Arquivo da categoria: Artigos

Uma resenha de O Hobbit: A Desolação de Smaug – por Fëanor

desolation_of_smaug_poster_largeEis que a segunda parte de O Hobbit finalmente estreou! Encarei a estreia em 48 fps e 3D (preferia 2D, mas não tinha opção disponível) e, com o nível da empolgação em alta pela expectativa de ver Smaug, Beorn, Esgaroth e Erebor na telona, me afundei na cadeira. As duas horas e quarenta minutos do filme passaram rápido pelos meus olhos, e saí da sala com sentimentos mistos sobre o que eu havia acabado de assistir. Destaco a seguir aqueles que considero os pontos positivos e negativos do filme para tentar fazer um balanço geral da experiência. E para fazer isso naturalmente revelarei partes do filme, ou seja: SPOILERS ABAIXO.

Começamos com um flashback de Thorin em uma Bri chuvosa. Mas antes do chegar no anão, PERAÍ! Quem é o primeiro sujeito que aparece na tela saindo de uma casa? Ninguém menos que o próprio diretor Peter Jackson, naquele que é provavelmente o cameo mais precoce da história do cinema! Ok, voltemos ao flashback. Thorin se encontra com Gandalf no Pônei Saltitante, e o mago revela ao anão que colocaram um preço em sua cabeça. Gandalf encoraja-o a recuperar Erebor. Thorin argumenta que necessita da Pedra Arken para poder reunir as forças dos reinos dos anões – e surge aí a primeira adaptação que julgo ser meio sem sentido: Thorin não é mais ou menos rei devido à pedra. Mas ok, PJ julgou que esse seria um gancho interessante para dar o motivo pelo qual Bilbo foi escolhido por Gandalf para fazer parte da comitiva: entrar em Erebor sem ser notado para recuperar a gema.

O filme volta para o momento presente. Bilbo espia orcs montados em wargs caçando a comitiva, quando repentinamente avista algo maior e ainda mais assustador: Beorn! Bilbo avisa o resto da trupe e Gandalf, adivinhando se tratar do troca-peles, conduz todos para a “casinha” do ursão, que persegue-os mas no último momento é impedido de abocanhá-los pela porta da própria residência, que é fechada pelos nossos heróis. A sequência é bacana, mas infelizmente é praticamente a única coisa que vemos de Beorn em sua forma animal em todo o filme. Depois disso ele reaparece em sua forma humanoide (que é um tanto exagerada na quantidade de pelos faciais, mas não chega a comprometer a ideia mental que eu tinha do personagem), mas também por pouco tempo. Realmente uma pena, já que era um dos personagens que mais esperei para ver. Resta agora aguardar pela participação do metamorfo no terceiro filme.

Próxima parada: Floresta das Trevas. Gandalf tem uma comunicação telepática com Galadriel (ou foi uma lembrança de uma conversa anterior? Ainda não tenho certeza, preciso rever) e decide rumar para Dol Guldur, onde forças malignas se reúnem. Para quem conhece a história do livro, ok. Já quem não conhece ficou com uma sensação de “ahn?” (assim como com praticamente toda a sequência de Gandalf na fortaleza do necromante)
A floresta ficou bem caracterizada, e as aranhas também. Gostei bastante da sequência em que elas aparecem capturando os anões e Bilbo resgata-os. E o CGI ficou muito bom, diga-se.

Em seguida, os anões são capturados pelos elfos da floresta e encarcerados no reino de Thranduil. Aí aparecem novos personagens que já eram esperados por todos: Legolas e Tauriel. A elfa, criação pura de PJ, não chega a comprometer per se, e é bastante carismática. O problema, julgo eu, é a paixonite que Kili desenvolve pela elfa, e a maneira como ela parcialmente corresponde. Não é a mesma coisa que a relação Gimli-Galadriel que vimos em O Senhor dos Anéis e que estava muito mais para uma admiração profunda e deslumbrada do anão pela rainha de Lothlórien, bastante próxima ao que Tolkien descreve no livro. No caso “Kili S2 Tauriel” o anão realmente se apaixona pela elfa, chegando a causar ciúmes em Legolas (que também tem uma queda pela ruivinha). E Tauriel dá alguns sinais de correspondência. Me pareceu um romance forçado, uma espécie de tentativa de preencher a ausência de cenas românticas no filme, ao mesmo tempo em que parece querer passar uma mensagem de tolerância inter-racial. Para quem é minimamente familiarizado com o mundo de Tolkien, o negócio pareceu estar à beira do absurdo. Elfos e anões não se bicam. Sim, existem exceções (os já mencionados Gimli e Galadriel, bem como o próprio Gimli e Legolas), mas forçar para o lado romântico ficou meio apelativo. Se PJ queria algum romance no filme, poderia ter se limitado ao relacionamento de Tauriel com Legolas.

Após os anões lerem libertados por Bilbo, vemos uma sequência de ação mirabolante retratando a fuga nos barris pelo rio. Orcs aparecem atacando anões e elfos, Legolas e Tauriel encarnam o espírito de super heróis da Marvel e um ridículo Bombur rola para fora do rio em seu barril, derrubando dezenas de orcs pelo caminho. A comitiva escapa ilesa, exceto por Kili, acertado na perna por uma flecha de Morgul, que dará a deixa para Tauriel reaparecer posteriormente.

Paralelamente, Gandalf adentra Dol Guldur e é atacado por Azog e sua trupe de orcs. O Mago enfrenta-os, e enquanto tenta escapar da fortaleza depara-se com uma sombra que parece ser o chefão local. Os dois se enfrentam, Gandalf é subjugado e descobre de quem se trata o inimigo: Sauron, vulgo Necromante, vulgo coisa ruim.

Já Bilbo e os anões se aproximam dos domínios de Valle, e encontram Bard. O arqueiro aceita uma graninha do grupo para colocá-los dentro de Esgaroth, por onde precisam passar para continuar rumo à Erebor (e onde precisam conseguir algumas armas, já que as suas foram tomadas pelos elfos). Na Cidade do Lago, Bard é mal visto pelo Mestre da cidade, que julga-o um agitador que quer unir a população para derrubá-lo. Os anões tentam passar despercebidos até a residência de Bard e seus filhos, e chegando lá logo descobrem que as armas que o arqueiro lhes conseguiu não são nada adequadas. Enquanto isso, é contada a história do último ataque de Smaug à Valle, quando o rei Girion, ancestral de Bard, falhou em derrubar o Dragão com as imensas flechas negras atiradas de uma balestra gigante (ou uma balista). Aqui surge outra parte incômoda: é dito que somente uma dessas flechas tamanho família pode derrubar o dragão. Além de tornar o destino do lagartão previsível demais, PJ descartou a possibilidade de Bard conseguir derrubar Smaug usando um arco e uma flecha de tamanho comuns.

Em seguida, os anões decidem dar um jeito de entrar no depósito de armas da cidade para conseguir algo melhor. A missão falha graças à uma trapalhada de Kili, e os mesmos são presos e levados ante o Mestre da cidade. Thorin revela-se, e promete ao povo de Esgaroth que a cidade voltará a ser próspera caso consigam retomar Erebor. Bard intervém, relembrando a todos da desgraça que lhes acometeu outrora, culpando a ganância dos anões. Mas não parece ser o suficiente para impedir que a comitiva ganhe a simpatia da cidade e do Mestre. E com isso o grupo consegue finalmente se armar e partir para a Montanha Solitária. Kili fica para trás devido ao seu ferimento, e com ele Óin, que fica ali para cuidar do anão caçula. E ainda Bofur, que encheu a cara e perdeu a hora da partida.

Chegando em Erebor exatamente no Dia de Durin, a comitiva precisa encontrar a porta secreta, cuja fechadura é revelada pela última luz do dia. O sol se põe, a fechadura não aparece, e os anões perdem as esperanças. Bilbo não desiste e permanece sozinho diante da porta ainda não revelada, tentando se lembrar das palavras do mapa que indicavam como encontrá-la. E eis que surge a lua, revelando finalmente a fechadura. A porta é aberta, e Thorin revela à Bilbo sua missão: adentrar sozinho na Montanha e recuperar a Pedra Arken. Bilbo, ainda que atemorizado, decide provar seu valor e cumprir a tarefa. E isso nos leva ao momentos mais bacanas do filme, isto é, ao dragão! Mas antes de chegar nisso, vamos voltar para a Cidade do Lago.

Em Esgaroth Bard é preso, e os orcs, liderados por Bolg (filho de Azog), atacam a cidade. Tauriel aparece para salvar Kili (que tá indo dessa pra melhor por causa do veneno da flecha), e junto com Legolas expulsam os inimigos. Legolas e Bolg se enfrentam, mas sem concluir o combate: Bolg foge e o elfo vai atrás dele. Já Tauriel fica na cidade e usa de seus poderes medicinais para curar o ferimento de seu novo amor, digo, Kili.

Voltemos à Erebor: Bilbo procura pela pedra Arken, mas acaba despertando Smaug. O diálogo do hobbit com a besta é excelente e bastante fiel ao livro. O CGI do danado é impecável. E a voz poderosa ficou perfeita. Bilbo foge do dragão, mas é barrado por Thorin, que lhe pergunta sobre a Pedra Arken. Bilbo nada diz, Thorin se irrita, e é aí que chega o resto da comitiva. E também chega Smaug. O grupo foge do dragão, e seguem-se cenas de ações que, apesar de serem bastante longas, são muito bem feitas (sobretudo pelas altas doses de Smaug com que somos presenteados). O plano dos anões é meio mirabolante demais, mas ao mesmo tempo funcionou para duas coisas: criou a deixa para Smaug ir atacar Esgaroth e permitiu a deslumbrante cena final de um Smaug sacudindo o ouro do corpo e indo para o ataque, enquanto um incrédulo Bilbo se questiona: “o que nós fizemos?”

E eis que é justamente aí que o filme acaba. Provavelmente muitos ficaram descontentes com um final que foi um corte súbito na trama, sem fornecer um desfecho de fato para essa parte da história. Já eu achei bacana, justamente por isso. Na verdade eu já estava gritando internamente pelo fim do filme justamente ali, para que se criasse esse suspense em torno do ataque de Smaug, que deverá propiciar um início de terceiro filme de tirar o fôlego.

De uma maneira geral, o filme tem suas óbvias distorções e acréscimos à obra original. Entendo alguns como naturalmente necessários pela opção dos três filmes, mas outros realmente extrapolaram o limite do que seria razoável. O filme poderia ter aí uns 40 minutos a menos, cortando muita baboseira e cenas de ação demasiadamente longas (como aquela dos barris). Não bastasse a opção do PJ pelos três filmes, eles quis fazer cada um com quase 3 horas, o que me parece criar espaços demais para embromation e deslizes feios. 3 filmes de duas horas cada teria sido uma opção mais sábia.

A trilha sonora cumpriu muito bem seu papel, de uma maneira até superior ao primeiro filme. Martin Freeman foi mais uma vez incrível no papel de Bilbo, consolidando muito bem a imagem do hobbit, de personalidade ao mesmo tempo simples em sua natureza e complexa em suas reações ao Anel, aos seus companheiros e a toda uma aventura longe de seu lar. Os demais atores principais também estiveram bem: Gandalf (Ian McKellen), Thorin (Richard Armitage), Balin (Ken Stott), e também Tauriel (Evangeline Lilly). Já Legolas (Orlando Bloom) não fedeu nem cheirou, e seu pai Thranduil (Lee Pace) foi o ponto baixo dos personagens, com pouquíssimo carisma e cheio de trejeitos que não caíram bem.

Enfim, apesar de pecar novamente em vários pontos e tomar liberdades que nada acrescentaram (pelo contrário!) à trama, PJ entregou um filme que diverte e que é visualmente muito bom. Não é o tipo de filme que vá agradar puristas, nem mesmo àqueles que esperam algo ao mesmo nível de O Senhor dos Anéis. Mas é um filme que ainda assim garante seus momentos de empolgação e de encher os olhos. E agora é esperar pela conclusão da saga em 2014, que também nos permitirá saber se PJ realmente perdeu a mão para filmar a Terra-média ou se ele ainda é capaz de nos entregar uma trilogia que, no fim das contas, seja satisfatória para a maior parte do público e dos fãs.

91sDKHaF0wL._SL1429_

Já assistimos “O Hobbit: A desolação de Smaug”!

Zemanta Related Posts ThumbnailQuerido povo valinoreano, é com a voz trovejante de Smaug/Benedict Cumberbatch ainda ressoando em meus ouvidos que sento para escrever mais uma das nossas tradicionais resenhas de filmes tolkienianos.

Quem já leu esses textos escritos pela Equipe Valinor por aqui sabe que a minha tendência é ser detalhista até o nível do paroxismo (hehehe) e não babar em demasia o ovo de Peter Jackson e companhia. Pra variar, vamos ter esses dois elementos nesta resenha de “O Hobbit – A Desolação de Smaug”. Preparem-se, portanto, pra SPOILERS E MAIS SPOILERS EM LETRAS GARRAFAIS nos parágrafos a seguir.

Resumindo muito resumidamente o que vou explicar com spoilers e requintes de crueldade depois, eu diria que, do ponto de vista de quem é fã dos livros como eu (e, desculpaê, mas eu aposto o meu toba no truco que as obras de arte realmente perenes e que devem ser levadas a sério são os livros, não os filmes), minha sensação geral depois de assistir a “Desolação” é de ambivalência. Continue lendo

Quem é Quem em “O Hobbit”?

 

Para fechar a Semana Tolkien, depois da liberação de novas imagens (incluindo as inéditas que vazaram da versão estendida do 8º Videoblog da produção de O Hobbit); depois de toda efervescência causada pelo novo trailer; depois de comemorarmos ontem o 75º aniversário de publicação de O Hobbit e de comemorarmos hoje O Dia do Hobbit, celebrando o aniversário de Bilbo e Frodo Bolseiro, que tal conhecer a biografia de alguns personagens e alguns lugares que darão as caras nos três filmes?

A Valinor (Site e Fórum) possui um acervo interessante com alguns artigos e biografias de personagens criados pelo Professor Tolkien, todos escritos com base em seu trabalho, e que merecem ser lidos (ou relidos, por que não?). Infelizmente não possuímos as biografias de todos os personagens ou dos lugares que aparecerão nos filmes, mas é uma boa oportunidade para você que está chegando agora na Terra-média e só a conhece pelos belos filmes O Senhor dos Anéis.

Abaixo, estão os links para os artigos que de alguma forma estão relacionados com a nova produção baseada na obra de J. R. R. Tolkien, inclusive de alguns personagens que não aparecem no romance original, O Hobbit, mas que foram inseridos na adaptação por estarem envolvidos nos acontecimentos de alguma forma, e listados pelo autor nos Apêndices de O Senhor dos Anéis. É o caso de Saruman e Galadriel, por exemplo, mas também do elfo Legolas, que foi inserido na adaptação por ser filho de um personagem principal. Vamos a eles!

Os Heróis:

* Gandalf, o Cinzento

* Bilbo Bolseiro - Veja também: O Bolsão

* Frodo Bolseiro

* Saiba mais sobre Os Hobbits

* Thorin Escudo de Carvalho - E como os Anões e sua história serão muito explorados nos filmes, veja também:  Erebor, A Montanha Solitária; Os Salões de Thráin, Rei Sob a Montanha;  A Linhagem de Durin

* Balin – Veja também: Moria

Quer saber ainda um pouco mais sobre os Anões? Consulte: Dos Anões e dos Homens; Eles, os Anões! e Eles, os Anões (Parte II)! ; A Língua dos Anões

* Esgaroth, a Cidade do Lago – Veja Também: Cram

* Elrond – Veja também: Valfenda

* Galadriel

* Legolas [com citações a Thranduil, o Rei-Élfico] – Veja também: Os Salões de Thranduil

* Beorn – Veja também: Questões Sobre os Beornings

 

Os Vilões

* Necromante/Sauron

* Smaug, O Dourado - Mais sobre os Dragões de Tolkien? Então consulte: Dragões – Criaturas das Sombras e Todos os Dragões se Foram?

* Saruman, o Branco

* Gollum

* Azog - Veja Também: A Guerra dos Anões e dos Orcs

* Bolg, Filho de Azog

* Grão-Orc - Veja também: A Cidade dos Orcs

* Trolls

Boa leitura! ;)

A primeira adaptação de O Hobbit é uma animação de 1966!

Enquanto O Hobbit: Uma Jornada Inesperada de Peter Jackson não é lançado, uma adaptação pouco conhecida de O Hobbit, realizada em 1966, foi colocada online na semana passada. Com duração de aproximadamente 12 minutos, esta versão, desenhada e roteirizada por Gene Deitch e Adolf Born, está anos-luz do romance de J.R.R. Tolkien e do estilo de Peter Jackson, porém vale a menção aqui a título de registro.

Para alguns, esta adaptação poderia ser descrita, à primeira vista, como kitsch ou ultrapassada, mas assume outra dimensão quando você conhece a história da sua construção.

Contatado em 1964 pelo produtor William L. Snyder, que tinha adquirido os direitos para adaptar O Hobbit por um período determinado em contrato, o animador e diretor norte-americano Gene Deitch (que já trabalhou em Tom & Jerry) começou a escrever um script para um longa-metragem. Residente em Praga, então Tchecoslováquia, Deitch não sabia que Tolkien tinha escrito também uma trilogia chamada O Senhor dos Anéis e para o roteiro de O Hobbit ele tomou grandes liberdades com o romance original.

Quando finalmente percebeu a existência do O Senhor dos Anéis, Gene Deitch tentou revisar o roteiro cheio de “surpresas”. Entre elas, uma princesa no meio da estória para acompanhar Bilbo e, talvez, livrá-lo da solteirice. Além disso, novas canções foram introduzidas e até a mudança do nome de algumas personagens ocorreu. Porém, a produção parou e Snyder ficou meses sem entrar em contato. Em maio de 1966, William L. Snyder, sem mais nem menos, disse que Deitch tinha um mês para terminar uma animação colorida de O Hobbit, porque os direitos expirariam em 30 de junho.

Com apenas 30 dias para desenhar e montar um filme pequeno, gravar vozes e projetar para poucos espectadores (uma exigência contratual) em uma sala em Manhattan, Nova York, Gene Deitch, infelizmente, teve que se virar com uma versão animada de 12 minutos, concebida em colaboração com o ilustrador tcheco Adolf Born. Snyder precisava terminar e entregar um filme (fosse como fosse) até 30 de junho de 66 ou perderia os direitos de O Hobbit e O Senhor dos Anéis. Tudo acabou não passando de uma grande jogada e os direitos de SdA de Snyder, que nunca foi filmado por ele, foram vendidos logo depois por US$ 100,000, uma grana alta para a época. E o lucro de Deitch? Pífio!

 Quando Gene Deitch já acreditava que o filme estava perdido para sempre, ele voltou para as suas mãos por meio do filho de Snyder, Adam. Deitch diz que, apesar de tudo, não têm ressentimentos contra o antigo patrão, que morreu sem fazer seus milhões, e que mantém hoje uma frutífera amizade com a sua família.

Isso é só um resumo, para conhecer a história toda e ver o filme acesse o blog (em inglês) do próprio Deitch, ou veja o filme também no YouTube.

Depois do famoso The Hobbit de 1977, de Arthur Rankin Jr. e Jules Bass, do O Hobbit russo de 1980 e do Hobitit finlandês de 1993, temos aí mais uma adaptação da obra de Tolkien retirada do fundo do baú.