1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Coração tão branco (Javier Marías)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Pips, 22 Fev 2011.

  1. Pips

    Pips Old School.

    Dizem que a vida de casado é uma vida compartilhada, onde segredos não são bem-vindos, tampouco aconselhados àqueles que pretendem ter um longo matrimônio. Todavia, podem segredos perdurar e causar efeitos não só em um casamento, mas em seus herdeiros? É possível que a vida a dois seja uma doença que se não averiguarmos os sintomas pode deteriorar uma ou ambas as partes?

    Pouco divulgado aqui no Brasil, Javier Marías é considerado um dos grandes escritores espanhóis da atualidade, tendo em seu currículo diversos prêmios, romances, contos e sem contar uma cadeira na Real Academia Espanhola. Lançou seu primeiro romance em 1971, mas foi em 1992 com o lançamento de Coração tão branco, lançado em 2008 pela Companhia de Bolso e com tradução de Eduardo Brandão (que traduziu Os Detetives Selvagens e 2666 de Roberto Bolaño), que Marías consagrou-se definitivamente como escritor.

    Em Coração tão branco, Juan, nosso narrador e protagonista, é um tradutor e intérprete que conheceu sua mulher, Luisa, durante um trabalho em que ele serviu de intérprete e ela como sua “supervisora”. Após a cerimônia de casamento, Juan tem estranhos presentimentos – alertando sobre um desastre – que se aglutinam, passando por sua lua de mel até uma temporada de oito semanas no exterior (como requer seu trabalho). Através de parábolas com a história de MacBeth (de onde foi tirado o título), nosso narrador, o próprio intéprete e personagem principal, transcorre sua vida de casado e rememora obscuros momentos de seu passado.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Jacques Austerlitz

    Jacques Austerlitz (Rodrigo)

    Ano passado eu comecei a ler esse livro, quase hipnotizado pelo belíssimo primeiro capítulo (disponível no site da
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ), mas avancei poucos capítulos e logo estaquei. Nunca voltei a ler.
     
  3. Pips

    Pips Old School.

    É uma das melhores aberturas que já li mas o livro não é todo bonito, tem partes bonitas, bizarras e engraçadas.
     

Compartilhar