• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Lançamentos 2020

Mavericco

I am fire and air.
nova trad para O Burro de Ouro, do Apuleio:

nova trad dos Evangelhos:
 

Jacques Austerlitz

(Rodrigo)
Usuário Premium
O novo livro da Elena Ferrante, A vida mentirosa dos adultos, já foi lançado.



Em aguardado romance inédito após o sucesso da Tetralogia Napolitana, autora narra os conflitos da adolescência em uma cidade dividida.

As mudanças no rosto de Giovanna anunciam o início da adolescência e não passam despercebidas em casa. Dois anos antes de abandonar a família e o confortável apartamento no centro de Nápoles, Andrea não se dá conta do que sentencia quando sussurra para a esposa que a filha é muito feia. Essa feiura estética, mas que também indica uma possível falha de caráter, recai sobre Giovanna como uma herança indesejável de Vittoria, a irmã há muito renegada por Andrea. Aos doze anos, a menina vê um rosto no espelho e, embora não compreenda a fundo o peso daquela comparação, sente que algo está irremediavelmente à beira de um abismo.

O amor e a proteção oferecidos pelo lar são as primeiras estruturas a desmoronar quando Giovanna decide conhecer a mulher que pode encarnar seu futuro. Os encontros com a tia são o ponto de partida para o embate com inúmeras questões existenciais — é possível pertencer a algum lugar em uma Nápoles de contrastes entre o cinza industrial e sua sociedade rica e instruída? Ou transcender os erros e pecados cada vez mais aparentes de pais outrora perfeitos? Como sobreviver ao despertar do desejo?

Ao longo dos anos acompanhamos os percalços da transição da infância protegida de Giovanna a uma adolescência exposta às complexidades daqueles que a cercam, evocando também a possibilidade de levar a vida adulta como nenhuma outra mulher fizera até então. Um romance extraordinário sobre transições, paixões e descobertas.

Leia um trecho.
 

Mavericco

I am fire and air.
Comprei a tradução do Cavallari pros Evangelhos e super recomendo, tanto pra quem como eu não é cristão quanto, e principalmente, pra quem é. A proposta de tradução dele é bem interessante: recriar o efeito estético dos textos sem recorrer ao vocabulário consagrado pela tradição cristã. Um exemplo claro disso é traduzir "diábolos" não para "diabo" e sim "caluniador", levando em conta que era esse o sentido básico da palavra antes da tradição cristã se fixar.

E tem vários outros relances assim, p.ex. "baptízo" para "mergulhar" e não "batizar"; o aoristo "egéneto" no início do Evangelho de João para "veio a ser" e não "surgiu", "houve" etc; "khristós" para "ungido"...
 

Mercúcio

Usuário
O novo livro de Nélida Piñon está para sair: ‘Quero enfrentar a pandemia com a minha literatura’
Por Ancelmo Gois

08/08/2020 • 05:00

A querida Nélida Piñon, 83 anos, acaba de entregar à editora Record “Um dia chegarei a Sagres”, seu primeiro romance desde 2004. O livro começou a nascer em Lisboa, onde ela ficou por um ano trabalhando, pesquisando e viajando pelo país, “para ouvir o que as paisagens portuguesas me confidenciavam.” Agora, após oito versões do romance, atingindo um metro de altura de papel ofício, a Record o publica em outubro.

O editor Carlos Andreazza tentou convencê-la a deixar o livro para o ano que vem por causa da pandemia, que também afeta todo o mercado editorial. Mas Nélida reagiu. Disse que assumia o risco de lançar em tempos de trevas, sob a ameaça de encontrar um panorama adverso. “Importa-me provar que eu confio no fulgor da literatura brasileira, que tem sobrevivido a todos os embates. A arte viceja, não falece”, disse.
Maravilha.

Ver anexo 87708
Nélida Piñon | Marcos Ramos

Link


Nélida Piñon escreve sobre o que move os portugueses

Em 'Um dia chegarei a Sagres' escritora entrelaça a história do país europeu e o impulso de seu povo ao mar com a história de um personagem migrante
AE
Agência Estado

05/10/2020 04:00 - atualizado 05/10/2020 08:53
COMPARTILHE
1601901788771.png
Com o agravamento de um problema de visão, a autora escreveu a mão sua mais recente obra(foto: Curta!/Divulgação)

Quando chegou a Portugal, em 2018, a escritora Nélida Piñon, uma das mais importantes da literatura brasileira, tinha um objetivo claro: produzir um romance de alma, que reproduzisse o espírito navegador que marca a trajetória do povo português, nação que elegeu o mar como extensão de seus caminhos. Nasceu, assim, Um dia chegarei a Sagres (Record), obra ambiciosa que retrata, por meio da ficção, o transcurso histórico de Portugal a partir do século 15.

"Desde 2005, tenho esse projeto, mas era necessário estar lá", conta Nélida, que não publicava um romance desde 2004, quando saiu Vozes do deserto. Era uma exigência visceral: "O livro pedia um tipo específico de pesquisa, pois eu precisava sentir o cheiro exalado pelas colinas, pelas aldeias, especialmente da região de Sagres. Bastava olhar para uma árvore. Como a história se passa no século 19, eu necessitava recuperar isso com precisão".

Um dia chegarei a Sagres acompanha a trajetória de Mateus, filho de uma prostituta e de pai conhecido e que é criado pelo avô, Vicente, na região rural do Norte de Portugal. Ali, em meio a uma rotina de escassa expectativa, Mateus abandona a aldeia quando o avô morre, embalado pelo mito do Infante Dom Henrique de Avis, que, no século 15, foi o principal impulsionador da expansão portuguesa pelos mares. Segue, então, para Lisboa até chegar à vila de Sagres, onde, reza a lenda, o Infante teria criado uma escola náutica.

"Mateus busca restaurar a utopia do resgate de Portugal", observa Nélida, que esteve em Sagres, já no final de sua estada portuguesa. A visita foi decisiva: "Senti a presença do Infante Henrique, como se ele estivesse instigando a enfrentar o oceano e, mais importante, senti o vento que sempre empurrou aqueles homens a se aventurarem no mar".

Em sua saga que cruza o país, Mateus descortina o passado e o futuro, apoiado ainda na poderosa poesia de Luís de Camões e seus Lusíadas. No período de dois anos e dois meses de trabalho, Nélida também embarcou em uma viagem, mas literária, em que a linguagem lapidada ressalta valores – assim, a aldeia de Mateus torna-se universal, seus animais são sacralizados e Deus não apenas existe, mas está presente.

Aos 83, autora se protege do vírus:“Não vou nem até o elevador”

Nélida Piñon enfrentou enormes desafios físicos para finalizar Um dia chegarei a Sagres. "Antes de chegar a Lisboa, passei por Madri, onde faria uma conferência, e quebrei o braço. Não desisti, mas percebi que um problema que limitava minha visão estava se agravando", relembra a escritora, que, aos 83 anos, exibe uma invejável disposição.

A solução encontrada foi hercúlea: "Ainda em Lisboa, comecei a escrever a mão, quase que sofregamente, todos os dias. Minha ajudante, Karla, que entende bem a minha letra, transcrevia cada capítulo para o computador".

Assim, o romance nasceu em um rompante, mas com uma estrutura já bem definida. "Em seguida, iniciei o trabalho da lapidação das frases, pois invadi o território sagrado da língua, instrumento que serve ao texto."

Já de volta ao Rio, no ano passado, Nélida chegou a fazer oito versões até chegar à definitiva. "Aperfeiçoei o conceito, que já estava definido desde minha passagem pela Europa, que foi extrair dos portugueses a definição de ser luso e da determinação em se lançar pelo mundo", explica a autora, que se impôs ainda outro desafio: escrever na primeira pessoa e com uma voz masculina, a do personagem Mateus.

"Foi preciso um esforço para ser fiel ao sentimento e, principalmente, aos desejos de um homem." Ela se diverte com a reação dos amigos próximos, que leram antes o livro e se surpreenderam com a fidelidade com que retrata emoções masculinas.

Nessa fase, quando se encaminhava para a conclusão da obra, o mundo já vivia sob a pandemia do novo coronavírus e as pessoas, isoladas em suas casas. "Foi o momento ideal para imergir no processo final da escrita, a me debruçar durante longas jornadas sobre cada frase, a fim de encerrar aquela odisseia narrativa", conta a escritora.

"Desde 12 de março, não vou nem ao elevador do meu prédio, mas não tive nem um momento de mau humor ou depressão. Meu receio não é o de morrer, mas de ficar entubada – não quero ficar escrava da vontade alheia."

A obsessão pelo conceito correto, a palavra perfeita, a frase definitiva é uma marca da obra de Nélida Piñon, que não mede esforços até atingir seu objetivo. Seu romance anterior, por exemplo, Vozes do deserto (2004), exigiu que ela passasse cinco anos às voltas com a cultura árabe, lendo o Corão (livro sagrado dos muçulmanos) e estudando a história e a mitologia dos povos do islã. Como a palavra sempre teve um peso valioso para a escritora, nenhum livro seu sai da gráfica sem um cuidadoso preparo.

TRIUNFO

E, se dependesse de seu editor na Record, Carlos Andreazza, o livro seria lançado no próximo ano, quando a pandemia já deverá ter amenizado. "Eu precisava mostrar que o escritor brasileiro triunfa diante das vicissitudes, especialmente as tão graves como as que vivemos hoje", explica ela, conseguindo que o livro já chegasse às livrarias. O curioso é que Um dia chegarei a Sagres poderia ter nascido há mais tempo, uma vez que Nélida acalenta o desejo de escrevê-lo desde 2005. "Eu sabia da necessidade de estar em Portugal a fim de fazer as pesquisas, mas comecei a evitar a viagem, pois meu cachorro amado, Gravetinho, teria de viajar no porão do avião, o que seria impensável."

É notória a paixão de Nélida pelos animais, cães em particular. E a morte de Gravetinho, em 2017, depois de 11 anos de convivência, doeu fundo. "Ele era tão amoroso que acredito ter morrido para também me liberar para escrever o romance em Portugal", comenta a escritora, com a voz engasgada.

Perdas e ganhos marcam a vida de qualquer um, em especial de Nélida Piñon. Em 2 de dezembro de 2015 – a exatidão traduz o impacto provocado pelo acontecimento daquele dia –, ela foi informada de que padecia de um câncer avançado, que não lhe deixaria mais que seis meses de vida.

Ainda que assombrada, manteve uma calma relativa, que lhe permitiu organizar a própria morte: desde recomendações sobre as músicas que deveriam ser tocadas em seu velório até a firme decisão de não ser enterrada trajando o fardão da Academia Brasileira de Letras

Felizmente, um exame mais apurado realizado meses depois não apresentou sequer um vestígio do câncer. Mesmo diante do falso veredicto, Nélida continuou escrevendo um diário, que resultou em Uma furtiva lágrima, lançado no ano passado. Foi mais uma vitória de uma mulher para quem a literatura, mais que uma arte, é uma energia, uma ferramenta para mudar o mundo.

______
Fonte: https://www.em.com.br/app/noticia/c...escreve-sobre-o-que-move-os-portugueses.shtml
 

Spartaco

250 anos do nascimento
Lançamento do próximo mês de novembro:

Mulheres Extraordinárias.jpg

Mulheres Extraordinárias: As Criadoras e a Criatura​

Trata-se da premiada biografia das escritoras Mary Wollstonecraft e Mary Shelley, assinada pela poeta e biógrafa Charlotte Gordon.

Mary Wollstonecraft e Mary Shelley nunca se conheceram de fato. Ainda assim, suas histórias estão inevitavelmente entrelaçadas por escolhas, sonhos e tragédias curiosamente similares. Ambas se tornaram escritoras famosas. Apaixonaram-se por homens geniais e impossíveis. Foram mães solteiras, com filhos fora do casamento. Viveram em exílio. Lutaram por uma posição na sociedade. Desafiaram os costumes da época. E eram mãe e filha. De um lado, a autora de Reivindicação dos Direitos da Mulher, uma das obras fundadoras do feminismo, que denunciou a exclusão das mulheres aos direitos básicos no século 18. De outro, a criadora de Frankenstein, verdadeiro ícone do terror ― e primeiro livro a ser lançado na coleção Medo Clássico da DarkSide® Books.
 

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.920,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo