings: The Return of the King – Celeborn
2003 – Timeline – Sir William De Kere/ William Decker
2003 – Kangaroo Jack – Mr. Smith
2002 – Garage Days – Shad Kern
2002 – XXX – Yorgi
2002 – Star Wars Episode II: Attack of the Clones – Poggle the Lesser
2001 – The Lord of the Rings: The Fellowship of the Ring – Celeborn
2001 – Rain – Cady
2001 – Cleopatra 2525 – Krider (ep "No Thanks For The Memories")
2001 – The Farm – Adrian Beckett (mini series)
2000 – The Lost World – Kenner (ep "Tourist Season")
2000 – The Monkey's Mask – Nick Maitland
2000 – Beastmaster – Qord (eps "Revelations", "Rescue" & "Golden Phoenix")
2000 – The Three Stooges – Ted Healy (minisséries)
2000 – Farscape – Br'Nee (ep "Bone to be Wild")
2000 – Accidents (curta) – Chug
1999 – Water Rats – Robert Tremain (ep "Shark Bait")
1999 – Wildside – Larry Lodans (ep #2.18)
1999 – All Saints – Brother Thomas (ep "More Things in Heaven & Earth")
1999 – Halifax f.p. – John Garth (ep "Swimming with the Sharks")
1998 – Hurrah (otherwise known as Heaven Sent) – Raoul
1996 – Broken English – Darko
1996 – Hercules: The Legendary Journeys – Tarlus (ep "Promises")
1995 – Twilight of the Gods – Soldier (short-metragem)
1997;2001 – Xena: Warrior Princess – Krafstar, Borias/Belach
1994 – A Game With No Rules (curta) – Kane
1994 – Jack Brown Genius – Dennis
1993;1994 – Shortland Street – Dr. Leonard Rossi-Dodds
1992 – The Ray Bradbury Theater – Sid (ep "By The Numbers")


Fontes:

Wikipedia.org
IMDb

Brad Dourif

Bradford Claude Dourif nasceu em 18 de março de 1950, na cidade de
Huntington, EUA. Seu pai era dono de uma fábrica de tintas e morreu em
1953, quando Brad tinha apenas três anos. Após a morte do marido, sua
mãe casou-se com o golfista Bill Campbell. Foi ele quem a ajudou a
criar os seis filhos.
 
 
 
brad
No período compreendido entre 1963 e 1965, Dourif estudou no Colégio
Preparatório de Aiken, na Carolina do Sul, onde viu nascer seu
interesse pelas artes cênicas. Uma vez decido a se tornar um artista,
ele passou a investir na carreira, sempre inspirado por sua mãe, que
fizera uma participação como atriz num teatro comunitário.

Tendo começado a carreira em produções escolares, Brad passou a participar do teatro comunitário, entrando para a Huntington Community Players, ao mesmo tempo em que cursava a Marshall University of Huntington. No ano de 1969, ele abandonou os estudou e mudou-se para a cidade de Nova Iorque, onde se uniu à Circle Repertory Company.

A década de 70 marcou a sua participação em diversas peças teatrais e
também sua estréia no cinema, com um pequeno papel no filme "W.W. e
Dixie". Ainda em 1975, Dourif atuou em "Um Estranho no Ninho", ganhando
um Globo
de Ouro como melhor ator estreante e um British Academy Film Award de melhor ator
coadjuvante, além de uma indicação para o Oscar.

Cético quanto ao seu estrelato instantâneo, Brad volta para Nova Iorque
e permanece atuando nos palcos e ensinando esta arte na Universidade de
Columbia. Em 1988, ele decide-se pela carreira cinematográfica e se
muda definitivamente para Hollywood.

Apesar de sua tentativa de evitar a distribuição de papéis de acordo com a personalidade de ator,
Dourif acabou por dar vida a muitas personagens perturbadas, dementes e
problemáticas, além de ter grande presença em filmes de terror, atuando
ou dublando, como é o caso de "Brinquedo assassino", onde ele fez a voz
do boneco Chuck na versão americana da série.


O principal trabalho de Brad Dourif foi, com certeza, Gríma Língua de
Cobra, aliado de Saruman em O Senhor dos Anéis. Na verdade, ele não foi
a primeira opção para a personagem, mas o ator escolhido não pôde
filmar e Brad foi chamado para substituí-lo.

Dourif admite que ainda não havia lido os livros de Tolkien, e diz
ficou ainda mais excitado com a possibilidade de fazer Gríma depois de
lê-los. Para desenvolver bem o personagem, conversou durante horas com
os escritores e com Peter Jackson, a fim de traçar exatamente o que
devia ser feito.

Para dar vida a este vilão, o ator teve que raspar as sobrancelhas e
dedicar dez semanas às gravações. Foi um esforço retribuído pelo
sucesso do filme e da personagem.

Fontes:
IMDb
Wikipedia
Movie City News

David Wenham

O dia 21 de setembro de 1965 trouxe a uma família católica com cinco
filhas e um filho, da cidade de Marrickville, Australia, mais um filho.
Era o futuro ator David Wenham. Com uma infância comum, ele estudou na Christian Brothers High School, devido à tradição religiosa de seus familiares, até se formar e ingressar na University of Western Sydney's Theatre Nepean.
 
 
david
A carreira profissional começou nos palcos, mas não como desejava David. Para ganhar dinheiro, ele "cantava" o bingo de um determinado clube de jogos. Mais tarde, trabalhou numa empresa de segurança privada.
Ao se tornar bacharel em Arte Performática, David conseguiu
vários papéis e passou a trabalhar com Neil Armfield, no teatro St.
Belvoir. O primeiro atalho para o estrelato veio em 1998, quando ele
recebeu o prêmio AFI de Melhor Ator Principal pela participação em 'The Boys'. No mesmo ano, Wenham ganha mais
exposição na mídia ao interpretar o pescador Diver Dan na série de
televisão SeaChange, muito popular na Austrália.

A partir daí, David passa a fazer vários trabalhos, sendo que raramente
uma personagem é parecida com a outra. Isso o torna conhecido por sua
versatilidade, inteligência e pela capacidade de retratar emoção com
sutileza nos mais diversos papéis.

Em 2001, o ator chama a atenção ao subir ao palco no Festival de Cinema Adelaide (Adelaide's Festival Theatre)
para recitar uma montagem de obras históricas da Austrália. Acompanhado
da orquestra sinfônica local, David declamou um texto que incluía até
partes de um famoso discurso do primeiro ministro Redfern sobre a
necessidade de reconciliação entre o povo aborígine e os descendentes
de colonizadores.

Com isso, ele revela mais uma vez a extrema preocupação que tem com as
questões de sua pátria e aumenta seu reconhecimento por lutar para
proteger as heranças culturais e ambientais do país.

Paralelamente ao seu ativismo pró-Austrália, o grande salto de sua
carreira acontece no ano de 2002, quando David Wenham é escolhido para
interpretar Faramir, na adaptação cinematográfica de O Senhor dos
Anéis. Ele foi escolhido para o papel por sua semelhança com o ator
Sean Bean, que interpreta no filme Boromir, o irmão de Faramir. De
acordo com Wenham, a semelhança dá-se pois ambos os atores têm narizes
grandes.

David ficou conhecido por sua responsabilidade como ator de O Senhor
dos Anéis. Ele tinha grande preocupação em não machucar outras pessoas
nos momentos de luta com espadas. Numa cena em que Faramir tira o Anel
de dentro da roupa de Frodo usando a espada, por exemplo, um
especialista foi chamado pois David acreditou que poderia machucar
Elijah Wood com a ponta da arma.

Mesmo só tendo aparecido em dois dos filmes de Peter Jackson, David atuou em três obras indicadas ao Oscar de Melhor Filme consecutivamente. São elas Moulin Rouge, As Duas Torres, e A Sociedade do Anel.

 
Na sua vida pessoal, David é marido de Kate Agnew, com quem tem uma
filha, Eliza Jane. Seu incomum apelido, "Daisy" (margarida, em inglês),
vem da infância, quando suas irmãs o chamavam de “Dais” ou “Daze”, para
encurtar o nome. Então, alguém resolveu colocar um "y" no final da
palavra, apenas para tirar sarro. No final, o último apelido foi o que
todos resolveram usar.

Do bingo para as telonas, David Wenham construiu uma sólida carreira no
mundo da sétima arte e nos presenteou, ao longo dos anos, com
brilhantes atuações nos mais variados filmes e personagens.

Fontes:
Wikipedia
IMDb
Dessicated Coconut

Viggo Mortensen

Nascido em New York, em 20 de outubro de 1958, Viggo Peter Mortensen
Jr. é filho de pai dinamarquês e mãe americana. Viggo Jr. passou parte
de sua infância em Manhattan e viveu também na Venezuela, Argentina e
Dinamarca. Começou a atuar em New York, estudando com Warren Robertson.
 
 

viggoViggo é o filho mais velho de Grace e Viggo P. Mortensen. Seus pais se
conheceram na Noruega, casaram-se e passaram a residir em New York,
onde o primogênito do casal nasceu. A família Mortensen mudou-se para a
América do Sul onde Viggo (pai) administrou granjas e ranchos
venezuelanos e argentinos. Quando Viggo Jr. tinha 11 anos de idade,
seus pais se divorciaram e sua mãe se mudou com as crianças de volta
para o estado de New York, onde Viggo Jr. freqüentou a Watertown High
School e se tornou um bom estudante e atleta. Após graduar-se em 1980
pela St. Lawrence University (Canton, New York), mudou-se para
Dinamarca buscando definir um propósito na vida. Começou a escrever
poesias e pequenas estórias enquanto trabalhou em várias atividades, de
trabalhador em docas e motorista de caminhão a vendedor de flores. Em
1982 se apaixonou e acompanhou sua namorada de volta para New York, na
esperança de um longo romance e uma carreira de escritor, sem alcançar
nenhuma delas.


Em New York, Viggo trabalhou como garçom e fez aulas de atuação. Três
anos depois estreou em “A Testemunha” (“Witness”, 1985) com um pequeno
papel. Mudou-se para Los Angeles em 1987 e, nesse mesmo ano, apareceu
em "Salvation!"
(“Salvation!”, 1987) e casou-se com Exene Cervenka. O casal teve um
filho, Henry Mortensen, antes de se divorciarem após dez anos de
matrimônio. Henry teve um papel decisivo quando, em 1999, Viggo recebeu
um convite para atuar em um filme que ele desconhecia completamente: “O
Senhor dos Anéis
”. No princípio, Viggo não desejava participar da
trilogia pois não queria ficar um tempo longe do filho, mas Henry, um
grande fã da obra, insistiu para que ele não declinasse o papel. Após o
início das gravações, substituiu Stuart Townsend como Aragorn. Durante seu trabalho na trilogia "O Senhor dos Anéis", ele pediu para o roteirista e diretor Peter Jackson que revisasse os scripts para que seu personagem Aragorn falasse em linguagem élfica em várias cenas dos três filmes.

Fez bons amigos nas gravações de “O Senhor dos Anéis”, mas eles eram
cautelosos ao gravar cenas de luta com ele porque, carregado pela
intensidade de sua personagem Aragorn, ele freqüentemente “partia para
cima” e deixava os outros combatentes com hematomas. O ator Lawrence
Makoare (Lurtz) sob uma grande quantidade de maquilagem que restringia
sua visão também empolgou-se em sua luta com Viggo, deixando-o mais
ferido. Viggo também quebrou dois dedos em uma cena em que chuta um
elmo de orc. Nos intervalos entre as gravações, também gostava de
surfar com os demais atores, acidentando-se uma vez e forçando Peter
Jackson a filmar sua face esquerda durante toda a seqüência de Moria
para que o hematoma no lado direito não aparecesse. Além disso, também
quebrou um dente durante uma seqüência de batalha em “As Duas Torres”.

Viggo também é fotógrafo, poeta e pintor. Tem um livro de poesias
chamado “Ten Last Night.” antes de tornar-se conhecido. Exibiu pela
primeira vez seu trabalho como fotógrafo na Robert Mann Gallery (New
York) no ano 2000.

Em sua filmografia, além da trilogia de Peter Jackson, podem ser
enumerados: “Duro de prender – Ninguém pode me matar” (“Prison”, 1988);
Leatherface – O massacre da serra elétrica 3” (“Leatherface: Texas
chainsaw massacre III”, 1990); “Explosão em alto mar” (“Crew, The”;
1994) ; “Anjos rebeldes” (“Prophecy, The”; 1995), “Até o limite da
honra
” (“G.I. Jane”; 1997); “Psicose” (“Psycho”, 1998); “28 Dias” (“28
Days”, 2000) e “Mar de Fogo” (“Hidalgo”; 2004), dentre muitos outros.
Recebeu uma indicação ao MTV Movie Awards de Melhor Luta, por “Até o
Limite da Honra
” (1997). Após “O Senhor dos Anéis” e “Mar de Fogo” ele
adquiriu os cavalos que cavalgou durante as gravações.

 

Referências:

Wikipedia

IMDb 

Ian Holm

Ian Holm Cuthbert nasceu em doze de setembro de 1931 na cidade de Goodmayes, em Essex, um condado do Reino Unido. Filho do Dr. James Harvey Cuthbert, um psiquiatra e de Jean Wilson Cuthbert, Holm teve a vontade de atuar despertada aos sete anos, quando seu pai o levou ao teatro pela primeira vez, para assistir "Os Miseráveis".
 
 
ian
Durante sua adolescência, estudou no Colégio Chigwell e nunca perdeu a vontade de atuar, mas só partiu definitivamente para a carreira artística em 1950, ao ingressar na "Academia Real de Artes Dramáticas de Londres" (RADA). Nesta fase de sua vida, o jovem ator teve a chance de contracenar com alguns atores famosos, dentre os quais Charles Laughton, que lhe incentivou a continuar na carreira.

Ao se graduar na RADA, em 1955, Ian estreou em Stratford na peça “Othello”, com uma brilhante atuação que lhe rendeu posição fixa na companhia. No ano seguinte, casou-se com Lynn Mary Shaw, com quem mais tarde teria dois filhos. Em 1956, iniciou uma turnê pela Europa com a peça "Titus Andronicus", do diretor Laurence Olivier. Ainda por Stratford, o ator tem a chance de trabalhar em "King Lear".

Depois disso, a companhia Stratford se tornou a "Royal Shakespeare Company", onde Holm é reconhecido por ser um dos primeiros atores contratados. Já trabalhando com o novo grupo, a peça "Henry V" lhe rende um London Evening Standard Award de melhor ator. Em 1965, divorciou-se de sua esposa e passou a se dedicar mais ainda ao trabalho, participando de várias outras peças, sendo que em 1967, fez o papel de Romeu, numa idade em que a maioria dos profissionais já tem aparência para fazer "Macbeth". Nesta época, então, o cinema tornou-se o foco de sua atenção.

Ian Holm tornou-se conhecido logo em seu primeiro filme para o cinema, "The Bofors Gun", de 1968, pelo qual recebeu a British Film Academy Award de melhor ator coadjuvante. A partir daí, Holm passa a construir uma reputação de ator versátil e confiável, o que, mais tarde, seriam suas principais características.

Ao passo que no teatro Ian não podia dramatizar os personagens principais, por ser muito baixo (1.68 m), no cinema ele encontrou uma nova oportunidade de conseguir destaque. Sempre disponível para diferentes papéis, conseguiu uma sólida reputação no mundo da sétima arte.

Mas nem só de cinema e teatro foi construída a carreira de Sir Ian Holm. A televisão também lhe trouxe excelentes oportunidades de trabalho. Desde "The Body Snatcher", de 1966, até o presente momento, foram dezenas de participações em seriados sobre os mais variados temas.

No ano de 1982, Ian casou-se novamente, desta vez com a atriz Sophie Baker, com quem teve um filho. A União acabou precocemente, em 1986, mas não marcou o fim dos casamentos do ator. Cinco anos após o segundo divórcio, um novo noivado: Penelope Wilton. Desta vez, o casal permaneceu junto por dez anos, até o divórcio em 2001 e a união de Holm com Sophie de Stempel, em 2003.

Após uma longa e respeitada carreira, Ian pôde encontrar numa adaptação literária um de seus maiores trabalhos: Bilbo Bolseiro, de "O Senhor dos Anéis". Mas engana-se quem pensa que Bilbo foi o primeiro papel de Holm numa adaptação deste livro – alguns anos antes ele já havia interpretado Frodo na versão da rede BBC para o rádio.

Infelizmente, antes mesmo do lançamento de "A Sociedade do Anel", os jornais ingleses anunciaram que o ator descobrira um câncer de próstata e que já estava tratando. Como praticamente todos os casos de câncer, este lhe rendeu alguns maus momentos, mas, de acordo com ele, era um pequeno preço a pagar por estar vivo. Atualmente, acredita-se que ele esteja curado.

Holm, que já havia recebido o grau Comandante da Ordem do Império Britânico em 1989, foi proclamado Cavaleiro pela Rainha Elizabeth II, em 1998, pelos seus serviços para as artes dramáticas, tornando-se, assim Sir Ian Holm (o mais alto grau da Ordem do Império Britânico).