Todos os posts de Fábio Bettega

Comentários Sobre O Senhor dos Anéis – Uma Introdução í  Obra Maior de Tolkien

“Fantasia é uma atividade humana normal. Ela certamente não destrói ou mesmo insulta a Razão; e ela também não embota o apetite pela, nem obscurece a percepção da, veracidade científica. Ao contrário. Quão mais inteligentes e claros são os argumentos, melhor será a fantasia com eles construída. Se os homens estivessem em um estado no qual não desejassem conhecer ou perceber a verdade (fatos ou evidências), então a Fantasia iria repousar até que estivessem todos curados. Se eles estivessem sempre em tal estado (o que não parece de todo impossível), a Fantasia desapareceria e se tornaria uma Desilusão Mórbida.�?
J. R. R. Tolkien, On Fairy-Stories

 

 

 
Comentários Sobre “O Senhor dos Anéis�? – Uma Introdução à Obra Maior de Tolkien

Grande parte dos leitores de O Senhor dos Anéis fica quase que obcecada pelos complexos detalhes da história. Uma outra parcela desses leitores procura ler as entrelinhas da obra para tentar dissecar quais os objetivos de seu autor ao escrevê-la. O Senhor dos Anéis já atraiu críticos ferozes, para quem a obra é um exercício do conservadorismo, bem como defensores audazes em contestar diretamente essa idéia (vide, p.ex. Defending Middle Earth: Tolkien, Myth and Modernity, Patrick Curry). Existe ainda uma outra parcela de leitores que se prende à (eterna ?) discussão sobre a auto-consistência da obra, formando um grande grupo de discussão sobre cada um dos muitos pontos deixado ali em aberto ou então inconsistentes no teor dos vários textos escritos por Tolkien. Muitos desses leitores deixam, assim, de apreciar e observar a obra como o que ela realmente é, um dos melhores romances (ou história fantástica) do século XX. A apreciação da obra merece que seus detalhes possam ser esquecidos face ao conjunto.

Para entender a complexa estrutura da obra de Tolkien relacionada à saga do ‘Senhor dos Anéis’ é necessário compreender o contexto em que cada obra foi criada, com objetivos bem diferentes e na maioria das vezes ocultos ao leitor dessa obra, a forma como o livro foi estruturado e algumas influências sobre o próprio autor.

As Obras da Saga

O Silmarillion (no que toca as versões pré Senhor do Anéis, aquelas existentes no Book of Lost Tales e nos primeiros volumes do History of Middle Earth) foi escrito como um conjunto de ensaios acadêmicos de Tolkien. Seu objetivo era o estudo da evolução da linguagem, como a história (incluindo as respectivas lendas e mitos de cada povo) contribuía para a formação das palavras e de suas raízes fonética. Para criar o ‘élfico’ Tolkien necessitava da mitologia a ele associada, e os vários ensaios do Silmarillion (muitos na forma de poemas) fazem parte desse processo. Essas histórias e poemas eram apresentados em reuniões com seus colegas, dos quais o grupo mais importante foi o dos Inkling’s, de onde várias sugestões foram recebidas e incorporadas. A versão publicada do Silmarillion é uma versão adaptada após a publicação do Senhor dos Anéis, na qual Tolkien (e depois seu filho como editor) procurou ajustar sua mitologia anterior aos fatos citados no SdA, nem sempre com perfeição. As origens do Silmarillion são bem mais antigas do que aquelas do Hobbit ou do Senhor dos Anéis.

O Silmarillion ainda é a obra mais trabalhada de Tolkien, com sucessivas versões, re-escritura e adaptações ocorridas até sua morte. O caráter acadêmico da obra pode ser percebido, na versão original, pelo teor do inglês utilizado. Tolkien usa uma linguagem elevada, com uso freqüente de estruturas ‘vocativas’ e de palavras no inglês antigo (Old English), cujo uso foi reduzido na versão pós Senhor dos Anéis, mas objeto até mesmo de um pequeno dicionário na edição contida no Book of Lost Tales.

Já o Hobbit, segundo contam alguns biógrafos, baseou-se em histórias que Tolkien contava para seus filhos quando pequenos, que foram sendo elaboradas e registradas. Afirmam que a versão enviada aos editores (Allen & Urwin) o foi às custas de uma colaboradora, já que a primeira submissão (outro editor ?) havia sido recusada e Tolkien não queria insistir. Certamente as histórias tinham uma ligação também com os estudos sobre o ‘élfico’, de onde a presença de elfos, anões, orcs e dragões, embora não seja aparente uma ligação mais forte. O próprio Tolkien menciona em uma carta que a escolha de alguns nomes, como Elrond, foi mais devida à dificuldade em obter ‘bons nomes’ e que foi uma sorte (para o SdA) tais nomes estarem relacionados à antiga mitologia élfica.

O Hobbit apresenta uma estrutura mais simples em termos de roteiro. Sua linguagem é nitidamente mais simples, como o contar de uma história infantil (não o narrar de uma aventura de forma impessoal), embora isso não queira dizer que é mal escrito. Suas qualidades como livro de aventuras, não apenas com o público infanto-juvenil, o tornaram um best-seller e o público ficou ávido por outras histórias sobre hobbits. A narrativa no Hobbit é bastante linear, a história está sempre focada em Bilbo (não existem tramas paralelas) e seus companheiros anões, e também não é detalhista, basta ver o tempo gasto pela comitiva dos anões para atingir a região dos Trolls, que ocorre no interior do mesmo capítulo. No SdA, Frodo e seus amigos gastam semanas (e vários capítulos) para cumprir o mesmo percurso.

Em paralelo, Roverandom também foi escrito com base em histórias criadas para os filhos. Foi rejeitado quando submetido aos editores, após a publicação do Hobbit,• porque queriam mais histórias sobre eles (hobbits). Acabou sendo publicado postumamente.

Aqui temos um fator primordial para entender a estrutura do Senhor dos Anéis. Ele foi escrito por solicitação dos editores, que estavam por sua vez pressionados pelo público, querendo histórias de hobbits. O SdA não foi escrito, como o Silmarilion, para ser um conjunto mitológico, mas sim para ser uma história (épica) de fantasia. Na sua composição Tolkien utilizou, de forma magistral, os conceitos que ele mesmo havia estudado e definido para as histórias de fantasia, descritos em seu ensaio “On fairy-stories�?, apresentado na Universidade de Saint Andrew em 1938 (alguns atribuem a data exata do seminário em Março de 1939), e considerado pela academia como a melhor das exposições sobre o tema, até hoje.

Aquela pressão popular por mais hitórias de hobbits explica porque o herói da aventura não é um homem, como os desígnios do final da terceira era parecem apontar. Podemos pensar que, do ponto de vista ‘humano’ a história poderia ser mais natural se Aragorn fosse o herói a destronar Sauron (Elendil e os seus haviam enfrentado Sauron até em combate corpo a corpo, porque não um herdeiro à altura desse mesmo feito?). A importância de Aragorn s
erá ainda discutida mais adiante e dá subsídio adicional à pergunta acima.

Do ponto de vista de um hobbit como herói, a trama torna-se também mais crível. Caracterizados, desde o Hobbit, por suas habilidades de ‘não serem percebidos’ (stealth) certamente teriam mais chances de entrar numa terra inimiga e chegar ao local de destruição do anel. Aqui já percebemos o espírito descrito na citação de abertura, retirada do famoso ensaio de Tolkien. A fantasia é mais crível quão mais fácil assumi-la com base na razão. Facilita ao leitor acreditar na existência de um hobbit a levar o Anel Um até sua forja original, permitindo que aquele mundo de fantasia seja assimilado.

Ainda com respeito à aceitação da fantasia, outro aspecto importante do SdA (não presente, por exemplo, no mais antigo Silmarilion) é sua veracidade técnica. Tolkien usou guias militares para basear as distâncias que podiam ser cobertas por homens em marcha, dando um cunho de veracidade à epopéia. A geografia da Terra Média foi desenvolvida para assegurar ao leitor, por exemplo, que a Companhia do Anel deveria cruzar as Montanhas Nevoentas sem aproximar-se do Gap de Rohan. O ‘lembas’ dos elfos ressurge com destaque para garantir a subsistência, já que não é aceitável a duas (meio) pessoas carregar nas costas a comida necessária para uma jornada de mais de mês (e Mordor já havia sido descrito como uma terra inóspita, árida e bastante estéril, onde não seria também fácil de acreditar no encontro da ração diária). Nos estudos sobre a obra mostra-se a preocupação de acertar cronologicamente as várias tramas e mesmo os ciclos lunares (para os interessados, são baseados naqueles de 1942).

O Senhor dos Anéis é apresentado como um trabalho de ‘sub-criação’, um ‘mundo secundário’ da mitologia que se relaciona indiretamente ao mundo real. Na introdução e nos apêndices vem a idéia de que o livro narra, por sua vez, feitos registrados em outro livro (The Red Book), este sim relatando os eventos acontecidos em um passado indefinidamente distante (ou próximo, se considerarmos que foi escrito na própria época dos eventos).

Embora tenha sido extensamente elaborado (incluindo os apêndices) para que tenha uma completeza própria, o Senhor dos Anéis é por demais complexo para que isso possa ocorrer. Tolkien brincou uma vez ao dizer que no livro existiam apenas dois pontos não explicados, que seriam o nome dos outros dois magos, cinco menos Saruman, Gandalf, Radagast (citados por Saruman em Orthanc quando pergunta se Gandalf queria os cajados dos cinco magos) e a questão dos gatos da rainha Beruthiel (mencionados por Aragorn em Moria). No entanto, vários outros pontos podem ser levantados e mostram que a completeza como obra única não existe, por exemplo: como o rei Nazgul não conhecia o Condado, tendo combatido o reino de Anor naquelas regiões? Por que os nazgul tinham medo d’água? – pode-se assumir que o Anduíno era um rio largo e profundo o suficiente para impedir sua passagem direta, mas eles tiveram que cruzar pelo menos dois vaus (Isen, San Ford) em sua jornada até o Condado. A escolha do nome de Glorfindel realmente está ligada a uma versão em que este elfo, morto em Gondolin, “reencarna�?e volta à Terra Médica? Treebeard é mais velho que Tom Bombadil? O Balrog tinha ou não asas? Não é possível esperar que todas essas questões (e certamente muitas outras) tenham respostas. O livro deve ser considerado como seu todo, uma grande obra literária, e não como sendo um dicionário mitológico, em que cada termo tem uma entrada remissiva explicando sua origem e significado.

O Roteiro do Senhor dos Anéis

Por outro lado, o Senhor dos Anéis foi escrito (re-escrito e revisado um sem número de vezes) durante um longo período até que viesse a ser publicado. Essa publicação foi também em partes (cada um dos três livros que compõem a saga), com um intervalo de anos entre eles (receita repetida pelo Peter Jackson para o lançamento da trilogia filmada), uma vez que assim eventuais resultados de vendas ruins de um volume poderiam ser compensados pela venda melhor de outro dos volumes. Cortes ‘cinematográficos’ asseguram o interesse pela continuidade.

A interrupção no primeiro volume deixa o leitor ávido de saber o que vai acontecer às duplas de hobbits (Frodo/Sam, Merry/Pippin), mas deixa também outras questões em pé. Uma delas é o próprio destino de Gandalf, não muito assimilado após a queda em Khazad Dum. Outra, que nem todos os leitores percebem na primeira leitura, são as palavras do narrador quando Aragorn e Frodo deixam Cerim Amroth, ainda em Lothlórien: “para nunca mais retornar como um homem vivo�?. O leitor que tenha se identificado com Aragorn como um ‘salvador da pátria’ (ou dos hobbits, nesse caso) fica perplexo querendo saber o que lhe vai acontecer mais à frente, para não retornar (“será que ele também irá morrer?�?).

Naquela visão de roteiro fica mais claro entender, por exemplo, a morte e ressurreição de Gandalf. Ele tinha que sair da trama, pois do contrário não seria crível assistir à dissolução da companhia e à aventura de Frodo e Sam até Orodruin. Como introduzir para que Gandalf deixasse os dois seguirem sozinhos após algum ponto em Ithilien? Também não seria aceitável que um dos portadores dos anéis élficos pudesse entrar em Mordor sem ser detectado por Sauron. A notar que essa retirada de Gandalf da trama já havia acontecido duas vezes. No Hobbit, Gandalf vai ao Conselho de Magos para permitir que Bilbo seja o herói a partir da travessia de Mirkwood (já tentaram imaginar como isso seria possível com o mago por perto?). Mesmo no SdA, Gandalf teve que ser aprisionado em Orthanc para que os hobbits pudessem fugir dos cavaleiros negros ao longo de sua jornada até Rivendell. Como imaginar que Frodo pudesse colocar o anel e ser ferido pela lâmina morgul em Weathertop com Gandalf a seu lado?

Entretanto, Gandalf deve retornar. A construção de sua personagem como um auxílio enviado pelos Valar (Olórin, que seja) não facilita seu simples desaparecimento da obra. Gandalf volta para desempenhar um papel importante na Guerra do Anel. Recupera Theóden, subjuga (com auxílio dos Ent) Saruman, sustenta Gondor. Novamente seria menos aceitável essa fantasia sem a presença de um poder superior, capaz de transmitir fé e esperança mesmo sob a presença da sombra. Por outro lado, o retorno (ou o enganar) da morte é uma constante em várias mitologias e mesmo em contos de fada (vide Branca de Neve, por exemplo), assim nada mais natural que incorporar essa passagem no texto (depois de um providencial ‘coma’ decorrente da luta com o balrog, para permitir que a companhia deixe Lothlórien sem saber de seu retorno). Perturbações de como justificar esse retorno, seja por meio de hröa ou fëa, somente surgiram após o estrondoso sucesso do livro nos Estados Unidos e ao assédio dos fãs querendo saber sobre todos os detalhes da obra e incapazes de aceitar que numa obra dessa dimensão a coerência total é praticamente inviÃ

Segunda Era do Sol

[img]http://www.valinor.com.br/imagens/spacer.gif[/img] A Segunda Era do Sol foi a Era dos Numenoreanos. Estes foram os descendent

 

[img]http://www.valinor.com.br/imagens/spacer.gif[/img] A Segunda Era do Sol foi a Era dos Numenoreanos. Estes foram os descendentes dos Edain da Primeira Era e a quem os Valar haviam contemplado com a recém criada ilha no meio do amplo mar entre a Terra Média e as Terras Imortais.


[img]http://www.valinor.com.br/imagens/spacer.gif[/img] Aos Numenoreanos foi concedido uma longevidade maior que a dos Homens comuns, e com o passar dos séculos sua força e saúde aumentou e seus navios percorreram todos os mares do mundo mortal. Númenor, freqüentemente traduzido como Ocidente, também era chamada “terra das dádivas”, “terra da estrela” (devido a seu formato geográfico), ou Atlantë simbolizando o mito do continente perdido de Atlântida.


[img]http://www.valinor.com.br/imagens/spacer.gif[/img] Númenor era um reino sobre uma ilha na forma de uma estrela de cinco pontas. No seu interior ela media duzentas e cinquenta milhas, e em seu extremo estendia-se por quase o dobro desta distância. Era dividido em seis regiões; uma para cada península e uma para a região central, onde encontrava-se a montanha sagrada, Meneltarma, ou “pilar do céu”, a maior montanha de Númenor. Em seus sopés havia Armenelos, a “cidade dos reis”, onde o rei e a maior parte dos Numenoreanos vivia. Mais abaixo havia o porto real de Rómenna. As outras cidades portuárias, Eldalondë e Andúinië, eram voltadas para o oeste, para as Terras Imortais.


[img]http://www.valinor.com.br/imagens/spacer.gif[/img] O primeiro rei de Númenor foi Elros, filho de Eärendil e irmão gêmeo de Elrond Meio-elfo; isto se deve ao fato de no final da Primeira Era, quando aos gêmeos Meio-elfos foi dito pelos Valar que eles deveriam escolher seus destinos, Elrond escolheu ser dos Elfos imortais, enquanto Elros tornou-se rei dos Edain, mortais. No entanto, por ser Meio-elfo, foi-lhe concedida uma longevidade de 500 anos e ele governou como rei de Númenor até o ano 442 da Segunda Era.


[img]http://www.valinor.com.br/imagens/spacer.gif[/img] Enquanto os Numenoreanos prosperavam em sua ilha, aqueles Altos Elfos que sobreviveram aos conflitos da Primeira Era e escolheram permanecer na Terra Média uniram-se sob a bandeira de Gil-galad, o último Alto Rei Élfico, no reino de Lindon. Esta sendo a única parte de Beleriand a sobreviver à destruição, encontrava-se nas duas margens do Golfode Lûn. Com o passar dos anos, muitos desses Altos Elfos de Lindon vaguearam rumo ao leste e fundaram novos reinos. Senhores Sindar estabeleceram reinos entre os Elfos da Floresta em Greenwood a Grande e na Floresta Dourada de Lothlórien nos vales do Anduin. No oitavo século os Elfos Noldor de Celebrimbor estabeleceram o reino dos Ferreiros-Élficos de Eregion, pouco a oeste do Reino dos Anões de Khazad-dûm. No entanto os Elfos e Anões não foram os únicos a prosperar e crescer durante este período: Sauron, o Feiticeiro, permaneceu no mundo mortal e esforçou-se para suceder Melkor como Senhor Escuro da Terra Média.


[img]http://www.valinor.com.br/imagens/spacer.gif[/img] No ano 1.000, Sauron secretamente começou a construir seu reino de Mordor, escravizando as raças bárbaras dos Homens do Leste e Sul e angariando Orcs e outras criaturas malignas para seu reino. Ele também começou a construir a Torre Negra de Barad-dûr. Assumiu uma forma agradável chamando-se Annatar, significando “doador de dons”, e tentou atrair os Elfos com sua sabedoria e poder. Somente Celebrimbor e os Ferreiros-Élficos de Eregion foram iludidos. Usando o poder combinado de magia e metalurgia, Sauron e os Ferreiros-Élficos cooperaram para a realização de muitas criações fantásticas. Perto do ano 1500, eles atingiram o auge de sua habilidade e sob a orientação de Sauron, iniciaram a forja dos Anéis de Poder. Em 1600, os Anéis foram concluídos; Sauron traiçoeiramente voltou para Modor onde completou a construção de Barad-dûr e forjou o Um Anel, tornando-se então o Senhor dos Anéis.


[img]http://www.valinor.com.br/imagens/spacer.gif[/img] Quando os Ferreiros-Élficos perceberam que haviam sido usados para ajudar Sauron a tornar-se o todo poderoso Senhor dos Anéis, eles se levantaram contra ele e travaram, de 1693 a 1701 a sangrenta Guerra dos Elfos e Sauron. Neste conflito Sauron matou Celebrimbor, destruiutoda Eregion e expulsou quase todos de Eriador. Os Anões de Khazad-dûm recuaram do conflito e fecharam suas portas ao mundo. No terrível confronto, a maioria dos Elfos de Eregion foi morta, restando apenas poucos sobreviventes. Estes foram conduzidos por Elrond Meio-elfo para as colinas ao sopé das Montanhas da Névoa, onde eles fundaram a colônia de Imladris, a qual os Homens mais tarde chamariam Rivendell (Valfenda).


[img]http://www.valinor.com.br/imagens/spacer.gif[/img] Depois de sua vitória sobre Celebrimbor, Sauron reuniu suas forças e marchou contra Gil-galad em Lindon. No último instante, uma foça poderosa de Numenoreanos juntou-se aos combatentes Elfos e tão forte foi o exército combinado que as legiões de Sauron foram totalmente esmagadas e ele foi forçado a recuar para Mordor.


[img]http://www.valinor.com.br/imagens/spacer.gif[/img] Pelos próximos mil anos Sauron não fez nenhum movimento contra os Elfos, mas em vez disso trabalhou entre os bárbaros Easterling e Haradrim, extendendo sua sombra escura sobre o mundo. Entre os reis selvagens destes povos ele distribuiu os Nove Anéis dos Homens Mortais. Pelo vigésimo terceiro século eles haviam se tornado os Nazgûl, seus servos diabólicos principais, chamados Espectros do Anel (Ring-wraiths) pelos Homens. Enquanto isso, os Numenoreanos tornaram-se o maior poder marítimo que o mundo jamais conheceu. Nas terras costeiras da Terra Média eles fundaram várias colônias, assim como as fortificações portuárias de Umbar e Pelargir. Finalmente, o erguer do império marítimo Numenoreano e o império terrestre de Mordor resultou em conflito.


[img]http://www.valinor.com.br/imagens/spacer.gif[/img] No ano de 3261, os Numenoreanos desembarcaram uma armada enorme em Umbar e despachou uma força massiva que marchou para Mordor. Sauron viu que a força deles era maior que a sua e que não tinha chance de sobrepujá-los, e nem mesmo defender-se por força bruta. Mesmo assim, os povos da terra espantaram-se ao ver o Senhor do Anel descer de sua Torre Escura de Mordor e render-se a eles. Os Numenoreanos acorrentaram Sauron, levaram-no para sua terra e o aprisionaram em sua mais segura masmorra. Mas com astúcia, Sauron fezo que não havia conseguido com força bruta.Falsamente aconselhou os reis orgulhosos de Númenor e corrompeu-os de forma que eles mesmos tramaram contra os Valar. Tão completa foi sua vitória que os Numenoreanos ousaram erguer a maior frota de navios que jamais existiu e navegar para o oeste para travar batalha contra os Poderes de Arda. Por este ato, Ilúvatar causou a submersão da ilha de Númenor. As montanhas e cidades caíram, o mar ergueu-se em fúria e toda Númenor caiu em um abismo.


[img]http://www.valinor.com.br/imagens/spacer.gif[/img] Juntamente com este cataclisma veio a Mudança do Mundo. As Terras Imortais foram colocadas além das Esferas do Mundo e ficaram para sempre além do alcance de todos, exceto os Escolhidos, que viajavam em navios Élficos pela Estrada Direta através das Esferas de ambos os Mundos. Este foi o fim da Era de Atlântida como nós conhecemos agora nos mitos, e o mundo curvou-se sobre si mesmo. Não era mais um mundo plano fechado pelo Mar Circundante e imerso na Esfera de Ar e Éter, mas tornou-se o mundo esférico com nós o conhecemos agora.


[img]http://www.valinor.com.br/imagens/spacer.gif[/img] Mas a Segunda Era nao terminou com a imersão de Númenor no ano de 3319, nem tampouco a linhagem dos Numenoreanos foi totalmente extinta. Pois como o tempo e os contos falam, havia aqueles entre os Numenoreanos que, liderados pelos Príncipes de Anduinë, que se auto denominavam Os Fiéis e se recusaram a abandonar os Valar e os Eldar. Liderados por Elendil, o Alto, eles navegaram com nove navios para o leste, para as costas da Terra Média no momento do cataclisma. Estes eram os Dúnedain, os sobreviventes fiéis Numenoreanos, que estabeleceram os reinos de Arnor e Gondor sobre a Terra Média.


[img]http://www.valinor.com.br/imagens/spacer.gif[/img] No entanto, quase imediatamente, houve desavença e conflito, pois pelo poder do Um Anel, Sauron também escapou à imersão de Númenor e regressou a Mordor de onde tramou a destruição de todos os reinos restantes dos Elfos e Dúnedain sobre a Terra Média.


[img]http://www.valinor.com.br/imagens/spacer.gif[/img] Em retaliação, a Última Aliança de Elfos e Homens foi formada, e o exército de Sauron foi destruído na Batalha de Dagorlad. Entrando em Mordor, a Aliança lançou um cerco sobre a Torre Escura por sete longos anos antes que Sauron fosse derrubado. Em seu último golpe, o Grande Rei dos Dúnedain, Elendil e seu filho Anárion, junto com o último Grande Rei dos Eldar na Terra Média, Gil-galad, foram mortos. Mas Sauron também caiu e Isildur cortou fora o dedo de Sauron com o Um Anel. Com a conquista de Mordor, a destruição da Torre Escura, o banimento dos Espectros do Anel e a queda de Sauron, no ano 3441, a Segunda Era chega a um fim.

A Criação de Arda

Quando tudo era escuridão e um grande vazio, havia um ser onisciente
que vivia sozinho na vastidão. Ele era chamado Eru, o Único, ou como os
Elfos o chamariam depois, Ilúvatar. De Seus pensamentos elementares
surgiu a raça dos Ainur e de Sua “Chama Imperecível” Ele deu-lhes vida
eterna.
 
 
 
Para essa classe de deuses habitar, Ilúvatar
construiu uma morada no vazio, chamada Halls Eternos. Ilúvatar
ensinou-os a cantar e eles formaram um coro celestial. Da música destes
espíritos divinos surgiu a Visão de um mundo esférico girando no vazio.

Arda, o mundo de Tolkien foi literalmente cantado à existência e cada
um dos espíritos celestiais teve uma participação em sua concepção. Até
mesmo o poderoso espírito satânico chamado Melkor, cujo canto destoou
diante da harmoniosa melodia. Mas a música dos Ainur criou apenas uma
visão e foi preciso a “Chama Imperecível” de Ilúvatar para dar
substância e realidade a Eä, O Mundo que Existe. Então desceram a este
mundo aqueles dos Ainur que tiveram maior participação em sua concepção
e quizeram tomar parte também na sua formação.

Esta é a
maneira como Tolkien registrou a criação de seu planeta, chamado Arda.
Ele foi estranhamente etéreo e amplamente lírico em sua concepção. E
também foi uma espécie de dupla criação, pois ao chegar a Arda, os
Ainur descobriram que cabia a eles dar-lhe forma. A Música e a Visão
haviam sido apenas o tema principal e profecias do que ainda estava por
vir. Sua formação e história mostraram ser uma tarefa mais árdua.

Embora Tolkien nos afirme que a maioria dos Ainur permaneceram nos
Halls Eternos com Ilúvatar, ele não nos diz mais nada sobre eles. Suas
histórias tratam apenas daqueles que entraram nas esferas do Mundo.
Aqui, estes espíritos divinos imateriais assumem manifestações mais
físicas. Eles se tornaram elementos e poderes da Natureza, mas como os
deuses gregos e escandinavos eles têm forma física, personalidade,
gênero e laços familiares uns com os outros. Os Ainur que adentraram
Arda ṣo divididos em duas ordens: os Valar e os Maiar Рos deuses e os
semi-deuses.

Os Valar contavam quinze: Manwë, Deus dos Ventos;
Varda, Rainha das Estrelas; Ulmo, Senhor dos Oceanos; Nienna, a
Melancólica; Aulë, o Ferreiro; Yavanna, a Frutífera; Oromë, Senhor das
Florestas; Vána, a Jovem; Mandos, Guardião dos Mortos; Vairë a Tecelã;
Lórien, Mestre dos Sonhos; Estë, o Curandeiro; Tulkas, o Lutador;
Nessa, a Dançarina; e Melkor, depois chamado Morgoth, o Inimigo Escuro.

Dos Maiar havia uma multidão, mas apenas alguns desses imortais são
citados nas crônicas de Tolkien: Ëonwë, Arauto de Manwë; Ilmarë, Aia de
Varda; Ossë das Ondas; Unien dos Mares Calmos; Melian, Rainha dos
Sindar; Arien, o Sol; Tilion a Lua; Sauron, o Senhor dos Anéis;
Gothmog, Senhor dos Balrogs; Thuringwethil, o Vampiro; Ungoliant, a
Aranha; Dragluin, o Lobisomem; Goldberry, a Filha do Rio; Iarwain
Ben-adar (Tom Bombadil) e os cinco magos – Olórin (Gandalf), Curunís
(Saruman), Aiwendil (Radagast), Alatar e Pallando.

Foi somente
depois que o mundo veio à existência e que os Ainur entraram nele que
iniciou-se a contagem do tempo em Arda. Como na maior parte da história
de Arda não existe Sol ou Lua para medir o tempo, Tolkien fornece a
medida cronológica em Anos dos Valar e Eras dos Valar. Cada Ano dos
Valar equivalem a dez anos como nós os conhecemos, e cada Era dos Valar
possui cem Anos dos Valar. E como uma Era dos Valar engloba cem Anos
dos Valar, ela corresponde a mil anos dos mortais. Embora existam
muitos sistemas concorrentes e variações nos eventos e datas nos vários
registros de Tolkien, existe consistência suficiente para estimar que
entre a criação de Arda e o final da Terceira Era do Sol (pouco depois
da Guerra do Anel) exite 37 Eras dos Valar, ou mais exatamente 37.063
anos dos mortais.

Neste vasto espaço de tempo, as primeiras
Eras dos Valar foram usadas pelos recém-chegados poderes na Formação de
Arda. No entanto mesmo na música dos Ainur havia discórdia, e então
quando a atual Formção de Arda começou, uma tropa de Maiar, liderados
por aquele poderoso e satânico Vala chamado Melkor, gerou um grande
conflito. Esta foi a Primeira Guerra, que tornou a simetria e harmonia
natural de Arda confusa. Mesmo Melkor tendo sido finalmente expelido,
as terras e mares de Arda foram marcados e distorcidos e a
possibilidade de Arda como o mundo ideal como fora concebido na Visão
perdeu-se para sempre.

[tradução de Fábio ‘Deriel’ Bettega]

Quem tem medo dos puristas maus?

Já fui ver “A Sociedade do Anel” e parece-me que as pessoas devem ir ver o filme para formarem a sua própria opinião. Puristas Tolkianos ficarão provavelmente ofendidos. Eu acho que eles se meteram a si próprios nesse buraco. Não há salvação no filme para os fans intransigentes que temeram a saída do filme e que gostariam que este nunca tivesse sido produzido. No entanto, há puristas Tolkianos que, tal como eu, farão o seu melhor para separar o que sentem pela obra de Tolkien, das suas reacções ao trabalho de Peter Jackson. Tenho de dizer que não é fácil ver o filme sem pensar “Ah, aquilo era diferente no livro”. Mas de cada vez que me sinto reagir dessa maneira, relembro-me que vim ver o filme e não condená-lo ou criticá-lo. Criticar cada pequena coisa não vai fazer bem a ninguém neste momento. O filme é um facto consumado e quer queiramos quer não temos de viver com ele e continuar com as nossas vidas. De qualquer maneira, o filme de As Duas Torres vai sair daqui a um ano e os angustiosos vão precisar de um pouco de tempo antes de se começarem a preparar para lastimar a chegada desse filme.
 

Não posso dizer que este tenha sido o melhor filme do ano para mim. Certamente também não foi o pior. Acho que se fizesse uma lista de todas as falhas do filme, o balanço inclinar-se-ia a favor do final cheio de acção do filme, isto é, acho que o que é bom ultrapassa muito o que é mau na escala da Justiça purista. Peter Jackson gosta de contar uma história muito visível, e ao fazê-lo tem tendência para exagerar certos elementos. Ele traz ao écran uma intensidade que não existe nas paletas de outros realizadores. Claro que cada realizador pinta um quadro diferente. E a única coisa que nós podemos fazer é interpretar esta interpretação de acordo com os nossos desejos e experiências pessoais.

Ainda assim, o que tornou o filme mais memorável para mim foi o facto de ter partilhado a noite com mais de 1000 pessoas em dois auditórios (e tive mesmo a oportunidade de comunicar com pessoas em ambas as salas). A audiência com quem vi o filme esteve muito sossegada durante a maior parte da história. Acho que as pessoas tinham medo de falar para não perderem nenhum pormenor. E até nem é que se possa fechar os olhos e perder o fio à história. O filme era muito previsível nalgumas partes. Laboriosamente previsível. Mas a história desenvolve-se tão rapidamente que quando o genérico final apareceu acho que toda a gente olhou para o relógio e disse “Não podem ter passado três horas!”

Cinematicamente, se há uma falha no filme tem a ver com o ritmo. As cenas são tão rápidas e os personagens varrem a paisagem tão rapidamente que quando param numa cena por mais de um minuto a mudança de ritmo parece um pouco discordante. Mas, a não ser que fizessem seis filmes de três horas cada ou cortassem ainda mais da história, não vejo como fazer muito mais com a matéria prima.

Eu estava suficientemente confortável com a viagem dos ‘Portadores do anel’ (Ringbearers) que parei e procurei nas paredes de Moria alguns daqueles detalhes que nós somos supostos saber que estão lá, mas não conseguimos ver. Vi alguma coisa interessante? Bem, havia muitas runas esculpidas nas paredes. Por quem? Não faço ideia. A camara não as focou durante tempo suficiente para eu as ver bem.

Tem sido dito que Peter Jackson trata a câmara como uma pessoa diferente em cada cena. Esta é a sua maneira de dirigir a atenção das pessoas para a história. Usa ângulos diferentes, acção-inversa, truques digitais e vistas panorâmicas da paisagem, concentrando-se na acção quando as coisas aquecem. Se alguém receia que o filme se afaste do livro de Tolkien, então podem ficar tranquilos que isso acontece. Se esperam que o filme dê vida à Terra-média, então podem ficar tranquilos que isso também acontece. É a Terra-média de Tolkien? Claro que não. É a de Peter Jackson. Mas é uma visão magnifíca e que vale bem a pena absorver pelo menos uma ou duas vezes.

Devo dizer que gostei do trabalho dos actores. Algum do diálogo não estava à sua altura. Tinha a impressão de que eles queriam dizer mais e não podiam – tinham que continuar com a cena e era mesmo assim que tinha de ser. Por isso a sua interpretação tornava-se mais intensa.

Sou um grande fan da Liv Tyler o que faz com que a minha opinião não seja aqui ‘imparcial’. No entanto, acho que ela se saiu melhor do que muita gente esperava ou temia. Houve alguns risos quando apareceram as legendas (das falas em élvico). Estavam colocadas tão em baixo no écran que a metade inferior das palavras desapareceu. Mas eu gostei de ver Liv e vai ser bom vê-la mais nestes filmes. Arwen não tem de ser uma ‘fada-do-lar imaculada’. Quem insiste que ela só pode ser isso claramente não presta atenção ao que Tolkien escreveu sobre ela e sobre a sua família.

Ian Holm é um Bilbo Bolseiro perfeito. É um actor consagrado e compreendeu perfeitamente a sua personagem. Mas o que me impressionou mais sobre Bilbo foi o facto de que quase todo “O Hobbit” foi sumariado em várias cenas ao longo do filme. Não quero dizer que representaram a história. Só que a maior parte dos acontecimentos da história anterior foi mencionada ou referida. Gostei disso. O Bilbo de Ian Holm é encantador, confiante, confortável e completamente credível. Não consigo pensar em nada que quizesse feito de maneira diferente.

No entanto, a melhor actuação é a de Ian McKellen. Não sei se ele tem suficiente material de qualidade Oscariana no filme para ganhar mesmo um Oscar, mas ele devia ter uma nomeação. Não é porque ele é Gandalf, ou porque alguém pensa que ele devia ser Gandalf. É porque quando McKellen diz certas falas, ele fá-las soar duma forma tão realista e convincente. Não interessa se a personagem que as fala é Gandalf. O que interessa é que elas não parecem ser ditas por um qualquer personagem de filme.

Gandalf absorveu algumas falas de outras personagens devido à compressão. Mas são frases muitas vezes extraídas directamente de Tolkien. O que me surpreendeu, no entanto, foi como fiquei satisfeito com a inclusão fora de contexto de várias dessas falas. E quero dizer que algum do diálogo foi tão mudado do sítio em que aparece na história literária que qualquer purista o nota imediatamente. Mas não acho que esteja fora do lugar. Uma das alterações mais bem sucedidas é na cena em que Gandalf diz a Frodo a famosa frase sobre não dever ser tão rápido a dar um julgamento de morte. É uma cena incr&i
acute;vel. Toda a emoção e rectidão moral que eu imaginei em Gandalf quando ele admoesta Frodo sobre o seu julgamento de Gollum no livro está mesmo ali expressa no écran. E não é porque Peter Jackson e os outros guionistas encontrassem uma maneira inteligente de usar o texto num sítio diferente do da história literária. É porque Ian McKellen compreende a monumentalidade do que está a dizer. Ele sente-se clara e obviamente confortável a dizê-lo.

Na minha experiência, um dos comentários mais frequentes nestes últimos quatro anos era sobre a necessária compressão da história do livro. Eu e muitos outros puristas perguntávamo-nos se o intervalo de 17 anos entre a partida de Bilbo do Shire e a conversa fatídica de Frodo com Gandalf seria comprimido para poucos meses. Para ser sincero, não sei dizer de verdade. A história corre tão depressa que parece que não se passou tempo nenhum, mas quando se vê Bilbo em Valfenda eu acho que parece que se passaram 17 anos. Só não apareceu nenhum título no écran a dizer “17 anos depois”. Peter poderá ter pensado ou não em incluir nalgum momento um título “Alguns meses depois”, mas no fim preferiu deixar a audiência decidir quanto tempo se passou. Contudo, quando Frodo acorda em Valfenda Gandalf diz-lhe que é 24 de Outubro. Verifiquem no livro, puristas. Essa é a data em que Frodo acorda em Valfenda.

Por outro lado, muito da história é alterado e não vejo razão porquê. De facto, certos aspectos específicos da personagem de Sauron foram alterados radicalmente e não percebo porquê. É bom? Não faço ideia. Não direi que seja mau. Mas é um abandono de Tolkien. No entanto, tentaram deixar Sauron em segundo plano, como muitos fans queriam. Eu acho que o deixaram aí de mais. Bem, ia ser sempre uma daquelas coisas em que se é “preso por ter gato e preso por não ter”. O papel de Sauron no filme não determina a história e ele aparece, na minha humilde opinião, melhor do que o típico vilão tenebroso e assustador de capa e espada e feitiçaria. Contudo, perdeu-se alguma da grandiosidade dos Dunedain de Tolkien. Mas muita gente tem argumentado que se se parar e der uma lição de história e cultura de cada vez que Tolkien o faz, então o filme nunca passaria de Bree. Bombadil é forte em história, por exemplo.

Acho que não fazem justiça a Aragorn. Viggo Mortensen tem um admirável trabalho a representar este personagem, mas, que chatice, precisava de mais tempo no écran. Passolargo aparece fraco e quase vazio no princípio da história e gradualmente ganha o respeito do leitor e dos Hobbits. O filme simplesmente atira-o para a situação e, pum-pum, Passolargo é Aragorn, o herdeiro há muito tempo perdido de Isildur. Claro, a não ser que produzissem seis filmes de três horas, não tenho a certeza de que pudessem ter ilustrado muito da transição de Passolargo para Aragorn sem cortar o resto do filme. Mas, de novo, os guionistas foram inteligentes e alteraram a história de Passolargo, adiando alguns dos seus pontos chave para o segundo ou talvez para o terceiro filme. Puristas intransigentes vão pôr-se aos berros mas, se o resto das pessoas os ignorar, tornar-se-ão rapidamente irrelevantes.

Por outro lado, dão-nos um espectáculo quase completo dos Cavaleiros Negros que Tolkien mostra no livro. Não me lembro de nada de errado com estas cenas e não vale a pena ser picuínhas com o design dos fatos, dado que cada pessoa os conceberia de maneira diferente. Mas a ênfase colocada nos Cavaleiros Negros na primeira parte do filme e o tratamento leve de Aragorn na segunda parte deixam-me com uma sensação de algum desequilíbrio.

A Sociedade do Anel conta duas histórias. Uma é a de um Hobbit chamado Frodo que é apanhado nas malhas de uma responsabilidade assustadora. A outra história é a de um homem misterioso que se oferece para ajudar Frodo e que faz a sua própria travessia incerta enquanto Frodo caminha cada vez mais próximo de Mordor. O Aragorn de Tolkien não precisa de ser enfiado à força em nenhuma comitiva. Ele tem o seu lugar próprio e definido no mundo e ao leitor só são cuidadosamente dadas pistas suficientes sobre o lugar de Aragorn para perceber que, quando Gandalf se auto-sacrifica, Aragorn é capaz de assumir a liderança da comitiva, mas que essa liderança não dá garantias. Notei a falta dessa dúvida. Viggo é bem capaz de representar um Aragorn inseguro, e fá-lo de facto, mas a incerteza foi transferida para uma parte diferente da história. Fiquei surpreendido com isso. Para ser sincero, tive algumas surpresas no filme. E a única maneira de criar essas surpresas com sucesso era alterando a história. Pode-se apreciar o momento em que se reconhece que um personagem diz uma fala originária de outra parte da história, ou pode-se lamentar as alterações ao original de Tolkien. Dizer se as trocas do diálogo foram necessárias dum ponto de vista cinemático ou responsáveis é uma discussão que pode esperar.

A Sociedade do Anel cria o ambiente para o próximo filme da maneira clássica e habitual: levanta questões sobre o que irá acontecer a algumas das personagens. Como o Aragorn de Peter Jackson não segue o Aragorn de J.R.R. Tolkien à letra, a audiência fica a pensar se, e quando, as peças do puzzle de Aragorn vão encaixar no puzzle de Peter Jackson. Possivelmente, esta foi a decisão mais acertada que podiam ter tomado. Frodo é quase idêntico ao Frodo literário. Elijah Wood tem a tarefa ingrata de ir alimentando as expectativas da audiência. A única parte em que ele poderá falhar a sua missão é em representar um Frodo Hobbit de 50 anos no corpo dum jovem Hobbit. É difícil de dizer. O filme tem um ritmo tão rápido que não se pode julgar suficientemente bem a perplexidade de Frodo quando este vê as coisas irem de mal a pior para ele. Por isso não há nenhuma maneira em que o primeiro filme da trilogia possa agarrar perguntas da audiência sobre Frodo.

Orlando Bloom não é totalmente utilizado no primeiro filme, o que parece justo. A relação Legolas-Gimli não começa mesmo a funcionar até ao meio da história. Mas há um admirável momento clássico quando Legolas reage ao Gimli de John Rhys-Davies de uma tal maneira que a audiência tem de se rir, tanto em apreciação do gesto subtil, como em antecipação do que de certeza vai surgir mais tarde. Fiquei contente que não tivessem abusado de efeitos especiais para mostrar o enorme talento de Legolas com o arco e flechas. Ele é rápido, ele é mortífero e ele é credível. Não é costume ver isso num Elvo dos filmes. Pelo menos em nenhum que eu me lembre. A minha única decepção com Legolas é quando é um outro personagem que diz uma das suas falas muito importantes. Não percebo porque o fizera
m, mas isso não me estragou o filme. De facto até ajudou um pouco na construção do outro personagem. Mas não pude evitar pensar que os guionistas falharam nesse aspecto importante sobre Legolas, aspecto esse que até é referido por Tolkien numa das suas cartas.

John Rhys-Davies foi sempre um dos meus actores favoritos. É um prazer vê-lo no écran e, depois de saber as atribulações que ele sofreu durante as filmagens, só o posso respeitar ainda mais pela sua belíssima actuação. Eu não acho que na mente de Tolkien Gimli fosse um personagem tão exagerado, mas ele tem a feliz, ou infeliz, responsabilidade de explicar alguns dos antecedentes da história. Ele corresponde bem a várias das expectativas dos fans, o que irá acalmar alguns ânimos mais exaltados, acho eu, mas poderá deitar ainda mais achas na fogueira dos sacrilégios dos puristas.

Merry e Pippin não têm papeis importantes na maior parte do filme, mas a sua cena final é muito comovedora. Dominic Monaghan and Billy Boyd trabalham bem juntos e estou ansioso de ver a sua história em As Duas Torres.

O Boromir de Sean Bean, tal como o Aragorn de Viggo, fica amputado devido à compressão. Eu acho que neste caso a equipa de guionistas percebeu muito bem que tinham de encontrar um compromisso e, para compensar, mudaram de novo a história para darem a Sean uma oportunidade de expressar as emoções e prioridades contraditórias de Boromir numa cena muito bem escrita. De facto, em duas cenas muito bem escritas. Mas, mesmo assim, ele precisava de ainda mais tempo no écran para criar Boromir da forma que seria de exigir. No entanto, a audiência ficou verdadeiramente comovida quando chegou o momento de glória de Boromir. A cena podia ser mais fiel ao livro, e em minha opinião seria então mais forte, mas Sean and Viggo pegaram no material que tinham e ‘deitaram a casa abaixo’. Não é habitual ver um cinema cheio de gente a aplaudir tal e qual como quando a equipa da casa marca um golo decisivo. De facto, nunca tinha visto uma reacção deste tipo num cinema. As pessoas gritavam, batiam palmas, aplaudiam. Peter, uma cena completamente conseguida. E mesmo que não contassem com as actuações fantásticas de Ian McKellen e Ian Holm para criar o que é basicamente a espinha dorsal do filme, eu acho que a maior parte do público vai sair do cinema com a cena entre Viggo e Sean tão bem marcada na memória que se vai sentir muito satisfeito.

Finalmente, tenho que renovar a minha queixa sobre o fumar. É completamente desnecessário. Não há justificação para pôr personagens a fumar nos filmes. Tolkien não sabia que os efeitos de fumar eram tão mortais e perigosos. Não é justo mostrar o uso do tabaco como um passatempo inofensivo à sua audiência e assim pôr em perigo vidas futuras. O filme é agradável, mas se o uso do tabaco foi incluído para satisfazer os desejos puristas das pessoas, isso não era necessário. Não acrescenta nada à história e a caracterização das personagens não depende disso. As pessoas morrem por usar produtos de tabaco. As pessoas sofrem danos físicos sérios por usar produtos de tabaco. Hollywood precisa de entender que tem uma responsabilidade para com as suas audiências para não glorificar comportamentos que se sabe serem fatais. Não vimos nenhuns Hobbits a beber veneno de ratos ou a porem-se à frente de trens de mercadorias. Nenhuns Hobbits apontaram armas às suas cabeças ou se fizeram ir pelos ares. Não precisamos de ver Hobbits, Feiticeiros ou Batedores (Rangers) a fumar. Sei que vou ser atacado e criticado por tomar esta posição forte. Mas eu sou apenas alguém que acha que a vida humana é mais importante do que uma tentativa pouco ajuízada de ser fiel a um livro quando se faz um filme.

Assim, espero que as pessoas apreciem o filme. Estou ansioso por o ir ver outra vez. Mas fico triste com o facto de terem tomado uma decisão tão irresponsável num assunto muitíssimo importante. Para o filme em geral, Peter, dou um “Bem feito”. Pelo tabaco, dou um “uma lástima”. Câncro não é para rir. Espero que essa doença nunca lhes faça perder um familiar. Eu já perdi de mais.

Tradução de Isabel Castro

E agora, cadê o resto do poema?

Poderia ser que, se não fosse por um manuscrito obscuro do século XIII, O Senhor Dos Anéis não fosse publicado. Muitas pessoas que expressaram mais que uma adoração passageira cedo ou tarde ouviram que Tolkien na verdade tinha desistido de publicar o Senhor dos Anéis através de George Allen & Unwin, e mandou o trabalho para Milton Waldman na Collins. MAs o que pode não ser conhecimento de todos é o fato que Tolkien voltou para Allen & Unwin por causa de um poema que ele escreveu anos atrás, usando-se da palavra "sigaldry".
 

 

E "sigaldry", na verdade, é uma palavra que Tolkien descobriu em um manuscrito da era de 1200. Eu não tenho idéia de sobre o que o manuscrito era, nem mesmo de que língua a palavra vem. É uma palavra perdida e esquecida, exceto pelo fato que Tolkien usou-o em poema relativamente pequeno, e que teve um profundo impacto na literatura moderna.

Tolkien compôs o poema entre o final dos anos 30 e o começo dos anos 40 e mandou para o grupo informal de literatura chamado The Inklings (algo como Os Fãs da Tinta). Em uma carta para Rayner Unwin, Tolkien especulou que o poema tomou vida própria daquele círculo de amigos, e não do Oxford Magazine, que publicou uma versão do trabalho em 9 de Novembro de 1933. O poema deve ter sido tão bom para, pelo menos, um dos membros do grupo que ele passou para mais alguém.

Tolkien esqueceu do poema à medida que outros projetos tomaram sua atenção. Ele escreveu O Hobbit, Mr. Bliss e outras coisinhas. Claro que ele continuou a escrever O Silmarillion e talvez o início do Senhor dos Anéis. Mas quando Tolkien perdeu a paciência com George Allen & Unwin, que reclamava de ter que publicar um livro tão grande no começo dos anos 50 (uma época de falta de papel, na qual o lançamento de um livro não trazia tanta renda), ele virou-se para Milton Waldman na Collins.

Agora, Collins ainda está por ai, assim como George Allen & Unwin. Eles fazem parte do conglomerado HarperCollins. Então, apesar de Tolkien ter retornado para o folde em 1952, Collins cresceu ao se mesclar com a Harper e comprando George Allen & Unwin. E apesar da história dos publicadores com os quais Tolkien lidou não ter nada a ver com este interessante poema, na verdade tem tudo a ver com ele.

Tolkien pode ter esquecido dele, mas a audiência oral não. Eles o passaram, de amigo para amigo, professor para estudante, pai para filho. Em tempo, o poema chegou às mãos de Rayner Unwin, e este escreveu para Tolkien sobre o poema. Allen & Unwin queriam, aparentemente, publicar um pouco da poesia tolkieniana. Eles estavam se dando bem com a segunda edição d´O Hobbit e tinham publicado também Farmer Giles of Ham e Smith of Wooton Major. Tolkien estava trazendo dinheito para a firma, então eles estavam motivados a explorar um pouco mais o fenômeno.

Tolkien, por sua parte, tinha sido contatado há pouco tempo por "uma senhorita desconhecida à mim fazendo uma pergunta similar" sobre o mesmo poema. Ele disse à Unwin que sua correspondente confessou "que um amigo tinha escrito recentemente, de memória, alguns versos que a tinha deixado feliz a ponto de tentar descobrir sua origem. Ele tinha pego de seu afilhado que os aprendeu em Washington, D.C. (!): mas nada se sabia sobre seu criador a não ser uma vaga idéia de que eram conectadas à universidades inglesas…"

Obviamente, a senhora encontrou a origem de seus misteriosos versos em JRR Tolkien, que reconheceu-os alegremente de sua autoria. "Devo dizer que fiquei interessado em me tornar ´folclore´." disse ele à Unwin. "Assim como foi intrigante que ele ganhasse uma versão oral — que sai da minha visão tradicional de tradição oral (de todas as maneiras): que as palavras ´difíceis´ eram bem preservadas, as palavras mais comuns, alteradas e a métrica perturbada".

A métrica de Tolkien era mais perturbante que perturbada. Ele a descreveu como "dependente em assonâncias ou quase-assonâncias trissilábicas, tão difícil que, exceto desta vez, eu nunca seria capaz de usá-la novamente — simplesmente saiu de uma vez só)."

Bem, Humphrey Carpenter, editor das Letters, não poderia deixar essa afirmação sair impune. Tolkien usou, ao que parece, as "assonâncias ou quase-assonâncias trissilábicas" novamente. E as usou em… "O Senhor dos Anéis".

Carpenter também nos diz sobre o uso da palavra "sigaldry" por Tolkien, e sua origem num manuscrito do século XIII, numa nota-final na carta para Rayner Unwin. A anedota vem de uma carta que Tolkien escreveu para Donald Swann em 1966. Swann, você talvez lembre, compôs a música para The Road Goes Ever On, publicado pela primeira vez em 1967.

Swann encontrou o poema em 1949, anos antes de Rayner saber dele. "Um amigo de escola me deu este poema," Swann escreveu no prólogo de The Road Goes Ever On. "Ele o encontrou… numa revista da escola". Swann não sabia quem era o autor, porque na cópia do poema do amigo estava escrito "Anônimo".

Swann, também, menciona a extensiva tradição oral do poema (descrito para ele por Tolkien). As pessoas continuavam a passá-lo, com muitas variações. E, ao que parece, o poema ainda é passado por aí hoje, por pessoas que talvez não tenham conhecimento de onde veio, ou qual sua relação com o livro mais popular do século XX.

Seria uma pena contar à eles o que eles encontraram, pois acabaríamos com uma tradição oral que até mesmo Tolkien teria pena de terminar. Então, se você encontrar uma cópia do poema sem o título ou origem, não diga nada. Apesar de parecer uma brecha da maneira no respeito que damos a um grande autor, pense nisso como ele fez: a prova viva de sua teoria sobre tradições orais (ou pelo menos o começo delas). Ver o pássaro ganhar asas é legal, mas observá-lo em vôo, enquanto plana por sobre as nuvens, totalmente alheio ao observador — isto é miraculoso.

Este poema não é especial apenas porque ele conseguiu algo quase impossível em uma era de leis de copyright e impérios mundiais editoriais; é especial porque deu à Rayner Unwin uma oportunidade de se aproximar de Tolkien, o qual ainda tinha uma relação de autor-publicador com sua empresa, e perguntar politamente do que houve com o Senhor dos Anéis e aquele outro trabalho, O Silmarillion.

Em tempo, Tolkien achou as palavras para responder à questão de Unwin e, apesar da carta lidar a maior parte do tempo com a tradição oral que ele semeou acidentalmente, foi uma resposta para um momento conturbado. Tolkien podia estar revoltado ou apenas envergonhado em sua falha de encontrar um publicador alternativo para O Senhor dos Anéis, por sua retirada da George A
llen & Unwin alguns anos antes.

Ao invés disso, Unwin empregou um pouco de cortesia verbal em Tolkien que o fez baixar barreiras e abrir portas que estavam há muito fechadas. Este obscuro poema, à propósito, foi influenciado por uma das histórias do Silmarillion, e conta de maneira leve a aventura de um dos menos trágicos heróis de Tolkien.

E ele foi reescrevê-lo para o Senhor dos Anéis, onde serve para acalmar o leitor para um estado sonolento de mente, similar ao de Frodo quando ouve a voz suave cantando a história do marinheiro.

Quando isto aconteceu, George Allen & Unwin percebeu que a falta de papel não era tão ruim, e Tolkien descobriu que tinha um público para partes de seu trabalho que ele nunca pensou. Como um favor para sua amada tia Jane Neave, ele publicou uma coleção de poemas em 1962 como As Aventuras de Tom Bombadil somente alguns anos antes dela passar de vez. Um desses poemas foi o que chamou a atenção de Donald Swann em 1949: "Errantry".

"Errantry" não apenas reviveu uma palavra perdida do século XIII, também revive as esperanças de ver O Senhor Dos Anéis (e talvez até o Silmarillion) publicado. Ele nunca esperou que suas negociações com publicadores viessem de inocentes pedidos de pessaos que estavam fascinados com o poema que pode ser descrito como um dos mais longos limmericks já compostos.

"Errantry" reconta a história de Earëndil o Marinheiro, que é algumas vezes citado como "O Marinheiro", e sem dúvida de muitas outras coisas. E ignorando alguns erros aqui e ali, ele sobreviveu sozinho mesmo sem ter sido em não menos de três coleções de trabalhos menores de Tolkien (que eu saiba). "Errantry", em fato, é o único poema que Tolkien escreveu publicado pelo menos 4 vezes (cinco se contar a canção de Bilbo em Valfenda, já que este trabalho é reconhecido por Christopher Tolkien e outros como um derivado de "Errantry").

O tolo marinheiro que casa com uma borboleta e desafia cavaleiros élficos demonstrou uma força literária e poética que poucos personagens de poesia musicada do século XX tem. Ele é, talvez, um dos mais memoráveis personagens de Tolkien, até mesmo porque o poema é difícil de pronunciar e possui palavras obscuras como "chalcedony" (calcedônia), "habergeon" e "sigaldry".

Claro que não acaba (e nem mesmo começa) aqui. "Sigaldry" aparece em mais outro trabalho tolkieniano, um poema extraordinariamente longo e de alto calibre. "A Balada de Leithian" é considerada por muitas pessoas (incluindo seu autor) a melhor obra de literatura composta por JRR Tolkien. Sua conexão com "Errantry" não está apenas no uso de palavras arcaicas. Os dois poemas nasceram num período em que Tolkien não tinha esperanças de ver seu trabalho publicado. Foi feito para seu próprio prazer, de sua família e amigos.

Mas "Errantry" é tão poderosa, e "A Balada de Leithian" é tão convincente que eles foram destinados para uma grandeza que, se os críticos do século XX conhecessem-os nos anos 30, teriam humilhado todas suas opiniões. Vocês podem imaginar as besteiras que foram sendo ditas ao longo dos anos numa tentativa de fabricar um passado inexistente.

Mas a Poesia provou ser maior que o desespero de Tolkien e as objeções da crítica. "Errantry" forjou caminhou que Tolkien nunca imaginou seguir, e inevitávelmente "A Balada de Leithian" seguiu atrás dele, pois esta tocava O Senhor Dos Anéis, também. O Senhor Dos Anéis oferece pedaços das duas histórias, e as coloca dentro de si mesmo, enriquecendo a Terra-Média e expandindo sua profundidade com detalhes que pre-existiram em sua própria história. Isto nunca teria acontecido se Tolkien não tivesse dividido sua ingenuidade trissilábica com alguns amigos numa noite há muito tempo atrás.

E agora, como o lendário comentador Paul Harvey diria, você conhece o resto do poema…


Tradução de Aarakocra

Por Esta Espada, Eu Reino!

Os fãs de Robert E. Howard devem reconhecer o eco de uma aventura de Kull nesta sentença, "Por esta espada, eu reino". Howard gostava de escrever sobre guerreiros fortes e poderosos. Eles podiam ser homens do Velho Oeste Americano, boxeadores no ringue, ou bravos bárbaros que atravessam os salões de civilizações tão antigas que mesmo os cidadãos esqueceram sua origem distante.
 

Em alguns aspectos, Aragorn era um bárbaro, pelo menos de uma perspectiva gondoriana. Apesar de ser criado por Elrond em uma casa Eldarin, Aragorn não era um garoto mimado. E seu pai e avô foram mortos por monstros (respectivamente, Orcs e Trolls), dos quais a maioria do povo fugiria em terror absoluto.

Como os reis-guerreiros de Howard, Conan e Kull, Aragorn descendeu de um povo "atlante". Kull foi, na verdade, um atlante, forçado ao exílio. Ele e Conan deixaram seus povos bárbaros e se transformaram em reis. Aragorn também deixou sua terra natal (Eriador) e alcançou o trono real (de Gondor e Arnor).

Mas aí acabam as comparações, ou elas viram superficiais. Howard celebrava a força primitiva da pura "barbaridade", enquanto Tolkien celebrava a sofisticada sabedoria derivada do declínio e queda de muitas civilizações. Mas os dois escritores embutiram seus personagens de um senso de poder que invoca uma simetria de paixão.

Esta paixão aumenta o conflito entre os elogios e as críticas. Os personagens são tratados com grande respeito por alguns, e profunda irritação e chateação por outros. Conan já foi comparado a um velho gagá. Aragorn já foi comparado a um nobre cavalo.

É o aspecto bárbaro de cada personagem o que mais intriga o leitor, e Conan e Aragorn viram arquétipos ou estereótipos para heróis de ação/aventura. Eles são caracterizações primárias porque os dois, de algum modo, recebem uma sofisticação deixada de seus predecessores. (As histórias de Kull derivam das histórias de Conan por muitos anos, e Aragorn é comparável a Beren, que apareceu nas histórias de Tolkien pela primeira vez 20 anos antes de Howard escrever a história final de Conan).

Nenhum dos autores viveu o bastante pra ver o quanto seu legado literário seria direcionado para o mercado de massa e, na minha opinião, é ótimo para os dois. Imagine o quanto ficariam espantados em ver maus atores atravessando pedreiras a cada filme barato, destruindo monstros de borracha e escravizando mulheres que só sabem gritar?

Embora a magia de Kull/Conan estar focada na fúria bárbara, Aragorn é o primeiro Guardião/Ranger. Todos os Guardiões/Rangers são baseados nele, e os trilheiros também. Mesmo Norda, a trilheira da imperadora no recente filme de "Dungeons & Dragons", deve algo à compostura reservada de Aragorn, sua sabedoria perspicaz, e sua suprema competência nas habilidades de caçador. Quando Aragorn expressa dúvida sobre si, ele não está se importando se consegue perseguir algumas dúzias de orcs correndo no continente. Ele se pergunta se é capaz de fazer as escolhas certas, mesmo quando todas estão erradas. Norda, em cenas cortadas o filme, expressa dúvidas similares sobre suas próprias escolhas, mas continua confiante em suas habilidades.

Os guardiões/rangers de Aragorn às vezes me lembram os homens alegres de Robin Hood, misturados à uma fina nobreza. Não hà Little John no conto do exílio de Aragorn, mas Halbarad poderia fazer um interessante Will Stutley. Legolas poderia se juntar à brincadeira como Will Scarlet: um pouco afetado, mas forte e mortal. Gimli poderia ser Frei Tuck, perigoso com uma lâmina, rápido para o sarcasmo e grande adorador de vinho. Em público os Guardiões/Rangers de eriador parecem ser estóicos e quietos, mas tenho certeza que eles freqüentavam uma taverna ou duas. A Taverna Abandonada pode ter esse nome graças à festa do Bacharel de Arathorn II, que todos nós conhecemos.

Quando Robin toca sua corneta, os homens felizes vêm correndo com armas preparadas, e eles são uma força fatal a ser enfrentada quando sua raiva está acesa. Assim também são dos Dunedain que cavalgam ao auxílio de Aragorn em resposta à sua silenciosa necessidade. Kull tinha seus Assassinos Rubros e Conan tinha seus companheiros, mas Aragorn tinha 30 rangers.

Um dos momentos mais memoráveis para mim na história de Kull é o fragmento onde Kull leva seus guarda-costas (400 homens) ao rio Styx. Lá o velho homem da balsa os avisa que, quem quer que seja que atravesse o rio, não retornará. Ele fala de um poderoso exército, milhares de soldados, que cruzaram o rio. A batalha que confrontaram contra seus inimigos desconhecidos pôde ser ouvido por milhas e durou dias. E então só se pôde ouvir o silêncio. Kull fez a coisa certa. Ofereceu a liberdade à qualquer um que estivesse com medo, mas nenhum de seus guardas queriam desertá-lo. Ele só pôde elogiá-los, dizendo "vocês são homens".

Aragorn, ao estilo de Kull, liderou seus trinta homens através das Sendas dos Mortos. Eles também, se recusaram a abandonar seu líder. É difícil imaginar um cara citadino, mesmo Boromir, comandando esse tipo de amor e respeito de seus soldados. E Boromir também não era nenhum mauricinho. Quando apareceu em Valfenda, ele tinha ficado em terras selvagens por um bom tempo. Ele deveria estar muito feio, mesmo se as donzelas élficas fizessem barba e cabelo antes do grande conselho. Então Boromir conseguiu pelo menos um título de Bárbaro Honorário.

Mas ainda há um problema em desenhar uma analogia aos Dunedain de Tolkien. Eles podem não ter vivido em cidades por muito tempo, mas eles não abandonaram a civilização. Ela pode ter se esvaído em sua volta, mas eles preservaram suas melhores qualidades. Os primitivos Rohirrim pareceriam garotos rústicos perto da pequena companhia de Rangers Eriadorianos.

Os verdadeiros bárbaros das histórias de Tolkien são geralmente chamados sumariamente, ou ficam fora de cena. Esses são os Orientais, membros de tribos sem nome sem costumes estipulados. Agora, algumas pessoas podem ser rápidas e apontar os Homens do Norte como bárbaros também. Bem, sim e não. O que é um bárbaro? No senso clássico, o bárbaro é um forasteiro. Kull e Conan eram estranhos às culturas que vieram a governar. O fato de eles vestirem roupas engraçadas, falarem estranho, e poderem matar cinco vezes mais homens do que qualquer soldado eram o que revelavam a sua barbaridade. No fundo de cada um, eles eram estranhos à maneira que as pessoas civilizadas eram.

Os homens do Norte de Tolkien não apenas eram amigos dos Dunedain, como se casavam livremente com eles, e ajudaram a criar laços estreitos em Gondor (mais de uma vez). E eles tinham suas próprias cidades, como Lake-town, Dale, Edoras, e Aldb
urg. Alguns de vocês podem dizer que Framsburg pode ter sido uma cidade, já que eram grande o bastante para conseguir um nome e uma marca no mapa.

Mas os Orientais representaram a barbaridade como os escritores bíblicos o perceberam. Eles usaram a palavra grega "bárbaro" para denotar pessoas que não falavam grego. Os Orientais não falavam Sindarin, a língua das culturas sofisticadas, nem Westron, a língua do prestígio imperial dos Dunedain. Pode haver Orientais que conhecem Westron o suficiente pra conseguir se comunicar, mas eles são orientais, e é Westron, a língua do oeste. Orientais são tão diferentes, que parece que apenas duas palavras foram preservadas em suas histórias: variag e khand.

No mundo antigo, a língua era uma poderosa ferramenta do estado. Cidadãos poderiam ser separados de estrangeiros rapidamente baseado em quem falava tal língua. E a língua também foi usada para estabelecer o poder sagrado, e recordar as tradições das culturas locais. Uma pessoa que não sabia escrever não era sofisticada, e uma pessoa que falava ou mesmo escrevia uma língua estrangeira eram estrangeiros, não tão importantes como aqueles que falavam a verdadeira língua-mãe. Quando Roma impôs suas leis através do mundo Mediterrâneo, latim virou uma grande língua, enquanto o grego ainda prevaleceu no leste.

Tolkien também usa a língua pra separar os locais dos estrangeiros. Os Noldor, que cairam em decadência, viraram estrangeiros em seu exílio. Para poderem viver entre os Sindar, eles foram forçados à adotar a língua dos Sindar. A perda de sua língua-mãe é uma marca de sua vergonha, e com certeza uma marca da supremacia dos Sindar em Beleriand. Os Noldor construíram muitas cidades de pedra, e todas as grandes fortalezas fora de Doriath, mas ainda eram estrangeiros, e nem todos os Sindar gostavam deles.

Como os Noldor em Beleriand, o povo de Aragorn eram exilados que retornaram à Terra-Média. Eles se estabeleceram junto de seus primos menos sofisticados, mas os Dunedain exilados se beneficiaram de um revés na sorte. Númenor havia se tornado um poder dominante na Terra-Média, e a civilização foi conduzida aos homens da Terra-Média pelos Numenoreanos. Portanto, foi a língua adunaica numenoreana que se espalhou por toda a terra e virou o símbolo da civilização.

Aragorn com certeza falava westron bem, mas ele também conhecia o Sindarin, e falava fluentemente. Na verdade, os Sindar viraram estrangeiros para a maioria do pessoal. Gondor, mesmo sozinha entre as nações da Terceira Era da Terra-Média, ainda retinha grande conhecimento de Sindarin. Como o Quenya foi antes, Sindarin virou um pouquinho mais que uma língua dos sábios para os Dunedain. Eles o preservaram ao invés de enriquecê-lo. Eles preferiram não o expandir.

No mundo de Tolkien, palavras são acompanhadas por ações. No mundo de Howard, ações são acompanhadas por palavras. Quando o bárbaro Kull quebra as tábuas de pedra com as leis de Valusia, ele levanta seu machado acima da cabeça e grita "Por este machado, eu reino!". Quando Aragorn revela sua verdadeira herança a Éomer e os Rohirrim, dizendo sua lista de nomes e títulos, ele levanta sua espada e grita, "Aqui está a espada que foi quebrada e foi forjada novamente!"

Como Kull e Conan, Aragorn chega à sociedade gondoriana de fora, rompendo políticos e destronando líderes locais. Denethor fica ofendido com a idéia de deixar seu cargo para "alguém como ele, o último de uma casa destruída, por muito tempo privado de dignidade e nobreza". Mesmo quando ele é presenteado com a oportunidade de entrar na cidade como o vitorioso capitão da guerra, Aragorn prefere ficar de fora como "o Capitão dos Rangers, que não precisam de cidades e casas de pedra". E com isso ele ordena que sua bandeira seja dobrada e que a Estrela do Norte.

Só resta a Aragorn assumir o comando dos exércitos de Gondor antes que ele possa clamar sua coroa formalmente. Apesar de ganhar a confiança do povo rapidamente, eles precisam de um rei-guerreiro, e não de rum rei-filósofo-de-fala-empolada. Aragorn prova que ele possui grande conhecimento e habilidade com línguas, mas suas palavras são ofuscadas por seus atos. Ele é bravo e forte, mas também deve ser decisivo.

É uma parte da magia do bárbaro que, onde um homem civilizado vai ponderar o significado de palavras e profecias, um bárbaro vai seguir em frente destruir o nó que perplexou o mundo civilizado por séculos. É preciso de um rei Macedônio para espalhar a civilização grega por metade do mundo conhecido. É preciso um rei Dunadan para levar Gondor à vitória em suas guerras com o leste. Onde Denethor e seus capitães sentam em suas torres e imaginam o quanto eles conseguirão resistir aos ataques de Mordor, Aragorn corre através das Sendas dos Mortos, recruta um exército fantasma, e usa isso para acabar com as forças dos inimigos de Gondor.

Então Tolkien nos presenteia com duas faces da barbaridade: o bárbaro puro, incorrupto ou justificado pelo longo exílio, e o bárbaro corrupto, perdido no mal e na escuridão. É o puro bárbaro que representa o melhor das idéias românticas uma vez visadas pela civilização. Sua barbaridade é a do estrangeiro. Ele não é um selvagem ou um oponente virulento que visa unicamente saquear e pilhar as cidades costeiras. Ele é um salvador vindo para completar as antigas profecias. Sua força é pura e seu coração é nobre.

Bárbaros às vezes são creditados com a revigoração de civilizações decadentes. E Aragorn é o Renovador. Ele inicia um período de crescimento e vigor renovados nas sociedades Gondorianas e Arnorianas. Ele infunde os Dunedain com sangue novo, quando se casa com Arwen, a princesa Meio-Elfa cujo povo foi renegado ao status de bárbaros.

Os bárbaros de Tolkien, então, serviram ao mesmo propósito dos bárbaros de Howard. E sem dúvida os escritores reconheceram os fins das civilizações, e apreciaram o quanto a barbaridade representa mais que somente um contraste pra a civilização. Barbaridade é a nova e constante origem de crescimento e vitalidade. À medida que o tempo tira o poder das legiões romanas, os bárbaros recuperam seu poder. E à medida que o tempo arrasa os exércitos de Gondor, forçando retiradas de Mordor, Enedwaith e Calenardhon, os Homens do Norte chegam para tomar o lugar.

Assim como o Conan de Howard procurou aventura em Aquilonia, Aragorn chegou do norte bárbaro para se aventurar no sul gondoriano, e anos depois ele tomou o trono de Gondor. Assim como Kull, Aragorn veio do mar para clamar o trono. E assim como Alexandre criou uma renascença grega, Aragorn revitalizou Gondor e carregou sua cultura para terras estrangeiras, incluindo a sua própria. Aragorn era um homem de palavras e de ações.

Tradução de Aarakocra

Compreendendo a Mágica na Terra-média de J.R.R. Tolkien

Mágica é difícil de definir. Externamente aos trabalhos literários de J.R.R Tolkien nós não a tomamos seriamente mas ao contrário a relegamos para as regiões do mito, superstição e sobrenatural [que é o que situa-se externamente ou além do universo natural]. No mundo de Tolkien o que ele chama de "mágica" é real e natural, e nós devemos compreender a natureza de seu mundo para compreendermos o que ele chama de "mágica". Existem muitos aspectos da magia de Tolkien e todos eles obrigatoriamente devem ser parte de seu mundo.
 

Tolkien desenvolveu uma robusta cosmologia para a Terra-média. Ela não é nada além de uma pequena parte de um mundo maior, e este mundo não é senão um aspecto da ordem natural geral. Todas as coisas nos preceitos de Tolkien procedem de Ilúvatar, o Pai de Todos, Deus. Ele criou os Ainur, os Salões Eternos, e mesmo o Vazio. Sem a vontade de Ilúvatar estas coisas simplesmente não poderiam existir. Então o início está na vontade [e imaginação ou concepção] de Ilúvatar. O pensamento de Ilúvatar é o Bing Bang para a Terra-média.

Os Ainur são intrinsecamente diferentes dos inanimados e não-consciente Salões Eternos e Vazio. Os Salões e o vazio eram meramente áreas do que podemos chamar "espaço" [não "espaço" como nas 3 dimensões do Espaço, mas "espaço" como em indeterminados escopos de realidade ou existência]. Podemos chamar os Salões Eternos e o Vazio um universo, ou dois universos separados. Tempo não existe nos Salões Eternos [aparentemente], e nada existe naturalmente no Vazio [mas coisas podem entrar no Vazio vindas de fora dele.]

A criação dos Salões Eternos e do Vazio por Ilúvatar indica o início do Aqui e do Ali, e além disso indica que diferentes regras podem se aplicar. Aqui tem sua próprias regras e Ali tem suas próprias regras. Nos Salões Eternos Ilúvatar ensinou aos Ainur sobre música, e cada um deles iniciou a compor uma música para ele. Um por um, como cantores ou instrumentos, eles dão expressão para o que quer que esteja em seus pensamentos. E quando eles progridem suficientemente nessas habilidades Ilúvatar comandou os Ainur a se unirem em um poderoso tema.

A Música dos Ainur, o Ainulindalë, é a fonte do terceiro local a surgir do pensamento de Ilúvatar. E música parace ter sido a fundação deste terceiro local. A história nos fala que após um tempo Melkor iniciou seu próprio tema dentro da música, causando dissensão e discórida que se espalharam entre os Ainur. E Ilúvatar comandou os Ainur para iniciarem um novo tema, mas a música de Melkor novamente invadiu a composição original, e Ilúvatar crescendo em ira iniciou um terceiro tema diferente dos dois primeiros.

Quando o conflito entre o tema arrogante e insolente e o terceiro tema de Ilúvatar tornaram-se tão desconcertantes que muitos Ainur pararam de cantar, Ilúvatar trouxe um fim à música. E ele mostrou aos Ainur uma visão que dava expressão e interpretação à sua música, mas eles não a compreenderam completamente. Então Ilúvatar criou o que nós chamamos de Universo, o que Tolkien usualmente chamou Eä. "Eä" significa "deve existir" ou "exista". Este era Tempo e Espaço, tudo que é natural para a Terra-média, a qual não era nada senão uma pequena parte de Eä.

Ilúvatar criou Eä dentro do Vazio. Ele disse, "Eu enviarei adiante no Vazio a Chama Imperecível, e ela estará no coração do Mundo, e o Mundo existirá…" A Flama Imperecível nunca é completamente descrita por Tolkien, mas Ilúvatar despertou os Ainur com a Chama Imperecível, e Melkor procurou pela Chama Imperecível em vão no Vazio. Ele não compreendeu que ela existia com Ilúvatar, era aparentemente uma parte de Ilúvatar.

A Chama Imperecível então providenciou a fundação de todas as coisas que possuem uma existência ou mesmo uma Vontade. Ela é o poder de Ilúvatar, sua fonte de energia e aparentemente a fonte de tudo o que ele criou. A Chama Imperecível, como um aspecto de Ilúvatar, deve ser o poder máximo no mundo de Tolkien: cru, vital, puro, imaculado, sujeita completamente à sua própria Vontade. Melkor entendeu-a como um mjeio de criar, algo que ele por si mesmo não poderia fazer. Criação, neste aspecto significa trazer à existência do nada, dar existência a algo que previamente não existia. Melkor poderia ser capaz de imaginar coisas novas, mas ele não poderia criá-las. Elas não poderiam Ser sem a Chama Imperecível.

De qualquer forma, Ilúvatar deu aos Ainur a permissão para entrar em Eä e fazer todas as coisas que eles tinham cantado. Aqueles que aceitaram esta oferta tornaram-se parte de Eä – "seus poderes deverão desde então ser contidos e limitados ao mundo, para estar com ele para sempre, até que este esteja completo, então eles são sua vida e o mundo é a vida deles". A entrada dos Valar, os primeiros Ainur a ligar-se a Eä, alterou o Mundo completamente. Antes ele era sem forma, escuro e vazio. Mas quando eles tomaram posse de sua tutela, os Valar trouxeram a Eä Propósito, Vontade e algo que pode ser chamado Poder. O Poder precedia de sua Vontade, sendo uma faceta de suas existências, as quais Eä por si mesma não compartilhava, pois ela não tinha Vontade, e não era um Ser Vivo.

Eä dessa forma deste seu início teve seu próprio conjunto de regras, podemos chamá-los de axiomas, sobre os quais sua cosmologia foi fundada. O Universo ou o Mundo poderia ser moldado pelos Ainur ou por Ilúvatar, mas Ilúvatar escolheu não interagir diretamente com Eä. Ele deixou o trabalho para os Ainur. Eles trabalharão por incontáveis Eras criando [com significação de construindo, e não trazer à existência do nada] estrelas e regiões além do alcance e conhecimento das ainda por vir Crianças de Ilúvatar. No decorrer destes trabalhos os Valar devem ter criado, refinado ou pelo menos descoberto as leis físicas que devem ter sido naturais a Eä. Estas leis definiram os limites de todas as coisas dentro dos limites de Eä.

Tempo é uma das medidas de Eä, assim como Espaço e Distância. Com a passagem do Tempo os Valar preencheram mais do Espaço, cobriram mais Distância, com o fruto de seus trabalhos. Míriades de estrelas e provavelmente mundos inimagináveis espalhavam-se atrás deles. E eventualmente ele chegaram àquela região de Eä onde eles construíram Arda, o Dom;inio ou Reino, que seria a casa das Crianças de Ilúvatar. Como os Ainur, as Crianças seriam estritamente os produtos do Pensamento de Ilúvatar. E como os Valar [e seus companheiros, os Maiar as Crianças seriam ligadas ao Tempo e Espaço, com uma excessão. Ilúvatar decidiu que os Homens, ao contrário dos Elfos, não deveriam permanecer em Eä, mas deveriam ir a outra lugar. Talvez isto fosse o desejo de Ilúvatar que Eä retornasse algo de si mesmo. O trabalho dos Valar em Arda revela alguma coisa sobre suas habilidades. Eles deram forma às terras, mares e céus. Os "céus" se referem aos ares sobre Arda, mais particularmente do que à extensão ilimitada além deles. Água eleva-se dos mares e terras para tornarem-se nuvens, e os ventos sopram e cruxam Arda livremente. O interesse de Melkor pelos trabalhos de seus colegas Valar produziu a beleza do gelo ao invés da ruína e destruição que ele esperava causar. A ambição de Melkor de fazer Arda seu domínio levou a empreender um garnde subterfúgio que alteraria Arda para sempre e deixaria os Valar perplexos. Ainda que não sabemos de que Arda foi moldada ou feita, após os Valar darem a ela substância e definição às terras, mares e ares eles os utilizaram para refinar o mundo. Eles csausaram o surgimento da Vida Biológica, seres vivos que não tinham espíritos, não foram despertados com a Chama Imperecível [exceto pelo fato de que elas eram feitos da substância de Eä, logo possuíam alguns aspectos do fogo vivo que existia no coração do mundo]. Estes seres vivos, divididos entres Kelvar [animais, seres vivos que se movem] e Olvar [seres que crescem com raízes na terra], agiam de acordo com sua própria vontade. Eles não eram simples extensões dos pensamentos dos Valar. Eles cresciam, multiplicavam-se e desenvolviam-se individualmente sem precisar utilizar instruções dos Valar.

Kelvar e Olvar devem consequentemente representar alguns aspectos da própria Vontade de Ilúvatar. Eles não tinham "espíritos", não eram Filhos do Pensamento de Ilúvatar como os Ainur e as Crianças de Ilúvatar eram, mas eles moviam e agiam independentemente, de acordo com sua necessidades básicas e desejos. Os Ainur deram forma aos Kelvar e Olvar mas eles poderiam ter dado vida a eles? Este assunto não é explorado por Tolkien, mas muitas questões possuem respostas que são melhor desenvolvidas através de alguma associação com a Chama Imperecível. Pelo objetivo desta discussão nós deveremos assumir [sem procurar provar ou refutar] que a vida dos Kelvar e Olvar deriva da Chama Imperecível, indiretamente, a qual Ilúvatar utilizou para despertar o Mundo pois a chama é dita estar no coração do Mundo.

É importante distinguir entre vida "sem alma" como a dos Kelvar e Olvar e vidas "com alma" como a dos Ainur e das Crianças. O que é "vida" dentro de Eä? O que é "morte"? Estes termos não podem ser ambos definidos biologicamente. Os Ainur, não tendo corpos físicos em um primeiro momento, eram apaesar de tudo seres "vivos" em seu início. Eles não tinham vida biológica mas mesmo assim viviam. Em Eä, quando eles assumiram corpos similares àqueles dos Filhos de Ilúvatar, eles deram a si próprios vida biológica — ,as mas eles não estavam criando seres vivos. Os corpos dos Ainur era como roupas. Tolkien escreve:

Agora os Valar deram a si mesmo forma e tom; e porque eles foram atraídos para o Mundo pelo amor dos Filhos de Ilúvatar, os quais eles esperavam, eles tomaram forma segundo a maneira que eles comtemplaram na Visão de Ilúvatar, exceto apenas em majestade e esplendor. Além disso suas formas chegaram ao seu conhecimento do Mundo visível, ao contrário do Mundo por si mesmo; e eles não a necessitavam, salvo como usamos vestimentas, e como nós podemos ser desnudos e não sofrer perda de nossa existência…. [Tolkien, "Silmarillion"]

Esta passagem fornece dicas importantes sobre mais do que como os Valar tomaram forma. Suas formas foram derivadas de seus CONHECIMENTOS do Mundo, e não do Mundo por si próprio. As formas dos Kelvar e Olvar, contudo, devem por definição ter derivados do Mundo. Por "formas" Tolkien parece querer dizer a substância física, os corpos, dos Ainur e dos seres vivos. Então os corpos dos animaise plantas são parte do Mundo, enquanto que os corpos dos Ainur não são. Mas mesmo os corpos dos Ainur devem se adequar a certas limitações do Mundo de modo a interagir com ele.

Outro aspecto que vemos é a referência ao "Mundo visível". Os corpos adotados pelos Ainur eram feitos em referência ao "Mundo visível" ou o "Visível". Por definição, então, eles como espíritos são parte do "Mundo invisível" ou o "Invisível". A distinção entre Kelvar/Olvar e os Ainur e Crianças de Ilúvatar "com alma" deve incluir algum aspecto do "Invisível". Seus espíritos ou almas constituem o Mundo Invisível, do qual os Kelvar e Olvar não podem fazer parte.

Aqui, na divisão entre o Visível e o Invisível encontramos a base para um dos aspectos da "mágica" em Tolkien: necromancia [algumas vezes chamada de bruxaria]. Tolkien faz referência a ela em muitos locais, direta ou indiretamente. Sauron o terrível é também o Nigromante de Dol Guldur. Ele ensina os Elfos de Eregion a fazerem Anéis de Poder os quais ele então roubou e perverteu de forma a criar os Espectros do Anel, espíritos sem corpo escravizados pela sua própria Vontade. Necromancia é uma mágica poderosa em Tolkien mas isso não significa que seja a única mágica.

Outro tipo de mágica em Tolkien é vista na expressão da Vontade por vários Ainur e Elfos. Pode ter sido por essa mágica que os Ainur moldaram os elementos de Eä e então trouxeram ordem ao Mundo. Arda foi produzida através desta mágica, não tanto uma expressão de poder cru como os atos de Ilúvatar na criação do mundo podiam ser, mas uma expressão de um poder secundário dentro da criação. Nenhuma criação original ocorre, mas a novas idéias são dadas forma ou expressão. Melkor, o maior dos AInur em força e Vontade, era o maior sub-criador em muitos aspectos, mas ele gradualmente tornou-se destrutivo e niilista, desejando apenas dominar outras Vontades, para possuir o que já estava criado ou para controla-la, ou para destrui-la se ele não pudesse atingir estes objetivos.

O foco do desejo de Melkor era Arda, a morada das muito aguardadas Crianças de Ilúvatar. Os valar podem ter dado especial consideração quando a fizeram, pois Melkor foi consumido pelo desejo de possuir Arda para si mesmo. O desejo de Melkor de fazer Arda completamente sua levou-o a difundir uma grande parte de sua força natural por toda Arda. Ele era um ser de puro espírito que fez a si mesmo permanentemente físico, permanentemente ligado ao Mundo [dentro de Arda, para ser mais exato], de forma a ser "Um" com ele, fazê-lo parte de si próprio. Pela introdução desta parte de si mesmo em Arda, Melkor estabeleceu a fundação para mais um tipo de mágica. De acordo com Tolkien:

"Melkor encarnou a si mesmo [como Morgoth] permanentemente. Ele assim o fez para controlar o hroa, a "carne" ou matéria física, de Arda. Ele tentou identificar-se com o hroa. Um procedimento mais vasto, e mais perigoso, embora de espécie similar às operações de Sauron com os Anéis. Dessa forma, fora do Reino Abençoado, toda "matéria" provavelmente tinha um "ingrediente Melkor", e aqueles que possuiam corpos, criados pelo hroa de Arda, o tinham como uma tendência, pequena ou grande, em direção a Melkor: nenhum deles era completamente livre dele em suas formas encarnadas, e seus corpos tinha um efeito sobre seus espíritos. Mas desta forma Morgoth perdeu [ou trocou, ou transformou] a maior parte de seus poderes "angelicais" originais, de mente e espírito, ganhando um terrível poder sobre o mundo físico. Por esta razão ele tinha que ser combatido, principalmente por força física, e uma enorme ruína material era a provável consequência de qualquer combate direto com ele, vitorioso ou não. Esta é a principal explicação para a constante relutância dos Valar a batalharem abertamente contra Morgoth. O problema e tarefa de Manwe era muito mais difíceis que os de Gandalf. O poder de Sauron, relativamente menor, estava concentrado; o vasto poder de Morgoth estava disseminado. O todo da "Terra-média" era o Anel de Morgoth, embora temporariamente sua atenção estivesse principalmente no Noroeste. A Não ser que rapidamente bem sucedida, Guerra contra ele poderia muito bem terminar reduzindo toda a Terra-média ao caos, possivelmente toda Arda… além disso, a erradicação de Sauron [como um poder dirigindo o mal] foi alcançada pela destruição do Anel. Tal erradicação de Morgoth não era possível, uma vez que esta requeriria a completa desintegraçõ da "matéria" de Arda. O poder de Sauron não estava [por exemplo] no ouro como tal, mas em uma particular forma ou modelo feito de uma porção particular do total do ouro. O poder de Morgoth era disseminado por todo o Ouro, mesmo que em local algum absoluto [pois ele não criou o Ouro] ele não era ausente em nenhum lugar. [Este elemento-Morgoth na matéria, de fato, pré-requisito para tal "mágica" e outras perversidades como as que Sauron praticou com ela e sobre ela]. É bastante possível, com certeza, que certos "elementos" ou condições da matéria atraíram a especial atenção de Morgoth [principalmente, exceto no passado remoto, por razões de seus próprios planos]. Por exemplo, todo o ouro [na Terra-média] parece ter uma tend6encia especialmente "maligna" – mas não a prata. Água é descrita como quase inteiramente livre de Morgoth [Isto não significa, certamente, que algum mar, córrego, rio, poço ou mesmo navio na água em particular não pudesse ser envenenado ou poluido – como todas as coisas podiam]. [Tolkien, "Morgoth"s Ring", pp. 399-401]"

A infusão do elemento Morgothiano em Arda então alterou a suscetibilidade daquela parte do Mundo à Vontade de outros. Sauron utilizou o poder de Morgoth para alcançar o que podemos chamar de um estado de encantamento. Encantamento não pode ser limitado apenas ao uso do elemento Morgothiano – ele pode também ser aplicado a outros atos pelos Ainur, Elfos, Anões e mesmo Homens os quais poderiam não ter utilizado os mesmo princípios que Sauron. Mas deve ser aceito que Sauron ensinou as técnicas aos Elfos e provavelmente a Homens. Tal uso dos aspectos não-naturais de Arda devem consequentemente ser considerado como "bruxaria", embora não com respeito à conjuração de espíritos. Melkor não foi o único Vala a extender seu poder em porções de Eä, contudo. Ulmo, o Vala associado com todas as águas, parece ter se engajado em uma identificação similar porém mais restrita. Sua identificação não era permanente – não era um aspecto físico de sua encarnação. Melkor parece ter pervertido o princípio de identificar a si próprio com um "elemento nativo", aparentemente. Ulmo não tinha um local de moradia permanente mas se movia através da águas de Arda. Ele podia tentar inspirar Homens e Elfos se eles pudessem ouvir as vozes ou músicas de suas águas. Mas mesmo o poder de Ulmo era finito, ou apenas finitamente colocado com as águas. Quando ele encontrou com Tuor em Vinyamar, em Nevrast, ele disse:

"…mas a Maldição é forte, e a sombra do Inimigo se alonga; e eu estou diminuído, até que na terra-média me torne não mais do que um murmúrio secreto. As águas que correm para o oeste feneceram, e suas fontes estão envenenadas, e meu poder é expulso da terra; pois Elfos e Homens crescem cegos e surdos a mim devido ao poder de Melkor…" [Tolkien, "Unfinished Tales"]

A imagem de uma luta entre Melkor e Ulmo sobre as águas de Terra-média implica em um imenso consumo de Vontade. Melkor era mais forte que Ulmo e estava constantemente expulsando Ulmo de seu domínio natural. É talvez razoável sugerir que Ulmo se retirou de livre vontade porque ele compreendia o que estava em jogo – que se ele resistisse a Melkor com muita força Arda [e consequentemente a Terra-média] poderia sofrer. O tempo ainda não havia chegado. Ele precisava agir com compaixão em relação a Elfos e Homens. Mas a implicação era que um grande poder estaria ativo por toda Arda – nas terrasm nas águas e nos ares. O poder tinha mais de uma fonte, mas apenas uma dessas fontes poderia ser utilizada na "mágica": a fonte Morgothiana.

Tolkien utiliza a palavra "feitiçaria" de várias formas. Algumas vezes ele fala das feitiçarias de Sauron e seus servidores, e somos lembrados da necomância que eles praticavam. Algumas vezes Tolkien parece usar a palavra de uma maneira mais genérica. Quando os Rohirrim falam da Dama da Floresta e a chamam de feiticeira, isto realmente implica que eles acreditavam que Galadriel consorciava com espíritos, ou implica simplesmente que eles percebiam nela um grande poder do qual eles não compartilhavam?

Na concepção Élfica não existe "magia" mas sim "Arte". Os Elfos simplesmente possuíam a habildade natural de envolver-se com sub-criação. Tudo o que os Ainur podiam fazer era "sub-criar" – manipular a criação de Ilúvatar dentro daqueles limites que ele fixou durante a criação de Eä. Os Elfos possuíam uma capacidade similar embora muito diminu;ida, em comparação aos Ainur, exceto talvez em alguns casos raros. Fëanor, o maior dos Eldar, rivalizava com os feitos dos Ainur em alguns aspectos, até mesmo provocando inveja no coração de Melkor. E Lúthien, sendo meio Elfo e meio Maia, executou um golpe considerável contra Melkor pessoalmente, cantando e fazendo dormir ele e todos os seus servos, dentro de Angband.

Desesperando-se com seu próprio uso da palavra "mágica", Tolkien escreveu a Milton Waldman [um editor a quem ele submeteu O Senhor dos Anéis antes de sua aceitação final por Allen & Unwin]:

"Eu não usei a palavra "mágica" consistentemente, e realmente a Rainha Élfica Galadriel é obrigada a advertir os Hobbits em seus usos confusos da palavra tanto para os artificios e operações do Inimigo quanto para os Elfos. Eu não diferenciei as duas formas porque não existe uma palavra para a segunda forma [uma vez que todas as histórias humanas sofrem da mesma confusão]. Mas os Elfos estão lá [em meus contos] para demonstrar a diferença. Sua "mágica" é Arte, que os livra de muitas de suas limitações humanas: menos esforço, mais rápido, mais completo [produto e visão numa correspondência sem falhas]. E seus objetivos são Arte e não Poder, sub-criação e não dominação e reforma tirânica da Criação. Os "Elfos" são "imortais", pelo menos até quando o mundo existir: e portanto são preocupados principalmente com os sofrimentos e aflições da imortalidade no tempo e nas mudanças, do que com a morte. O Inimigo em sucessivas formas é sempre "naturalmente" interessado na Dominação completa, logo Senhor da magia e máquinas. Então o problema: este mal assustador pode e realmente surge de uma raiz aparentemente boa, o desejo de beneficiar o mundo e outros* – rapidamente e de acordo com os próprios planos do benfeitor – é um motivo recorrente." "*Não no Iniciador do Mal: a sua Queda foi uma Queda sub-criativa, e portanto os Elfos [os representantes da sub-criação por excelência] eram particularmente seus inimigos, e o objeto especial de seu desejo e ódio – abertos às suas fraudes. Suas Quedas seriam na possessividade e [em um grau menor] na perversão de suas artes em poder." [Tolkien, "Letters", Letter 131]

Em um rascunho de uma carta escrita a Naomi Mitcheson [embora esta parte não tenha sido enviada a ela], Tolkien acrescentou detalhes às distinções entre as percepções "mortal" e "Élfica" da magia: "Receio que eu tenha sido muito fortuito sobre "mágica" e especialmente no uso da palavra; apesar de Galadriel e outros se mostrarem críticos ao uso "mortal" da palavra, este pensamento não é completamente casual. Mas esta é uma questão muito ampla, e difícil; e uma história na qual, como você com razão diz, é grandemente sobre motivos [escolhas, tentações, etc.] e as intenções de usá-la não importa como seja encontrada no mundo, poderia facilmente ser soterrada com uma dissertação pseudo-filosófica! Eu não tenho intenção de me envolver em qualquer debate onde "mágica" em qualquer sentido seja real ou realmente possível no mundo. Mas eu suponho que, para os própositos do conto, alguns poderiam dizer que existe uma latente distinção assim como foi chamada a distinção entre "magia" e "goeteia"[1]. Galadriel fala das "fraudes do Inimigo". Bem, suficiente, mas magia poderia ser, e era, boa [per si mesma], e goeteia má. Nenhuma das duas é, neste conto, boa ou má [por si mesmas], mas apenas por motivo e propósito de uso. Ambos os lados usam ambas as formas, mas com diferentes motivos. O supremo motivo maligno é a dominação de outra "vontades livres". As operações do Inimigo não era de forma alguma fraudes goéticas, mas "mágica" que produz efeitos reais no mundo físico. Mas sua magia ele utiliza para intimidar povos e coisas, e sua goeteia para aterrorizar e subjugar. Os Elfos e Gandalf usam [de forma reduzida] sua magia: uma magia, produzindo resultados reais [como fogo em madeira molhada] para fins específicos e benévolos. Seus efeitos goéticos são inteiramente artísticos e não possuem a intenção de ludibriar: eles nunca enganam os Elfos [mas podem enganar ou confundir Homens desatentos] uma vez que a diferença para eles é tão clara como a diferença para nós entre ficção, pintura e escura e "vida".

Ambos os lados vivem principalmente por modos "normais". O Inimigo, ou aqueles que se tornaram como ele, dedicam tempo com "maquinaria" – com efeitos destrutivos e maléficos – porque "mágicos" que tornaram-se principalmente preocupados com o uso da magia para seu próprio poder, poderiam assim o fazer [e assim o fazem]. O motivo básico para a magia – completamente aparte de qualquer consideração filosófica que como ela funciona – é a urgência: velocidade, redução de trabalho, e a redução para um mínimo [ou ao ponto de desaparecer] da lacuna entre a idéia ou desejo e o resultado ou efeito. Mas a magia pode não ser fácil de obter e se de qualquer modo você possui comando de abundante trabalho escravo ou maquinaria [frequentemente a mesma coisa oculta], pode ser tão rapida ou rápida o suficiente para por de lado montanhas, destruir florestas ou construir pirâmides com tais recursos. Certamente outro fator então vêm à tona, um fator moral ou patológico: os tiranos perdem contato com os objetivos, tornam-se cruéis e satisfazem-se esmagando, feriando e poluindo. Não existe dúvida que seria possível defender a idéia do pobre Lotho de moinhos mais eficientes; mas não o uso que Sharkey e Ruivão fazem dele.

De qualquer forma, uma diferença no uso da "mágica" nesta história é que ela não se realiza por "doutrinas" ou feitiços; pois este é um poder inato não possuído pelo Homem como tal. O poder de "cura" de Aragorn pode ser considerado como "mágico", ou pelo menos um misto de mágica com processos famacêuticos e "hipnóticos". Mas ele é [em teoria] relatado por hobbits que têm poucas noções de filosofia e ciência; enquanto Aragorn não é um "Homem" puro, mas uma "criança de Lúthien" há muito tempo separado."

[1] o equivalente grego de goetial a forma Inglesa Goética é definida no O.E.D. como "bruxaria ou mágica executada pela invocação ou uso de espíritos malignos; necromancia" [Ibid., Letter 155]

Tolkien empresta as palavras "magia" e "goeteia" em uma tentativa de distinguir entre as formas de mágica, mas ele complica o assunto. Mais adiante ele fracassa quando diz que "mágica" não pode ser praticada pelos Homens – mas lembra a si mesmo que os Numenorianos sem dúvida utilizaram feitiços em suas espadas. Sua análise dos poderes na Terra-média falhou em notar este fato.

Apesar de tudo Tolkien distingue magia de goeteia sugerindo que a primeira constitui aquelas ações que produzem efeitos, como o feitiço de Gandalf para acender o fogo em madeira molhada na montanha Caradhras. O jogo de anéis de fumaça entre Gandalf e Thorin também poderia ser considerado magia [Tolkien, "Hobbit"]. Goeteia deve consequentemente representar a criação de itens mágicos, como as lâmpadas usadas pelos Elfos que davam luz sem o necessidade de chama; as harpas mágicas dos Anões em Erebor; o Portão Oeste de Moria que abria quando a palavra Sindarin para "amigo" era dita; e assim por diante.

A mágica goética é o lado artístico da sub-criação: Arte quando o motivo é realçar, preservar ou curar; Feitiçaria quando o motivo é dominar, controlar ou destruir. Os Elfos eram capazes de utilizar suas habilidades em ambas as direções, mas mas frequentemente preferiam Arte à Feitiçaria. Feitiçaria poderia ser útil na confrontação de Finrod com Sauron na ilha de Tol Sirion durante a Primeira Era. Ela também poderia ser a expressão natural da vontade Élfica como na caótica perseguição de Fëanor a Melkor. Feitiçaria não estava nunca além do alcance dos Elfos, mas raramente estava no seu arsenal de preferências.

E mesmo a feitiçaria era praticada or Homens por toda a Terra-média: os nove Homens que aceitaram os Anéis de Poder de Sauron [apenas três deles eram Numenorianos] "tornaram-se poderosos em seus dias, reis, feiticeiros e guerreiros de tempos antigos" antes de finalmente sucumbirem aos Anéis e desaparecerem; os homens das colinas que tomaram o controle de Rhudaur [ou os Homens malignos que o Rei-Bruxo enviou para substituí-los] parecem ter praticado feitiçaria; e o Boca de Sauron era um feiticeiro [ainda que Numenoriano].

A feitiçaria dos Homens deve ser diversa. Tolkien fala de Homens tentando se comunicar com espíritos Élficos. Quand os Elfos se esvaem seus corpos desaparecem. Aqueles que eram tão enamorados da Terra-média que preferiam esvair-se a navegar sobre o Mar era provável que se tornassem "assombrações", espíritos morando em ou perto de seu local favorito. De descobertos por Homens eles poderiam responder a certos estímulos de feitiçaria, mas era perigoso aos Homens lidar com eles. Os espíritos poderiam tentar ocupar os corpos dos Homens e expulsar o espítiro nativo, o quela era mais fraco por natureza ou juventude. Tais atos poderiam ser provocados não tanto por maldade mas mais por desespero. Elfos eram tão desesperados para viver na terra-média como os Homens, mas como os Homens eles tinham um destino que limitava o tempo de sua vida Biológica.

Outras feitiçarias que os Homens podem ter praticado incluem o controle de animais. Beruthiel, esposa de Tarannon Falastur, era originalmente uma princesa dos Numenorianos Negros. Ela aprendeu as artes da feitiçaria de sue povo e as praticou em Gondor. Seus gatos eram lendários por sua devoção à sua mestra e ela os utilizava para espiar o povo do reino. Tarannon vivia em uma grande casa perto do Mar, em pelargir, mas Beruthiel preferiu viver em uma casa na grande ponte de Osgiliath. Ela preencheu o jardim com árvores e plantas tortas e mal-formadas, e ela aterrorizou tanto so Dunedain que Tarannon foi eventualmente forçado a removê-la a força e enviá-la para o exílio. Ela foi vista pela última vez navegando sozinha em um navio para o sul além de Umbar, acompanhada apenas por seus gatos, um à proa e outro à popa.

Se mágica em algumas formas é acessível aos Homens, não é menos acessível aos Anões, os Filhos Adotados de Ilúvatar. Eles também eram Encarnados – espíritos habitando em corpos vivos, no final das contas enviados por Ilúvatar. COmo os Elfos os Anões são presos em Eä e devem permanecer em Arda até o Fim. Como os Homens seus corpos se enfraquecem, envelhecem e morrem naturalmente. Os Anões são uma curiosa mistura das características Élficas e Humanas, mas eles possuem suas próprias idéias sobre seu lugar em Eä e nos planos de Ilúvatar. Como Homens os Anões utilizam feitiços mas eles parecem exercer uma capacidade sub-criacional semelhante à dos Elfos.

O que Tolkien quer dizer com "sub-criação"? Ele a aplica aos meios naturais pelos quais os Ainur e Elfos alcançam seus fins Artísticos. É através da sub-criação que os Ainur trouxeram à complitude ou próximo à complitude o aspecto e forma do Mundo. Através da sub-criação os Ainur criaram os Kelvar e Olvar. Através da sub-criação os Elfos criaram as Silmarils, os Anéis de Poder e todas as coisas "mágicas" se sua sociedade. Através da sub-criação so Anões produziram suas portas mágicas, lâmpadas e armaduras.

O processo sub-criativo não é descrito de nenhuma outra forma a não ser Arte. E tolkien invoca a idéia principal da música por todos os seus trabalhos. Os Ainur cantaram seus grandes temas e a partir deles Ilúvatar planejou Eä. No mito das Duas Árvores, após os Valar terem se retirado antes do ataque de Melkor so Extremo Oeste, Yavanna cantou ante o monte Ezelohhar, fazendo as Árvores tomarem forma como sementes, criar raízes e crescer. No embate de poder com Sauron, o Rei Élfico Finrod Felagundcantou canções de magia e feitiçaria, e Sauron cantou em resposta. Lúthien, enquanto presa na Hirilorn por seu pai, cantou para fazer seu cabelo crescer comprido o suficiente para que ela pudesse tecer um manto encantado de escuridão a partir dele. Os Anões cantam em suas forjas enquanto criam seus grandes artefatos. Aragorn canta ou recita suavemente sobre a lâmina Morgul que ele encontra no Topo do Vento, enquanto ele se preparava para se ocupar com a tentativa de cura em benefício do gravemente ferido Frodo. Tom Bombadil canta o tempo todo, e ele usa música para lidar com o Velho Salgueiro e a Criatura Tumular:

"Colocando cuidadosamente seus lírios na grama, ele correu para a árvore. Ali ele viu o pé de Merry destacando-se – o resto já tinha sido puxado para dentro. Tom colocou sua boca na fenda e começou a cantar com uma voz baixa. Eles não conseguiam entender as palavras mas evidentemente Merry foi animado. Suas pernas começaram a chutar. Tom afastou-se, e quebrando um galho suspenso golpeou o lado do salgueiro com ele. "Deixe-o sair novamente, Velho Salgueiro!" ele disse. "O que você está pensando? Você não devia estar acordado. Coma terra! Cave fundo! Beba água! Vá dormir! Bombadil está falando!" Ele então segurou o pé de Merry e o puxou para fora da fenda repentinamente alargada." [Tolkien, "A Sociedade do Anel"]

E:

"Caia fora, criatura! Desapareça na luz do sol!
Encolha como a neblina fria, como os ventos que gemem,
Fora nas terras áridas muito além das montanhas!
Nunca venha aqui novamente! Deixe seu túmulo vazio!
Perdido e esquecido seja, mais escuro que a escuridão,
Onde os portões ficam eternamente fechados, até que o mundo seja reparado."
[Ibid.]

Para chamá-lo quando necessério, Bombadil ensinou os Hobbits a cantar uma canção:

"Ho! Tom Bombadil, Tom Bombadillo!
Pela água, floresta e colina, pela grama e pelo salgueiro,
Pelo fogo, sol e lua, escute agora e nos ouça!
Venha, Tom Bombadil, pois nossa necessidade está próxima!"
[Ibid.]

Tolkien nos fala que "Hobbits nunca, de fato, estudaram magia de nenhum tipo" e que "existe pouca ou nenhuma magia neles, exceto a ordinária de todo dia do tipo que os ajuda a desaparecer rápida e silenciosamente quando gente grande e estúpida como você e eu vem desabaladamente andando". Mas ele não diz que eles não pode usar mágica – eles simplesmente não desejam usar. A música de Bombadil mostra-nos que os Hobbits poderiam realmente chamar uma grande poder para ajudá-los. A magia pode ser de Tom Bombadil, mas é Frodo quem quenta a canção de chamado.

Música permeia os registros de "mágica" na Terra-média. Não é parte de toda cena ["O espelho de Galadriel" é evidente pela ausência de canto no encontro de Galadriel com Sam e Frodo em seu jardim]. Mas por outro lado, pode ser que a magia é mais sutilmente invocada se uma fonte externa de poder é utilizada. O espelho de Galadriel consiste de água derramada de uma fonte próxima vertida em uma base de prata. Tolkien registrou que água e prata não eram muito maculados com o pdoer de Morgoth, pois Ulmo é o Senhor das Águas e ele era a fonte de muitos sonhos e visões para Homens e Elfos. Poderia ser que Galadriel estivesse utilizando o poder de Ulmo em seu espelho mágico?

O relacionamento dos Elfos com os Valar precisa ser examinado em detalhes. Os Vanyar, Noldor e Teleri de Alqualonde [os Elfos da Luz, Elfos Profundos e Elfos do Mar de O Hobbit] passaram sobre o Mar para viver com os Valar e aprender com eles. Estes Elfos que tinham vivido no Reino Abençoado, Gandalf contou a Frodo, possuíam grande poder contra tanto o Visível quanto contra o Invisível, e viviam ao mesmo tempo nos dois mundos. O Visível [o Mundo visível, dois quais os Kelvar, Olvar, e corpos físicos dos Ainur, Elfos, Homens e Anões fazem parte] e o Invisível [o Mundo invisível, do qual apenas os espíritos dos seres vivos fazem parte, e não coisas como Kelvar e Olvar] são dois lados da mesma moeda. Mas requerem diferentes mágicas ou poderes para lidar com cada um deles. Entre as práticas dos Eldar encontramos a canção de hinos a Elbereth, Varda, a maior Rainha entre os Valar, esposa de Manwe o Rei Sábio, Governante de Arda. Embora os hinos são em sua maior parte reverencial, sua influência em outras pessoas pode ser considerável.

"Aiya Eärendil Elenion Ancalima!" Frodo clama quando expõe o frasco de Galadriel no covil de Laracna. Por algum poder ele não consegue entender o frasco brilhante, que contém luz capturada da Estrela de Eärendil, a última das Silmarils, protege Frodo e Sam da Laracna. Ela esconde-se medrosamente na escuridão.

Quando Sam está lutandio para vencer os Guardiães nos portões de Cirith Ungol, ele tira o frasco e o segura no alto, e por um momento um misterioso espírito abre caminho ante ele. Ao deixar a fortaleza Sam e Frodo são confrontados com os Guardiães novamente, e Sam grita "Gilthoniel! A Elbereth!" Em seguida Frodo fala "Aiya elenion ancalima!" E com isso "a vontade dos Guardiães foi quebrada com a rapidez do estalar de uma corda". O nome de Elbereth trouxe subitamente a atenção desta, reforçando a potência do frasco? Ou foi suficiente que Frodo falasse as mesmas palavras que vieram a ele espontaneamente no covil de Laracna?

A invocação dos Valar não pode ser negligentemente ignorada. Talvez seja nada mais do que uma reverência devida, uma sinal de respeito. Quando coroa Aragorn Gandalf diz "Agora vêem os dias do Rei, e que ele seja abençoado enquanto os tronos dos Valar permanecerem!" Os dias de Aragorn parecem ter sido abençoados realmente: Arnor e Gondor foram restaurados em sua grandiosidade, e ele teve sucesso nas guerras que se seguiram à Guerra do Anel [ou pelo menos não foi morto nela], e no tempo correto ele abri mão alegremente de sua vida, sem relutância ou mancha do medo da morte que inquietou tantos de seus ascendentes.

E também, quando os Nazgûl, servos de Sauron, Espectros do Anel, atacaram Aragorn, Frodo e seus companheiros no Topo do Vento, Frodo estocou o Senhor dos Nazgûl enquanto o Espectro do Anel procurava acertá-lo com a mortal lâmina Morgul. Frodo gritou "O Elbereth! Gilthoniel!" Um grito estridente é ouvido na noite. Quando tudo está acabado e os Nazgûl bateram em retirada, Aragorn percebeu que a espada de Frodo cortou apenas a capa do Senhor dos Nazgûl. "Mais mortal a ele foi o nome de Elbereth", Aragorn fala ao Hobbit. O nome de Elbereth causou o grito dos Nazgûl? Quando Frodo fala o nome de Elbereth novamente no Val de Bruinen ele não obteve efeito aparente. Mas naquele momento ele quase tinha sumido devido ao ferimento Morgul que ele tinha recebido, e sua vontade e força estavam grandemente diminuídas. Frodo estava no limite do próprio mundo dos espectros, o mundo Invisível. nem estava usando o Um anel como no Topo do Vento. Pode ser que o nome de Elberethde fato feriu os Nazgûl sob as circunstâncias corretas.Enquanto viajava Frodo tornou-se mais forte na sua vontade, mais do que havia sido anteriormente, e Sam notou-o com outra visão como uma figura brilhante vestida de branco. Poderiam existir benefícios consideráveis benefícios em utilizar o Um Anel, mesmo para um Hobbit, quando invocava-se grandes poderes, a despeito do perigo de sucumbir à natureza maligna do Anel.

Os Valar não abandonaram completamente a Terra-média após a Primeira Era. Eles enviaram os Istari, os Magos, para aconselhar Homens e Elfos e ajudá-los a resistir a Sauron. Quando Saruman foi morto seu espírito elevou-se acima de seu corpo, como uma névoa fina, e pareceu olhar para o Oeste, mas um vento soprou-o longe para o Leste. Têm-se a impressão que Manwë estava prestaando atenção aos eventos na Terra-média todo o tempo, não desejando tomar uma ação direta, mas também recusando-se a abandonar os Povos Livres aos mals liberados por seu próprio povo, os Ainur. Quando os Rohirrim estavam prontos para partir ao ataque nos campos de Pelennor, e enquanto Aragorn conduzia a frota capturada dos Corsários pelo rio Anduin, um forte vento começou a soprar do Oeste, empurrando a imensa nuvem que Sauron tinha enviado para cobrir Gondor e Rohan. Mesmo que Manwë pudesse empurrar a nuvem de escuridão a qualquer momento, eles deveria esperar até que as forças do Oeste estivessem em posição de rechaçar as hostes de Sauron. Os Corsários já haviam sido derrotados, e Saruman não era mais uma ameaça a Rohan – a Batalha dos Campos de Pelennor foi um ponto de virada na Guerra do Anel. Durante a Batalha dos Campos de Pelennor duas formas de mágica colidiram quando Merry atingiu o Senhor dos Nazgûl por trás com a lâmina que Tom Bombadil lhe deu. Nombadil, quando resgatou Merry e seus companheiros da Colina dos Túmulos, pegou o tesouro da Criatura Tumular e amontou-o fora do túmulo onde tinha permanecido por tanto tempo. Ele tirou do tesouro quatro adagas que tinham sido feitas pelos Dunedáin de Cardolan muitos séculos atrás. Mesmo à primeira olhada, "as lâminas pareciam intocadas pelo tempo, sem ferrugem, afidas, brilhando ao sol".

As armas são claramente especiais, e nais tarde Aragorn disse que as lâminas de Pippin e Merry foram reconhecidas pelos Orcs que os tinham capturados como "trabalhos do Oeste, recobertas de magias para a destruição de Mordor". Com esta lâmina Merry golpeou cegamente o Senhor dos Nazgûl quando este se colocou ante Éowyn de Rohan. "Nenhuma outra lâmina", escreveu Tolkien, "não importa quão poderosas fossem as mãos que a segurasse, poderia ter causado naquele inimigo um ferimento tão amargo, partindo a carne desfeita, quebrando a magia que ligava sua força invisível à sua vontade".

Feitiços Numenorianos contra magia Saurônica. Por milhares de anos o Senhor dos Nazgûl servira a Sauron fielmente. Ele poderia, Ele poderia, quando seu mestre estivesse fore [e talvez em outras ocasiões] "tomar forma" e andar entre os vivos novamente, empunhando a lâmina Morgul e maça, cavalgando cavalos, comandado exércitos. Como poderia um espectro tomar forma? A natureza do "feitiço que ligava sua força invisível à sua vontade" não é explicado, mas Gandalf fala a Frodo em Valfenda que "suas capas negras eram capas reais que [os Nazgûl] usavam para dar forma ao seu nada quando tinham que lidar com os vivos".

Não era o suficiente que Merry atingisse a capa do Nazgûl. Após o encontro no Topo do vento Aragorn um pedaço de capa esfarrapada que a lâmina de Frodo tinha cortado do traje do Senhor dos Nazgûl. "Todas as lâminas que atingem aquele Rei terrível estragam-se" ele disse aos Hobbits. A espada de Frodo continuava inteira e utilizável. Seu golpe tinha errado o espectro. As capas podiam ser artefatos mágicos ou simplesmenta capas, utilizadas como ingredientes em algum feitiço que dava aos Nazgûl a habilidade de se mover entre os vivos. Despojados de seus trajes elas deveriam "retornar como pudessem a seu Mestre em Mordor, vazios e sem forma"conclui Gandalf logo após os Nazgûl terem sido derrotados no Vau de Bruinen . Se as capas lhes dava, forma, elas não "ligava [sua] força invisível a vontade [dos Nazgûl]". As forças invisíveis eram as forças de um espectro, mas um espectro mantido de modo não natural na Terra-média por algum poder. Quando morrem, os Homens devem deixar o mundo. Seus espíritos devem ir para algum outro lugar. Sauron transgrediu este princípio natural pelo imprisionamento dos espíritos dos Nazgûl no mundo, de modo que pudessem continuar agindo e atuando como seres independentes. Eles eram escravos de sua vontade, mas suas próprias vontades permaneciam intactas, meramente subvertidas aos propósitos de Sauron, mas não substituídas pela própria vontade de Sauron.

Então o feitiço que a lâmina de Merry quebrou foi o feitiço desenvolvido por Sauron, o poder do Anel do Nazgûl. A sabedoria dos Numenorianos alcançou um grande feito contra o poder dos Anéis Élficos corrompidos. E mesmo assim o espírito do Senhor dos Nazgûl não deixou a Terra-média imediatamente quando foi derrotado. Após o golpe mortal de Éowyn o Senhor dos Nazgûl elevou-se no ar e seu espírito voou lamentando para Mordor, passando sobre Sam e Frodo em sua jornada, sem dúvida indo para seu Mestre em Barad-dûr. Um espírito fraco e impotente, o Senhor dos Nazgûl não servia mais para nenhum próposito a Sauron, mas permanecia sujeito a seu poder apesar de tudo até que aquele poder fosse destruído com o Um Anel.

Os Anéis de Poder são de fato os maiores artefatos mágicos feitos na Terra-média. Sauron ensinou aos Elfos de eregion os princípios da sub-criação que eles ainda não haviam aprendido, e podemos imaginar se então este conhecimento não seria uma "arte proibida". Porque os Valar e Maiar não dividiram este conhecimento com os Elfos em Aman? Um elemento chave no poder dos Anéis é o elemento Morgothiano difundido por toda Arda, e especialmente aquela porção do elemento que existe no ouro. Com estes Anéis os Elfos esperavam "compreender, criar e curar" de acordo com Elrond, segundo ele revelou em seu Conselho. Sobre os Três, Tolkien escreveu: "aqueles que os tivesse em sua posse poderia evitar a decadência do tempo e postergar o desgate do mundo". E "após a queda de Saruman [ao final da Segunda Era] seus poderes estavam sempre em ação, e onde eles estavam também o júbilo residia, e todas as coisas não eram manchadas pelas tristezas do tempo". Tolkien explicou os poderes dos Anéis mais completamente quando escreveu ao editor Milton Waldman:

"O poder principal [de todos os anéis] era prevenir ou diminuir a decadência [isto é, "mudança" vista como algo lamentável], a preservação do que é desejado ou amado, ou sua imagem – este é mais ou menos um motivo Élfico. Mas também aumentavam os poderes naturais de seu dono – de forma parecida com "mágica", um motivo facilmente corrompível em mal, um desejo de dominação. E finalmente eles tinham outros poderes, mais diretamente derivados de Sauron… como o de tornar invisível o corpo material, e fazendo coisas do mundo invísivel visíveis.

Os Elfos de Eregion fizeram Três anéis supremamente belos e poderosos, quase que apenas de suas próprias imaginações, e dirigidos à preservação da beleza: eles não conferiam invisibilidade. Mas secretamente no Fogo subterrâneo, em sua própria Terra Negra, Sauron fez o Um Anel, o Anel Governante que continha o poder de todos os outros, e os controlava, então seu portador poderia ver os pensamentos de todos aqueles que usavam os anéis menores, poderia controlar tudo o que eles fizessem e ao final poderiam escravizá-los completamente. Ele não contava, contudo, com a sabedoria e sútil percepção dos Elfos. No momento em que ele usou o Um, os Elfos ficaram conscientes dele, e de seu propósito secreto, e tiveram medo. Eles esconderam os Três Anéis, de forma que nem mesmo Sauron descobriu onde eles estavam e eles permaneceram imaculados. os outros eles tentaram destruir." [Tolkien, "Letters", Carta 131]

De acordo com "Sobre os Anéis de Poder e a Terceira Era", "Sauron acumulou em suas mãos todos os Anéis de Poder restantes; e ele os distribuiu para outros povos da Terra-média, esperando dessa forma trazê-los sob sua influência todos aqueles que desejassem secretamente poder além da medida de sua própria espécie… e todos aqueles Anéis que ele dominou ele perverteu, facilmente uma vez que ele tinha uma parte em sua confecção, e eles se tornaram malditos…" [Tolkien, "Silmarillion"]

O motivo de Sauron era basicamente a corrupção dos Elfos. Na Carta 131 Tolkien diz "os Três Anéis dos Elfos, mantidos por guardiões secretos, estão operativos na preservação da memória da beleza de antigamente, mantendo enclaves encantados de paz onde o Tempo parece parar e a decadência é contida, uma visão da felicidade do Verdadeiro Oeste". Os Elfos, Tolkien diz na carta 154, "desejavam ter seu bolo e comê-lo: viver na Terra-média história e mortal porque eles se tornaram apreciadores dela [e talvez porque eles tinham as vantagens de uma casta superiora], e então eles tentaram parar suas mudanças e história, parar seu crescimento, mantendo-a como uma terra de prazer, mesmo que em sua maior parte deserta, onde eles podiam ser "artistas" – e eles estavam sobrecarregados com tristeza e pesar nostálgico".

Na Carta 181 Tolkien nota que "[os Elfos] caíram em uma certa medida na fraude de Sauron: eles desejavam algum "poder" sobre a situação [o que é completamente distinto de arte], para fazer suas vontades particulares de preservação efetivas: para interromper a mudança, e manter as coisas sempre frescas e belas". E na Carta 144 ele diz "Apesar de imaculados, porque não foram feitos por Sauron nem tocados por ele, [os Três] eram sem dúvida parcialmente produtos de sua instrução, e no final das contas sob o controle do Um. Dessa forma… quando o Um se foi, os últimos defensores da sabedoria e beleza dos Altos Elfos foram despojados do poder de para o tempo, e partiram".

A magnitude desse feito Élfico, e sua arogância, é dessa forma imenso. Como o Mundo é medido por Tempo e Espaço, os Elfos desejavam "para o tempo", para "para a história e as mudanças [da Terra-média], parar seu crescimento", meramente para que eles pudessem ser "artistas", praticando suas magias, deleleitando-se na beleza de sua própria juventude e da juventude do mundo que tinha dado nascimento a eles. Poderia Celebrimbor sozinho ter produzido tais efeitos? Sem dúvida não. Ele estava utilizando o conhecimento que Sauron lhe deu, e apesar de apenas Celebrimbor ter forjado os Três Anéis, o que os Gwaith-i-Mirdain faziam enquanto ele trabalhava? Eles podem ter de fato se reunido ao redor dele, cantando e projetando a partir de si mesmos parte do poder e força que eles tinham como reserva.

A derrota de Eregion na guerra pode não ter sido simplesmente devida às impressionantes forças que Sauron trouxe contra os Elfos. Os Elfos tinham vencido forças superiores no passado. As forças de Sauron lançaram-se contra mais do que Eregion: eles atacaram outra terra Élfica no leste, e os povos Edaínicos de Rhovanion e dos Vales do Anduin. Uma civilização inteira ao leste das Montanhas Nebulosas foi destruída e as terras de Eriador devastadas. O povo Élfico de Eregion pode ter sido drenado de muita força, pois seu poder sobreviveu a eles e continuou a trabalhar através dos Três [e mesmo através dos Sete e dos Nove, os quais eles ajudaram a fazer]. Os Elfos encontrarm uma forma de transgredit a ordem natural do mundo. Eles de fato trabalharam uma magia mais potente. No material original sobre linguagens que Tolkien escreveu para os Apêndices do Senhor dos Anéis, ele incluiu o seguinte parágrafo:

"$12 Além disso, aqueles eram os dias dos Três Anéis. Agora, como contado em outro lugar, aqueles anéis estavam ocultos, e os Eldar não os usavam para a criação de qualquer coisa nova enquanto Sauron continuasse usando o Anel Governante; mas sua virtude principal estava sempre secretamente trabalhando, e aquele virtude era proteger os Eldar que habitavam na Terra-média [adicionado: e todas as coisas relativas a eles] da mudança e degeneração e desgaste. E assim foi em todo o longo tempo desde a forja dos Anéis até seu fim, quando a Terceira Era acabou, e os Eldar na Terra-média não mudaram em mil anos mais do que os Homens em 10; e da mesma forma sua linguagem". [Tolkien, "Peoples of Middle-Earth"]

A ação de parar o Tempo trabalhava mesmo enquanto os Anéis não eram usados pelos Elfos, e como os Sete e Nove eram feitos com intenções similares ele, também, poderiam ter um efeito no Tempo onde quer que eles fossem mantidos. Mas os Três eram imensamente mais poderosos que os outros Anéis, e Celebrimbor dava tanto valor aos Três que morreu ao invés de revelar suas localizações a Sauron, mas sob grande tormento ele abriu mão dos Sete.

Mas por maior que fosse o poder que os Anéis Élficos tivessesm, o poder tinha seus limites. Os efeitos parecem ter sido localizados ao invés de completamente difundidos por toda a Terra-média. Talvez se os Elfos fossem capazer de possuir [e usar] todos os Grande Anéis ele poderiam ter alcançado seu objetivo em uma escala mais ampla. Mas na Terceira Era nós encontramos evidências dos efeitos totais dos Anéis eram sentidos em apenas dois locais: Valfenda e Lórien. Quando Bilbo e Frodo estavam conversando em Valfenda, Frodo pergunta a Bilbo quanto tempo levará para que Frodo precise sair na Expedição do Orodruin. "Oh, Eu não sei. Eu não consigo contar os dias em Valfenda", Bilbo lhe conta. Meses mais tarde, após a Sociedade ter partido de Lórien e ter estado no Anduin por alguns dias, Sam fica confuso:

Sam sentou batendo na guarda de sua espada como se estivesse contando em seus dedos, e olhando para o céu. "Isto é muito estranho", murmurou ele. "A Lua é a mesma no Condado e nas Terras Ermas, ou deveria ser. Mas ou ela está fora de seu curso ou eu estou errado em meus cálculos. Você se lembra, Sr. Frodo, que a Lua estava minguante quandonós estávamos naquele tabuleiro na árvore: uma semana para a totalidade, eu calculo. E nós estamos viajando há uma semana completas na última noite, quando surge uma Lua Nova como se nós não tivessemos ficado tempo algum no reino Élfico.

"Bem, eu posso recordar de três noites ali com certeza, e pareço recordar muitas mais, mas posso jurar que nunca completaria um mês inteiro. Poderia pensar que lá o tempo não conta!" "E talvez seja isso mesmo", disse Frodo. "Naquele terra, talvez, nós estávamos em um tempo que em outro lugar há muito se passara. Não antes, eu acho, de Silverlode ter nos colocado de volta ao Anduin que retornamos ao tempo que corre pelas terras mortais até o Grande Mar. E eu não me lembro de nenhuma lua, nova ou velha, em Caras Galadhon: apenas estrelas à noites e sol pelo dia". Legolas mexeu-se em seu barco. "Não, tempo não pára para sempre", ele disse, "mas as mudanças e crescimentos são diferente para todas as coisas e lugares. Para os Elfos o mundo se move, mas se move muito rápido e muito devagar. Rápido, porque eles mesmo mudam pouco, e tudo o mais passa por eles: é uma grande tristeza para eles. Devagar, porque eles não contam os anos passantes, nem para si mesmo. As estações passantes são apenas ondas repetindo-se ao longo de uma corrente muito longa. Mas sob o Sol todas as coisas devem chegar a um final". "Mas o desgaste é lento em Lórien", disse Frodo. "O poder da Senhora está lá. Ricas são as horas, embora curtas elas pareçam, em Caras Galadon, onde Galadriel usa o Anel Élfico". "Isto não deve ser dito fora de Lórien, nem mesmo para mim", disse Aragorn. "Não fale mais disso! Mas é assim, Sam: naquela terra você perdeu sua conta. Lá o tempo passou rapidamente por nós, como para os Elfos. A velha lua passou, e uma nova lua cresceu e diminuiu no mundo lá fora, enquanto nos demorávamos lá. E ontem uma nova lua veio novamente. O inverno quase se foi. O tempo corre para uma primavera de pouca esperança". [Tolkien, "Sociedade do Anel"]

Embora pareça aqui que Legolas discorde das avaliações de Frodo, ele nota que "mudanças e crescimentos são diferente para todas as coisas e lugares". Talvez legolas esteja dissimulando um pouco para proteger um segredo Élfico? Ou seria apenas que, sendo do reino de Thranduil no norte de Mirkwood, Legolas experimentou muito raramente de perto o poder dos Três Anéis para reconhecer seus efeitos? Aragorn confirma a dedução de Frodo: "lá o tempo passou rapidamente por nós, como para os Elfos". A diferença seria mais notável para Mortais do que para Legolas.

Os Anéis de Poder são os maiores artefatos de magia de todos os trabalhos de Tolkien. Mesmo as sagradas Silmarils feitas por Feanor, embora mais antigas e perenes que os Anéis, não trabalhavam ativamente sobre seu ambiente. Elas preservam a luz das Duas Árvores e não toleram o toque de nenhuma criatura maligna. Pelo poder de uma Silmaril Earendil navegou através dos Mares Sombrios e pelas Ilhas Encantadas para alcançar os litorais de Aman, a despeito do considerável poder dos Valar. Mas Feanor não procurou perverter a ordem natural do Mundo. Ele meramente procurou criar uma nova Beleza, e embora seu orgulho e arrogância tenha feito ele esconder tal Beleza de todos os outros, ela não é completamente sua criação [ou, sub-criação]. Varda consagrou as Silmarils, e sem aquele benção especial Ainuriana elas teriam sido menos do que foram. Elas poderiam não ter sido a chave para a solução da grande e terrível guerra que foi travada por elas.

O poder das Silmarils foi, mais adiante, aumentado pela Maldição de Mandos, e quando Thingol impôs uma Silmaril como o preço pela mão de sua filha, ele embaraçou-se na trama envolvendo o poder das jóias, e assim trouxe desgraça a seu reino e a todo seu povo. Melian previu que a busca de Thingol traria a Maldição sobre ele e sobre seu povo, e ela não tinha o poder de evitar. O destino de Doriath foi selado tão logo Thingol estabeleceu a Silmaril como o preço por Lúthien.

No final, a própria Lúthien abandonou Doriath e auxiliou Beren em sua missão. Ela busco por muito tempo e muito longe, e o encontrou aprisionado na ilha de Tol Sirion, onde Sauron [então apenas um servo de Morgoth] havia tomado a fortaleza élfica de Minas Tirith. Finrod Felagund e Beren estavam aprisionados nas masmorras quando Luthien e o cão de caça dos Valar, Huana, chegaram ao portão de Minas Tirith. Enquanto Luthien cantava sua tristeza e esperança de reencontrar Beren, Sauron enviou lobisomem após lobisomem para capturá-la, e Huan matou a todos até Draugluin, o último e mais antigo, arrastar-se mortalmente ferido para arfar aos pés de Sauron "Huan está aqui!"

Sauron tomou forma de um grande lobo, esperando trazer a maldição há muito prevista para Huan. Mas ele foi derrotado, e capitulou do domínio da ilha e da fortaleza em favor de Luthien antes de fugir para Taur-nu-Fuin em Dorthonion:

"O demon dark, O phantom vile
of foulness wrought, of lies and guile,
here shalt thou die, thy spirit roam
quaking back to thy master"s home
his scorn and fury to endure;
thee he will in the bowels immure
of groaning earth, and in a hole
everlastingly thy naked soul
shall wail and quiver — this shall be,
unless the keys thou render me
of thy black fotress, and the spell
that bindeth stone to stone thou tell,
and speak the words of opening."
With gasping breath and shuddering
he spake, and yielded as he must,
and vanquished betrayed his master"s trust.
Lo! By the bridge a gleam of light,
like stars descended from the night
to burn and tremble here below.
There wide her arms did Luthien throw,
and called aloud with voice as clear
as still at whiles may mortal hear
long elvish trumpets o"er the hill
echo, when all the world is still.
The dawn peered over mountains wan,
their grey heads silent looked thereon.
The hill trembled; the citadel
crumbled, and all its towers fell;
the rocks yaned and the bridge broke,
and Sirion spumed in sudden smoke.
[Tolkien, "Lays", pp. 253-4, linhas 2774-2803]

O poder de Lúthien era considerável. Ela era, de toda forma, uma feiticeira Élfica, e a mais poderosa feiticeira Élfica de todos os tempos:

Now Luthien doth her counsel shape;
and Melian"s daughter of deep lore
knew many things, yea, magics more
than then or now know elven-maids
that glint and shimmer in the glades.
[Ibid., p. 204, linhas 1425-9]

Enquanto tramava a figa da prisão onde seu pai a havia colocado, Luthien chamou seu amigo, Daeron o Menestrel, para fazer um tear para ela.

Isso [Daeron] fez e pediu a ela então:

"O Luthien, O Luthien,What wilt thou weave?
What wilt thou spin?"
"A marvellous thread, and wind therein
a potent magic, and a spell
I will weave within my web that hell
nor all the powers of Dread shall break."
Then [Daeron] wondered, but he spake
no word to Thingol, though his heart
feared the dark purpose of her art.
And Luthien now was left alone. A magic song to Men unknown
she sang, and singing then the wine
with water mingled three times nine;
and as in golden jar they lay
she sang a song of growth and day;
and as they lay in silver white
another song she sang, of night
and darkness without end, of height
uplifted to the stars, and flight
and freedom. And all names of things
tallest and longest on earth she sings:
the locks of the Longbeard dwarves; the tail
of Draugluin the werewolf pale;
the body of [Glaurung] the great snake;
the vast upsoaring peaks that quake
above the fires in Angband"s gloom;
the chain Angainor that ere Doom
for Morgoth shall by Gods be wrought
of steel and torment. Names she sought,
and sang of Glend the sword of Nan;
of Gilim the giant of Eruman;
and last and longest named she then
the endless hair of Uinen,
the Lady of the Sea, that lies
through all the waters under skies.
Then did she lave her head and sing
a theme of sleep and slumbering,
profound and fathomless and dark
as Luthien"s shadowy hair was dark —
each thread was more slender and more fine
than threads of twilight that entwine
in filmy web the fading grass
and closing flowers as day doth pass.
Now long and longer grew her hair,
and fell to her feet, and wandered there
like pools of shadow on the ground.
Then Luthien in a slumber drowned
was laid upon her bed and slept,
till morning through the windows crept
thinly and faint….
[Ibid., pp. 205-6, linhas 1466-1516]

A mágica de Luthien a exauriu tanto que ela teve que dormir após ter feito seu cabelo crescer. Pela manhã ela tomou o cabelo e o teceu em uma capa de sombra que permitiu a ela escapar de Doriath. Ela passou três dias trabalhando no tear, tendo cortado seu cabelo próximo à orelha. E a "Balada" diz que seu cabelo, quando cresceu novamente, era ainda mais negro do que havia sido antes do feitiço.

Em Angband Luthien mais uma vez utilizou seu poder, sem disfarce frente Morgoth e cercada por seus servos:

With arms upraised and drooping head
then softly she began to sing
a theme of sleep and slumbering,
wandering, woven with deeper spell
than songs wherewith in ancient dell
Melian did once the twilight fill,
profound, and fathomless, and still.
The fires of Angband flared and died,
smouldered into darkness; through the wide
and hollow walls there rolled and unfurled
the shadows of the underworld.
All movement stayed, and all sound ceased,
save vaporous breath of Orc and beast.
One fire in darkness still abode:
the lidless eyes of Morgoth glowed;
one sound the breathing silence broke:
the mirthless voice of Morgoth spoke.
[Ibid., p. 298, linhas 3977-93]

Grande como era, até mesmo Morgoth eventualmente sucumbiu ao feitiço de Luthien. Aqui um elemento raro é adicionado ao encantamento: Luthien dança para Morgoth e sua horda. Ela voa pelas cavernas de Angband, drapejando sua capa mágica sobre seus olhos, e um por um eles caem no sono. Sua canção não era suficiente, ela teve que fortalece-la com uma dança "como nunca elfo ou fada vira antes, nem viu desde aquele dia".

Como previamente citado, na carta 155 Tolkien tenta distinguir entre as habilidades de Elfos e Homens, e pensando em Aragorn ele traz à tona o assunto da descendência de Luthien:

De qualquer forma, uma diferença no uso da palavra "mágica" nesta história é que ela não é adquirível por "conhecimento" ou feitiços; mas como um poder inato possuído porHomens como ele. A "cura" de Aragorn pode ser considerada como "mágica", ou pelo menos uma combinação de magia com farmácia e processos "hipnóticos". Mas isto é [em teoria] relatado pelos Hobbits, que tinham muito pouca noção de filosofia e ciência; e Aragorn não era um "Homem" puro, mas um dos distantes descendentes dos "filhos de Lúthien".[Tolkien, "Letters", Carta 155]

Talvez, mas na margem próximo a este parágrafo Tolkien escreveu: "Mas os Numenorianos usavam "feitiços" ao fazerem suas espadas?". De fato, eles parecem ter feito isso. Talvez o ferreiro que fez as lâminas da Colina dos Túmulos fosse um descendente de Luthien também – Tolkien nunca retornou ao assunto. Mas ele demoliu, com este pensamento, todo o argumento de que os Homens não podiam usar magia. De fato, Tolkien diz:

Beorn está morto; ver vol. I p. 241. Ele apareceu em O Hobbit. Era então o ano 2940 da Terceira Era [1340 do calendário do Condado]. Estamos agora nos anos 3018-19 [1418-19]. Embora um troca-peles e sem dúvida um pouco mago, Beorn era um Homem.[Ibid., Carta 144]

Luthien praticou a troca-de-peles: ela assumiu a forma vampiresca de Thuringwethil quando ela e Beren foram para Angband. E ela era com certeza uma maga feminina de grande poder. Mas é bastante improvável que Beorn seja um descendente de Luthien, apesar de Gandalf acreditar que ele era descendente de uma raça de Homens que vivia nas Montanhas Sombrias. Poderiam esses Homens ter se misturado com os Dunedain de Eriador? Talvez, mas não é provável. A magia de Beorn parece ter sido, de alguma forma, Xamanística. Ele lidava com animais e tinha uma amizade com eles como nenhum outro Homem:

Dentro do salão estava agora completamente escuro. Beorn bateu palmas, e para dentro do salão trotaram quatro belos ponêis brancose vários grandes cachorros cinzentos de corpo grande. Beorn disse alguma coisa a eles em uma língua estranha como sons animais transformados em fala. Eles sairam novamente e logo retornaram carregando tochas em suas bocas, as quais acenderam no fogo e prenderam em suportes baixos na parede ao redor da lareira central. Os cães podiam ficar em pé sobre as patas traseiras quando quisessem, e carregavam coisas com as patas da frente. Rapidamente eles retiraram tábuas e suportes das paredes laterais e os prepararam perto do fogo.[Tolkien, "Hobbit", pp. 135-6]

Estas eram criaturas extraordinárias, mas indubitavelmente Beorn tinha alguma coisa a ver com suas habilidades, embora seja debatível se sua fala com eles "em uma língua estranha como sons animais transformados em fala" pudesse ser um feitiço. À noite Bilbo ouviu um som de arranhar e arrastar fora da casa de Beorn, e na segunda noite lá o Hobbit sonhou com ursos dançando no pátio, antes deles acordar e ouvir os sons novamente. A dança pode ser um sinal da magia de Beorn, embora ele não tenha produzido grandes artefatos como os Elfos.

Nem todos os artefatos Élficos eram coisas grandes e poderosas. Estes eram os Palantiri, as Pedras da Visão, as Silmarilli e os Anéis de Poder. Mas os Elfos parecem ter feito muitas outras coisas de menor poder: existiam as espadas dos Noldor que brilhavam quando perto de alguma criatura como os Orcs, e as espadas de Eol que pareciam possuir grande poder; haviam as lamparinas douradas e prateadas que os Elfos usavam e que nunca apagavam ou necessitavam de combustível. As cordas e barcos dados à Sociedade do Anel parecem mágicos de várias maneiras, permitindo à Companhia realizar tarefas que de outra maneira seriam impossíveis, e um barco sobrevive até mesmo às temerosas Quedas de Rauros, preservando o corpo de Boromir. E as capas cinzas que os Elfos de Lórien dão  à Sociedade claramente possuem um efeito mágico aos olhos dos Mortais: ela praticamente torna os seus usuários invisíveis aos olhos Mortais, pelo menos.
 
‘São capas mágicas?’ – perguntou Pippin, olhando-as admirado
‘Não sei o que quer dizer – respondeu o líder dos elfos. – São trajes bonitos, e o fio é de boa qualidade, pois foi feito nesta terra. São vestimentas élficas, com certeza, se é isso que quer dizer. Folha e ramo, água e rocha: elas têm a cor e a beleza de todos esses elementos sob nosso amado crepúsculo de Lórien, pois colocamos o pensamento de tudo o que amamos nas coisas que fazemos. Mas são vestes, não armaduras, e não repelirão lanças ou lâminas.  Mas vão servi-los bem: são leves de usar, quentes o suficiente e frescas o suficiente, conforme a necessidade. E vão encontrar nelas uma grande ajuda quando precisarem se esconder dos olhos inimigos, se andarem entre as rochas ou entre as árvores. Realmente, a Senhora os tem em alta conta! Pois ela mesma, com suas aias, teceu este material, e nunca antes tínhamos vestido forasteiros com as roupas de nosso próprio povo!’
[Tolkien, A Sociedade do Anel, pg 394]
 
Por meramente colocarem o pensamento de tudo o que eles amam no que fazem, os Elfos são capazes de imbuir as capas com “a cor e a beleza” de coisas como “folha e ramo, água e rocha”.
Como Lúthien pensa em sono e em esconder-se, a capa que ela usa lhe dá a habilidade para passar sem ser vista por seu próprio povo, e para encantar Morgoth em um profundo sono. Essa era a maneira Élfica, de praticar sua “arte” em todas as coisas que eles faziam. 
Os únicos outros fabricantes de artefatos verdadeiros da Terra Média eram os Anões. Sua motivações, porém, eram diferentes daquelas dos elfos. Eles não pensavam tão alto, nem se tornaram tão arrogantes a ponto de pretender para o tempo e preservar o passado contra o futuro. Os Anões pareciam mais dispostos a aceitar seu destino do que Elfos ou Homens. Assim não encontramos entre os Anões tentativas de criar refúgios mágicos, ou de extender ou preservar suas vidas.
 
 Os Anões preocupavam-se com coisas mais práticas. Pensamos neles como os forjadores de armas da terra Média, e muitas vezes eles o eram realmente. Telchar de Nogrod foi provavelmente o maior dos seus forjadores de metal. Vivendo na Primeira Era, estudante do mestre ferreiro Gamil Zirak, ele indubitavelmente foi um dos Anões que adquiriu grande conhecimento e habilidade dos Noldor. Os anões em sua juventude foram educados por Aule, mas eles não viveram em Aman nem residiram em meio aos Valar e Maiar. Eles aprenderam muito dos Exilados Noldorin que passaram milhares de anos aprendendo com os Ainur. Telchar é melhor lembrado por ter forjado a espada Narsil. Embora era dito que ela brilhava com uma fria luz, ela não possuía muito mais. A espada deve ter sido imbuída com um dom para resistir à destruição do tempo: mesmo nos tempos de Aragorn, os fragmentos puderam ser reforjados em uma nova espada. Narsil era feita meramente de aço, ou Telchar usou alguma liga metálica a muito esquecida?
 
Outro artefato dos Anões foi o Elmo de Dragão de Dor-lómin. Ele não é necessariamente distinguível de outros elmos usados pelos Anões em suas guerras, exceto que ele foi feito para Azaghal, senhor de Belegost. De Azaghal o elmo passou de mão para mão, dono à dono, como presente, até que ele veio à Hador Lorindol , primiero senhor de Dor-lómin entre os Edain. Hador e seus herdeiros usaram o elmo em batalha, e suas virtudes incluíam proteger o usuário de danos e derrotas na batalha.
 
Em Khazad-dum, enquanto os Anões de Nogrod e Belegost forjavam grandes armas e armaduras, os Barbalonga construíram as fundações do que se tornaria um dia a maior da civilizações dos Anões. Durin, o Imortal, primeiro dos Barbalonga, fundou a cidade, sobre a qual Gimli o Anão cantou milhares de anos depois:
 

“Rei era ele em trono entalhado,
Salão de Pedra encolunado,
No teto ouro, prata no chão,
E as fortes runas no portão.
A luz da lua, de estrela e sol
Presa em lâmpada de cristal,
Por noite ou nuvem não tolhida,
Brilhava bela toda a vida”
[Ibid, p. 335-6]
 
 As runas de poder talvez fosse o trabalho mágico mais cuidadoso dos Anões, com as quais eles conseguiram proteger Khazad-dum contra seus inimigos. Em eras posteriores os Anões de Erebor fizeram harpas mágicas que, tomadas pelos membros da companhia de Thorin após a morte de Smaug, permaneciam em sintonia e prontas para serem tocadas quase 200 anos após o Reino sob a Montanha ter sido destruído pelo dragão. “Operavam encantos anões de outrora” eles cantaram na casa de Bilbo, Bolsão.
 
“Para o antigo rei e seu elfo senhor
Criaram tesouros de grã nomeada;
As pedras plasmaram, a luz captaram
Prendendo-a nas gemas do punho da espada

Em colares de prata eles juntaram
Estrelas floridas; fizeram coroas
De fogo-dragão e no mesmo cordão
Fundiram a luz do sol e da lua.”
[Tolkien, “O Hobbit”, p. 22-3]
 
Capturar a luz do sol, das estrelas, e da lua e armazena-la nas gemas em armas, ou a luz do fogo do dragão, era uma mágica similar àquela dos Elfos. Os Anões procuravam aumentar a beleza do mundo ao seu redor, mas eles se aproximaram do objetivo de maneira concreta. Do outro lado, como pode ser visto nos anéis de fumaça de Thorin (Tolkien, “O Hobbit”, p. 12), os Anões eram capazes de se ocupar com coisas despreocupadas e “artísticas”. Alguns dos presentes que Bilbo dá em sua festa são mágicos em natureza, e vieram dos Anões (Tolkien, “A Sociedade do Anel”, p. 27).
Suas ambições então talvez não fossem grandiosas como as dos Elfos, mas a aptidão dos Anões para a sub-criação parece não ser menos capaz do que a dos Elfos. As runas de poder no portão Leste de Khazad-dum  são “magias de proibição e exclusão em Khuzdul” (Tolkien, “Peoples”, p. 319). As runas da lua ou letras da lua dos Anões representam uma mistura do artístico com o prático, sendo usadas para um propósito funcional mas não necessariamente requerido.
 
Desta forma a magia é uma mistura de talentos naturais e poderes e de uma tecnologia de construção de forma que só pode ser exercida por aquelas raças com o dom da sub-criação, a capacidade de moldar o mundo ao redor deles à suas vontades. Homens (e Hobbits) parecem ser incapazes de praticar a sub-criação, a menos que herdassem uma descendência de sangue Élfico, mas poderiam apesar de tudo adquirir grandes poderes, ou serem atraídos para as técnicas que Sauron desenvolveu para utilizar o elemento Morgothiano distribuído por toda Arda.
 
Combinando esses talentos e conhecimentos com uma comunicação com os espíritos de Elfos e possivelmente Homens, Tolkien dá vida às tradições da magia para nosso próprio legado. A necromancia parece ser a mais arriscada das magias da terra Média, e parece ser completamente destinada às Artes Negras por Tolkien. Quando se fala dos espíritos élficos e de como eles se tornaram “sem lar” após deixar seus corpos, Tolkien aponta que eles possuíam a liberdade para recusar a convocação natural para Mandos, onde eles poderiam, através de um tempo de contemplação, curar seus pesares e consertar seus erros. Mas por causa que Melkor, enquanto esteve na Terra Média, compeliu todos aqueles que recusaram a convocação a vir para ele, a recusa tornou-se associada a influência negra de Melkor.
 
 “É então algo tolo e perigoso, além de ser um ato errado proibido justamente pelo Governadores de Arda, se os vivos procuram comunicar-se com os sem corpo, apesar de que os sem lar possam deseja-lo, especialmente os mais desprovidos de valor entre eles. Para os sem corpo, vagando pelo mundo,  há aqueles que pelo menos recusaram a porta da vida e permaneceram em pesar e auto-piedade. Alguns são cheios de amargura, desgosto e inveja. Alguns foram escravizados pelo Senhor do Escuro e realizam seu trabalho silenciosamente, apesar dele próprio já ter partido. Eles não falarão a verdade ou o bom senso. Visita-los é tolice. Tentar comanda-los e torna-los servos da vontade de alguém é crueldade. Essas práticas são de Morgoth; e os necromantes são das hostes de Sauron, seu servo.

Alguns dizem que os sem lar desejam um corpo, apesar de eles não poderem procura-los legalmente por submissão ao julgamento de Mandos. Os maus entre eles tomarão corpos, se puderem, deslealmente. O perigo de comunicar-se com eles é então, não apenas o perigo de ser iludido por fantasias ou mentiras: há mesmo o perigo de destruição. Para um sem lar faminto, se for permitido que torne-se amigo dos vivos, ele pode tentar expelir o fëa do corpo; e na tentativa de dominar o corpo pode feri-lo gravemente, mesmo se não arrancado com força de seu dono verdadeiro. Ou os sem lar podem implorar por abrigo, e se for permitido, então ele irá procurar escravizar seu anfitrião e usar tanto sua vontade como seu corpo para seus próprios propósitos. É dito que Sauron fez essas coisas, e ensinou seus seguidores a executar tais atos.”
[Tolkien, “Morgoth’s Ring”, p. 224]
 
Portanto, através da ilusão de poderosos espíritos élficos, Homens podem procurar adquirir os poderes que eles vêem nos Elfos e invejam. Mas o perigo para eles pode ser muito grande. Quando se fala em como ele e outros foram confrontados pelos espíritos hesitantes dos Homens Mortos de Dunharrow, legolas diz, “não temi as sombras dos homens, que considerei frágeis e desprovidas de poder.” [Tolkien, “O Retorno do Rei”, p. 143]
 
‘Frágeis e desprovidas de poder” de fato. Então elas devem ter parecido para  um príncipe Élfico que certamente sabia o que poderia acontecer aos espíritos Élficos sem lar. Esses Homens Mortos foram amaldiçoados por Isildur milhares de anos antes. Por causa que eles mostraram deslealdade em uma guerra anterior contra Sauron, eles foram condenados a esperar como espíritos assombrados nas Ered Nimrais até que o Herdeiro de Isildur os chamasse para cumprir seu juramento. Como um descendente de Lúthien, Isildur talvez possuísse o poder para amaldiçoar os homens, mas ele estava transgredindo a ordem natural das coisas. Espíritos masculinos supostamente não podem permanecer na Terra Média. Um poder maior, então, deve ter aprovado as palavras de Isildur, ou talvez mesmo as concedido ao rei. E apenas Ilúvatar possuía o poder e autoridade para alterar o destino dos Homens. Legolas então sabe que esses espíritos não eram perigo para ele – eles eram desprovidos de força para recusar seu próprio destino, diferentemente dos Elfos.
 
Apesar de tudo, interação com os mortos, ou com os sem lar, encheu os homens de temor e maus presságios, e até mesmo Aragorn, que como Herdeiro de Isildur possuía o direito e talvez até mesmo a obrigação de comandar os Homens Mortos para cumprir seu antigo juramento, foi relutante. De todas as magias encontradas na Terra Média, esta chega mais perto de contrariar a ordem natural definida por Ilúvatar.
O que podemos então concluir? Que Tolkien usou a palavra “magia” para descrever ações que não eram naturais para Homens Mortais, mas que eram porém naturais ou dentro do escopo das habilidades naturais dos Ainur e dos Elfos. A Magia da Terra Média era uma expressão da vontade dos praticantes da mesma, de seus desejos artísticos. Era uma espada de duas lâminas, e cada invocação poderia ser usada para o bem ou para o mau. A diferença entre magia “boa” e “má”, então, era muitas vezes o motivo. Apenas a comunicação com os mortos foi proibida, e mesmo assim essa convenção foi transgredida para um bem maior. Elfos e Anões da mesma forma possuíam talentos especiais mas os Elfos demonstravam maior ambição ou aptidão. Talvez nas escuras cavernas os Anões produzir artefatos poderosos que nunca viram a luz do dia, mas desta maneira seus feitos não podem ser avaliados, e eles pareciam possuir um dom menor.
 
Mas dos Ainur, Elfos e Anões a mágica descendeu para os Homens de diversas maneiras e seus desejos foram inflamados. Pode ser que a grande tecnologia desenvolvida (e perdida) pelos Númenoreanos  durante a Segunda Era em algumas maneiras represente uma tentativa de rivalizar a magia Élfica. Mas os Dúnedain da Terceira Era reteram apenas uma sombra desse conhecimento perdido. Os Homens roubaram os Anões procurando tesouros e talvez mais, mas no fim foram forçados a trocar por bugigangas e brinquedos. E com cada fracasso e atraso, cada derrota e derrota e tragédia, os Anões esqueceram um pouco mais que seu conhecimento antigo, especialmente conhecimentos e habilidades.
Se os Elfos sozinhos reteram seu grande poder e conhecimento antigo, seus números diminuíam a cada barco que estendeu vela aos Mares. Século a século a Terra Média perdiam um pouco mais dos encantamentos dos dias Élficos. Os ecos das poderosas magias de outrora chega à nós através dos mitos e lendas dos Homens que apenas vagamente e imprecisamente lembram o que se foi antigamente. A Ciência e a tecnologia representam o que os cientistas podem estudar e o que os tecnólogos podem construir, e se eles não podem ver o invisível, ou cantar à existência alguma beleza, então eles não possuem arte nem técnica para estudar, e então lança um olho cético para o que uma vez foi um aspecto natural do seu mundo.