1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Plágio de tradução

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Anica, 17 Fev 2008.

  1. Anica

    Anica Usuário

    Já foi comentado por aqui sobre os plágios da Martin Claret. Mas uma que eu não sabia era aquela série da Nova Cultural com clássicos da literatura tipo O Vermelho e o Negro e Cyrano de Bergerac. Eu cheguei a comprar uns seis ou sete desta coleção e confesso que agora estou até meio arrependida - aquela coisa, quem traduziu de fato a obra (e ralou por isso) não ganhou nada.

    Sei que são livros baratos (custaram dez reais e apesar do miolo naquele papel branco horrível de ler, têm capa dura e tal), mas aceitar essa passada de perna no trabalho dos tradutores é só um jeito de perpetuar essa condição de "tradutor = nada" aqui no Brasil.

    Por isso estou divulgando a lista das obras plagiadas aqui no Meia Palavra, com o nome dos reais tradutores das obras. (a lista original eu tirei do site Lendo.org - aliás, site muito bacana que o Marco me indicou há uns dias atrás):

    1. Dante Alighieri, A divina comédia, trad. Hernâni Donato (fake: Fábio M. Alberti )
    2. Dostoievski, Crime e castigo, trad. Natália Nunes (neca de tradutor, seja verdadeiro ou fake)
    3. Edmond Rostand, Cyrano de Bergerac, trad. Porto Carreiro (fake: Fábio M. Alberti) — consta que, depois da denúncia e do esperneio cívico-tradutório de nosso amigo ivo barroso, a nova cultural teria devolvido ao porto carreiro o que a ele pertence — em todo caso, sei que, ainda em janeiro deste ano, comprei uma edição de 2003 (suposto ano em que teriam feito a correção) e lá continua impávida a sinistra figura. de mais a mais, o mais sério é que ainda circulam em território nacional e abastecem milhares de prateleiras de casas brasileiras e de bibliotecas públicas, escolares e universitárias dezenas e dezenas, se não mais de centena, de milhares de exemplares na espúria fakice fabioalbertiananovoculturaliana
    4. Stendhal, O vermelho e o negro, trad. Luiz Costa Lima (fake Maria Cristina F. da Silva)
    5. Flaubert, Madame Bovary, trad. Araújo Nabuco (fake Enrico Corvisieri)
    6. Leon Tolstoi, Ana Karênina, trad. João Gaspar Simões (fake Mirtes Ugeda Coscodai)
    7. Tommaso di Lampedusa, O leopardo, trad. Rui Cabeçadas (fake Leonardo Codignoto)
    8. Goethe, Fausto, trad. Silvio Meira (fake Alberto Maximiliano)
    9. Goethe, Werther, trad. Galeão Coutinho (fake Alberto Maximiliano)
    10. Voltaire, Contos, trad. Mário Quintana (fake Roberto Domenico Proença)
    11. Emily Brontë, O morro dos ventos uivantes, trad. Oscar Mendes (fake Silvana Laplace)
    12. Pirandello, O falecido Mattia Pascal, trad. Mário da Silva (fake Fernando Corrêa Fonseca)
    13. Pirandello, Seis personagens à procura de autor, trad. Brutus Pedreira e Elvira Ricci (fake Fernando Corrêa Fonseca)
    14. Henry Fielding, Tom Jones, trad. Octavio Mendes Cajado (fake Jorge Pádua Conceição)
    15. Émile Zola, Naná, trad. Eugênio Vieira (fake Roberto Valeriano, Círculo do Livro)
    16. Alexandre Dumas, Os três mosqueteiros, trad. Octavio Mendes Cajado (fake Mirtes Ugeda Coscodai)
    17. Joseph Conrad, Lord Jim, trad. Mário Quintana (fake Carmen Lia Lomonaco)
    18. Guy de Maupassant, Uma vida, trad. Ascendino Leite (fake Roberto Domenico Proença)
    19. Scott Fitzgerald, Suave é a noite, trad. Lígia Junqueira (fake Enrico Corvisieri)
    20. Walter Scott, Ivanhoé, trad. Brenno Silveira (fake Roberto Nunes Whitaker)
    21. Dostoiévski, Os irmãos Karamázov, trad. Natália Nunes e Oscar Mendes (fake Enrico Corvisieri )

    Fonte: http://www.lendo.org/lista-de-plagios-da-nova-cultural/
     
  2. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    Mas como funciona isso, eles só pegam uns nomes emprestados? inventam? essas pessoas que não fizeram a tradução recebem por isso???? eu hein?!? Desculpa a ignorância! Não sei como é feito esses esquemas de tradução...
     
  3. Anica

    Anica Usuário

    Na realidade eu também não sei bem como ficou a questão, a única coisa que entendi é que os tradutores originais não recebem um tostão. A idéia que dá é que inclusive os nomes dos "tradutores" são fakes (o que significa que ninguém ganha nada por tradução, esse dinheiro iria direto para a Nova Cultural). Mas só estou especulando. Vou ver se encontro mais informações sobre isso para trazer para cá =]
     
  4. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    Sacanagem... Tem até um Mario Quintana ali no meio dos autores que deveriam receber! Dá até vergonha de saber que isso acontece! Roubar do Marião, é quase um pecado capital!
     
  5. Ronzi

    Ronzi Oh, Crap!

    Mas, o que eu não entendo é isso: ninguém vai preso, é processado, nem nada? Existe pena de prisão para crimes de apropriação intelectual? Acho isso tudo confuso, pois aqui é Brasil e se não prendem um cara que recebeu 4.000.000,00 ilegais para campnha, quem dirá um que se apropriou de uma tradução.
     
  6. Anica

    Anica Usuário

    O problema (pelo que eu entendi) é que as traduções foram "maquiadas", digamos assim. Eles pegam uma tradução pronta e trocam uma palavra aqui e outra acolá. Com essas poucas palavras diferentes eles já podem alegar que é uma outra tradução, e escapar de qualquer punição.
     
  7. Ronzi

    Ronzi Oh, Crap!

    Mas e CPF, RG, do Tradutor? Não eram tradutores fantasmas?
     
  8. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    Pois é... tb pensei nisso, a não ser que inventem os nomes dos caras... Se bem que... de qq forma não tem escapatória!

    Eu não sei como funciona a questão do plágio... mesmo com pequenas alterações acho que pode sim ser julgado... lembro-me que na minha primeira faculdade 15 pessoas entregaram um trabalho com o mesmo texto, (deviam ter copiado do mesmo site) alguns com alterações e o rpofessor identificou! Foi tudo parar na jurídica da universidade... Plágio!
     
  9. Anica

    Anica Usuário

    Talvez o que acontece com a Martin Claret possa explicar a situação da Nova Cultural. Achei isto aqui:

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    E isso aqui saiu no Amigos do Livro:

    Fonte: http://www.amigosdolivro.com.br/lermais_materias.php?cd_materias=5209

    Pelo que entendi, o bafafá só começou depois que perceberam esse negócio da tradução do Quintana.
     
  10. Um grande problema é que depois que o tradutor percebe que plagiaram sua tradução, as opções são difíceis. Tá, o cara viu que fizeram plágio, mas até provar que o documento original foi feito por você...
    As vezes o tradutor ainda tem o documento que ele fez originalmente, especialmente nessa época de backups e arquivos de computador, mas e se a tradução é antiga, da época de traduções entregues na máquina de escrever por exemplo?

    Eu não sei como funciona com as traduções literárias, mas pelo menos nas técnicas existem muitos freelancers intermediados por agências de tradução. Tanto os freelancers intermediados pela agência quanto os tradutores da agência não tem seu nome divulgado, é o trabalho da agência X e não do fulano de tal. Então, por exemplo, mesmo que eu faça uma tradução gigantesca que vá parar num site importante ou que passe pra mão de um juíz ou superintendente da policia federal, que seja, o nome que aparece não é o meu. Em relação a tradução literária eu sei que o esquema é diferente, existe o contrato, os direitos autorais, mas é só pra dar um exemplo de como é fácil o nome do tradutor desaparecer. E se o nome do tradutor desaparece, vice mais fácil ainda alguém colocar o nome que bem entender.


    Ô profissão mal reconhecida =/
     
  11. Estus

    Estus Usuário

    Em tradução literária a coisa é bem clara. Existe o diretio autoral sobre a tradução que deve ser respeitado. Um contrato é assinado e geralmente é dado o crédito para o tradutor.

    Mas nada impede que pessoas roubem a tradução de outras editoras e coloquem um nome fantasma como o tradutor.
    Teve um cara que colocou o filho e a filha como tradutores, picaretagem.
     
  12. Eu acho que a pergunta é meio burra mas eu sozinho não consegui resolver.

    Me expliquem uma coisa.
    Como eu posso saber realmente se é uma obra plagiada?

    E como o próprio tradutor pode saber?
    Sim é claro que ele sabe porque foi lá trabalho na editora e fez a tradução.
    Mas como ele pode ter certeza que depois que ele foi embora a editora não contratou outro e traduziu muito parecido com o que ele tinha feito?
     
  13. Primeiro, pq eu acho que a editora seria burra de pagar duas pessoas pra fazerem o mesmo trabalho :mrpurple:

    Mas principalmente porque por mais que não pareça, traduzir é um processo criativo. É escrever de novo. Nenhuma tradução fica igual a outra, já que as palavras não são códigos com um único significado, assim como a língua não é, assim como duas línguas diferentes não vão ser. Então é como escrever um conto ou um artigo ou um texto qualquer: de um jeito ou de outro ele tem sua cara.
    É a mesma coisa que você ver um conto que você escreveu como sendo de uma pessoa e ficar na dúvida de será-que-ele-teve-a-mesma-idéia? A idéia geral pode se repetir, o tema é recorrente, as vezes até a ordem das ações é igual, mas o seu jeito de escrever é só seu.
     
  14. Entendi.

    Então o que acontece é que o tradutor vai lá e rala pra caramba e a Editora coloca o nome de um laranja ou de alguém que não existe como tradutor daquele livro?

    Sacanagem.
     
  15. Anica

    Anica Usuário

    Recebido no [email protected] (que agora funfa!!!)

     
  16. alrob

    alrob Usuário

    Quando soube desse plágio tive uma Sra. Decepção com a Nova Cultural, ao menos o dito é verdadeiro: "mentira tem perna curta".

    Tenho nada mais e nada menos do que 9 edições com traduções plagiadas...
     
  17. Cara seilá, entendo que essa situação é grave, e que os tradutores não são nada reconhecidos...mas mesmo assim não vou parar de comprar livros de tal editora pq a tradução é "plagiada"...Quem tem de reclamar por seus direitos são os tradutores...e afinal essa questão nem foi muito difundida, será que é verdade mesmo? Se fosse verdade não sairia na manchete de grandes jornais?
     
  18. Tilion

    Tilion Administrador

    É verdade, sim, as traduções foram cotejadas e se provou por A mais B que existe plágio.

    Continuar comprando esse tipo de material sabendo que foi feita uma apropriação indevida dos direitos autorais de uma pessoa e reconhecendo que "a situação é grave" é compactuar com a prática e totalmente condenável. Eu que sou do ramo (tradutor) sei o trabalho que dá fazer uma tradução e sei o quanto isso me indignaria se fosse feito com uma obra minha.

    O mais certo seria ir atrás das edições com as traduções originais, a não ser, claro, que pra ti coisas como "ética e moralmente condenável" sejam apenas mais umas palavras soltas no dicionário.
     
  19. Anica

    Anica Usuário

    E não só indo para o lado da ética e afins, mas convenhamos, o pessoal que faz plágio de tradução costuma "comer" pedacinhos do texto, se é que vocês me entendem... Aí você acha que está lendo versão integral, mas é incompleto. Isso para não falar quando mudam algumas palavras para um termo bem nada a ver só para diferenciar do material de onde foi copiado :think:
     
  20. Liv

    Liv Visitante

    Tá, mas como que eu posso saber que um livro é plagiado? Só depois que eu comprei, né? :think:
     

Compartilhar