Arquivo da categoria: Notí­cias

O elenco de O Hobbit já está completo?

Atenção: artigo com possíveis spoilers!

 

Michael Fowler

Será que o elenco de O Hobbit já está completo? Parece que não. De acordo com o TheOneRing.net, o ator neozelandês Michael Fowler fará o dublê  alto de um personagem chamado Bain, para os truques de escala. Pelos Apêndices do livro “O Senhor dos Anéis” sabemos que Bain é o nome do filho do arqueiro Bard. No currículo do ator, no site StarNow, aparece a seguinte informação:

Créditos

Longa-Metragem

2011 Bain – Dublê para escala – O HOBBIT: UMA JORNADA INESPERADA Peter Jackson

 Pelo currículo nota-se que ele já tem alguma experiência na função. Na trilogia o ator já interpretou orc, gondoriano e elfo. Entretanto, a pergunta que fica é: qual o papel do filho de Bard na história e em que momento ele vai aparecer?

Hoje sabemos que o ator galês Luke Evans será o intérprete de Bard, porém, no “Casting oficial e detalhes da trama” divulgado em janeiro de 2010 (The Hobbit – Official Casting Call and Plot Details), há a seguinte informação:

 [BARD] Um arqueiro da Cidade do Lago, BARD é um descendente direto dos Senhores de Valle. Forte e castigado pelo tempo e vigorosamente constituído, ele é casado e tem um filho pequeno. De poucas palavras, ele mantém-se discreto e não se gaba de sua linhagem nobre ou de sua habilidade como arqueiro. IDADE: 35-48. SOTAQUE – Inglês padrão ou regional, irlandês, galês, escocês (não deve ter sotaque carregado).

 

Brian Blessed

Pela informação acima parece que o filho de Bard, se for mesmo aparecer no filme, será uma criança. Então por que o ator mencionado no começo do artigo será o dublê do personagem?

De acordo com os Apêndices do SdA,  depois do fim da jornada de Bilbo e da morte de Smaug pela flecha negra de Bard,  o arqueiro de Esgaroth e herdeiro de Girion reconstrói Valle, a cidade e reino dos seus antepassados aos pés da Montanha Solitária, e torna-se seu rei. Com sua morte, anos mais tarde, Bain, seu filho, assume o trono. Brand, filho de Bain e neto de Bard, sucede o pai e anos mais tarde morre ao lado de Dáin Pé-de-Ferro, o primo e herdeiro de Thorin Escudo de Carvalho, no cerco dos aliados de Sauron a Valle e Erebor, enquanto acontece o cerco à Minas Tirith, visto no filme O Retorno do Rei.

Teríamos aí algum epílogo mostrando os acontecimentos posteriores a passagem de Bilbo pela região e ligando essas batalhas às vistas na trilogia? Não se sabe, porém não é impossível. Apesar do personagem Dáin Pé-de-Ferro não ter sido ainda anunciado, segundo o IMDb o ator inglês Brian Blessed é forte candidato a interpretá-lo.

Dáin é um personagem importante para o desfecho de “O Hobbit”, pois ele não é só o anão que herda o trono de Erebor (pois os sobrinhos e herdeiros diretos de Thorin, Kili e Fili, assim como ele, também morrem), mas também é quem lidera o exército de anões na Batalha dos Cinco Exércitos, no fim do livro “O Hobbit”. Apesar de grande parte do elenco do filme ter sido confirmado por Peter Jackson, ainda existem uns poucos papéis (talvez de menor relevância no contexto da adaptação) que não foram preenchidos. Clique AQUI e veja no IMDb outros personagens que ainda são rumores ou não anunciados.

O Dilema de Thorin, por Eric Vespe

Neste quinto relatório a partir de Mangaotaki, Nova Zelândia, Eric Vespe, do AICN, nos fala sobre uma cena entre Thorin e Gandalf. Portanto, mais spoilers! Cuidado!

Para ver a imagem acima em tamanho maior, clique aqui!

A seguir, o resumo com as principais informações:

Bem-vindos de volta à Terra-média! Mais um relatório de Mangaotaki Rocks antes de passarmos para a próxima locação (e muito impressionante, devo acrescentar).

Este dia foi bastante singular enquanto as gravações continuam. Normalmente você vai para o ambiente selvagem para conseguir grandes imagens, razão pela qual um monte de cenas que eu já vi até agora envolvem movimento. Com a luz mudando rapidamente, nuvens se movimentando depressa no céu, o clima não muito cooperante, muitas vezes fica difícil até mesmo para o mais aventureiro dos diretores não ir para o interior controlável de um estúdio.

No entanto, ter uma cena dramática filmada nesse tipo de pano de fundo dá ao filme um fantástico senso de realidade que um estúdio simplesmente não conseguiria reproduzir. Por isso, foi um grande prazer ver um dos dias de filmagem, numa locação de O Hobbit, que não foi uma tomada em movimento. A cena filmada neste dia foi um pouco pesada para a atuação do personagem Thorin, e seu aconselhamento sempre amigável com Gandalf ficou bem quente.

Eu sabia que estava diante de algo diferente quando eles ficaram em close-up, o fundo quase entrando no quadro, porque o foco agora era o drama, e não o cenário. A introdução para a cena foi uma gravação bem ao estilo Senhor dos Anéis, mas não se preocupe. Ainda há muito da Nova Zelândia para ver com todos os 13 anões, Bilbo e Tall Paul andando a cavalo e pôneis, através de algumas rochas, até a colina onde a casa de fazenda abandonada fica [mencionada no relatório anterior], ou o que sobrou dela.

Dois gigantescos Technocranes foram montados para capturar este momento, apontados para o grupo quando estão subindo, e o outro para pegá-los quando eles passam. Em seguida, uma panorâmica que vai subindo para ver até onde eles estão indo. Ver esses monstros consagrados, no ambiente selvagem, foi muito divertido, devo dizer.

 É no final do dia que surge a ideia que este é um local adequado para acampar, mas Gandalf quer ir logo procurar aconselhamento com Elrond, em Valfenda. Esta cena é toda sobre Thorin, e foi minha primeira chance verdadeira de ver a brilhante atuação  em camadas que Richard Armitage desenvolveu para o personagem. Thorin é um anão teimoso, em grande parte um líder, mas é inteligente o suficiente para prestar atenção nos conselhos de Gandalf.

Ele é um homem dividido nesta cena. Seu ressentimento profundo em relação aos elfos (ele acredita que eles traíram seus antepassados, ​​por não ajudarem quando eles precisaram) o leva para um lado, mas o seu respeito por Gandalf o leva para outro.

Sir Ian tinha de estar aqui neste momento, uma vez que uma atuação completa era exigida de ambos, por isso ele passou o dia como ele faz na maioria das vezes neste filme: em pé sobre uma plataforma com uns bons 2-3 pés do chão. Peter estava recebendo imagens para se certificar que não havia qualquer necessidade de aumento digital aqui.

 Armitage faz um excelente trabalho com a luta interior de Thorin. O olhar em seu rosto não é o de alguém atado a uma única decisão. Gandalf o aconselha a procurar ajuda de Elrond, para o bem da demanda. Em vez de interpretá-lo como um rígido general, Armitage pondera suas opções, principalmente em reação às palavras de Gandalf. Em outras palavras, ele transmite a luta com o rosto, dando a Thorin uma profundidade que eu já mencionei. Tenho certeza de que a tendência seria para Armitage interpretá-lo como um teimoso, e ele faz isso, mas ele faz em camadas com alguma emoção, muito mais crível.

Fiquei me perguntando como eles iriam lidar com os desaparecimentos de Gandalf, que no livro sempre acontecem nos piores momentos possíveis, com o mago praticamente dizendo: “Tudo bem caras, boa sorte. Devo correr!” Eu não acho que isso daria certo no filme. Neste caso, a partida de Gandalf é muito mais emocionante. Os anões e Bilbo ficam para trás e muito preocupados com a perda do seu mago, sobretudo Bilbo. Será que ele vai voltar? Ninguém sabe.

 Esta locação também serviu como o local do aniversário de Peter. O cara veio trabalhar no dia do seu aniversário sem muito alarde, até que os anões o surpreenderam com o seu presente… um calendário que contou com cada anão em uma posição inapropriada. Pense nisso como aqueles calendários com bombeiros bonitões, mas em vez de bombeiros bonitões, eram todos anões bonitões nas mais ridículas posições que se possa imaginar.

O próximo relatório vai nos levar para longe de Mangaotaki Rocks e para algumas terras sagradas dos Maoris. Aqui vai uma prévia:

Lord of The Rings in Concert – no Brasil?

Lord of The Rings in Concert é um espetáculo musical onde a trilha sonora do filme O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel é apresentada por uma orquestra, acompanhada pelas imagens do filme. O espetáculo já vem ocorrendo nos EUA, e agora há rumores de que ele virá para o Brasil no próximo ano.

A empresa Conexão Cultural, responsável pela provável vinda do show, criou uma página no facebook e uma conta no twitter para divulgar novidades a respeito do espetáculo.

Será que vem mesmo? Vamos nos manter antenados, e mostrar através das mídias sociais que, se depender dos fãs, certamente vale a pena trazer o evento para cá!

 

Gandalf faz um tour pela Terra-média, por Sir Ian McKellen

 

Ian “Gandalf” McKellen atualizou seu blog sobre O Hobbit com uma nova postagem a partir das locações do filme – e da estrada para chegar à elas.

 Confira os principais trechos:

 

O Hobbit está em movimento por alguns meses, visitando uma dezena de locações para cima e para baixo por toda a Nova Zelândia.

 As filmagens ao ar livre ficam à mercê do clima variável da primavera, chuvisqueiros súbitos e céu mutável. Portanto, a pergunta de todos os dias é: “Qual é a previsão?” Se chovesse muito forte e persistentemente, teríamos que procurar abrigo e esperar: mas até agora estamos dentro do cronograma, iluminados pela luz regular do sol e pelas luzes das grandes lâmpadas de Andrew Lesnie, alimentadas por geradores. Noutro dia estava chuviscando, mas nós continuamos as filmagens, porém as câmeras 3D não conseguem registrar a chuva. Uma pena. Chuva em um filme em 3D seria excelente, em todos os sentidos.

 Quinhentos de nós viajam com a eficiência de um exército ou de um circo itinerante, e a cada um da produção é oferecido um abrigo, transporte e uma cama. Como os turistas na Nova Zelândia sabem, esta é uma terra hospitaleira, com camas e cafés da manhã. Hotéis são raros, exceto nas cidades e, claro, a maioria das nossas locações está nos ermos distantes… Enquanto o tempo permitir, é um pouco como estar em férias. Steve Thomson é o meu assistente (procure-o nos créditos dos filmes). Ele faz de tudo para se certificar que estou no tempo e confortável. Nós nos conhecemos há 11 anos em O Senhor dos Anéis, quando ele era o massagista dos membros doloridos dos atores.

 Steve conhece muito da Nova Zelândia. Ele dirige a nossa Toyota land-cruiser Prado, pelo norte de Wellington, ao longo da costa oeste da Ilha do Norte, perto do majestoso pico vulcânico Taranaki, embora apenas visível por um minuto ou dois, envolto por nuvens. Uma lenda Maori diz que ele é um deus da montanha de luto por seu amor perdido. Ele pode ser visto mais claramente como dublê do Monte Fuji em O Último Samurai.

 O nosso percurso é ao longo das estradas rurais em terras agrícolas e pela mata, e não são todas ocupadas, e com vistas maravilhosas. Agora, como a primavera está se instalando, cordeiros e bezerros mastigam o verde que cresce em abundância e que me lembra Lake District, o parque nacional lá em casa, no noroeste da Inglaterra… A diferença é que os campos britânicos, e os montes e vales, foram lavrados ao longo dos séculos, dominados por sebes, cercas, muros. Na Nova Zelândia, você pode percorrer quilômetros sem sinal de uma ocupação humana, ainda que muitas vezes pareçam familiares, como se o departamento de adereços tivesse dado uma maquiada nas colinas Lakeland, nas colinas de Gales ou nas terras baixas da Escócia.

 Nosso primeiro destino foi a filmagem em Matamata, onde 11 anos atrás Gandalf, o Cinzento fez sua estréia em A Sociedade do Anel, saudando o Bilbo de Ian Holm na porta de Bolsão. O local desde então tem sido assinalado como “Vila dos Hobbits”, onde os turistas, buscando a Terra-média, puderam refletir sobre os restos insignificantes das nossas filmagens, algumas portas verdes redondas apoiadas na colina. Isso significa que a vila teve de ser reconstruída e os jardins redesenhados para O Hobbit.

 Todos os nossos caminhões, trailers, geradores, tendas de jantar e banheiros estavam escondidos atrás e abaixo dos montes circundantes, mas foi nostálgico subir pelo caminho que leva ao Bolsão, onde desta vez o Bilbo de Martin Freeman é quem vai ser surpreendido por Gandalf. Filmamos lá por menos de uma semana, desta vez deixando tudo para trás, os visitantes do futuro não terão que adivinhar, eles realmente verão a Vila dos Hobbits em toda sua glória. Eles serão capazes até mesmo de fazer um lanche no Dragão Verde. Peter Jackson, que gosta de uma piada, sugeriu que eu assumisse o estabelecimento como um guia turístico com meu chapéu pontudo azul. Estou pensando sobre isso.

- Ian McKellen, Paradise NZ, 29 de novembro de 2011

Bilbo recebe Ferroada e Gandalf encontra Radagast, por Eric Vespe

Eis o quarto relatório de Eric Vespe, do AICN, que está acompanhando a produção de O Hobbit como convidado de Peter Jackson, além de trabalhar como figurante na produção. Neste novo relato ele revela alguns spoilers importantes. Portanto, se não quiser saber maiores detalhes, não leia o texto abaixo!

A seguir, os trechos de maior relevância:

 

Bem-vindos ao quarto relatório a partir dos sets de O Hobbit e o primeiro de uma nova locação!

Começamos em Matamata (Vila dos Hobbits) e o caminho foi descendo pela Ilha Norte da Nova Zelândia, em ziguezague para o sul até chegarmos novamente em Wellington, onde os 450 membros da equipe embarcaram em aviões e balsas com destino a Ilha do Sul para muitas cenas externas.

Esta nova locação encontra-se em terras distantes, por isso a produção e o elenco tiveram que se hospedar em casas nas pequenas cidades ao redor da locação. Não havia muitos hotéis ou motéis, por isso a grande maioria de nós foi colocada em casas. E não apenas casas alugadas. Gentilmente as pessoas cederam suas casas para o elenco e a equipe. Eu me senti um pouco como um soldado da Guerra Civil requisitando a casa de alguém para o meu batalhão em movimento.

Nossa locação foi em Mangaotaki Rocks, um lugar muito popular para escaladas por causa dos seus penhascos. Agora você sabe onde fica esse ponto na Terra, mas onde fica na Terra-média? Este lugar foi escolhido para representar a Mata dos Trolls, onde Bilbo e os anões encontram os Trolls de Pedra. Essa cena já foi filmada no estúdio, mas eles precisavam de uma floresta real e bonita para algumas cenas. Não é só isso, há também uma casa de fazenda abandonada e em ruínas, que a talentosa equipe construiu a alguns metros da borda da floresta para outra cena. Então, um local, mas dois lugares diferentes na Terra-média.

     

Primeiro foi a filmagem na Mata dos Trolls com 13 anões, um mago e um hobbit procurando o esconderijo dos trolls, cheio de coisas valiosas em uma floresta sob uma bela neblina. Aqui está uma foto minha ali perto:

 Tall Paul (Paul Randall, que é bem alto) está na altura correta para a cena em que Sir Ian McKellen deveria estar em relação aos anões. Sir Ian está lá e está dando a Paul algumas linhas de seu roteiro e sugestões para ele movimentar um braço ou mover a cabeça por cima do ombro na direção dos anões, para os outros atores na cena reagirem como se fosse com o Gandalf verdadeiro.

Gandalf (carinhosamente conhecido como “Gandy” pela equipe) está, basicamente, berrando ordens aos anões para sondarem a área, como um pai numa excursão escolar, tentando manter todo mundo atarefado. Sir Ian apareceu para a tomada seguinte. Com o declive de uma encosta e as depressões e pequenos vales diversos na paisagem, eles foram capazes de colocar Sir Ian e os anões em uma mesma cena sem o uso de dublês.

Bilbo é quem encontra a entrada da caverna dos trolls, que era uma pedra gigantesca colocada sobre o chão da floresta. Um set foi construído a alguns metros de distância, mas Peter não gostou, então eles usaram este lugar natural para a boca da caverna.

 Há rumores de que pode haver um interior novo da caverna construído na volta a Wellington para uma refilmagem. Como seria de esperar, esta caverna tinha algumas coisas interessantes nela. Baús, espadas (incluindo uma espada Rohirrim enferrujada) e alguns caras mortos, como este pobre cavalheiro:

 Entre os tesouros e armas deixados por anões, elfos, orcs e homens capturados e comidos pelos trolls, está a pequena adaga élfica, do tamanho de uma faca para alguém de tamanho normal, mas uma espada perfeita para um hobbit. Peter Jackson filmou Gandalf entregando Ferroada para Bilbo espelhando o momento em que Bilbo entregou a Frodo a espada em SdA. Ele faz isso fora, com a bela floresta verde ao fundo (na entrada da caverna), Martin, relutantemente, recebe a espada, puxando-a lentamente para fora da bainha. Thorin também recebe Orcrist aqui, que você pode vê-lo empunhando em sua imagem promocional já divulgada. Orcrist tem uma lâmina longa e plana e eles filmaram uma cena de Richard Armitage pulando de um amplo arco e derrubando uma criatura que será adicionada digitalmente mais tarde.

Kili usa um arco e flecha e o resto do grupo têm as suas próprias armas diferentes, como Dwalin (Graham McTavish) que empunha dois machados e Bifur (William Kircher) que na maioria das vezes usa uma lança como arma para perfurar. Há também machados simples, clavas e até mesmo colheres de cozinha, como no caso do mais gordo dos anões, Bombur (Stephen Hunter)… Confira Stephen descontraído entre as tomadas:

A filmagem neste local não contou somente com a entrega da Ferroada, mas também contou com a tagarelice de um Istari. É isso mesmo, Gandalf e Radagast têm uma cena assim. Sylvester McCoy interpreta Radagast, o Castanho, um mago um pouco excêntrico, que está mais à vontade com os animais, insetos e a flora do que com as pessoas. Com base no que vi ao longo das últimas semanas eu acho que vai ter um lance entre Bombur e Radagast pare ver quem vai roubar o filme. Bombur é tão adorável e engraçado e Radagast é absurdamente cativante, uma espécie de São Francisco de Assis muito distraído.

Radagast vem com um discurso de advertência que prenuncia alguns problemas que nosso grupo vai enfrentar mais tarde. As palavras “Floresta das Trevas”, “teias”, “Ungoliant” e “Dol Guldur” são mencionadas.

A produção conseguiu evitar chuva na Vila dos Hobbits, mas havia um pouco umidade neste local. Felizmente a chuva era pouca, muito raramente pesada ​​e as cenas dentro da área arborizada teve um nível extra de proteção, devido ao toldo acima, assim nós nunca tivemos que filmar no chão molhado. Se você não sabe bem como é isso, eu lhe darei uma breve explicação.

Quando se filma em locações, especialmente em um lugar como a Nova Zelândia, onde o tempo é muitas vezes imprevisível e pouco cooperante, a produção tem um plano B parar as filmagens previstas para o dia, em caso de tempo ruim. Esta filmagem é geralmente deslocada para dentro de um estúdio e filmam algo bastante simples que pode facilmente ser feito lá. Por exemplo, muitas cenas de O Hobbit envolvem filmagens contra a tela verde, como quando Gandalf e Bilbo estão sendo transportados pelas águias. Essas cenas são necessárias, mas não é algo que exige muito dos atores e é feita num piscar de olhos. Também é fácil de montar e não precisa de toda uma série de sets construídos e acessórios disponíveis.

 Devido à complexidade de filmar um grupo de diferentes raças e tamanhos, eles tiveram que fazer cenas com efeitos neste tipo de local. Como Radagast chegando e falando com Gandalf, e os olhares dos anões, desconfiados deste indivíduo recém-chegado. Bilbo está lá também e está obviamente surpreso com este homem estranho. Os magos são mais altos do que o hobbit e os anões, naturalmente, e Peter queria ter uma tomada ampla de todo o time. Filmar em 3D torna difícil fazer os truques de perspectiva forçada, que ele usou na trilogia, assim, quando trabalharem nessa cena ela exigirá alguns ajustes digitais.

Eles fecharam a câmera em uma plataforma, apontada para a ação entre Sir Ian e Sylvester, que fizeram a sua cena sobre dois pisos contra tela verde. Depois que Peter conseguiu o que queria em termos de desempenho, para esta tomada parada eles removeram totalmente a tela verde e os magos, e introduziram os anões e Bilbo. Sir Ian e Sylvester permaneceram fora do campo de visão da câmera para darem o seu diálogo para que os anões pudessem reagir corretamente. Já que a Weta Digital deve ser capaz de retirar os magos de tamanho normal e aumentá-los para a cena com os anões, substituindo o trabalho em escala. Mesmo esta versão simplificada é uma cena complexa, porque os magos, Bilbo e os anões estão todos em suas alturas verdadeiras. Como eu mencionei antes, há um processo muito mais técnico para obter esse efeito que é realmente notável, mas estou guardando para um futuro relatório.

Muitos fãs do SdA deverão reconhecer Paul dos extras dos DVDs da trilogia. Este nativo Kiwi tem 2,20m de altura e tem sido fundamental para o sucesso dos truques para estabelecer as diferenças de tamanho entre as raças na Terra-média.

Como você pode ver na foto acima ele está sendo usado principalmente como dublê de Gandalf e é muito estranho o quanto ele se parece com Sir Ian quando está completamente trajado como Gandalf. Há algumas cenas onde tudo o que você pode ver é o chapéu, a barba e nariz, e isso é o suficiente para fazer o seu cérebro registrar Gandalf em pessoa. Paul trabalha de perto com Sir Ian para se certificar que seus movimentos como Gandalf saiam da mesma maneira como os de Sir Ian.

Então, tiramos nosso chapéu para Tall Paul!

Aragorn em O Hobbit? Não! Trilogia em 3D? Sim!

De acordo com o Cinema10, Viggo Mortensen não voltará ao seu papel como Aragorn em O Hobbit. O ator teria afirmado que ainda não foi convidado a retornar ao papel, em entrevista ao Movies.com. Apenas foi sondado quando Guillermo Del Toro era o diretor e Peter Jackson apenas o produtor. Ambos queriam transformar o segundo filme de O Hobbit num filme de ligação entre este e A Sociedade do Anel, na época chamado provisoriamente de “filme ponte”.

 

“Nesse ponto, os produtores perguntaram se eu faria o papel e eu disse que sim”, disse ele. “Mas eu nunca fui contatado e eles já estão gravando o filme. Eu não estou nele a menos que eles tenham algum plano de última hora. Orlando Bloom e Cate Blanchett interpretam alguma coisa, mas eles são elfos e não mudam tão rapidamente. Como vocês sabem, Aragorn é meio-elfo e também vive uns duzentos anos e ele poderia estar em alguma parte, mas eu tenho que assumir que isso não vai acontecer.”

 

Já a trilogia pode ganhar versão em 3D! Segundo o CinePop, O ator Elijah Wood revelou em entrevista ao Den of Geek que a trilogia O Senhor dos Anéis deve ser convertida para o 3D e relançada nos cinemas.

 

“Existe negociações para relançar a trilogia em formato 3D. Acho uma ideia ótima, desde que a qualidade seja boa e leve o tempo necessário”, revelou. “Teremos Titanic em 3D, Star Wars: Episódio 1 – A Ameaça Fantasma… então teremos que esperar algum tempo para rever nossa trilogia… Mas não acredito que vão converter Episódio I primeiro… isso é uma chatice”, brincou.

 

Com o lançamento de O Hobbit, a reestreia de O Senhor dos Anéis provavelmente acontecerá no mesmo ano.

 Será?

Uma imagem maior, presente para quem pediu: ;)

1024 x 822

 

O Hobbit: filmando na casa do Beorn

O jornal neozelandês Otago Daily Times acompanhou um dia de gravações nos sets que representam a casa do Beorn, o Troca-peles. Confira abaixo o relato do jornalista James Beech:

Foto: Mark Pokorny / New Line Cinema

 A velha e gigantesca faia, que foi o motivo de Sir Peter Jackson, o elenco e os 450 membros de sua equipe escolherem para filmar uma cena de O Hobbit  perto de Paradise – além Glenorchy e Queenstown – sobreviveu durante um século até que uma tempestade a derrubou há seis semanas atrás.

 ”Viemos há uns seis meses para escolher o local exato onde esta casa iria ser construída, e uma das razões pelas quais está sendo construída aqui, é por causa desta árvore incrível que tínhamos bem ali”, Sir Peter afirmou. “A árvore, que pensei que seria ótimo ter diretamente em frente à casa, estava lá por 100 anos até seis semanas atrás, quando caiu com o vendaval. Então tivemos que construir uma falsa”.

 Uma unidade da equipe criativa percorreu toda a região do grande lago Wakatipu procurando locações interessantes.

 ”Às vezes você passa três, quatro, cinco dias em um lugar, e geralmente você só tem uma ou duas cenas ali, porque O Hobbit é a história de uma busca, é uma história itinerante, por isso praticamente todas as cenas ocorrem ao longo da viagem. É uma paisagem em constante mudança que estamos procurando”.

 Dezenas de membros da equipe montaram discretamente  um grande set com tela verde, ao lado de outro set que é uma habitação de grandes dimensões. Sir Ian McKellen estava trajado e caracterizado completamente como Gandalf, o Cinzento, no set com tela verde. A voz de Peter Jackson foi ouvida dando instruções pelo alto-falante, mas ele estava fora de vista em uma tenda, vendo os monitores ligados às câmeras 3-D, que estão sendo usadas pela primeira vez na Terra-média. Com o comando “e ação!”, todo mundo ficou em silêncio quando Gandalf caminhou lentamente, com o cajado na mão, sobre a tela verde, passo a passo passando pela plataforma para ficar ao lado de um poste também revestido com a tela verde e com uma bola na ponta, para conversar com Beorn (Mikael Persbrandt).

 Os monitores, que estavam sendo assistidos por membros da equipe, revelaram como Gandalf e Beorn pareciam estar de pé sobre um dos sets construídos fisicamente ao lado, que inclui uma oficina e um celeiro de grandes dimensões, ferramentas e uma horta entre árvores reais e falsas. Outros dois sets incluem um portão coberto por vegetação, e colméias em prateleiras em uma construção ao lado, com touceiras de palha no telhado. Cerca de 10 minutos depois, Sir Peter disse pelo alto-falante “muito bem” e deu instruções para mais uma tomada. Os membros da equipe murmuraram algo, enquanto eles se concentraram em sua tarefa seguinte.

Fiquei impressionado com a fantástica visão de Martin Freeman, vestido como Bilbo Bolseiro, com todos os 13 anões, totalmente paramentados, caminhando até a inclinação do set rústico, de grandes dimensões.

___________________________________

 Valeu pela dica, Ana!

 Levando-se em conta a descrição do set feita pelo jornalista do Otago, não restam dúvidas que o set que representa a casa do grandalhão Beorn é o mesmo flagrado na imagem abaixo, que inclui uma árvore falsa, ao lado de uma grande construção, e uma construção menor com palha no telhado, e que publicamos aqui.