A Estranha História dos Orcs de Tolkien

Um panorama dos fatos da Terra-Média sobre os orcs imaginados por J. R. R. Tolkien, do seu lado cotidiano (o que comem, como se reproduzem) a questões mais existenciais dos orcs na cosmologia da Terra-Média.

“Há elfos, anões, trolls, dragões, príncipes e princesas, feiticeiros e, inevitavelmente, as mais difamadas criaturas fictícias, os orcs, o desprezado proletariado da fantasia conservadora…”
The Socialist Review[1]

 

 
“Eles sabem o que é um Orc”

Este ensaio examina os orcs de Tolkien assim como ele os concebeu. Antes de mais nada, é importante distinguir os orcs de Tolkien de suas adaptações mais amplas na literatura de fantasia.

A ficção escrita por J. R. R. Tolkien tem tido uma enorme influência no gênero da literatura de fantasia. Os personagens arquétipos e artifícios de trama que Tolkien usou em seu principal romance, O Senhor dos Anéis (SdA), têm sido adaptados por dúzias de outros escritores de fantasia, de maneiras mais ou menos criativas. Dos conceitos da Terra-Média de Tolkien, a idéia de orcs se destaca como a mais freqüentemente adaptada com mudanças mínimas[2]. Atingiu-se o ponto onde um crítico de fantasia, Terence Casey, deu um conselho aos escritores aspirantes de fantasia:

“Alguém que tem familiaridade com fantasia geralmente não vai ter um problema com ‘orcs’, seja em um romance ou jogo – eles sabem o que é um orc e estão acostumados com ele. Se você começar a criar seus próprios monstros ao invés de tirá-los da ‘fantasia genérica’, entretanto, a mera novidade deles pode dificultar para as pessoas a suspensão de descrença.”[3]

Esta afirmação é surpreendente por que Tolkien, na criação dos orcs, estava literalmente criando seus próprios monstros. Tolkien também usou os conceitos de elfos, hobbits, anões e reinos de estilo medieval na criação da Terra-Média. Entretanto, todos esses conceitos, ou seus equivalente simbólicos, estavam firmemente estabelecidos na mitologia européia e na literatura da fantasia antes que Tolkien começasse suas próprias obras. Não havia equivalente exato dos orcs[4]. O folclore europeu tem pequenas criaturas do mal – aparições, tommyknockers, duendes – e monstros aterrorizantes, de Grendel como imortalizado em Beowulf aos elementais do mal da tradição celta[5]. Mas não havia ser ou mal sobrenatural que fosse um paralelo dos guerreiros humanos, que os encarasse como iguais e que fossem mandados para exterminá-los.

Tolkien precisava criar seus monstros particulares, e sua novidade tinha um propósito. O estudioso de longa data de Tolkien, Tom Shippey, disse dos orcs de Tolkien: “Pode haver pouca dúvida que os orcs entraram na Terra-Média somente por que a história precisava de um suprimento contínuo de inimigos pelos quais ninguém precisasse sentir qualquer remorso.”[6]

Conseqüentemente, para os propósitos de suas próprias narrativas, Tolkien combinou componentes do então obscuro folclore com concepções mais modernas de violência e mal para modelar os orcs. Heróis eram mais heróicos com orcs para matar. Com orcs às suas ordens, vilões de alto calibre eram mais temíveis. Para estes propósitos, orcs eram um bem-sucedido artifício narrativo – um não visto previamente na literatura de fantasia.

Orcs eram bem mais que uma boa idéia. Houve trabalho autoral requerido para preparar o terreno para esta nova criação, especialmente para fazê-lo de uma maneira que ajudasse o leitor a aceitar o conceito[7]. Tolkien fez isso tão bem que, no processo, criou um novo arquétipo que tornou-se popular. É perturbador pensar que havia uma lacuna na imaginação e no mito para o que os orcs representam, mas sua popularidade mostra que este tinha sido realmente o caso.

Evolução dos Orcs na Terra-Média

Todos sabemos o que é um orc – mas somente para ter certeza, o que são orcs na Terra-Média? Eles são seres bípedes dotados de inteligência, que servem o mal. Tolkien comentou em uma de suas cartas[8] que adaptou a palavra orc da palavra do Inglês Antigo orc, que significa “demônio”, usando este termo “somente por causa de sua adequação fonética”. Nesta mesma carta ele comenta que os orcs “devem muito à tradição dos duendes, especialmente como aparece em George MacDonald”[9].

Em correspondência posterior, Tolkien comenta que a idéia do duende fundiu-se com uma concepção mais moderna; a do mal inerente aos seres humanos. Em correspondência em correspondência no livro publicado Cartas de Tolkien, ele compara humanos maus ou de mentalidade estreita aos orcs diversas vezes, nas cartas 66, 71 e 78, todas no contexto do serviço militar. Isso é mais expresso de maneira mais precisa na carta 153, onde Tolkien diz, como parte de uma idéia mais longa – “orcs, que são fundamentalmente uma raça de criaturas pensantes, ainda que horrivelmente corrompidas, se não mais que tantos Homens que se encontram hoje.”

As origens dos orcs na cosmologia da Terra-Média são descritas em O Silmarillion. Morgoth, um poderoso, egoísta Vala (equivalentes a um deus) caiu no mal, capturou alguns elfos (Quendi) nos primórdios da existência de sua raça.

“É, porém, considerado verdadeiro pelos sábios de Eressëa que todos aqueles quendi que caíram nas mãos de Melkor [depois Morgoth]… por lentas artes de crueldade, corrompidos e escravizados; e assim Melkor gerou a horrenda raça dos orcs, por inveja dos elfos e em imitação a eles, de quem eles mais tarde se tornariam os piores inimigos.”[10]

Esta idéia ajusta-se bem e tem um forte apelo com seu paralelo dos belos elfos diretamente ligados aos feios orcs. Contudo, em seus próprios escritos variados sobre orcs, Tolkien vacilou entre este conceito de orcs-dos-elfos e um conceito relacionado de orcs-dos-homens[11]. Ele mesmo brincou com a idéia de que orcs eram animais astutos, sem o elemento espiritual dos seres inteligentes, ou com o conceito de que orcs eram Maiar (espíritos divinos) servindo Morgoth que tinham sido corrompidos à forma de orcs. Ambos os conceitos de orcs-dos-homens e orcs-como-animais parecem vir da relutância pessoal de Tolkien de macular sua raça “ideal”. Entretanto, ele foi atraído de volta para a idéia de orcs-dos-elfos em diversos rascunhos de seu próprio ensaio sobre orcs, escrito de 1959 a 1960, e reconheceu que orcs-dos-elfos era a origem mais funcional para a linha temporal da Terra-Média que ele desejava.[12]

Christopher Tolkien, editando O Silmarillion depois da morte de J.R.R. Tolkien , optou pela origem orcs-dos-elfos. Ainda assim, este não é o fim do envolvimento dos orcs com outras raças. Em SdA, Tolkien nos presenteia com híbridos de orcs com humanos. Nunca é absolutamente declarado que os Uruk-hai, que podem suportar o sol melhor que orcs comuns, são parcialmente humanos. Isto é fortemente sugerido no diálogo dado ao Ent Barbárvore.

“Os seres malignos que vieram na Grande Escuridão têm como marca a característica de não suportarem o sol; mas os orcs de Saruman suportam, mesmo que o odeiem. Fico imaginando o que ele terá feito. Seriam eles homens que ele arruinou, ou teria ele misturado as raças dos orcs e dos homens. Isso seria uma maldade negra!”[13]

E é confirmado fora do romance em uma citação independente dos escritos posteriores de Tolkien:

“Homens podiam, sob o domínio de Morgoth ou de seus agentes em poucas gerações ser reduzidos quase ao nível de um orc, e então iriam, ou seriam obrigados a se acasalar com orcs, produzindo novas raças maiores e mais astuciosas. Não há dúvida que muito depois, na Terceira Era, Sauron redescobriu ou aprendeu por si mesmo, e em sua cobiça por poder, cometeu seu ato mais perverso: o acasalamento de homens e orcs.”
[14]

A idéia mais importante é que orcs não são uma forma de vida original. Orcs são uma forma de vida previamente existente que foi corrompida. Sua vontade está inextricavelmente ligada à dos principais poderes do mal – primeiro o de Melkor, posteriormente conhecido como Morgoth, e então o de Sauron.[15]

 
A Vida Como um Orc

Embora Tolkien não tenha se importado em deixar sua imaginação permanecer nos orcs, ele comentou os “fatos da vida” básicos deles para fazê-los uma parte sólida e crível da Terra-Média. Tolkien provê o leitor com esta informação através dos pontos de vista de seus protagonistas mais simpáticos, historiadores élficos e hobbits.

A falta de uma língua orc é uma prova que Tolkien, que expandiu os detalhes da Terra-Média para apoiar seu passatempo de criar línguas, não estava criativamente comprometido com eles. “Dizem que não tinham idioma próprio, mas adotavam o que podiam das outras línguas e o pervertiam a seu gosto; produziram, porém, somente jargões grosseiros, insuficientes até mesmo para suas próprias necessidades, a não ser quando usado em pragas e ofensas.”[16] Como resultado, os orcs usavam a Língua Geral da Terra-Média para comunicação entre tribos, e há uma evidente característica orc em seus diálogos. Sauron criou a Língua Negra para ser a língua de todos os seus servos[17], um tipo de esperanto do mal, e como o esperanto, nunca atingiu seu objetivo. Algumas palavras dela eram usadas pelos orcs, inconsistentemente, especialmente entre os orcs de Mordor. Tendo comentado o conceito básico da Língua Negra, Tolkien fez somente observações mínimas sobre seu vocabulário.[18]

Orcs estavam longe de serem invulneráveis; estavam sujeitos à doença, podiam morrer, não eram imortais e “precisavam comer, e beber, e descansar”[19]. Sua comida, apesar de não tentar o apetite, via de regra, pode ser comida por outros povos. Um herói faminto, Tuor, sente fome quando vê orcs assando carne (“até mesmo a carne dos orcs seria boa presa.”[20]). Nas mãos dos Uruk-Hai, Merry e Pippin são alimentados com pão dos orcs[21]. Depois, orcs que mantém Frodo cativo atacam o suprimento de comida dele e o alimentam, apesar de desprezarem especificamente o pão de viagem élfico, lembas[22]. Orcs também comem cavalos, pôneis e burros[23] e mais notoriamente, carne humana[24]. Pippin recusa-se a comer um pedaço de carne seca que um orc dá a ele, “a carne de uma criatura que ele não ousava adivinhar qual seria”. (Página 46) Surpreendentemente, não há referências no cânone a orcs comendo outros orcs, embora presumivelmente a cadeia alimentar em Moria tinha que se fechar de alguma maneira. Orcs temiam que os elfos atormentariam e comeriam seus prisioneiros orcs, apesar de que os elfos não cometiam nenhum dos dois atos[25].

Nos livros, orcs se reproduzem como humanos, hobbits, anões e elfos; o sexo resultando na gravidez e no parto. Tolkien descreve isto discretamente como “procriação intra-corporal” e se refere repetidas vezes aos orcs se ‘multiplicando’[26]. Ele são referidos como ‘reproduzindo-se rapidamente’ e ‘se multiplicavam como moscas’, termos que evocam animais[27]. Como observado previamente, orcs podem e de fato reproduziram com humanos mortais. A despeito destas constantes referências à reprodução dos orcs, Tolkien nunca nos apresenta com um personagem orc identificado como fêmea.

Tolkien mantém silêncio sobre uma pergunta que alguns leitores têm: orcs estupram? Isto parecia inteiramente típico da maldade dos orcs, da qual Tolkien diz, “Eles estavam de fato tão corrompidos que eram impiedosos, e não havia crueldade ou maldade que eles não cometeriam… eles tinham prazer em sua ações. Eles eram capazes de agir por si próprios, cometendo atos de maldade espontâneos para seu próprio divertimento.”[28] Mas Tolkien nunca atribui a eles este tipo de violência em particular. A terrível pergunta sobre orcs acasalando-se com elfos parece lograda pela afirmação de Tolkien que elfos morrem quando estuprados[29], e sendo Tolkien refinado demais para admitir a possibilidade de um elfo voluntariamente fazer sexo com um orc. Este pode ser um aspecto de porque a criação de orcs foi o “maior dos males”[30] de Morgoth. Há também um sinistro subtexto ao seqüestro de elfas[31] por orcs e a captura e tormento da senhora élfica Celebrían[32]. E o programa reprodutivo de Saruman entre mortais e orcs tinha que começar de algum lugar.

Tolkien não diz nada sobre a infância dos orcs ou sua criação. Tolkien gosta de crianças como se percebe em suas citações sobre crianças hobbits e élficas[33]. Esta pode ser a razão de seu silêncio sobre a presumível miséria da infância órquica.

Mas em SdA e n’O Silmarillion, faltam descrições da aparência dos orcs – Tolkien fornece mais descrições em SdA de como os orcs cheiram do que de sua aparência. Em RdR, há uma cena marcante com dois orcs de tamanhos diferentes, um pequeno orc batedor com pele negra e nariz ranhento trabalhando ao lado de um grande orc lutador[34]. Tolkien fornece uma descrição de como ele imaginava os orcs. Ironicamente, ele escreveu isto em uma carta criticando um tratamento proposto para o cinema de seus trabalhos:

“Os orcs são definitivamente especificados como corrupções da forma ‘humana’ vista nos elfos e homens. Ele são (ou eram) baixos, largos, narizes achatado, pele amarelada e com bocas grandes e olhos oblíquos, de fato, versões degradadas e repulsivas (para europeus) dos mais desagradáveis tipos mongóis.”[35]

O datado estereótipo racial nesta declaração é lamentável. Nas comparações orcs/humanos mais focadas de Tolkien em sua correspondência, ele compara membros do Eixo na Segunda Guerra Mundial e mesmo ingleses maus[36] aos orcs. Nos recentes filmes SdA, as interpretações de efeitos especiais dos orcs são muito mais racialmente neutras que a descrição de Tolkien, usando uma paleta de cinza, manchas ou pele desfigurada.

À parte de saques e pilhagens, orcs tinham uma veia criativa; uma repugnante, maligna veia criativa. Uma passagem em O Hobbit descreve a natureza da criatividade órquica: “Não fazem coisas bonitas, mas fazem muitas coisas engenhosas… Martelos, machados, espadas, punhais, picaretas, tenazes, além de instrumentos de tortura, eles fazem muito bem, ou mandam outras pessoas fazerem conforme o seu padrão.”[37]

Prazeres órquicos são poucos, tirando o divertimento que eles tiram da crueldade. Em um possível resquício de suas origens élficas, eles compõe canções e cantam.[38]

Entre si, orcs são capazes de amizades rústicas e alianças de clãs, apesar destas serem frágeis e prováveis de ruirem se eles se zangarem o suficiente. Isto é ilustrado com Ugluk em As Duas Torres, um Uruk-Hai que retorna a um grupo com quem discutiu por causa de ‘camaradas fortes’, e com dois orcs, Shagrat e Gorbag, planejando deixar Mordor algum dia com uns poucos ‘rapazes confiáveis’. Orcs odeiam elfos profundamente. Eles têm uma termo especial de desprezo e medo para mortais numenorianos, ‘tark’. Orcs tem alguns aliados. Sabia-se que faziam alianças com outros homens mortais, particularmente os Orientais[39]. Outro possível reminiscência dos elfos, que se comunicam com ‘bons animais’ é a aliança ocasional com animais maus, como lobos[40] e os lupinos wargs[41].

 
O Mal que os Orcs Fazem

Por que Tolkien nunca nos dá a perspectiva narrativa dos orcs, vivenciamos orcs na Terra-Média através de como seus atos são vistos por outros. Os orcs nunca são apresentados como compassivos, ou gentis, ou desejando se libertar do mal (apesar de desejarem se libertar de seus mestres). A aparição de um orc é causa de medo e um precursor imediato de violência. Às vezes, um ato maldoso de um orc serve para um propósito bom – em diversos pontos da história de SdA, orcs lutando entre si dão aos personagens hobbits chances de desafio ou fuga – mas nenhum orc é deliberadamente útil. Em ocasiões onde orcs se contém em torturar os prisioneiros, observa-se que assim agem sob comando, temendo um mal maior que si mesmos.

A natureza do mal órquico muda para se ajustar à história que Tolkien está contando. Orcs aparecem em cada um dos três romances de Tolkien: O Hobbit, SdA e O Silmarillion. O Hobbit é uma história infantil passada na Terra-Média. Em O Hobbit, esses orcs são, em qualidades e referências literais, confundíveis com ‘duendes’ do folclore e contos de fada vitorianos. A marcante descrição da criatividade dos orcs que Tolkien inclue aqui tem evidentes nuanças da tradição das entidades da mitologia celta. A ligeiramente diminutiva apresentação de orcs como “duendes” os coloca à altura do protagonista do livro, o hobbit Bilbo Bolseiro. Fica implícito em escritos relacionados posteriores que se outro personagem, Gandalf ou Thorin, tivesse narrado os encontros com orcs, eles teriam um tom diferente.[42]

O mais notável incidente com orcs em O Hobbit é a tentativa de Gandalf de conferenciar com os orcs quando o grupo de viagem de anões e hobbit é capturado. Esta é a única ocasião nos trabalhos de Tolkien onde um personagem ‘bom’ tenta argumentar com orcs, como se eles estivessem à altura das outras raças na Terra-Média. Isto está de acordo com a caracterização de Gandalf como uma representação do bem, enviado para inspirar a melhor parte dos habitantes da Terra-Média. O rei orc, Grão-Orc, não está à altura da situação, e segue-se imediatamente uma luta.

SdA, com seus personagens embarcando missão contra o mal, é o romance narrativo mais tradicional dentre os principais escritos de Tolkien. Aqui todas as raças mostradas em O Hobbit são apresentadas em uma perspectiva adulta. Orcs se libertaram de suas associações com os duendes, apesar de que, como em O Hobbit, o primeiro encontro dos protagonistas com os orcs ocorre nas profundezas subterrâneas. Os personagens orcs que aparecem depois na narrativa são cruéis, impetuosos e temíveis – e inconfundivelmente militares, com toque moderno. Pois os soldados orcs têm números atribuídos a eles[43]. Este não é o único lado curiosamente moderno deles; os orcs falam de maneira incisiva, grosseira e seca. Somente os personagens hobbits têm uma qualidade moderna similar em seus diálogos.

Uma nota de rodapé sobre os orcs em SdA é sua aparição no apêndice deste, O Conto dos Anos. Nele é apresentada a idéia de Tolkien de uma história de fundo na qual a atividade dos orcs tem aumentado progressivamente e esta afetou muitos dos protagonistas diretamente, em particular Aragorn e Arwen. Lacônico como um historiador, O Conto dos Anos comenta que a guerra dos Anões e Orcs (notas posteriores do apêndice tornam isto mais vívido e terrível) e um ataque orc no Condado, a idílica terra hobbit de Tolkien. Em adição a isto e ataques a Gondor e Rohan, os orcs a certo momento capturam, envenenam e torturam a mãe de Arwen, Celebrían. Celebrían é resgatada, mas não pode ser curada, e ela parte para as Terras Imortais. Isto dá a partida para uma futura tragédia que parece quase determinada. Os filhos de Celebrían juram vingança e começam a caçar orcs, às vezes na companhia de ancestrais de Aragorn. Em uma dessas caçadas, orcs matam o pai de Aragorn. Assim, anões, homens mortais, elfos e mesmo hobbits sofreram nas mãos dos orcs e teriam sofrido ainda mais se o mal tivesse triunfado.

O Silmarillion é uma cosmologia e história épica da Terra-Média em suas eras antes de SdA acontecer. Nós raramente recebemos detalhes íntimos sobre os personagens deste livro, e, ainda deste forma, orcs são apresentados como hordas do mal sem rosto. Sua criação é examinada, como observado previamente. Quando os elfos primeiramente encontram orcs, os elfos os comentam como a seguir: “E entre eles estavam os orcs, que mais tarde devastariam Beleriand… De onde vinham ou o que eram, os elfos não sabiam, supondo que talvez fossem avari (um tipo de elfo) que houvessem se tornado perversos e brutais no ambiente selvagem. Conta-se que, sob esse aspecto, infelizmente sua suposição estava quase correta.”[44]

Depois da tímida estréia dos orcs, eles participam de uma série de batalhas, com seu sucesso[45] ligado ao destino de seus mestres. Quando seus mestres caem, eles se dispersam e definham, mas como o próprio mal, alguns deles sempre resistem para serem convocados novamente. Mas, de maneira geral, os orcs de O Silmarillion representam um mal muito impessoal. Somente duas vezes há a menção de um ato cruel em específico[46]. Nenhum orc em O Silmarillion – nem em suas anotações originais, registradas na série History of Middle-Earth (HoME) – é digno de um nome.

A série HoME compõe-se doze volumes de anotações de Tolkien e histórias adicionais que nunca tinham sido publicadas. Revendo estes, é notável quão pouco os outros escritos de Tolkien tratam dos orcs que ele criou. Os principais escritos são os ensaios sobre orcs publicados em Morgoth’s Ring que incluem cerca de dez páginas no total. Nestes ensaios acerca de orcs, a preocupação de Tolkien é em como as grandes forças do mal da Terra-Média usam orcs e a significação espiritual destes.
 

O que Significam Orcs na Terra-Média

Orcs têm diversas camadas de significação além de serem alvos para espadas élficas. Como observado, o papel dos orcs nas narrativas de Tolkien é simples. É o lugar deles na cosmologia da Terra-Média que os faz complexos, envolvidos em questões sobre a natureza do mal, livre-arbítrio e redenção.

Por que orcs, na cosmologia de Tolkien, não deveriam existir, eles pareceriam representar o oculto, misterioso e errado – o clássico Outro[47]. A idéia do Outro se fortalece ao se refletir no próprio ser, e o que é refletido nos orcs é a possibilidade do mal corriqueiro em todos os povos, muito especificamente nos humanos.

Ao invés disso, orcs são o mal personificado, e um mal muito específico, a vontade de seus mestres. Tolkien nos dá um acontecimento em RdR que deixa isso claro. Depois de testemunhar um orc matando outro, um ato que impede Sam e Frodo de serem descobertos, Frodo comenta, “Mas este é o espírito de Mordor, Sam; está espalhado em todos os seus cantos. Os orcs sempre se comportam assim quando estão sozinhos, pelo menos é o que contam as histórias.”[48] Frodo continua e adiciona, “Mas você não pode alimentar muita esperança a partir desse fato.”, e realmente, quando quer que um orc apareça, há razão para temer, mesmo desesperar.

O mal dos orcs não é aquele dos mortos-vivos letárgicos. Há uma terrível vitalidade neles, que aparece em sua ferocidade, prontidão para lutar e se reproduzir, e suas emoções impulsivas e instintivas. Orcs estão vivos mas decaídos, são a marca viva e pulsante do cerco do mal no mundo da Terra-Média, um fenômeno que Tolkien resume como ‘Arda desfigurada’.[49]
 

Conclusões Sobre Os Orcs

Se os orcs são Arda desfigurada, eles podem ser redimidos? Talvez. Tolkien reluta em exluir essa possibilidade, embora, como outros pontos cosmológicos em suas anotações, ele explora diversas interpretações. Em um dos textos sobre orcs de Morgoth’s Ring ele diz que orcs ‘podem ser se tornado irredimíveis (pelo menos por elfos e homens), mas que eles tinham permanecido dentro da Lei’. Como parte disso, se um orcs tivesse pedido misericórdia, pessoas boas eram obrigadas a concedê-la, ‘a qualquer custo’. Arrependimento e redenção dos orcs, embora improváveis, deviam receber uma chance.

Significativamente, orcs não estão presentes em uma interpretação de Arda renovada e curada; parece que sendo uma espetacular aberração e escárnio, eles não deveriam existir de maneira alguma. Um comentário na Carta 153 prova o contrário, e, enquanto não apresenta uma solução, resume o enigma dos orcs:

“Eles seriam o maior dos pecados de Morgoth, o abuso de seu maior privilégio, e seriam criaturas nascidas do Pecado, e maus por natureza. (eu quase escrevi irremediavelmente más, mas isso seria ir longe demais. Por que em aceitando ou tolerando sua criação – o que é necessário para sua real existência – mesmo orcs se tornariam parte do mundo, o qual é de Deus e essencialmente bom).”

Tolkien está cônscio de que em sua cosmologia, Morgoth não criou os orcs, mas os corrompeu, e em seu comentário nisto é “Que Deus ‘toleraria’ aquilo, não parece uma doutrina pior que a tolerância da desumanização calculada de homens pelos déspotas que ocorre atualmente,”[50] Isto também ecoa o triste tema que, de todos os seres, grandes e pequenos, da Terra-Média, são os orcs que ele vê como tendo o efeito mais duradouro na humanidade.

Tolkien parece estar ciente da atração sombria que os orcs teriam em alguns leitores, e ter explorado isso, em observações sobre a rebeldia levando ao mal, em uma sequencia inacabada de SdA. Este seqüência, The New Shadow, existe na forma de dez páginas de manuscrito (publicadas em The Peoples of Middle-Earth). É o fragmento inicial de uma história passada em Gondor cerca de cem anos depois do início da Quarta Era. Um notável aspecto da trama está nos ‘cultos de orcs’ entre adolescentes[51]. Nesta futura Gondor, uma vez que os orcs desapareceram o bastante para serem uma peça de folclore ou história, parece haver um apelo de rebeldia em seus atos de maldade vazios e destrutivos, e alguns jovens provocadores começam a brincar fazendo ‘trabalho de orc’. Esta é uma sombra de um plano maligno mais amplo, e um sinal de renovado potencial para corrupção entre os mortais.

Leitores nunca saberão dos detalhes completos do que este trabalho de orc sinalizava. Tolkien tentou trabalhar na história diversas vezes, até quinze meses antes de sua morte.[52] Entretando, ele não terminou a história, dizendo que seu conceito demonstrou ser ‘sinistro e deprimente… não vale a pena fazer.’[53]

Tolkien, no fim, desistiu de aplicar mais criatividade a seus orcs do que o necessário para fazê-los verossímeis dentro da Terra-Média. Em seus escritos, eles não têm nada próprio de valor, são tratados como buchas de canhão, e sua iniden­tificável redenção nunca é mostrada. É um testemunho à criatividade de Tolkien que mesmo seus seguidores do mal, seus duendes crescidos, ecoam em nossas mentes modernas como ferozes arquétipos, são intrigantes e despertam curiosidade. Isto nos traz a observação que começa este ensaio: os fantasistas modernos que adotaram o arquétipo de Tolkien do orc, expandindo suas fundações. Alguns fantasistas, seguindo Tolkien, apresentam orcs como seguidores do mal ainda mais superficiais, seja em imitação ou paródia de Tolkien. Outros têm uma visão mais empática dos orcs, apresentado-os como patinhos feios, arquétipos do homem comum, ou representações de masculinidade poderosa.[54] Parece que os orcs serão redimidos, afinal de contas, em nossas imaginações.

Apêndice: Outros Orcs na Fantasia Moderna

Para apoiar minha afirmação de que a idéia dos orcs teve um grande impacto no gênero de literatura de fantasia, reuni esta lista de rpgs representativos e romances que usam orcs ou paralelos dos orcs.

Orcs nos RPGs

Orcs se tornaram uma parte tão importantes nos rpgs que uma grande convenção de ‘jogos de estratégia’ na Califórnia é chamada “OrcCon”.

O sistema de rpg Dungeons & Dragons publicado pela Wizards of the Coast, um famoso derivado de Tolkien, usa orcs e meio-orcs. Um bom exemplo disso é o livro módulo D&D Fury in the Wasteland: The Orcs of Terrene, o qual “investiga a cultura orc como nenhum outro livro fez antes. Assuntos como ciclo de vida, habitat, recreação, dieta, vestimentas, remédios e cuidados com saúde, relações de raça, comércio, e línguas são todos abordados.”

Sabertooth Games’ WarCry – outra editora de jogos convida os ávidos de poder a “Controlar as hordas da escuridão (Caos, Elfos sombrios, Orcs e Duendes) ou a Grande Aliança (Império, Altos Elfos, e Anões) em grandes batalhas que decidirão o destino de reinos!”

EverQuest – Apontado pela revista Forbes em 2001 como um fenômeno social dentre os jogos online, orcs são uma parte do jogo. Interessante observar que, enquanto orcs são npcs inimigos ou aliados, jogadores com anseios sombrios não podem escolher ser um personagem orc, mas são têm que escolher entre trolls, ogros, bípedes reptilianos do mal e elfos sombrios.


Orcs com qualquer outro nome

Os seguidores do mal destas séries são claramente semelhantes aos orcs.

A série Eragon de Christopher Paolini (2003, Knopf) – tem personagens análogos aos orcs chamados Urgalls.

A série Shannara de Terry Brooks (19 livros de 1977 até hoje, Ballantine Books) – tem personagens análogos aos orcs chamados Gnomes.

A série The Fionvar Tapestry de Guy Gavriel Kay (três livros, publicados em 1984, 1985, 1986, Roc) – tem personagens análogos aos orcs chamados Svart Alfar e Urgaches. Esta série – arthuriana em intento, interpretada por alguns como tolkieniana – foram os primeiros romances de Kay, publicados dez anos depois que ele ajudou Christopher Tolkien a editar “O Silmarillion”.

Orcs chamados “Orcs” em escritos não-Tolkien

Ao contrário de autores que usam similares dos orcs, estes autores chamam um orc de orc, frequentemente para destacar o contraste ou acentuar a sátira entre seus trabalhos e os de Tolkien.

Abacar the Wizard: Book One: A Tale of Magic, War, Elves, Goblins, Orcs, Monsters, Fantasy, and Adventure de Timothy Erenberger (Writer’s Club Press, 2001) – Já no título, orcs são diferenciados dos duendes e monstros como uma categoria distinta.

Grunts! de Mary Gentle (Bantam Press, 1992) – satiricamente consciente de sua derivação de Tolkien, neste romance, orcs (protagonistas empáticos) são contratados para proteger ladrões ‘pequenos’ que roubaram tesouros de um dragão. Entre esses tesouros estão incluídos armas dos Fuzileiros Navais dos EUA.

ORCS: First Blood de Stan Nicholls (série de diversos livros, Gollancz, 1997- 1999) – Aqui os orcs são descritos como, embora sendo feios e estúpidos, protagonistas heróicos/simpáticos.

Red Orc’s Rage de Philip Jose Farmer (Tor Books, 1991) – tecnicamente este pertence à seção “orcs com qualquer outro nome” por seu uso dos semelhantes dos orcs gworls. Entretanto, este livro singular foi escrito para uso em um tipo de psicoterapia, a terapia Tiersian, baseada em leitura de ficção evocativa. Apresenta um personagem problemático sendo convidado, como parte da terapia Tiersian, a projetar sua personalidade em qualquer tipo de pessoa que ele desejar em um mundo de fantasia específico – e ele escolhe o Orc Vermelho, o vilão mais proeminente do mundo de fantasia. Parte de uma série de ficção científica com objetivos terapêuticos, este livro é caracterizado por ser recursivo, auto-referencial e muito bizarro. Leia um artigo sobre terapia Tiersian, com menção do livro específico, aqui. http://www.psychiatrictimes.com/p010756.html

The Orc’s Treasure by Kevin Anderson, (I Books, 2004) – Protagonista orc como anti-herói: “Gree é um orc prosaico, sem muitas aspirações, tão gananciosas e sórdidas como são normalmente.”

The Orc Wars: The Yngling Saga, Books I & II
by John Dalmas, (Baen Books, 1992) – uma mistura de fantasia e ficção científica com orcs (como seguidores de um telepata do mal) e neo-vikings em uma Europa pós-apocaliptica.

The Thousand Orcs by R.A. Salvatore (Wizards of the Coast, 2003) – um romance em um mundo de fantasia que é um derivado do sistema de rpg D&D. A sinopse fala por si mesma: “O bando retorna de Icewind Dale na companhia dos anões de Mithrall Hall, que estão escoltando o rei Bruenor que volta para relutantemente assumir o seu trono. Encorajados por uma sombria aliança com os mortais gigantes gelados, uma horda de orcs está silenciosamente se reunindo, esperando com paciência incomum para se mover contra anões, elfos e humanos sem distinção.” Entretando, este romance em particular apareceu na lista de bestsellers do New York Times – não sendo a primeira vez deste autor nesta série.

Thraxas by Martin Scott (Baen Books, 2000) – ganhador do World Fantasy Award em 2000. Outro uso satírico dos orcs: “é um detetive azarado, um Sam Spade de um mundo de fantasia, vivendo em um mundo mágico que é refrescantemente clichê em suas ciladas…. um mundo povoado por reinos em conflito de humanos, elfos e orcs.”

[1] http://www.socialistreview.org.uk/article.php?articlenumber=7990

[2] Veja no Apêndice, uma lista de interpretações de outros autores de orc e role-playing games que incorporam orcs.

[3] http://www.skotos.net/articles/BSTG_40.shtml

[4] Rose, Carol; Spirits, Fairies, Gnomes and Goblins: An Encyclopedia of the Little People. 1996, ABC-Clio, Santa Barbara, California. Convenientemente, este livro divide a grande quantidade de criaturas folclóricas de todo o mundo em categorias. Criaturas negativas estão incluídas na categoria de demônios (malevolentes), diabos, espíritos associados com animais, espíritos associados com doenças, espíritos associados com florestas e outros lugares. Esta análise ajuda a mostrar que a maioria dos “duendes” são personificações de forças naturais negativas ou lugares perigosos. Orcs são diferentes, pois são apresentados como paralelos e iguais das outras raças da Terra-Média. Podia-se ver um orc cara a cara, eles não eram contos de fada, mas um fato terrível. Os orcs representam nada mais que a vontade e a cobiça do mal.

[5] Briggs, Katharine; An Encyclopedia of Fairies: Hobgoblins, Brownies, Bogies , and Other Spiritual, 1976, Pantheon Books, New York.

[6] Shippey, Tom, The Road to Middle-Earth. HarperCollins, 1992.

[7] Zipes, Jack, The Oxford Companion to Fairy Tales, 2000, Oxford University Press, New York. Esta não é uma referência específica à orcs, mas em referência ao fato que “a concepção de Tolkien de literatura de fantasia… é baseada na suspensão de descrença… que acontece quando, ao contrário dos contos de fadas, nós como leitores compreendemos a fantasia dentro de suas próprias premissas como ‘verdade’. Pois para Tolkien, fantasia autêntica e habilidosa cria a Crença Secundária (diversa da Crença Primária do mito ou religião), colocando o leitor em um estado temporário de encantamento.” Deste modo, Tolkien gastou muita energia autoral em estabelecer o lado prático da Terra-Média.

[8] Carpenter, Humphrey. The Letters of J.R.R. Tolkien. Houghton Mifflin Co., 1995; Carta 144.

[9] George MacDonald era um intelectual vitoriano que, como parte de sua contribuição à área de Artes e Ofícios da cultura vitoriana, escreveu diversas histórias de fantasia para crianças. O seu maior uso de duendes acontece numa composição literária chamada The Princess and the Goblin, na qual são descritos como tendo sido seres humanos comuns, que foram mudados e corrompidos quando foram viver no subterrâneo para evitar suas obrigações. Fãs modernos dos orcs que lerem esta história a acharão incrivelmente melosa.

[10] Tolkien, J.R.R; O Silmarillion (Silma), editado por Christopher Tolkien, Martins Fontes, 2001. Quenta Silmarillion, capítulo III – Da chegada dos elfos e do cativeiro de Melkor, página 49.

[11] Tolkien, J.R.R; Morgoth’s Ring: The Later Silmarillion Part One, Volume 10 of The History of Middle Earth (MR), editado por Christopher Tolkien. Houghton Mifflin Co, 1993. Fonte dos dois ensaios sobre Orcs e Myths Transformed.

[12] Ibid.

[13] Tolkien, J.R.R; As Duas Torres (ADT). Martins Fontes, 2000. Livro III, Capítulo 4 –  Barbárvore, página 70.

[14] MR, Orcs.

[15] MR, Myths Transformed.

[16] Tolkien, J.R.R; O Retorno do Rei (RdR). Martins Fontes, 2001. Apêndice F, página 423.

[17] Ibid.

[18] Allan, Jim (ed.) An Introduction To Elvish (And to Other Tongues and Proper Names and Writing Systems of the Third Age of Middle Earth As Set Forth in the Published Writings of Professor John Ronald Ruel Tolkien), 1978, Bran’s Head Books, Bath, UK.

[19] MR, Orcs.

[20] Tolkien, J.R.R.; Contos Inacabados de Númenor e da Terra-Média (CI), editado por Christopher Tolkien. Martins Fontes, 2002. Capítulo I – De Tuor e sua chegada a Gondolin

[21] ADT , Livro III,  Capítulo 3 – Os Uruk-Hai, página 46.

[22] RdR, Livro VI, Capítulo 1 – A Torre Cirith Ungol, página 185.

[23] Tolkien, J.R.R., O Hobbit, Martins Fontes, 2001, Capítulo 4 – Montanha acima, montanha adentro, página 61.

[24] ADT , Livro III,  Capítulo 3 – Os Uruk-Hai

[25] “Algo que Morgoth havia conseguido era convencer os Orcs além de qualquer contestação que os elfos eram mais cruéis do que eles, mantendo cativos somente por ‘diversão’ ou para comê-los (com os Orcs fariam em caso de necessidade.)” Nota de rodapé em MR, Orcs.

[26] MR, Orcs.

[27] Silma, Dos Anéis do Poder e da Terceira Era, página 369.

[28] MR, Orcs.

[29] MR, Leis e Costumes entre os Eldar.

[30] Silma, Quenta Silmarillion, Capítulo III – Da chegada dos elfos e do cativeiro de Melkor, página 49.

[31] Silma, Quenta Silmarillion, Capítulo XXI – De Túrin Turambar, página 271.

[32] RdR, Apêndice B – O Conto dos Anos.

[33] Tolkien cita resposta: crianças na Terra-Média: Carta 144: “Crianças hobbit são encantadoras…” Em Morgoth’s Ring: crianças élficas – “como se fossem filhos de homens belos e tranqüilos.”

[34] RdR, Livro VI, Capítulo 2 – A Terra da Sombra, página 199.

[35] Carta 210

[36] Carta 78

[37] O Hobbit, Capítulo IV –  Montanha acima, montanha adentro, página 61.

[38] ibid

[39] RdR, Apêndice B – O Conto dos Anos

[40] ADT, Livro III, Capítulo VIII – A estrada para Isengard, página 153.

[41] O Hobbit, Capítulo VI –  Da frigideira para o fogo, página 101.

[42] CI,  Parte III – A Terceira Era, Capítulo 3 – A busca de Erebor.

[43] RdR, Livro VI, Capítulo 2 – A Terra da Sombra, página 199.

[44] Silma, Quenta Silmarillion, Capítulo X – Dos Sindar, página 108.

[45] Depois de diversas derrotas iniciais, Morgoth mudou a forma como os orcs são usados em sua estratégia de batalha, pois “Morgoth percebeu agora que, sem ajuda, orcs não estavam à altura dos Noldor.” Em batalhas posteriores, ele usou Orcs de um modo muito específico, primeiramente visto na grande batalha de Dagor Bragollach. Aqui, ele mandou os Orcs primeiro “em multidões tais como os Noldor nunca tinham visto ou imaginado.” Isto é bem sucedido – até certo ponto; os Orcs ainda temem alguns senhores élficos em específico, e como resultado, certas fortalezas não caem. Em uma batalha posterior, a Nirnaeth Aenordiad, Morgoth levou em conta esta fraqueza dos orcs. Ele repetiu sua estratégia prévia de grandes quantidades de Orcs até que “os Orcs hesitaram, e seu ataque foi retardado, e alguns já estavam tentando fugir.” Então, Morgoth solta suas mais poderosas criaturas do mal na batalha. Significativamente, em Gondolin, mesmo um bando de Orcs deixados na área próxima a Gondolin para destruir qualquer um que escapasse recebe cobertura de um Balrog. Como nota de rodapé, as palavras “Orc” e “Orcs” sempre aparecem com letra maiúscula no texto do Silmarillion, mas não em O Hobbit ou em O Senhor dos Anéis.

[46] Um deles acontece quando os orcs pregam uma senhora élfica, Finduilas, em uma árvore com uma lança para matá-la. (Silma, De Túrin Turambar, página 275.) O outro é o ataque e perseguição pelos orcs, “pelo faro e pelas pegadas” de Isildur na Segunda Era. (Silma, Dos Anéis do Poder e da Terceira Era, página 376).

[47] O ensaio do estudioso de Tolkien Ainur Emlgreen: “The Image of the Enemy: An issue of Race and Class in the works of J.R.R. Tolkien” (A Imagem do Inimigo: Uma discussão sobre Raça e Classe nos trabalhos de J.R.R. Tolkien) traz uma sofisticada análise sobre o tema do orc como Outro).

http://www.ainurin.net/image_of_enemy_intro.htm

[48] RdR, Livro VI, Capítulo 2 – A Terra da Sombra, página 200.

[49] MR, Myths Transformed.

[50] Carta 154.

[51] Carta 338.

[52] Tolkien, J.R.R.; The Peoples of Middle-Earth, Volume 12 of The History of Middle Earth, editado por Christopher Tolkien. Houghton Mifflin Co, 1996.

[53] Carta 256.

[54] Notavelmente, todos esses papéis alternativos para os orcs na fantasia moderna (patinho feio, imagem do homem comum ou poder masculino) remetem a papéis importantes de protagonistas e poderes nos contos de fada europeus. O filho mais novo ou príncipe numa missão se tornou um orc! Referências em toda obra de Zipes.

{mos_vbridge_discuss:112}

Comentários

  1. Olá, seu blog é ótimo! Parabéns! Apenas queria sugerir que pensasse na cor de fundo, pois eu não o leio mais porque o branco no preto causa uma exaustão visual tremenda. Fica a dica! Abraços

  2. Otimo texto, só lamento eu ter tomado conhecimento dele mais de 6 anos após sua publicação. De qualquer maneira, caso ainda veja essa comentário, fiquei com algumas dúvidas e ficaria feliz se você pudesse me jogar alguma luz no assunto.

    Primeiro, sobre os Uruk Hai serem hibridos de Orcs com humanos, isso não vai contra essa afirmão: “Em O Hobbit, de JRR Tolkien, Hobgoblins são uma ameaça, maior e mais forte forma de Goblins. Tolkien comentou mais tarde, numa carta, que através de mais estudos de folclore posteriormente ele tinha apreendido que “a afirmação de que hobgoblins seriam” uma espécie maior ‘[de Goblins] é o inverso do original da verdade.” Tolkien então rebatizou-os de Uruks ou Uruk-hai, numa tentativa de corrigir seu erro.”

    E minha outra dúvida paira sobre a afirmação de haver a necessidade de se criar uma criatura maligna que fosse similar ao homem. Trolls, Goblins e Ogros não poderiam ter feito esse papel?

    De qualquer maneira, os Orcs se tornaram realmente criaturas independentes da obra de Tolkien, é incrivel como eles se tornaram populares e usados em outras histórias. Jogo Skyrim(jogo do ano 2011 para Xbox 360, Playstation 3 e PC) e eles inclusivem existem também nesse universo, são descritos como povos das montanhas, vivem em tribos isoladas, e são descendentes de um povo que tinha seu proprio imperio, eles também tem seu proprio idioma, e no universo do game desmentem serem Elfos caidos, seriam apenas uma outra raça mesmo(ironicamente indo contra o proprio criador do Orcs rs), Skyrim já é a 5ª edição de uma linha de games, tem uma história bem complexa, você pode se interessar por ela, eu como fã de Tolkien acabei me interessanto, a inspiração em SdA é obvia.
    Enfim, otimo texto, nem sei como agradecer, para um fã desse mundo de fantasia, seu artigo foi de enorme importância, me acrescentou muito.