Arquivo da categoria: Diários

Diário de Glorfindel 1

Dia 1 – Decidi contar para  Arwen que  Elrond anda roubando as roupas dela. Quem sabe assim ela não desiste do  Aragorn e reata o noivado comigo?

Dia 2 – Elrond descobriu meu plano e me botou para fora de Valfenda. Tive que ir procurar o ladrão do Aragorn e os 4 hobbits idiotas.Pelo menos assim apareço no livro.

Depois: Tive uma idéia! Vou contratar os nazgûl para dar uma lição neles!

Dia 4 – Não encontrei os idiotas, e os nazgûl ainda não apareceram. O serviço de delivery de Sauron ta cada dia pior.

 

Dia 5 – Perdi o berilo que Legolas me deu na Segunda Era… Devia ter ficado com ele e não ter tentado nada com Arwen. Espero que a pedra não caia nas mãos de Aragorn…

Dia 6 – Achei o ladrão e os 4 patetas.Aragorn além de estar com a minha pedra usa a doença do portador do anel como desculpa para ficar perto dele. Aquele pervertido tarado por hobbit! Espera até Arwen saber! Bem, Sam vai mata-lo mesmo…

Depois: Os nazgûl finalmente apareceram. Convenci Aragorn a ficar para trás e deixar Frodo ir sozinho na frente. Emprestei Asfaloth para ele. Espero que o cavalo esteja bem treinado para joga-lo longe.

Dia 7 – AAHH! Asfaloth me traiu!! E está todo sujo com o vômito de Frodo! Se ele soubesse o quanto de alvejante que eu gasto para deixar o cavalo daquele jeito!!

Dia 12 – Tive que ir no fracasso da festa do Elrond. Legolas não acreditou na história da pedra, disse que achava que eu tinha dado para Haldir. Eu não vejo Haldir há séculos, mas ele também não acreditou e me deu um tapa na cara.

Dia 13 – Tanto Legolas quanto Elrond querem me matar. Arwen não acreditou que Aragorn é um pervertido e agora também quer me matar! Não tem um único elfo em Valfenda que me queira? Desisto de elfos!! A propósito, já viram os músculos de Boromir?

Dia14 – Boromir me rejeitou depois de uma noite! Mal tive tempo de tocar a corneta de Gondor! Para completar, recebe um e mail do gordo barbudo do Peter Jackson dizendo que eu não vou aparecer no filme! E adivinhem quem ele vai colocar no lugar: Arwen!! Não dá para confiar em ninguém!

Dia 15 – Tive um papo com o Balrog de Moria. Todos acham que nós nos matamos em Gondolin, mas não foi bem assim. Vou ver se ele leva todo mundo para o abismo.

Dia 17 – Parece que o Balrog tinha um caso mal resolvido com Gandalf , e levou só ele. Tenho que ver meus contatos em Lórien.

Dia 18 – Haldir não aceitou minha proposta de matar todos, só por causa de um dinheirinho que eu estou devendo para ele de um alinha para tratamento de cabelos claros que eu comprei quando ele revendia cosméticos. Legolas também comprou, tão pouco pagou e vai ter sua vida salva!Isso não está me cheirando bem.

Dia 19 – Galadriel me disse que realmente Haldir quer algo com Legolas, deu até umas roupinhas novas para ele. Só que Legolas está interessado naquele anão que passou o dia todo brincando de Esconda o elmo com Celeborn. Galadriel me chamou para passar uns tempos lá, mas eu estou meio indeciso quanto à vida…

Dia 20 – Aceitei a proposta de Galadriel. Pelo menos assim eu tenho Haldir por perto para possíveis eventualidades…

Está envolvido com a obra de Tolkien desde 1999 – fundador da Calaquendi, fundador da Valinor, fundador do Conselho Branco (Sociedade Tolkien) e presidente por três mandatos. Participou da publicação em livro do Curso de Quenya e é autor do Modo Tengwar Português

Diário Secreto de Gandalf O Cinzento

Dia Um: No Condado. Vista exuberante de beleza inocente e pastoral. Foi impressão minha, ou Frodo estavade bobeira no campo se masturbando antes que eu aparecesse?
 

Dia Dois: A festa de Aniversário de Bilbo melhorou depois de um aumento substancioso de erva de hobbit. Todo mundo tão agradável. Bilbo agradável também. Luzes tão bonitas. Frodo também não é nada mal. Hobbits são tão cuti-cuti. Opa. Foi mal.

Dia Três: Mal estar de uma tremenda ressaca. Vou para Minas Tirith para tomar uma aspirina.

Dia Doze: Fui ao Saruman para me aconselhar sobre o Anel mas ele tinha se tornado mau. Ninguém me conta nada. Aparentemente havia um memorando. Radagast o Marrom provavelmente roubou o papel da minha caixa de entrada.

Dia Treze: Preso no topo da torre. Grande vista, mas essa constante chuva de granizo não é boa para o chapéu pontudo. Estou me divertindo mesmo é cuspindo nos Orcs lá embaixo.

Dia Quatorze: Visitado novamente por Saruman, que tentou criar um clima. É ruim, hein!

Dia Dezesseis: Estou só. Saruman talvez não seja tão sem atrativos afinal de contas. Se não fosse pelas essas narinas gigantes reluzentes e unhas como garras enormes …tá, você achou que eu poderia ter esquecido que ele mau antes.

Dia Dezenove: Escapei. Estou em Valfenda. Sam ligeiramente fora de controle. Continua dando banhos em Frodo. Elfos agora enjoados de tanto cheiro de espuma de morango. Elrond ficando aborrecido.

Dia Vinte: Elrond decidiu despachar Frodo pois está cansado de nunca poder entrar no banheiro do primeiro andar. Grande bate-boca sobre o Anel. Concordei em ir com a Sociedade no caso de Sam querer decidir me dar um banho. Poderia precisar de um.

Dia Vinte e um: Aragorn está obviamente à fim de Frodo. Sam o matará se ele tentar qualquer coisa. Pedi a Sam para me dar um banho. Ele disse, "Ha ha, Senhor Gandalf, adorei a piada". Mané inútil.

Dia Vinte e três: Muito frio em cima de Caradhras. Aragorn ganhou briga a sobre quem iria carregar Frodo montanha à cima. Boromir emburrado. Se Legolas continuar se exibindo em cima da neve, posso ter que batê-lo com meu cajado.

Dia Vinte e cinco: Não quero passar por Minas de Moria, suspeito que o Balrog ainda está zangado pelo programa ruim que fizemos tempos atrás na Segunda Era.

Dia Vinte e seis: Em Minas de Moria. É, Balrog ainda bravo.

Dia Vinte e sete: Caí na sombra. Balrog é um bundão. Tive que fazer algumas coisas indescritíveis antes que ele me deixasse sair nas cavernas. Decidi não contar para o resto da Sociedade. Ao invés disso inventarei uma história sobre ter travado uma batalha enorme. Vou ver Elrond para tratar de queimaduras em terceiro grau em lugares bastante desagradáveis. Espero que Elrond não ria de mim. Se ele fizer, contarei para todo mundo sobre o fim de semana sacana dele com Sauron. Ha!

Está envolvido com a obra de Tolkien desde 1999 – fundador da Calaquendi, fundador da Valinor, fundador do Conselho Branco (Sociedade Tolkien) e presidente por três mandatos. Participou da publicação em livro do Curso de Quenya e é autor do Modo Tengwar Português

Diário de Frodo – 2ª Parte (ADT)

Dia Um:
Perdido em Mordor com Sam. Pouca comida, com exceção de Lembas. Dieta alta em carboidratos indo diretamente para as coxas. Calções muito apertados. Pequeno Frodo ficando assado. Moral sofrendo. Tenho pesadelos com Gandalf. Queria nunca ter sabido que ele usa meia arrastão. Muita informação, se é que você me entende.
 

Dia Quatro:
Ainda perdido. Tempo úmido fazendo a roupa de baixo agarrar nas coxas gordas. Preocupado se desenvolverei uma erupção cutânea séria. Queria não ter dado os calções maiores para Galadriel. Oh bem…tarde demais. Só temos Lembas para comer, mas Sam ainda carregando 80 quilos em frigideiras.
Sam um pouco obtuso, francamente.

Dia Seis:
Catinga horrível em Mordor. A princípio pensei que Aragorn estivesse na vizinhança, então percebi que era Gollum. Sam transtornado. Tentei explicar que "o canto de sereia" do Anel faz Sméagol ficar louco de luxúria e desejo pelo Precioso. Sam alegou entender tudo muito bem. Inexplicavelmente começou a tagarelar sobre ferramentas de jardinagem. Algo sobre fazer alguém de enxada, mas não pude seguir a linha de pensamento totalmente. Mané estúpido.
Queria ter trazido Gimli agora. Imagino se Gimli sente falta de mim afinal?

Dia Sete:
Gollum tentou pegar o Um Anel durante a noite. A procura no escuro desesperada de Sméagol inflamou a erupção cutânea da parte interna da minha coxa. Fiquei muito aborrecido. Ameacei Gollum com Ferroada.
Sam amarrou Sméagol e obviamente aprecia torturar o prisioneiro quase pelado. Não saiba que Sam era chegado nesse tipo de coisa.

Dia Nove:
Gollum nos conduzindo ao Portão Negro em troca de sabão aromático para refrescar tanga. Usei a Espuma de Banho de Morango que Sam pegou em Valfenda para fechar o acordo. Sam todo amuado pelo meu interesse em Sméagol. Não é nenhuma perversão, só quero descobrir se exposição prolongada ao Um Anel causa calvície masculina.

Dia Onze:
No Pântanos Mortos. Cheiro muito ruim. Algo como se estivesse a favor do vento enquanto Aragorn carrega lixo. Sam acha Gollum muito astucioso. Acho que Sam tem inveja porque Gollum continua magro com a dieta de peixe. Situação da assadura: Incomodando. Tenho que tomar banho logo.

Dia Doze:
Tentei tomar banho no pântano mas pessoas mortas muito brutas ficavam me incomodando. Quase me afoguei. Sam, a besta inútil, não ajudou em nada. Ao invés disso fui salvo por Gollum. Sméagol não é tão ruim. Tenho que tentar levar um lero com ele quando Sam estiver dormindo.
Situação da assadura: Na mesma.

Dia Oito:
Tive um papo agradável com Sméagol sob a luz do luar. Sméagol muito muito ansioso em agradar. Gosto muito quando ele me chama de Mestre. Sam tão contrariado que está ficando roxo. Talvez devesse ter escutado Pippin. Tenha que conversar com Gamgi sobre estar íntimo e possessivo demais.

Dia Nove:
Bombardeado pelo Nazgul Rei Bruxo. Honestamente! Foi só dar uma ficada lá em Amon Sûl e agora o Espectro nº1 vem todo possessivo. Tenho evitado-o como posso. Não atenderei seus chamados. Ele não entende uma indireta?

Dia Dez:
Sméagol trouxe dois coelhos fofinhos para mim. Mortos, mas fofinhos. Sam muito incomodado, mas fiquei alegre que ele ainda tenha as panelas. Sméagol muito transtornado sobre diferentes filosofias da arte culinária. Matará Sam se ele fritar alguma coisa.

Dia Onze:
Vi exército do Sul indo em direção a Mordor. Sam hipnotizado pelos Olifantes. Principalmente pelos apêndices gigantes dos Olifantes. Não parava de falar nisso. Sam bastante estranho.
Nota mental: Ver se ele não quer rachar comigo o pacote completo do Canal Erótico Hobbit..
DEPOIS: Seqüestrados, amarrados e vendados por homens mascarados vestidos de couro. Sam provavelmente está gostando disso. Pedirei a Sam para fazer qualquer ato inominável em troca de loção para assadura. Sméagol se foi. Obviamente não gosta desse tipo de coisa.

Dia Doze:
Estou sendo mantido cativo numa caverna úmida. Sam todo nervosinho. Eu mesmo tive que fazer atos inomináveis. Transaria com um Balrog agora mesmo por um pouco de hidratante e um fim de semana sujo em Osgiliath.
Outras notícias: Descobri que Boromir morreu. Nem Sam nem Faramir muito chateados com isso.
Situação da assadura: Descascando. Coça mais na hora de dormir. Sam ficou excitado e insinuou que eu estava polindo a Ferroada. Disse-lhe que eu estava afagando o Um Anel e saí para fazer xixi.
Espero poder dar um mergulho no lago. Preciso de um banho apropriado e alívio para a coceira. Tentarei passar a conversa no Faramir quando Sam estiver dormindo.

Dia Treze:
Quase consegui nadar agarradinho e pelado com Faramir ontem à noite mas Sam tentou enfiar a caçarola de ferro no "cofrinho" do Faramir.
A besta gorda está determinada a me ver morrer virgem! Quero ter um relacionamento sério antes de sofrer uma morte horrível na Montanha da Perdição. Estou muito aborrecido. Gamgi contratado para dar cabo das ervas daninhas, não para afugentar militares nus de mentes-abertas.

Dia Quarta:
Sméagol atraído pelo bando de Faramir. Sei que Sméagol não é chegado em sado-masoquismo ou sexo em grupo, mas talvez ele mude de idéia.

Dia Quinze:
Oh droga! Faramir descobriu tudo sobre o Um Anel. Agora o quer como aliança de compromisso. Está disposto a ter um casamento aberto mas Sam não concorda. Sam convencido de que continuaria fazendo todo o serviço doméstico – na cozinha e no jardim – mas não teria nem um pouquinho de romance. Provavelmente está certo. Se ele ao menos perdesse um pouco de peso, poderia ganhar algo mais.

Dia Dezesseis:
Osgiliath. Dia muito ruim. Confrontei o Nazgul persistente. Tentou me impressionar com sua nova montaria – Dragão preto novinho em folha. Tentei lhe falar que nosso caso tinha acabado. O Rei Bruxo ficou todo ressentido. Queria o Anel de volta. Até parece!!
Sam se intrometeu antes que pudesse resolver o impasse, então tentou me agarrar num canto. Ameacei enfiar Ferroada no nariz dele. Honestamente!
Pippin muito certo sobre Sam. Uma vez de volta ao Condado começarei a usar temporários de agências.

Dia Dezessete:
Faramir nos levou para a praia e enviou postal para Aragorn. Muita consideração de Faramir em fazer com que Aragorn saiba que estamos bem.
Consegui dar umas rapidinhas com o robusto Capitão Gondoriano enquanto Sam estava fora pegando sorvete. Faramir muito doce. Muito muito ansioso em agradar. Tenho que tentar arrumar para ele um daqueles globos com neve numa loja de souvenirs da Montanha da Perdição.

Dia Dezoito:
De volta ao caminho para Mordor. Sméagol à distância. Provavelmente ainda chateado comigo por ter tentando um ménage à trois com ele e Faramir. Todos os Portadores do Anel se tornam tão irritados?
Sam está sendo um tremendo baba-ovo. Constantemente oferecendo-se para ajudar a apl
icar a loção. Pode ser. Está difícil achar boa ajuda nestes dias.

Está envolvido com a obra de Tolkien desde 1999 – fundador da Calaquendi, fundador da Valinor, fundador do Conselho Branco (Sociedade Tolkien) e presidente por três mandatos. Participou da publicação em livro do Curso de Quenya e é autor do Modo Tengwar Português

Diário de Arwen

Dia Um

Terminei com Aragorn hoje. Ele teimou em me dar um cachimbo de barro e um par de calções no Dia dos Namorado quando eu especificamente pedi uma noitada. Mandei ele para longe de Valfenda.

 

Dia Dois

Chateada e só. Arrependida de ter despachado Aragorn. Mas qual era a dele em querer que eu colocasse uma peruca de cachinhos e ficasse de joelhos durante nossos momentos íntimos? Estou certa que outros humanos têm fixações igualmente estranhas. Queria me interessar por Elfos, mas desde que discuti com Glorfindel na Segunda Era quando ele me acusou de copiar o penteado dele, perdi o interesse pelos da minha própria espécie.

Dia Três

Alguém está experimentando meus vestidos novamente. Eles estão todos repuxados, especialmente o púrpura.

Dia Seis

Legolas ficou todo ofendido quando eu o acusei de experimentar meus vestidos. Ele diz que eu duvidei da masculinidade dele. Que masculinidade?

Dia Onze

Legolas ainda emburrado. Disse que agora os outros elfos estão tirando sarro dele desde todo aquele incidente-do-experimenta-vestido. Disse que eles já não o levam mais a sério como um homem. Ele não deve ter percebido quando Papai o chamou de "o elfo gay mais gay que já sentou na lança" na última reunião do Conselho. Ou talvez ele só não tenha entendido isso; ele é muito bonito, mas não muito esperto.

Dia Treze

Muito, muito, muito chateada. Talvez deixe Valfenda à procura de aventura, ou para fazer compras.

Dia Quinze

Percorri todo o caminho até Rohan só para descobri que não há nenhuma loja decente. Propaganda enganosa!

Dia Dezessete

Fui para Bri. Perguntei ao Carrapicho se tinha visto Aragorn ultimamente. Carrapicho disse, " O que, aquele pervertido tarado por hobbit?" Falei para ele que devia estar confundindo com outro Aragorn filho de Arathorn. Ele disse, " O Cara Que Ainda Não É Rei, certo?" não respondi; algumas pessoas não merecem minha atenção.

Dia Dezoito

Tenho seguido Aragorn por durante dois dias. Nunca tinha visto hobbits de tão perto antes. De repente a parada de peruca cacheada e pés falsos começa a fazer sentido. Muito aborrecida. A batata dele está assando.

Dia Vinte

Ele nunca lava o cabelo dele quando eu não estou por perto?

Dia Vinte e quatro

É oficial. Aragorn é um completo pervertido tarado por hobbit. Está obviamente a fim do pequeno hobbit de olhos azuis Frodo. Sam o matará se ele tentar qualquer coisa.

Dia Vinte e cinco

Encurralei Sam enquanto ele estava procurando ervas. Expliquei exatamente a ele como era possível matar homens humanos instantaneamente e silenciosamente usando só um garfo e um elástico. Virei-o, dei lhe um pequeno empurrão na direção de Aragorn… mas sem chance. "Mas nós precisamos dele para proteger Frooodo, senhora elfa assustadora!"

Hobbitizinho mala, eu não tenho a menor paciência.

Dia Vinte e seis

Finalmente decidi cuidar eu mesma de Aragorn; estava prestes a rasgar a garganta dele quando me distraí com os gemidos do Portador do Anel. Decidi aborrecer Aragorn raptando o herói tampinha e levando-o para um longo passeio de pônei.

O hobbitizinho é realmente bastante adorável, maldito.

Não posso acreditar que estou me derretendo pelo hobbit. Repito para mim: "Distância, Princesa elfa inatingível. Distância, Princesa elfa inatingível." E principalmente não posso acreditar que estou me derretendo por um hobbit esverdeado e meio-morto.

Dia Vinte e sete

Perseguida por Espectros do Anel. Tão tedioso. Direto para Valfenda.

Dia Vinte e nove

Bem, realmente. Nunca posso me aproximar do Portador do Anel, já que Sam sempre está lá, além do mais peguei Aragorn bisbilhotando no jardim perto dos quartos dos hobbits. Disse ele que estava procurando um fragmento da Narsil que ele tinha perdido.

Dia Trinta

Hobbits são um incômodo. Pessoal da cozinha reclama – acabaram com as cenouras. Pessoal do banheiro reclama – acabaram com a espuma de banho de morango. Legolas reclama – não me deixará ir para a reunião do Conselho senão ele não será o mais bonito. Tensão está acabando com Papai. Me perguntou ontem de maneira estranha se eu achava que púrpura combinava com ele. Disse a ele que claro que não, ele já está muito velho para usar essa cor.

Dia Trinta-dois

Passei o dia todo à toa na ponte antes de Aragorn aparecer por lá. Acusei-o de ser um completo tarado por hobbit. Ele me falou que Isildur tinha sido um, e que ele só estava tentando construir a carreira dele de uma maneira semelhante. Disse a ele: "Você é o herdeiro de Isildur, não o próprio Isildur". Para o que ele respondeu, "Só se você fosse um pouco menor, e tivesse pés maiores."

Dia Quarenta

Passei a noite toda com Gimli. Aquelas tranças! Aquele machado! Eu estou impressionada. Nada mais de hobbits para mim, agora é somente anões. Bem, talvez dar só uma olhadinha pela última vez em Sam dando banho em Frodo. Afinal de contas, eu não surrupiei aquela chave do banheiro do bolso de Aragorn para nada.

Está envolvido com a obra de Tolkien desde 1999 – fundador da Calaquendi, fundador da Valinor, fundador do Conselho Branco (Sociedade Tolkien) e presidente por três mandatos. Participou da publicação em livro do Curso de Quenya e é autor do Modo Tengwar Português

Diário de Haldir – Por: Alguém que esteve lá e de volta outra vez

12/02/3019 – Querido diário, hoje como faço todas as manhãs, humilhei meus irmãos Rúmil e Orophin fazendo se ajoelharem e contemplarem o mais belo elfo do mundo, eu. Depois comi meu Lembas CoffeeBreak enquanto recitava poesias em Sindarin, para provar que eu sou o cara! (aquelas duas bestas não falam Wreston). Após a sessão de humilhações matutinas tradicionais fiquei aos devaneios tentando imaginar como seria bom se a Galadriel topa-se dar uma voltinha comigo (sempre tive tesão por ela, mas nunca me declarei) e é claro que fiz uma "homenagem impublicável a ela " pensando em seu corpo tão belo e perfeito. A tardinha fiquei um pouco preocupado, uns babacas lá de Valfenda passaram por aqui espalhando uma fofoca descarada sobre um bando de gente à toa que anda zanzando por toda a Terra Média querendo "queimar o anel". Bando de bichonas, se vierem pra cá eu dou uma coça neles.

 

13/02/3019 – Querido diário, após humilhar meus amados e respeitáveis irmãozinhos, fiquei cheio de vontade de dar uma homenageada e me dirigi elficamente até as margens do Veio de Prata e me deparei com algo inimaginável. Lá estava ela, a Senhora dos Galadhrim totalmente nua a se banhar no rio. Fiquei bem quietinho a observar suas curvas e belas formas, Ah! Se eu fosse o corno do Celeborn. Hoje a homenagem foi muito especial. Dei um pulo na floresta à tardinha, parece que tem uma gente porca rondando a área, sujaram toda a floresta com latas de cerveja e saquinhos de pipoca. Tomara que não sejam aqueles xibungos que os caras lá das terras de Elrond falaram..

14/02/3019 – Querido diário, como todas as manh…..ah! você já sabe. Hoje recebemos aqui em Lórien visitas inusitadas, 4 hobbits, 1 elfo, 2 homens e 1 anão (dispensável, diga-se de passagem). Fui encarregado de acompanhá-los até Lórien, o que me deixou muito pu.., digo, chateado. Logo de cara vi que as fofocas eram verdade e fiquei bolado, daí concluí: Já que os caras vieram "queimar o anel", com certeza serei sua primeira vítima, pois sou o mais belo elfo do mundo. Durante nosso primeiro contato protegi meu "bombeiro" pousando a minha mão estrategicamente a sua frente. Eu e meus irmãos decidimos vendar o anão, pois se o anão boiola soubesse onde fica Lórien, centenas de outros viriam para cá em busca de macho, mas eu acho que os membros da comitiva interpretaram mal nossa intenção e pediram para que vendássemos a todos. Aqueles depravados, no mínimo acharam que ao vendar seus olhos, eu e meus irmão os comerí…. digo, cometeríamos crime de atentado ao pudor. Quem eles pensam que são?

15/02/3019 – Querido diário, hoje voltei furtivamente às margens do Veio e me decepcionei ao perceber que minha amada não estava lá a se banhar. Nossa, como estou safadinho. Na sua ausência, fiquei aos devaneios me lembrando de seu corpo belo, principalmente de sua "vergonha" adornada com fios dourados como os raios de Laurelin e ahh!ahh!, desculpe querido diário, mas irei homenagear a filha de Finarfin agora. Nos vemos mais tarde.
Bom, continuando, agora à tarde fiquei sabendo a razão da ausência de minha amada, ela ficou o dia todo preparando uma festinha para os nossos visitantes e ainda preparou presentinhos de despedida. Isso é justo? Eu nunca ganhei nem um fio de cabelo daquela ingrata após tantos anos de fidelidade e serviços. Tô pu…, digo chateado.

16/02/3019 – Querido diário, Tu não sabe da maior, hoje é o dia mais infeliz da minha vida, não que esteja triste por aqueles boiolas terem ido embora, mas fiquei sabendo que a Galadriel ficou dando mole pro anão. Vê se pode? E tem mais o Orophin tá com um sorrisinho besta no rosto desde que deu uma voltinha com o tal herdeiro de Isildur. Eru não deve gostar de mim.
OBS.: Não que eu seja fuxiqueiro (não sou de Valfenda), mas achei a testa do Sr. Celeborn um pouco maior esta tarde…….

 

Está envolvido com a obra de Tolkien desde 1999 – fundador da Calaquendi, fundador da Valinor, fundador do Conselho Branco (Sociedade Tolkien) e presidente por três mandatos. Participou da publicação em livro do Curso de Quenya e é autor do Modo Tengwar Português

Diário de Um Fã de Tolkien

Vamos começar, como sempre se diz, do início.
 

Você teve um amigo, ou passou em uma livraria, ou ouviu alguma banda que falava de uma tal obra literária chamada O Senhor dos Anéis. "Mas que diabos é isso?" você se perguntou.

Comigo aconteceu mais ou menos assim. Um amigo meu começou a me falar de um tal de Gandalf e de outro tal Frodo, e ficou estupefato ao saber que eu não sabia de quem se tratava. "Ora, você gosta de metal, lê prá caramba e não sabe disso?". Me senti numa certa passagem da Bíblia, se é que vocês me entendem… Então esse amigo me trouxe um CD do Blind Guardian e disse "ouça esta, esta e esta faixas, preste atenção nas letras. Semana que vem eu te trago o livro do qual falei." Escutei as músicas, prestei atenção nas letras e fiquei muito, mas muito curiosa.

Mas como não entendia nada, fiquei esperando o livro. Seria mitologia nórdica? Seria ficção d’algum autor desconhecido? Até o dia em que chegou o meu amigo com o livro.

Era época em que eu estava fazendo terceirão e pré-vestibular. Como eu já havia passado no vestibular e só precisava cumprir as horas no colégio, cumpria estas horas lendo um livro chamado O Senhor dos Anéis – A Sociedade do Anel. Já sabendo por meio de meu amigo que seria não só um livro, mas três, para completar a história.

Depois disso, minha vida mudou. Não, não vou fazer propaganda de algum milagre de 0800. Vou falar da minha experiência pessoal com O Senhor dos Anéis, tentando explicar o porquê de eu sempre dizer que esse livro mudou a minha vida, o meu modo de ver as coisas e o meu modo de agir.

Pois bem. Conheci O Senhor dos Anéis em 1999. Depois disso, entrei para a universidade. Cursava Física, e achava incrível que ninguém gostasse d’O Senhor dos Anéis na faculdade. Fiquei sozinha com a minha mitologia, pairando no mundo inventando de Tolkien, ouvindo muitas piadinhas de pessoas que nem sabiam do que se tratava.

Na verdade, algumas poucas pessoas já tinham ouvido falar, mas nunca tinham lido. Talvez porque o interesse maior fosse por ficção científica (então eu ficava desenquadrada, porque na época nem assistido Star Wars eu tinha). Um professor meu, de Cálculo, me emprestou uma edição maravilhosa d’O Hobbit em inglês, e esse foi o meu primeiro contato com esse livro. Valeu professor!

Depois li O Hobbit em português, entendi melhor a história, comprei O Senhor dos Anéis para mim com muito esforço e abrindo mão de muitas coisas para conseguir dinheiro para comprar os livros…

Espera aí! Eu acho que a coisa começou a ficar "feia" nesse estágio. Eu fiquei doente no meio do ano de 2000, e a única coisa que me restava eram os livros. E que livros eu escolhi para fazerem parte do meu mundo que eu tinha que reconstruir? O Senhor dos Anéis.

Nesse tempo, eu conheci a Valinor, mas essa é outra história.

Agora vamos ao que realmente interessa. O que é um fanático por Tolkien? Será apenas aquele que lê tudo o que cai na mão, faz curso de Quenya, sabe todas as respostas para todas as perguntas? Não, eu respondo. Estes são realmente fãs de Tolkien, mas não são os únicos a se enquadrar nessa definição.

Pense você agora. Você está andando em um shopping muito feliz, paquerando a mulherada (ou os homens, é claro, como no meu caso) e se depara com uma livraria. "Ah", você grita "olha isso, olha isso!", diz, cutucando freneticamente o seu amigo do seu lado. Você viu uma edição d’O Senhor dos Anéis junto com O Hobbit em uma caixa, com capas coloridas, com desenhozinhos maravilhosos. É claro que parte da sua reação é taquicardia e boca seca, fora a decepção, de alguns, em não poder comprar a tal edição nova e bonitinha.

Você não tem uma edição comemorativa numerada de quando se deu o lançamento do primeiro filme e faz a sua melhor amiga colocar no testamento que, se ela morrer antes de você, ela vai deixar esse livro a você como herança (sim, isso aconteceu comigo).

Você pira muito com tatuagens e tem o monograma de Tolkien tatuado em algum lugar do seu corpo (o meu é tatuado na nuca). Além disso, você gosta tanto dos desenhos de Tolkien que tatuou o Smaug, d’O Hobbit em algum lugar do seu corpo (o meu é tatuado no quadril).

 

Você liga o seu computador e seu fundo de tela é o pôster mais recente de um dos filmes da Trilogia, ou então o desenho de seu desenhista Tolkien-based preferido. Seu cursor é uma espadinha que brilha e seu cursor de espera é um anel que fica rodando.

Se caderno tem um dos integrantes da comitiva na capa, tem figurinhas, você tem uma agenda d’O Senhor dos Anéis, caneta, papel para anotação, revistas, ou ao menos, se não tem, desejaria ter, todo esse tipo de quinquilharia.

Essa é para as meninas…

Passa aquele jovem rapaz bonito, esbelto, cabelos longos "Vanessa, olha, é o Legolas!" E depois que ele já está longe você vira para ela e diz "Van, o Legolas está sem cú!" E sua amiga entende (Só para constar, cú é arco em quenya).

E para os garotos… a mesma situação, podendo envolver Arwens e Éowyns e outras elfas.

Você vai muito ao cinema, certo? E, de um dia para o outro aparece um banner de 1,80m d’O Senhor dos Anéis pregado na parede. O que você faz? Enche o saco do gerente até ele te arranjar um. E, de lambuja, ele arranja um para os seus amigos também. Nós fizemos isso… O meu banner é do As Duas Torres, aquele que tem o Frodo em Osgiliath segurando o anel (e o que eu mais gosto é que aparece o Gollum pequeno lá em baixo, com o Sam e o Frodo, no Pântano dos Mortos…).

Uma coisa muito engraçada que aconteceu conosco (é que a minha turma de amigos toda é fã de Tolkien) foi uma noite que estávamos em uma discoteca e surge do nada um cara me passando uma cantada. Na hora "É o próprio Uruk-hai, só falta a mão branca na cara!" na frente do garoto, que certamente não entendeu bulhufas…

E quando a gente pensava que essa história de Uruk tinha acabado… No corredor da faculdade surge aquele cara grande, com cabelo sujo até o ombro, cara de galã de rodoviária, e o que a gente diz? "Uh, uh, somos Uruk-hai guerreiros!", isso, é claro, berrando e batendo no peito no corredor na hora do intervalo, justamente quando tem mais gente para ver.

Estávamos organizando uma festa (Ilyriä, Dirhil e eu – vocês podem conhecer essas figuras no Fórum Valinor http://forum.valinor.com.br) e o Dirhil estava telefonando para a dona da casa que queríamos alugar para a festa. Ajoelhadas, orando para Eru Ilúvatar estávamos eu e Ilyriä,
e, quando ele conseguiu a casa, o que nós gritamos? "Valeu Eru!" Se estivéssemos em algum lugar privado, isso seria completamente normal. Mas estávamos na praça em frente à faculdade, sob as vistas de dois sentinelas que provavelmente estariam pensando "esses aí ó… tãn-tãn…" Abraçamos árvores em louvor à Senhora de Lórien, cometemos a nossa heresia, uma das preferidas, que é a nossa versão da oração do Pai Nosso para Eru Ilúvatar…

Se eu for tentar contar sozinha todas as loucuras Tolkien-based que já fizemos, tenho certeza que vou esquecer as principais. Mas este texto só é um início. Em breve, com a ajuda dos meus amigos, vamos contando mais histórias, como quando nos vestimos de Nazgûl para tirar fotos no cinema, ou das versões para Tolkien que fazemos de músicas pop, entre muitas outras loucuras (bem, quem vê de longe, como os sentinelas da faculdade, considera loucura). Desta vez, quero contar com a participação de vocês, enviando as suas próprias loucuras Tolkien-based para o e-mail [email protected], para serem comentadas aqui, ok?

Agora me despeço, recordando a todos: não lavem o cabelo com espuma de banho de morango no espelho de Galadriel que ela fica louca da vida! (Ok, eu só não fiz isso ainda na minha banheira porque não encontrei espuma de banho de morango para vender…)

 

 

 

Está envolvido com a obra de Tolkien desde 1999 – fundador da Calaquendi, fundador da Valinor, fundador do Conselho Branco (Sociedade Tolkien) e presidente por três mandatos. Participou da publicação em livro do Curso de Quenya e é autor do Modo Tengwar Português

Diário de Aragorn – Parte 2 (ADT)

Dia Um: Corri quarenta milhas por Rohan. Nenhum esquilo para comer. Gimli parece do tamanho certo para se assar. Dizem que anões tem gosto de galinha. Ainda não sou Rei. Situação da barba: satisfatória.

Dia Dois: Demos de cara com exército de Rohirrim. Perguntei a Éomer se ele sabia onde hobbits estavam. Tive uma resposta muito inapropriada. Talvez Éomer ainda esteja furioso pela última farra em que eu pintei palavrões em élfico por todo o cavalo dele. Decidi não mencionar que ele obviamente copiou o penteado de Legolas. Ele não estaria cheio de marra se eu fosse o Rei.

 

Dia Três: Uma vez que você viu uma pilha fumegante de Orcs mortos, você viu todas. Isso é tudo que posso dizer.

Dia Quatro: Demos de cara com Gandalf. Verificamos que ele de fato não morreu mas ao invés disso foi forçado pelo Balrog a associar-se a uma companhia de sabão em pó e é agora Gandalf o Branco Total Radiante. Gigolô. A próxima coisa que ele vai fazer é cobrar pelo truque do chapéu pontudo.

Dia Seis: Em Edoras. Rei Théoden cheio de marra. Sempre dizendo, "Você é o Rei aqui? Até onde sei eu sou o Rei aqui. Estou olhando ao redor e não vejo ninguém mais com coroa na cabeça. Hein? Hein"? Fui forçado a admitir que realmente ainda não sou Rei. Em vingança, roubei a carteira dele quando ele não estava olhando e usei para abrir uma conta corrente no Banco de Rohan. Comprei chapéus iguais para Gimli e Legolas.

Dia Sete: Suspeito que Éowyn esteja caidinha por mim. Não posso culpá-la, com essa barba tão varonil que excita até eu mesmo.

Dia Nove: Despenquei no precipício. Lobos estúpidos de Isengard. Pensei que fora salvo por Arwen mas quando despertei estava sendo beijando pelo meu cavalo. Muito esquisito. Perdi o colar brilhante favorito no rio. Sentindo-me muito rabugento por não ter nada pior que bijouteria vagabunda. Bem, talvez Anel. Situação da barba: molhada.

Dia Doze: Retorno triunfante para o Abismo de Helm. Fui abraçado por Gimli. Como se eu precisasse de ser recordado que ele fica na altura da fivela do cinto novamente. Colar devolvido a mim por Legolas, uêba! Ele murmurou algo em élfico que poderia ter sido "Você está atrasado" ou poderia ter sido "Me joga no chão e me chama de lagartixa". Não completamente certo do certo. Tenha que revisar élfico para não ter que presumir. Ainda não sou Rei mas mantendo-me muito ocupado em pôr a moral dos homens para cima. A batalha que está pra chegar vai ser moleza, realmente.

Dia Quatorze: De prontidão na ameia do Abismo de Helm. Número absolutamente ridículo de Orcs se dirigindo para cá. Quem nós queremos enganar afinal. Nós estamos completamente ferrados. Talvez este lugar tenha uma porta lateral.

Dia Quatorze, mais tarde: Elfos enviaram exército dos guerreiros mais esbeltos e graciosos para nos ajudar. Não vão ter utilidade nenhuma na batalha, é claro, mas pelo menos morrerei olhando algo bonito. Théoden continua murmurando, "É incrível"! sobre o exército élfico. Fui forçado a concordar–é incrível que as sobrancelhas de Haldir não combinem com o cabelo. Continuo tentando me esgueirar para a porta lateral, mas Gimli me segue em todos lugares. Nunca serei Rei desse jeito.

Dia Quinze: Inesperadamente vitoriosos na batalha do Abismo de Helm, mas celebração arruinada pelo odioso cartão postal de Faramir, que incluía foto dele nas praias de Osgiliath com o minúsculo Portador do Anel e o companheiro gordinho, usando shorts coloridos. Cartão postal diz: "Querido Aragorn, Obrigado pelo Anel e pelos hobbits. Eles são pequenos, mas muito animados. O que eu sempre quis! Ainda tenha recordações ternas daquela noite que passamos juntos em Minas Tirith. Amor e beijos, Faramir." 

Eru amaldiçoe Faramir. Bem que podia ter deixado Boromir pegar o Anel e cortado o nanico. Pelo menos sei que Sam o matará se ele tentar qualquer coisa. Ainda não sou Rei.