Um novo Elfo em Arda

Era uma noite escura e fria. Dois Anões estavam acampados na floresta das trevas, após uma visita para a família Greenleaf, estavam fumando cachimbo e conversando, eles assavam um coelho na fogueira. Então, uma sombra passou rapidamente pelos ares.
 
- O que foi isso? Perguntou um Anão se levantando.
- Não sei…- o outro olhou ao redor.
Novamente o vulto tornou a pairar sobre eles, apavorado um dos anões pegou o machado.

 

- Quem está ai? – olhou em volta, com o machado firme na mão – Por que se esconde?
O vulto pousou entre as árvores, os anões assustados se aproximaram da fogueira, então uma grande figura foi até eles, usava vestes brancas assim como o capuz que ocultava seu rosto.
– Q-quem, é é v-vo-você? – Gaguejou um dos anões.

O estranho tirou o capuz e a capa, assim mostrando uma linda armadura prata, na cintura uma espada embainhada com o cabo dourado. O jovem aparentava ter 17 anos, tinha olhos azul claro, alto (1,70), cabelos castanhos claros e meio espetados, uma face bela, um jeito gentil e nobre, olhar calmo e sereno.

– Eu sou Atan Anagar (Divino Guerreiro, Que Sempre Ira Amar) filho de Antan Anagar! – falou calmamente.
– Que diabos é isso nunca ouvimos falar de nem uma família Anagar! – Suspeitou um anão.
– Vim de Realms onde meu pai governa, fora do cinturão de Arda.
– Impossível! Não tem como isso acontecer! – retrucou o anão.
– Por Eru, como chegaste nessas terras? – O Segundo Anão falou.
-Simples…- Um Cavalo, branco com azas de Pégasus e Cifre de Unicórnio apareceu atras do rapaz. Vim no Arnion, uma criatura parte pégasus parte unicórnio.

Os anões olharam assustados para, então, notaram as orelhas pontudas dele.
– Você é um elfo? – Falaram assustados.
– Sim… – disse ele.
– Por saiste de tua terra natal?
– Meu deus Helm, deus dos guardiões e protetores, ordenou-me que viesse para Arda. Sou um dos protetores de minha Terra. O protetor do Amor pra ser mais exato.
Os anões baixaram as armas.
– Eu sou Gleg e esse é Hung! Somos dois anões mineradores.
– É um prazer conhecer os senhores!
– Prazer nosso! – Disse Glegd, fazendo uma reverência.

Assim eles conversaram a noite, até ficarem com sono e dormirem.
Ao amanhecer, Atan estava arrumando as coisas.

– Onde vais Anagar? – Perguntou Hung curioso.
– Encontrar com Aquila!
– Quem é Aquila? – perguntou o Anão.
– A maga que me criou! – Respondeu montando em Arnion – Espero que nos reencontremos! – Arnion levantou vôo e partiu.

Atan viajou durante três dias para encontrar Aquila, e a encontrou no ponto marcado, ele viu a traz de uma arvore, uma jovem aparentando ter 18 anos, vestindo vestes azuis, cabelos castanhos assim como os olhos.

{mosimage}

– Atan! – Aquila abraçou o amigo.
– Aquila! É tão bom ver você!
– Então como foi de viagem?
– Bem, puxa, Aquila você tinha razão, Arda é um lugar lindo. Estou deslumbrado, com tanta beleza!

Aquila sorriu e disse ao amigo.
– Você ainda não esteve em Gondor e nem em Edoras. Esses reinos se fortaleceram deis do fim da guerra do Anel.
– “Guerra do Anel”?
– Sim, a guerra contra o senhor do Escuro, Sauron.
– A sim…Agora me recordo!
– E o reinos dos elfos, Valfenda, Lothlórien…_disse Aquila.
– A comitiva do Anel! Frodo, Sam, Pipin, Merry, Aragorn, Legolas, Gilin, Faramir, Gandalf! – disse Atan, muito empolgado – Arwen, Galadriel! A família Greenleaf
– Acalma-te! Sei que é tudo novo pra você, mas isso você ira conhecendo aos poucos! – Falou Aquila – Primeiro vemos ao Pônei Saltitante!
– Certo! – sorriu Atan.

Assim os dois pegaram as mochilas e colocaram-se a caminhar pela floresta. De tarde eles chegaram a vila de Bri. As ruas estavam cheias de pessoas, todos se esbarravam.
– Por aqui Atan! – chamou Aquila, até a porta de Pônei Saltitante.

Os dois entraram, se sentaram em uma mesa.
– Vão querer o que? – Perguntou Carrapicho para os dois.
– Nada…Por enquanto!

O taverneiro se retirou.
– Não vamos ficar aqui por muito tempo…Voltaremos à floresta das trevas, lá eu mostrarei o seu palácio… – disse Aquila.
– Legal…Essa taverna é sempre tão movimentada assim?
– Sim, várias pessoas vem aqui, conhecer novas pessoas…Até os membros da comitiva do Anel!
– Então farei o possível pra estar aqui sempre! – disse Atan sorrindo olhando as raças se misturando.

Passado um tempo, Aquila e Atan foram embora.
– Bem, agora eu vou te levar para sua casa.

Os dois andaram até a floresta das Trevas. E quando lá chegaram, viram um grande palácio feito de ouro e prata.
– É aqui? – perguntou Atan surpreso.
– Sim! Gostou?
– Uau! Sim… Estou encantado com tanta beleza.
– Bom, é essa a tua casa! Aquila se virou e sumiu entre as arvores.

E foi assim que Atan Anagar, veio a terra de Arda.