Arquivo da tag: Pedra Arken

Indiana Jones e os Tesouros da Terra-média

A notícia é que Harrison Ford finalmente concordou em fazer um quarto
filme do Indiana Jones. Não consigo imaginar nada a não ser de qual
fantástico artefato perdido ele irá atrás neste momento; mas acho que
poderia ser natural se Lucas e Spielberg enviassem o pseudo-arqueólogo
mais renomado e cheio de recursos de Hollywood atrás de alguma coisa da
Terra-média.
 
 
 
Tal filme poderia ser a expressão final de ficção
de fãs de Tolkien, até ser sobrepujado por alguma coisa no futuro do
cinema e da história.

O que seria importante o suficiente para
atrair o interesse de Jones, contudo? No primeiro filme ele foi atrás
da Arca da Aliança na esperança de mantê-la fora do alcance das mãos
dos Nazistas. O segundo colocou o Dr. Jones contra um revivido culto
Thuggi que estava roubando as cinco pedras de Shiva [e quatro delas,
desafortunadamente, foram derrubadas em um rio cheio de crocodilos]. O
terceiro filme tinha os rapazes Jones lutando contra os Nazistas uma
vez mais pelo controle sobre o Santo Graal.

A Terra-média
proporciona alguns artefatos interessantes que não foram completamente
explicados. Os primeiros grandes artefatos foram as Silmarils. Estas
jóias, criadas por Fëanor em Valinor, preservavam a luz das Duas
Árvores dos Valar, e eram por si mesmas abençoadas pelos Valar. Os
Noldor lutaram sua longa e desesperada guerra contra Morgoth pelas
Simarils, mas eles falharam. Beren e Lúthien recuperaram uma das
pedras, e apenas esta gema, das três, foi preservada, retornando aos
Noldor em Valinor por meio de Earendil e Elwing.

As outras
duas Silmarils foram perdidas. Maedhros jogou-se com uma das pedras em
um vulcão ou uma fissura que irrompeu durante as lutas entre o exército
de Morgoth e o exército de Valinor. Seu irmão Maglor jogou a outra jóia
no mar e passou a errar a esmo.

Pessoas familiarizadas com a
Bíblia podem relembrar que Pedro encontrou uma jóia na boca de um
peixe. Embora eu não esteja sugerindo que a jóia de Pedro fosse uma
Silmaril, é igualmente plausível que algum peixe eventualmente tenha
engolido a Silmaril. Por milhares de anos esta jóia passou através das
vísceras de peixe após peixe por várias razões, ocasionalmente
encontrando seu caminho de volta para as profundas águas escuras.
Eventualmente, poderia encontrar seu caminho de volta para a terra
através dos auspícios de um pescador muito afortunado.

E então
as aventuras poderiam começar. A jóia poderia passar por vários donos
através dos séculos, recebendo menção em um ou dois tomos perdidos, até
que finalmente algum rico capitalista com atração por jóias que podem
prover poder ilimitado decide que ele absolutamente precisa ter a
Silmaril. Isto poderia ser maior do que a bomba atômica. Mas agora, ao
invés dos Nazistas, Jones deveria lutar com os Comunistas, que também
estariam desesperadamente procurando pelo artefato perdido como um meio
de derrotar a Alemanha nazista.

Jones deveria descobrir todas
as pistas vitais que levariam à antiga pedra dos Elfos sem deixá-la
cair não mãos dos capitalistas malignos os comunistas desencaminhados.
E, claro, alguns Nazistas podem estar procurando a solução final para
seus próprios problemas de energia. Que a Silmaril estivesse escondida
em um antigo templo Inca nos Andes não seria nenhuma surpresa para a
audiência, porque todo mundo sabe que foi dado ao Dalai Lama o cuidado
da jóia sagrada gerações atrás, e ele a enviou para o último refúgio
dos Elfos na Terra.

Claro, toda esta intriga pode parecer
demais para uma Silmaril. Talvez o artefato perdido seja um Palantir.
Imagine o que sua agência local de espionagem poderia fazer com um
desses bebês, e sabe-se que dois são sabidos terem sobrevivido
sobreviveram à Terceira Era. Um, é claro, estava completamente
inutilizável exceto por alguém de vontade muito forte e autoridade
absoluta, mas o outro Palantir [a Pedra de Orthanc] foi preservado
intacto. Aragorn a usou para manter a ordem em seu reino e descobrir
onde no mundo ele deixou seus chinelos.

O Reino Reunificado de
Arnor e Gondor permaneceu por muitas gerações após a morte de Aragorn.
Seus descendentes, embora de vida longa, gradualmente perderam sua
longevidade ao estilo do Gênesis e eventualmente tornaram-se
indistinguíveis dos outros Homens. Os herdeiros de Eldarion foram reis
por 100 gerações dos Homens [cerca de 2500 anos], e a Quarta Era
provavelmente terminou quando o último rei foi retirado de seu trono em
algum canto perdido e há muito esquecido do norte do mundo.

O
Palantir e o jovem filho do rei poderiam ter sido levados em segurança
por servos leais e um número limitado de Elfos da Floresta que eram
incapazes de construir navios para navegar cruzando o Mar. Os Elfos da
Floresta recuaram para as altas montanhas e educaram o garoto para
ser… o primeiro VERDADEIRO Dalai Lama [alguém que viveu séculos antes
de Sonam Gyatso, que foi apontado o primeiro Dalai Lama em 1578].
Incapazes de continuar suas vidas no mundo físico, os Elfos entregaram
a guarda do Palantir ao Verdadeiro Dalai Lama e seus seguidores, que
mantiveram o Palantir em segredo por mil anos antes de atreverem-se a
usá-lo novamente.

Finalmente, um descendente dos Altos Reis e
verdadeiro Herdeiro de Eldarion [de uma linha jovem da antiga família
real] reivindicou o Palantir e levou-o dos monges Tibetanos para buscar
por fortuna e restaurar seu reino, mas ele deparou-se com os inimigos
de Buddha e foi destruído. O Palantir foi perdido e os monges do Tibet
dispersos. Aos subseqüentes Dalai Lamas foi dado o nobre propósito de
governar o Tibet, mas eles não eram mais guardiões da Orbe Sagrada.

Em sua insana busca por poder sobre o mundo todo, Napoleão encontrou o
Palantir no Egito [onde estava escondido no nariz da Grande Esfinge, e
ele ordenou aos soldados que a liberassem atirando no nariz
repetidamente]. Napoleão levou o Palantir à França e com este ele
tornou-se o homem mais poderoso do mundo, mas um descendente de
Eldarion surgiu nas fileiras dos exércitos de Napoleão para tornar-se
um Marechal da França, e ele reivindicou o Palantir, levando-o para a
Suécia [sim, Marechal Bernadotte, que tornou-se Rei da Suécia e inimigo
jurado de Napoleão].

Percebendo que o Palantir era perigoso e
que não poderia ser protegido do mundo moderno, o governante Sueco
enviou-o através do mar para ficar escondido por décadas em um antigo
monastério Espanhol controlado por um braço secreto da ordem Jesuíta.
Contudo, enquanto o poder e a influência dos papas declinava, um monge
renegado começou a usar o Palantir para fazer fortuna ao tempo da
Primeira Guerra Mundial. Ele retornou para a França em 1914 e quando se
preparava para liberar seu terrível poder do conhecimento sobre o
mundo, os Alemães bombardeiam a vila na qual ele estava. O monge foi
morto e seu furtivo e esperto servo escapa com o Palantir, sem saber o
que a pedra faz, mas supondo que ela possui algum valor intrínseco
acima da riqueza normal.

30 anos depois, durante a Segunda
Guerra Mundial, o antigo assistente do monge renegado é agora
responsável por uma organização de espiões super-secreta que está
vendendo informações para ambos o lados da guerra. O governo dos
Estados Unidos suspeita da dupla traição, mas não pode arriscar seu
relacionamento com a organização de espiões. Então ele contrata o Dr.
Jones para investigar uma antiga ruína no Norte da África que parecer
ser a localização do esconderijo dos espiões. Jones chega à escavação
apenas para descobrir que os espiões já sabiam de sua chegada. Eles o
jogam em um poço com cobras e…

Por outro lado, o artefato
não precisa necessariamente ser Élfico. A Pedra Arken, por exemplo,
poderia ser uma fonte bastante poderosa de energia a seu próprio modo.
Indiana e Marcus Brody poderiam estar vagabundeando na antiga Casa dos
Arqueólogos e escutar algum conto fantástico sobre uma jóia lapidada
por antigos Anões. "Anões!" Brody poderia dizer. "Que besteira!
Certamente você não acredita neste conto fantástico, acredita, Indy?"

"Nah, Marcus. Mas existe um grão de verdade dentro de cada fantasia.
Existe algum tipo de jóia lá fora. Ela poderia salvar o museu."

"Você acha? Nós poderíamos pagar a hipoteca e evitar o fechamento do museu!"

"Yeah, Marcus, mas existe apenas um problema. A única pessoa que sabe onde encontrar a Pedra Arken é… o Dalai Lama."

E claro, existiriam Anões vagabundeando por aí e eles estariam
guardando com muito ciúme o segredo da Pedra Arken em sua fortaleza
secreta nos Andes. A estrada para a fortaleza subterrânea é guardada
por estátuas estranhas que parecem estar vivas, Druedain acocorados.
Estes homens humildes de boa natureza vivem primitivamente nas
florestas tropicais das montanhas Andinas, guardando o caminho de todos
os intrusos. Mas eles possuem um teste sagrado que irá revelar se
alguém é um herdeiro verdadeiro de Eldarion. Se ele puder passar pelas
Sete Estátuas os Anões saberão que ele é verdadeiramente digno de
herdar a Pedra Arken.

Então Indiana encontra o caminho na
encosta da montanha, vencendo uma estátua mágica após a outra e
descobrindo pouco a pouco que ele é o verdadeiro herdeiro de Eldarion,
encontrado pelo destino para restaurar os antigos tesouros da
Terra-média para um mundo que precisa desesperadamente de suas
virtudes…

Ou, poderia existir uma companhia de lenhadores
que procura o aposentado Indiana Jones para perguntar a ele sobre
algumas estranhas árvores que eles encontraram vivendo na floresta
tropical da África. Enquanto Jones escuta o seu fantástico relato sobre
como as árvores parecem ter vida e defender a floresta contra todas as
tentativas de cortar a madeira da floresta, ele se lembra de uma
aventura de seus dias de juventude, quando ele estava procurando a
coroa perdida de Gondor na Etiópia e subseqüentemente encontra um
caminho para o centro da África. Lá, em uma cidade cercada por árvores
que se movem vivia uma bela rainha Élfica cujo povo era ameaçado por
trolls e orcs.

Claro, pode ser também que eles apenas enviem
Harrison para procurar por um artefato pré-histórico do espaço, uma
espécie de arma, uma espada de luz, que foi usada muito tempo atrás em
uma galáxia muito, muito distante…

[Tradução de Fábio ‘Deriel’ Bettega]