Arquivo da categoria: Hobbit – O Filme

Evangeline Lilly e a Polêmica Envolvendo uma Elfa, um Elfo e um Anão

Hobbit-Desolacao-de-Smaug-15Nov13-2

Atenção! SPOILER! Se você ainda não assistiu O Hobbit: A Desolação de Smaug, sugerimos que não leia o texto abaixo, pois ele contém revelações sobre certa passagem da trama.

***

O leitor que já foi ao cinema assistir ao segundo capítulo da trilogia O Hobbit deve se lembrar de certa passagem do filme envolvendo uma nova elfa, um conhecido elfo, e um polêmico anão sem barba. Sim, estamos falando do triângulo amoroso envolvendo Tauriel, Legolas e Kili.

Como é comum em adaptações, há passagens em que os fãs são quase unânimes em apontar quais são as melhores, já outras dividem opiniões, enquanto que determinadas passagens desagradam a maioria. O famigerado triângulo amoroso Tauriel-Legolas-Kili parece fazer parte dessa terceira categoria, pelo menos é o que evidenciam algumas críticas profissionais e as opiniões dos fãs em nosso Fórum de discussão e em comentários de notícias.

Em uma recente entrevista dada a jornalistas de Los Angeles, durante a promoção de O Hobbit A Desolação de Smaug, a atriz Evangeline Lilly e a co-roteirista Philippa Boyens (parceira de longa data de Peter Jackson na produção de seus filmes) conversaram entusiasticamente sobre a formação da personagem Tauriel e como surgiu a tão controversa ideia de colocar uma elfa dividida entre o amor de um príncipe-élfico e um anão.

Nesta entrevista descobrimos que quando Lilly concordou em assumir esse papel, ela havia colocado uma condição aos produtores: não ser pega em um triângulo amoroso. Lembremo-nos de que a atriz, quando intérprete do papel de Kate Austen em Lost, já tinha experimentado este tipo de situação no contexto da série. Inicialmente Peter Jackson concordou com esta condição, mas parece que ele e os estúdios decidiram o contrário. Acompanhe os trechos mais significativos.

***

Evangeline Lilly conta inicialmente como Peter Jackson e Philippa Boyens estavam procurando-a e como finalmente a encontraram e por telefone ofereceram  a ela o papel da elfa:

Evangeline Lilly: [...] E assim acabaram conseguindo falar comigo, e, é claro, porque O Hobbit foi o meu livro favorito quando era pequena e os Elfos Silvestres eram meus personagens favoritos no livro, e como seria um sonho interpretar um, eu agarrei a oportunidade. Eu peguei o telefone rapidamente. E então eles disseram: “Seu personagem não está no livro.” E fiz uma longa pausa, como uma grande fã de Tolkien. Eu meio que engoli a seco e disse: “O quê? Todo mundo vai me odiar.” Não demorou muito para eles convencerem-me completamente de que era a coisa certa a fazer e foi uma boa ideia.

O-Hobbit-A-Desolacao-de-Smaug-banner-11Nov2013_02Philippa Boyens: Eu me lembro daquele telefonema, e eu me lembro daquele momento em que eu disse: “É uma história de amor, não é uma história de amor convencional.” E você disse algo como, “Certo, certo… “. E eu: “Com um anão”. Fez-se silêncio, e então eu disse, “Mas espere, eu vou lhe enviar uma foto! É Aidan Turner, por isso está OK!” Eu a mandei, e então você disse, “OK , sim, sim…”.

Lilly: Ela fez isso. E me disse: “Ele é tããão bonito. Basta esperar para ver”. Mas naquele primeiro momento ela não disse que haveria uma história de amor! Phil pode não se lembrar disso, mas eu concordei com o trabalho sob uma condição. Uma condição, e eles concordaram com a condição, e essa condição foi colocada há dois anos. A condição era que eu não seria envolvida em um triângulo amoroso. Certo? Porque qualquer um de vocês que são fãs de Lost, sabem que eu estive até aqui só envolvida em triângulos amorosos. E como é conhecido, eu voltei para as refilmagens de cenas em 2012 e disseram: “Fizemos alguns ajustes para a história de amor.”

Boyens: Bem, isso é verdade, realmente não havia um triângulo, não havia. Mas o que aconteceu foi que quando vimos isso acontecendo, aquele primeiro encontro entre Kili e Legolas, aquele tipo de troca de olhares, foi tão perfeito que ficamos como… E também interessante com Legolas, porque uma das coisas que nós estávamos tentando fazer foi que ele odeia Anões em A Sociedade do Anel. Há essa animosidade, todo esse tipo de… Que tinha que ter vindo de algum lugar. Como foi isso? E nós queríamos torná-lo um pouco mais emocional do que apenas: “Eu não gosto deles.”

Lilly: E interpretou bem.

Boyens: E depois também quando você voltou, eu disse: “Oh, não, Deus, espere aí. Orlando Bloom, Aidan Turner – você está presa entre os dois. Sinto muito, tem algum problema?”

boyens-mainJornalista: Convencer seus atores que seus roteiros estão OK é algo que você tem que fazer muitas vezes, Philippa?

 Boyens: Só com Tauriel, porque Evangeline não está brincando, ela é uma grande fã de Tolkien, você estava preocupada, e nós entendemos isso, mas nós não explicamos direito de onde isso veio: da relação entre Gimli e Galadriel que era algo muito puro, esse tipo interessante de amor. E, também, da feminilidade que faltava, porque o Professor Tolkien realmente escreveu fantásticas personagens femininas, mas ele simplesmente não escreveu nenhuma para O Hobbit. E você entendeu imediatamente – e você foi corajosa, e você disse sim, e fizemos.

Lilly: E em sua defesa, Tolkien estava escrevendo em 1937. O mundo era um lugar diferente de hoje, e eu continuo a dizer repetidamente para as pessoas de hoje, que colocar nove horas de filme nos cinemas para jovens meninas assistirem, e não ter uma única personagem feminina para elas se espelharem é subliminarmente dizer-lhes: “Vocês não contam. Você não é importante, e você não é fundamental para a história”. E eu acho que eles foram muito corajosos e muito brilhantes, dizendo: “Nós não vamos fazer isso com o público jovem do sexo feminino que for ver o nosso filme.” E não só o público jovem feminino, mas até mesmo uma mulher da minha idade, eu acho que é hora de parar de fazer histórias que são apenas sobre os homens – especialmente só sobre homens heroicos. E eu amo que eles tenham feito Tauriel uma heroína.

***

A ideia de criar uma personagem feminina para a adaptação O Hobbit é antiga, e vem desde os primórdios do projeto, quando o diretor mexicano Guillermo Del Toro era oficialmente o diretor da produção. Em outra entrevista, a roteirista Philippa Boyens revelou que uma das contribuições de Del Toro para o filme foi com a criação da personagem (mas não para o romance triplo).

“Ele estava lá quando decidimos [sobre] a personagem feminina”, diz Boyens. ”E ele era um forte apoiador da ideia. O que é bom nisso é que você está assumindo um risco. Você está brincando com a história de outra pessoa, e você tem um jeito de fazer isso e da maneira certa. E [Del Toro] era alguém que dizia: ‘Sim, nós devemos fazer isso!’”

Curiosamente, Evangeline Lilly não tinha conhecimento da contribuição de Del Toro para a criação de sua personagem.

“Eu nunca conheci Guillermo”, diz ela. ”Eu nunca falei com o Guillermo e nunca tive o prazer de conhecê-lo, então eu pensei que havia sido Pete [Jackson], Fran [Walsh] e Phil [Boyens] que a haviam criado”.

Parece que Tauriel foi um nome pensado exclusivamente para Lilly e criado depois que Peter Jackson assumiu a direção, no entanto. Na época do comando de Del Toro, a personagem feminina era creditada como Itaril e tinha a atriz irlandesa Saoirse Ronan como a principal candidata a dar vida à elfa da floresta (leia mais sobre isso AQUI).

Fontes: Yahoo Movies, Spinoff e TotalFilms

Ian McKellen espera ser lembrado pelo seu papel como Gandalf

McKellenGandalf-Valinor

Sir Ian McKellen pode ter desempenhado inúmeros personagens clássicos em sua longa carreira no teatro e no cinema, mas ele diz que o mago Gandalf, dos filmes O Hobbit e O Senhor dos Anéis, é o papel pelo qual vai provavelmente ser lembrado quando morrer. Ele disse:

“Quando eu morrer, o que eles dirão é, ‘morre Gandalf’”.

 Ele acrescentou que nunca se cansou do papel e ficou encantado por poder reprisá-lo em O Hobbit.

“Parece que é uma grande responsabilidade. Não sinto ser assim. O trabalho tem sido maravilhoso para mim por um longo, longo caminho, e há muito tempo. Normalmente você interpreta um papel e é isso. Às vezes, se você tiver sorte, pode repeti-lo. Mas ele não é assim para mim: ‘Oh, eu tenho que ir e fazer o Gandalf de novo’. Nunca me senti assim. Essas histórias são tão maravilhosas e a produção e o elenco são tão variados e divertidos que eu adoro voltar para a Nova Zelândia, onde filmamos. Por isso, não é uma obrigação maçante para mim.”

 Assim como em muitos lugares no mundo, o filme O Hobbit: A Desolação de Smaug também teve sua pré-estreia em Nova York na semana passada, e Ian McKellen fez uma aparição surpresa para os fãs no cinema AMC Lincoln Square, na madrugada do primeiro dia de exibição do filme.

Quando o ator subiu ao palco em frente ao telão antes que o filme começasse, o público pulou das cadeiras e em pé ovacionou o intérprete de Gandalf. O ator disse à multidão:

“Parabéns por ser este o primeiro público em Nova York a ver ‘A Desolação de Smaug’ . Este é o lugar onde eu queria estar agora. Já vi o filme. Vocês terão momentos maravilhosos. A sequência do dragão é um pouco longa, mas caramba, como é feroz.”

McKellen também relembrou os tempos de O Senhor dos Anéis, quando tudo que envolvia a ambiciosa produção era cercado de incertezas e riscos.

“Peter Jackson acredita que este [‘A Desolação de Smaug’] é o melhor dos cinco até agora e os críticos parecem concordar com ele. E eu só quero que vocês saibam que quando estávamos fazendo ‘O Senhor dos Anéis’, todos aqueles anos, no início do século, nós realmente não sabíamos se alguém iria querer ir ao cinema vê-lo. E aconteceu que vocês e outras pessoas gostaram dele. Assim, quando nós voltamos para fazer cenas extras para ‘O Senhor dos Anéis’, era como se estivéssemos fazendo esses filmes para pessoas que realmente se importavam. E o mesmo vale para ‘O Hobbit’.”

Você pode ver o vídeo, gravado por um fã, em que McKellen aparece no cinema novaiorquino:

Enquanto isso, aos 74 anos, Sir Ian não pensa em parar. Está agora ocupado com seu novo filme que será sobre um idoso Sherlock Holmes, acrescentando que sua versão será diferente da de seu colega e conterrâneo, e que também trabalha em O Hobbit, Benedict Cumberbatch, da série Sherlock, onde atua com Martin Freeman (Bilbo em O Hobbit e Watson na série da BBC). Ele acrescentou que também gostaria de estar em um filme de James Bond, talvez interpretando um vilão. No cinema poderá ser visto no ano que vem na sequência O Hobbit: Lá e De Volta Outra Vez (dezembro de 2014) e novamente como o mutante Magneto, em X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido (maio de 2014).

Fontes: WiganToday e DailyNews

Richard Armitage fala sobre cena cortada de “A Desolação de Smaug”, 3º filme e “O Silmarillion”

the-hobbit-the-desolation-of-smaug-59bac723Atenção! As declarações de Armitage sobre as cenas cortadas de A Desolação de Smaug podem ser SPOILERS para você, apesar de pouco reveladoras. Porém,  não leia se não gosta de detalhes da trama!

***

O ator inglês Richard Armitage, que interpreta do anão Thorin Escudo de Carvalho na trilogia O Hobbit, conversou com o Indiewire – The Playlist sobre as cenas cortadas de Gandalf e Thrain, pai de Thorin. Desde os primeiros trailers, cenas do encontro entre o Mago e o Anão foram vistas, mas não apareceram nos filmes Uma Jornada Inesperada e A Desolação de Smaug. “Há muito material cortado, e algumas coisas têm de acabar indo embora. Coisas que levam semanas para filmar desaparecem, e é triste, mas é importante para manter  a unidade do filme”, disse. Confira o que mais o ator comentou sobre isso.

Existe algum material que foi cortado de um dos dois primeiros filmes, possivelmente recuperado para o próximo filme ou versão estendida, e que você acha que é fundamental para o seu personagem, e que espera que o público possa ver?

R.A.: Sim, e eu não tenho certeza se vai acabar no terceiro filme, então eu não vou falar sobre isso com muitos detalhes. Mas Thrain, que é o pai de Thorin, tem uma grande sequência com Gandalf encontrando-o, e um flashback de quando Thorin e Thrain estavam lutando lado a lado no campo de batalha e Thrain está perdido, é por isso que Thorin sai em sua busca em primeiro lugar. Então, podem colocar isso em uma versão estendida, mas também pode aparecer em algum lugar no terceiro filme.

________________________________________

Sequência de imagens do encontro (e confronto) entre Gandalf e Thrain em Dol Guldur, 1º trailer de Uma Jornada Inesperada (clique nas imagens para ampliá-las):

GandalfVSThrain-DolGuldur-Valinor01

Gandalf e Thrain andam pelos labirintos de Dol Guldur, cena de bastidor vista em um dos videoblogs:

Screen Shot 2013-07-01 at 2.43.02 PM

Thrain na Batalha de Moria, extras da Edição Estendida de Uma Jornada Inesperada:

thrain-moria_Valinor

Thrain salta sobre Gandalf em Dol Guldur, cena do 1º trailer de A Desolação de Smaug:

 Thrain_salta_sobre_ Gandalf-DolGuldur_Valinor

Armitage também falou um pouco sobre o terceiro e último filme, O Hobbit: Lá e De Volta Outra Vez.

“[...] o dragão é a jóia da coroa deste filme ['O Hobbit: A Desolação de Smaug'], mas acho que no terceiro filme será a Batalha dos Cinco Exércitos. Tem de ser uma das maiores cenas de batalha jamais imaginadas. E Pete é realmente interessado em guerra, a primeira Guerra Mundial e aviões, e esta é uma batalha [a dos Cinco Exércitos] tridimensional porque acontece na terra e no ar. Então eu acho que vai ser muito espetacular.”

“[...] eu realmente gostei muito de algumas das coisas que não estão no livro também. Eu acho que é importante saber aonde Gandalf vai, e eu não sabia nada sobre isso até há pouco tempo, mas até ver o surgimento de Sauron Necromante e a formação do exército de orcs, isso realmente acabou fazendo sentido para mim. Porque quando entramos na Batalha dos Cinco Exércitos no terceiro filme, quando a guerra realmente eclode, não se trata apenas de exércitos se unindo para lutar, há verdadeiro propósito por trás disso, e propósito político, eu acho.”

Richard Armitage também falou à MTV News e disse que depois da trilogia O Hobbit espera poder ver mais da Terra-média no cinema. Ele espera ver O Silmarillion virando filme pelas mãos do diretor Peter Jackson. Para ele, ver este livro sendo adaptado para o cinema não é uma questão de “se”, mas “quando”.

“Tenho certeza de que a sedução provocada pelo ‘O Silmarillion’ vai trazê-lo [PJ] de volta à Terra-média. Embora só Deus saiba quanto tempo vai demorar”.

O ator sabe dos problemas que cercam uma (im)possível adaptação do mais mítico e complexo livro do Professor Tolkien e da inimizade entre os herdeiros do autor, que detêm os direitos sobre a obra, com a Warner Bros. Mas Armitage diz não duvidar da perseverança de Peter Jackson, que dedicou grande parte de sua carreira a retratar a Terra-média nos cinemas.

“Nunca diga nunca”, continuou Armitage. “Eu acho que ele ama a Terra-média. E penso que ele está destinado a isso. Ele adaptou todo esse mundo do qual Tolkien fala. É óbvio que é irresistível para ele.”

Oficialmente, a Terra-média será vista no cinema pela última vez em O Hobbit: Lá e De Volta Outra Vez, filme que fecha a nova trilogia de Peter Jackson e que estreia em dezembro de 2014.

As Incríveis Artes Conceituais de Smaug, Beorn Urso e Outros!

O Designer Andrew Baker postou em seu blog algumas artes conceituais de personagens de O Hobbit: A Desolação de Smaug que ele ajudou a criar, como o fantástico dragão Smaug e Beorn em sua forma de urso, para a WetaWorkshop Design Studio. Confira o seu magnífico trabalho!

 Atenção! SPOILER! Há algumas imagens do rosto do dragão Smaug. Apesar de artes conceituais, o desenho é muito próximo do resultado final visto no segundo filme O Hobbit. Por isso, se você ainda não foi ao cinema vê-lo, não veja as imagens!

***

Baker diz que trabalhou pouco no conceito do urso que Beorn se transforma, mas abaixo você pode notar sua contribuição:

WB_Beorn_04_abaker  WB_Beorn_03_abaker  WB_Beorn_06_abaker

WB_Beorn_01_abaker  WB_Beorn_02_abaker

Azog e Aranhas da Floresta das Trevas:

WB_AzogBodFin_V1_AJB  WB_MirkSpiders_04_abaker

Sobre Smaug, Andrew Baker diz que muitas mãos contribuíram para o visual dessa criatura incrível e completa dizendo ter ficado muito feliz com o resultado final, já que há muito do seu trabalho no Smaug do filme.  Também faz uma menção especial para John Howe, Alan Lee, Jamie Beswarick, Dan Cockersell, Greg Tozer, Gus Hunter, Mike Asquith e a equipe Weta Digital, todos envolvidos na criação do grande dragão.  O envolvimento de Baker no projeto foi focado principalmente na cabeça e um pouco da arte final. Os desenhos:

 WB_Smaug_01a_abaker  WB_Smaug_00_abaker  WB_Smaug_03_abaker

WB_Smaug_04_abaker

 

Confira mais a incrível arte de Andrew Baker em seu blog:  http://andbakerdesigns.blogspot.de/

Todas essas imagens e muitas outras podem ser vistas no livro The Hobbit: The Desolation of Smaug, Chronicles: Art & Design.

Família Tolkien realiza pré-estreia especial de “O Hobbit: A Desolação de Smaug”

Parte da família do autor J. R. R. Tolkien realizou na semana passada uma pré-estreia do segundo filme da trilogia O Hobbit, adaptação do famoso livro de Tolkien.

zz171213PFLtolkien-6428402

O evento teve como objetivo levantar fundos e conscientização social para o MS Centre em Saltney, onde Mike Tolkien, bisneto do autor, faz tratamento contra uma doença neuromotora que afeta o sistema nervoso, por isso usa cadeira de rodas para se locomover. Mike, que tem 38 anos, frequenta o centro de tratamento há um ano.

Voluntários e funcionários foram convidados para o evento que exibiu O Hobbit: A Desolação de Smaug como uma forma agradecimento pela sua ajuda e apoio a Mike durante o ano passado.

“Nós somos uma família muito unida e isso foi bom para dar a Mike o carinho e o apoio extra que ele precisava para sair – é muito difícil quando se é uma pessoa tão ativa e de repente perder tudo isso e estar em uma cadeira de rodas – é preciso muita coragem”, disse Mandy Doyle, a irmã de Mike.

Mike Tolkien também teve uma grande surpresa antes de ver o filme. No telão foram exibidas mensagens de apoio do diretor Peter Jackson e de estrelas do seu elenco, como Martin Freeman (Bilbo) e Benedict Cumberbatch (Smaug e Necromante).

O irmão de Mike, Royd Tolkien (no centro da imagem acima, ao fundo), disse:

“Mike amou as mensagens de todos os astros. Nós só tivemos uma semana para organizar tudo e não tínhamos certeza se isso realmente aconteceria. Mas quando eu os vi, isso me surpreendeu. Foi muito emocionante e as mensagens  foram únicas. Foi fantástico.”

 A noite de exibição do filme arrecadou mais de £ 700 (R$ 2,700 aproximadamente) para a instituição, que é o único centro de tratamento na região de Cheshire, North Wales, Wirral e Merseyside dedicado a tratar a doença que atinge Mike Tolkien. Jane Johnston-Cree, gerente do centro, disse: “Estamos muito gratos à família Tolkien e Warner Brothers por nos apoiar e levantar recursos fundamentais e para nosso fundo de caridade.”

Fonte: DailyPost 

Localize-se na Família Tolkien

Os irmãos Mike e Royd Tolkien (citados acima) são bisnetos do autor J. R. R. Tolkien e netos de Michael Tolkien, segundo filho do autor e  irmão de Christopher Tolkien, executor oficial do espólio de Tolkien, responsável pela publicação de suas obras póstumas, e presidente da Tolkien Estate, empresa que legalmente gerencia os direitos autorais das obras de J. R. R. Tolkien com exceção dos direitos de filmagem e marketing do O Hobbit e do O Senhor dos Anéis.  Royd e Mike são, portanto, sobrinhos-netos de Christopher Tolkien.

Christopher Tolkien não tem envolvimento algum com as adaptações cinematográficas dos livros de seu pai e, na verdade, foi e continua totalmente contra a produção desses filmes. Sempre que acha pertinente recorre à justiça para garantir os direitos da família sobre as adaptações, ou supostos direitos.

Já no sentido inverso, o ramo da família Tolkien derivado de Michael Tolkien pouco se importa e até incentiva as adaptações. É o caso de Royd Tolkien, que participou como figurante no filme O Retorno do Rei (como publicamos AQUI) e tornou-se amigo do diretor Peter Jackson, responsável pelas adaptações dos livros de seu bisavô. Royd tem pouco contato com o ramo da família chefiado por Christopher Tolkien.

Christopher Lee fala sobre sua participação no 3º ‘O Hobbit’ e Heavy Metal

tumblr_mjw96dVXu21s4ufzko1_500

Sir Christopher Lee pode não ter aparecido em O Hobbit: A Desolação de Smaug – o segundo capítulo da nova trilogia cinematográfica de Peter Jackson – mas o célebre ator postou em seu canal no YouTube um vídeo com sua costumeira mensagem de Natal aos fãs e prometeu que o mago Saruman vai aparecer significativamente no próximo filme e final da saga – O Hobbit:  Lá e De Volta Outra Vez (que estreia em 17 de dezembro de 2014).

“Há muito de mim nele, muito”, disse Lee. Ele acrescentou que os fãs também podem esperar para ver “uma boa quantidade de combates, lutas com espadas”.  Sir Christopher disse também que o Saruman de O Hobbit ainda não é o malévolo mago de O Senhor dos Anéis, e que neste terceiro filme haverá “compreensão, simpatia, gentileza para com Galadriel, para com Gandalf. Eu não vou dizer mais porque isso estragaria a história. Mas é no terceiro filme em que tenho mais para mostrar. Espero que eu consiga ver isso”, acrescentou o nonagenário ator.

christopher-lees-a-heavy-metal-christmas-too-musicNos últimos anos, Lee tem postado vídeos com mensagens de Natal, e neste ano ele aparece com um chapéu colorido em homenagem a seu amigo e frequente colega de elenco Vincent Price, que morreu em 1993. Neste vídeo, além de falar sobre sua participação em O Hobbit, o ator falou sobre o lançamento de seu novo single de Natal, entre outras coisas.

De acordo com o Whiplash.net, o novo single inclui duas canções: “Jingle Hell”, que é uma sátira de “Jingle Bells”, onde ele canta com a soprano clássica Li Li. “Eu canto outra versão, que é um pouco mais impertinente. Ela não é ruim, eu quero dizer ruim no sentido de desagradável. É divertida, e certamente diferente”, disse o ator.

Na segunda música, “My Way”, que não é exatamente uma canção de Natal, os vocais foram registrados no ano de 2006 para uma versão cover da canção que ficou famosa por Frank Sinatra e remixada agora somente para este single. “Eu tinha 84 anos quando eu a cantei e minha voz estava mais alta do que é agora”, revelou.

No Natal do ano passado, Lee lançou o single “A Heavy Metal Christmas”, que inclui as canções “The Little Drummer Boy” e “Silent Night” . Aos 91 anos, no início deste ano, Sir Christopher Lee tornou-se o mais velho intérprete de heavy metal da história quando lançou o álbum conceitual “Charlemagne: The Omens Of Death”, segundo onde ele interpreta seu histórico antepassado, o imperador e rei dos francos Carlos Magno. O primeiro foi “Charlemagne: By The Sword and The Cross”.  Confira abaixo seu vídeo (sem legendas em português) e ouça os singles natalinos deste e do ano anterior.

* Christopher Lee – Christmas Message 2013

* 2013 – A Heavy Metal Christmas Too

* 2012 – A Heavy Metal Christmas

 

Fontes: Los Angeles Times e Whiplash.net