Lá e de Volta Outra Vez: As Férias de um Hobbit – Capí­tulo 4

Autores: Smaug, Imadofus, Proview, Bagrong e Fëanor ¥.

 

 Das Datas e Dos Acontecimentos:

 

Ao redor do fogo haviam elfos, desfrutando de um belo banquete. Movidos pelo cansaço e pela fome, os anões tentaram alcançar o fogo, mas a cada vez que se aproximavam, ele desaparecia repentinamente, junto com elfos. Como já é sabido, anões são famosos por sua teimosia. Assim, após a terceira tentativa de alcançar o fogo, Thorin acabou sendo capturado pelos elfos.
Em meio à escuridão, os anões acabaram capturados por aranhas. Bilbo, porém, não deixou que o mesmo lhe ocorresse, e, após derrotar a aranha que tentou pegá-lo, foi ao resgate de seus companheiros. Eles ainda estavam vivos, e então Bilbo usou de sua astúcia para despistar as aranhas do local onde os anões estavam enredados. Libertados os anões, travou-se uma batalha, enquanto o grupo fugia na suposta direção de onde haviam vindo.

Neste evento que Bilbo nomeou sua espada de Ferroada, além de ganhar mais respeito da parte dos anões, já que ele os salvara. O grupo fora bem sucedido na fuga, porém no dia seguinte, 23 de agosto, eles acabaram capturados pelos Elfos da Floresta, os mesmos que haviam levado Thorin. Bilbo contudo conseguiu escapar, usando o Anel. Invisível, ele acompanhou os elfos e seus companheiros, que estavam amarrados e vendados.

Assim, acabou por chegar ao reino élfico, atravessando o Portão do Rei Élfico, que dava entrada à caverna, sede do reino[1]. O Rei Élfico era Thranduil, que outrora habitara com Thingol e Melian. Uma ponte de pedra conduzia aos portões, e a sala do trono era um grande salão com colunas. Para esse salão os anões foram levados à presença do rei e em seguida, após recusarem revelar seu objetivo, presos em celas separadas, sem saber que seu líder ali também estava. Foi Bilbo quem acabou por descobrir isso, uma vez que vagava livremente pelas cavernas sem poder ser visto.

Muitos dias se passaram, e Bilbo teve tempo suficiente para estudar o local, e tentar armar uma fuga. Acabou descobrindo onde cada anão estava preso, e descobriu também como iriam fugir: dentro de barris vazios, que os elfos atiravam ao rio subterrâneo, através de alçapões na adega do rei. Tais barris seguiam a correnteza do rio até as proximidades da Cidade do Lago, com quem eles comercializavam. Os barris vinham cheios de vinho e outras mercadorias, e voltavam vazios pelo rio.

Após conseguir roubar as chaves das celas de um guarda embriagado, Bilbo libertou os anões, e meio a contragosto, os convenceu de entrarem nos barris vazios. Logo, treze barris nada vazios eram jogados ao rio, no dia 21 de setembro. Foi aí que Bilbo se deu conta de que ele havia ficado para trás, uma vez que não havia ninguém que pudesse colocá-lo num barril! Desesperado, Bilbo agarrou-se ao último barril que estava sendo atirado, e caiu com ele no rio. Mesmo precariamente, eles haviam escapado dos calabouços do reino élfico.

O Sr. Bolseiro parecia um rato bufando desesperado, tentando agarrar-se e subir no barril. Mas só algum tempo depois, quando os barris passavam por uma curva do rio, é que ele conseguiu montá-lo, pois talvez o barril tenha sido segurado por uma raiz submersa, na margem. A medida que Bilbo e os anões empacotados iam avançando, o céu ia ficando claro, já que as árvores estavam se rareando.

Quando o curso principal do Rio da Floresta se juntou com o rio subterrâneo das cavernas do Rei Élfico, as águas ficaram aparentemente mais fortes, e essa força os jogou para a margem norte, numa ampla baía, onde habitavam os elfos-jangadeiros. Era noite, quando os barris e tonéis encalharam, e com a ajuda das sombras da noite, Bilbo pulou do barril e foi explorar o local. Enquanto os anões suportavam a fome, o frio, e todos os problemas, dentro dos barris, o hobbit se deliciava roubando algumas comidas de um banquete que ocorria no local.

Ao amanhecer do dia 22, ele acordou com uma agitação alegre na margem do rio. Os elfos-jangadeiros tinham amarrado os barris, e estavam lançando-os numa jangada para levá-los à Cidade do Lago. Com toda a sorte que Bilbo tinha, ainda conseguiu correr, jogar-se nos barris sem ser visto, e ficar numa posição desconfortável (sem falar dos anões). Em cima da jangada, alguns elfos com grandes varas iam remando.

Foram fazendo curvas, atravessando pequenos pântanos, até que a paisagem mudou completamente: já não tinha mais árvores ou rochedos, apenas uma vasta planície, interminável. Ao norte, muito distante, o hobbit pôde ver o pico da montanha entre as nuvens, e isso o assustou terrivelmente, a Montanha Solitária! Finalmente, após passar por tantas aventuras, Bilbo viu o Lago Comprido. Era tão vasto, que era difícil avistar as margens opostas.

Havia uma foz ali perto, e não muito longe erguia-se das águas Esgaroth, a Cidade do Lago. Os jangadeiros chegaram no local com saudações, e logo foram na cidade para se divertirem. Os barris ficaram boiando, o Sol já havia se posto, e agora Bilbo iria agir[2]. Começou o trabalho de desempacotamento de anões, o primeiro a sair foi Thorin, que encontrava-se em estado deplorável: barba encharcada com palha grudada, capaz azul todo desbotado e sem brilho, dores em várias partes do corpo, e por aí vai. O anãos começou a reclamar, mas logo Bilbo cortou seu discurso, pedindo ajuda para resgatar os outros anões.

A parte do resgate dos outros anões fica para o próximo Capítulo, já que a noite do dia 22 de setembro vai avançando aqui e na Terra-média. Mas não perca, no dia 1º de novembro, o Lá e de Volta Outra Vez irá trazer muitas histórias para você, iremos nos encontrar com Smaug e a terrível destruição de Esgaroth, após o Dia de Durin. Vistam suas armaduras, pois a batalha está chegando.

Mapas:
As Cavernas do Rei Thranduil
Esgaroth – A Cidade do Lago

 

  Histórico de O Hobbit

Do filme animado de 1977

Uma versão de O Hobbit em desenho animado foi feito em 1977, quatro anos depois do falecimento do Tolkien. Nenhum membro do grupo assistiu para poder comentar, mas há quem dica ser tosco ou ruim. Pelas imagens, podemos ter uma idéia do desenvolvimento do filme, através deste site em inglês: Ced Magic. É estranho ver Gollum com aspecto de sapo, Thranduil com aparência de um Ent, elfos parecendo duendes, ou Orcs com chifres, mas mesmo assim vale pela curiosidade de saber que O Hobbit também teve sua versão animada, como O Senhor dos Anéis de 1978.

Uma parte das informações em inglês foram traduzidas para o leitor:

"Este o ‘O Hobbit’ é uma versão animada de 1977 adaptada por Arthur Rankin Jr. e Jules Bass, da obra que é o prelúdio da Trilogia de O Senhor dos Anéis…", aqui ele fala um pouco sobre o que O Hobbit conta.

"Essa versão animada adaptada é bastante fiel ao livro original, mas como foi feita para durar 90 minutos, muitos elementos do livro ficaram de fora. Os mais notáveis desses elementos são Beorn e a pedra Arken. Rankin e Bass voltaram a produzir com temática Tolkieniana em 1979, como ‘O Retorno do Rei’".

 Dos Personagens

As Aranhas

No início dos tempos, o tirano Melkor corrompeu dezenas de criaturas para seus fins Malignos, e elas assumiram formas diversas, algumas se tornaram Balrogs, outras lobisomens e uma delas assumiu a forma de Aranha, era Ungoliant.

Essa é uma das teorias sobre o surgimento da percussora de todas as aranhas. Dela se sabe que é muitíssimo velha (provavelmente fora uma Ainur) e que cometeu feitos extremamente malignos. Antes de encontrar seu fim nos desfiladeiros próximos as Echoriath, a aranha teve tempo para procriar, possivelmente originando muitas filhas, das quais nenhuma seguiu tão bem seus passos como a tenebrosa Laracna.

Essa outra aranha também atrapalhou os planos de muitos seres e também teve tempo de passar sua linhagem adiante, sendo mãe das diversas aranhas que residiam na Floresta das Trevas.

Milhares de anos depois do surgimento de Ungoliant, quando ela e sua filha nem eram mais lembradas por muitos povos livres, Bilbo se depara com as aranhas da Floresta das Trevas, num combate que provaria a coragem do Pequeno e a eficácia de sua espada, Ferroada.

É importante destacar como esses seres do mal podem ser exemplos fortes do brilhantismo de Tolkien. Toda a obra do autor desenrola-se de maneira completa, uma coisa leva a outra, ele tomou muito cuidado para não deixar pontos soltos em seus livros. Tolkien não colocou simplesmente as aranhas no caminho de Bilbo, sem explicação ou origem. Os aracnídeos que o pobre hobbit encontra na floresta vêm de uma história bem mais complexa, estão ligados ao Silmarillion, à história de Arda, do Sol e da Lua.

Privilegiado é o leitor que sabe o quê Bilbo está enfrentando. Ao ler esta passagem de O Hobbit, nós lembramos de uma série de fatos complexos ligados à Ungoliant e Laracna, que precedem a história das aranhas, ao passo que o personagem não sabe disso e combate suas inimigas ignorando a complexidade dos fatos. Esse é mais um episódio magnífico nos livros de J.R.R. Tolkien.

Thranduil, o Rei Élfico

Thranduil é filho de Oropher, um elfo sinda que, ao final da Segunda Era do Sol, preferiu ficar na Terra-mèdia a ir ate Aman. Oropher se estabeleceu na Grande Floresta Verde e lá tornou-se rei. Thranduil herdou o trono do pai no final da Segunda Era, quando, em guerra contra Sauron, Oropher morreu.

Após anos de paz, a outrora Grande Floresta Verde, passou a ser povoada por vários seres malignos e uma sombra encobriu a floresta, então Thranduil foi obrigado a recolher seu reino a parte norte da Floresta das Trevas (como passou a ser conhecida).

Seu reino mantinha acordos com os homens do Valle e após a chegada de Smaug a Montanah Solitária, o homens abandoram Valle, mas alguns viviam em Esgaroth, a cidade do Lago, que continuou tendo boas relações com o reino de Thranduil.

Personagem importante do Hobbit. Ele condenou os anões da companhia de Thorin a prisão e liderou os elfos da floresta na Batalha dos Cinco Exércitos.

Durante os anos da Guerra do Anel ele envia seu filho, Legolas, para o conselho de Elrond e mais tarde lidera seu exército contra as forças de Dol Guldur, juntamente com Celeborn.
Após a queda de Sauron e de suas forças, a sombra que encobria a floresta desaparece, Thranduil e Celeborn renomeiam a floresta como Eryn Lasgalen, Floresta das Folhas Verdes e a dividem entre dois. A toda a parte norte até as montanhas passa a fazer parte do reino de Thranduil.

Veja: Thranduil

Dos Locais

Da Floresta das trevas

A Floresta das Trevas se localiza a leste do Anduin e a oeste de Rhun; margeia as Montanhas Cinzentas no norte e segue até as Terras Castanhas no sul. Também chamada de Mirkwood.

Antes do retorno de Sauron na Terceira Era do Sol, a Floresta das Trevas era conhecida como Grande Floresta Verde e era lar de muitos elfos (provavelmente avari e nandor), sendo um local de
paz.

No final da Primeira Era muitos noldor e sindar resolveram ficar na Terra-Média e se espalharam criando reinos. Oropher, um elfo Sinda, se tornou rei da Grande Floresta Verde. Após sua morte, seu filho Thranduil o sucedeu.

Assim o reino dos elfos da floresta viveu em paz, até que uma sombra encobriu a floresta e muitas criaturas cruéis passaram a habita-la. A causa disso foi, como mais tarde se descobriu, o retorno de Sauron na fortaleza de Dol Guldur, localizada no sul da floresta. Então ela passou a ser conhecida como Floresta das Trevas.

Em O Hobbit a companhia de Thorin e Bilbo passa por uma trilha no norte da Floresta, e encontram lá aranhas, crias de Laracna, e os elfos do reino de Thranduil. Enquanto isso, o Conselho Branco se reúne para atacar Dol Guldur e expulsar Sauron de lá, então o Senhor do Escuro retorna para sua fortaleza em Mordor, e deixa um dos Nazgûl em Dol Guldur.

Anos mais tarde, no final da Terceira Era, Thranduil e Celeborn se unem e realizam um grande ataque às forças de Sauron de Dol Guldur. Sem o mal de Sauron, a sombra que encobria a Floresta das Trevas desaparece, então a renomeiam como Eryn Lasgalen, Floresta das Folhas Verdes. A parte norte da floresta até as montanhas passa a ser reino de Thranduil e a parte sul passa ser reino de Celeborn e é denominada de Lórien Oriental.

A Cidade do Lago

Esgaroth é uma grande cidade construída pelos Homens do Norte da Terra-Média sobre o Lago Comprido. A cidade, toda de madeira, fica em cima de estacas presas ao fundo do lago e se conecta à margem leste do lago por uma grande ponte. A cidade se localiza próxima à foz do Rio da Floresta, um lugar privilegiado para fazer comércio com os Elfos da Floresta das Trevas. Segundo o cálculo de Karen Wynn Fonstad, autora d’O Atlas da Terra-Média, a cidade provavelmente abrigava por volta de 400 pessoas.

Tolkien descreveu o Mercado da cidade como sendo "… um amplo círculo de águas calmas, contornando grandes estacas sobre as quais haviam sido construídas as casas maiores,e por longos ancoradouros de madeira com muitos degraus e escadas que desciam até a superfície do lago". Os barcos chegavam ao mercado por meio de um canal sob um túnel, que atravessava a aldeia por baixo da borda do cais até o centro.

O governante, chamado em O Hobbit apenas de "Senhor da Cidade", era escolhido dentre os velhos e sábios pela população.

Esgar significa "leito de junco" e Esgaroth é traduzido como "Lago de junco" por causa da presença deste na margem ocidental do lago.

Veja: Esgaroth

Galeria de Imagens

As aranhas de Mirkwood – "Aranhoca, aranhoca"
"Enquanto cantava, jogou mais algumas pedras e bateu os pés no chão. Praticamente todas as aranhas do lugar vieram atrás dele: algumas desceram ao chão, outras correram ao longo dos galhos, pulando de árvore em árvore ou jogando novas cordas através dos espaços escuros". (Capítulo VIII)

Bilbo ataca uma aranha – "… ela tentava envenená-lo"
"… até que se lembrou de desembainhar a espada. Então a aranha deu um slato para trás e ele teve tempo de cortar os fios e libertar as pernas. Depois disso, era a sua vez de atacar. Era evidente que a aranha não estava acostumada com seres com este tipo de ferrão, ou teria se afastado mais depressa. Bilbo atacou-a antes que ela pudesse desaparecer e feriu-a com a espada bem nos olhos. (Cap. VIII)

Barris soltos – "… e foi lançado na água fria."
"Rola, rola, rola
pela portinhla!
Força! Splash! Pronto!
Mais um dançando tonto!" (Cap. IX)

Bilbo sobre o barril – "… o Sr. Bolseiro chegou a um lugar onde as árvores rareavam…"
"Então a água veloz do Rio da Floresta empurrou todo o grupo de tóneis e barris para a margem norte, onde cavara uma ampla baía. Esta tinha uma praia da cascalhos sob margens altas, e era protegida na extremidade leste por um cabo saliente de rocha sólida." (Cap. IX)

Esgaroth, a Cidade do Lago – "Porque o Rei está voltando!"
"Não fora construída na margem, embora houvessem algumas cabanas e edificações ali, mas exatamente sobre a superfície do lago, protegida da fúria do rio por um promontório rochoso que formava uma calma baía.Uma grande ponte de madeira conduzia até onde fora construída, sobre enormes estacas feitas de troncos de árvores, uma agitada cidade de madeira, não uma cidade de elfos, mas de Homens (…)". (Cap. X)

Em Esgaroth – "Sou Thorin, filho de Thrain, filho de Thror, Rei sob a Montanha!"
"– Eu retornei! – anunciou Thorin da porta em voz alta, antes que o capitão pudesse dizer algo.
Todos se ergueram. O Senhor da cidade pulou de sua grande cadeira. Mas ninguém ficou mais surpreso que os jangadeiros dos elfos, que estavam sentados na extremidade inferior do salão." (Cap. X)

Crédito das Imagens:
Alan Lee
Carol Emery Phenix
Daniel Govar
John Howe
J.R.R. Tolkien
Maret Kernumees
Ted Nasmith

Notas:

[1]. Das Cavernas do Rei Thranduil.

Sua morada conseqüentemente, parecia-se com Menegroth e Nargothrond, localizada sob uma colina arborizada e ao lado do leito de um rio. Além disso, um rio subterrâneo corria abaixo do palácio élfico, e seu curso juntava-se ao do Rio da Floresta, mais ao leste.

É interessante notar, segundo o estudo de Karen Fonstad, no Atlas, que três coisas ficaram evidentes, e uma delas era “(1) Provavelmente havia calcário solúvel na morada de Thranduil�?. Logo depois ela nos dá mais exemplos para fundamentar essa tese, como as “colunas de ‘pedra viva’ e um ‘rio subterrâneo’�? que “provavelmente era constituído de cavernas de calcário dissolvido, embelezadas [...] com a ajuda dos anões�?.

E as ilustrações tanto de Nargothrond quanto das Cavernas do Rei Élfico são muito semelhantes, como mostram os links:

Nargothrond 1 ou Nargothrond 2 e O Portão do Rei Élfico 1 ou O Portão do Rei Élfico 2.

[2]. Do aniversário de Bilbo

Naquele momento Bilbo não se lembrou, mas anos depois, em sua festa de 111 anos, ele recordou-se da aventura e citou em seu discurso o seguinte:

  • Hoje também é, se me permitem que me refira à história antiga, o aniversário de minha chegada de barril a Esgaroth, no Lago Comprido, embora o fato de ser meu aniversário tenha escapado de minha memória na ocasião. Eu tinha apenas cinqüenta e um anos naquele tempo, e os aniversários não pareciam tão importantes. O banquete foi esplêndido, entretanto, embora eu estivesse com uma forte gripe, posso me lembrar, e pudesse apenas dizer ‘buito obrigado’. Agora eu repito a frase mais corretamente: Muito obrigado por virem à minha festinha.�?
Consultas

Livros:
O Hobbit, J.R.R. Tolkien. Martins Fontes.
O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel, J.R.R. Tolkien. Martins Fontes.
O Atlas da Terra-média, Karen Wynn Fonstad. Martins Fontes.

Sites:
Valinor
Enciclopédia Valinor
Dúvendor
Galeria Tolkienianos