Press Release do Livro do Curso de Quenya

Livro ensina língua falada pelos elfos de J.R.R. Tolkien

Parceria entre editora e site traz para o Brasil curso de quenya, principal idioma ficcional do autor de O Senhor dos Anéis


Muitos escritores de fantasia já tentaram reproduzir o grande número de povos e regiões que enchem as páginas de O Senhor dos Anéis, mas poucos se arriscaram a imitar os fundamentos do universo do livro: os diversos idiomas ficcionais criados por seu autor, o inglês J.R.R. Tolkien. Ao criar línguas com milhares de palavras e fonologia e gramática detalhadas, Tolkien alcançou um nível sem precedentes de consistência narrativa e literária. Um livro lançado agora no Brasil traz uma visão abrangente sobre a principal dessas línguas e promete agradar a velhos e novos fãs do universo da Terra-média.

Curso de Quenya – A Mais Bela Língua dos Elfos, editado numa parceria entre a editora curitibana Arte & Letra e o site tolkieniano Valinor (www.valinor.com.br), chega às livrarias nesta semana. O livro nasceu do curso de quenya (ou alto-élfico, como também é conhecida essa língua ficcional) desenvolvido online pelo filólogo norueguês Helge Fauskanger, um dos maiores especialistas do mundo em lingüística tolkieniana. É a primeira vez que o curso ganha o formato de livro impresso, embora a Valinor já tivesse publicado uma versão traduzida dele. O curso original pode ser encontrado com os outros estudos de Fauskanger no site Ardalambion (http://www.uib.no/People/hnohf/)

“Isso é história acontecendo diante de nossos olhos e nas nossas mãos”, brinca Fábio Bettega, editor e fundador da Valinor. “Falando sério, acho que o livro amplia muito o acesso das pessoas no Brasil a conteúdo tolkieniano de qualidade, que ainda é relativamente escasso por aqui.” Thiago Marés, editor responsável pelo livro, mostra o mesmo entusiasmo: “A editora tem um grande interesse em publicações de fantasia, e nada melhor do que começar com Tolkien, que foi um divisor de águas nesse gênero. O livro não interessa apenas a fãs de Tolkien, mas a todas as pessoas que apreciam a força da imaginação”.

O quenya (literalmente “a fala”) começou a ser elaborado por J.R.R. Tolkien nos anos 1910 e continuou sendo refinado pelo autor até sua morte, em 1973. Falado pelos elfos mais sábios e nobres da Terra-média, o idioma aparece, por exemplo, na canção entoada por Viggo Mortensen no último filme da série O Senhor dos Anéis e em diversas passagens dos livros. Sua estrutura gramatical e fonologia foram influenciadas principalmente pelo latim, pelo finlandês e pelo grego, e sua sonoridade, especialmente nas vogais, lembra bastante o português.

O curso está estruturado em 20 lições que permitem ao leitor se familiarizar com a pronúncia, o vocabulário e a gramática do quenya, mesmo sem conhecimento nenhum de filologia ou lingüística. Como Fauskanger faz questão de frisar, Tolkien não deixou vocabulário suficiente para que fosse possível conversar casualmente em quenya, mas é possível escrever com relativa fluência na língua, e há uma literatura crescente em alto-élfico sendo desenvolvida por fãs e estudiosos (principalmente traduções de autores clássicos e poesia composta originalmente nessa língua). Estimativas sugerem que o quenya é a segunda língua artificial mais utilizada no mundo, perdendo apenas para o esperanto.

A tradução do original em inglês ficou a cargo de Gabriel Oliva Brum, do curso de Letras da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e um dos principais estudiosos de lingüística tolkieniana no Brasil.

Informações técnicas

Editora: Arte & Letra
Ano: 2004
Número de páginas: 448
Acabamento: lombada quadrada e costurada
Formato: 21×14 cm

Contatos para a imprensa:

Thiago Marés (ispaine@valinor.com.br), editor da Arte & Letra
Fábio Bettega (bettega@valinor.com.br), editor do site Valinor
Reinaldo José Lopes (rj.lopes@terra.com.br), editor do site Valinor – tel.(16) 9147-5854

Comentários