1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Uma velha nova lição

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Pips, 25 Jun 2009.

  1. Pips

    Pips Old School.

    Sempre que passava por uma livraria, a capa me chamava atenção. Um livro de presente, com desenhos de criança, como um foguete escrito a giz. O título não me agradava muito - A lição final, nome típico de obras de auto-ajuda das quais costumo passar longe. Dias, meses e aquele livro continuou a intrigar-me. O que deveria ser, enfim uma lição final? A velha frase “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã?” Ou será que Randy Pausch tinha algo de novo a contar?

    O título passava a integrar às listas de mais vendidos e a minha curiosidade ainda mais atiçada. Ao receber um e-mail informando que o livro estava na promoção, resolvi que era a hora de descobrir. O pacote chegou em minha casa. A capa dura ainda era mais bonita que na minha lembrança. Um diário, pensei. Finalmente a última lição. E já nas primeiras páginas ele revela: está morrendo, em decorrência de um câncer. Ihhh, começara os primeiros arrependimentos de ter aberto o livro.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Postado originalmente pela Amélie.
     
  2. Zuleica

    Zuleica Usuário

    São livros que enternecem, cheguei a confundir com
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , de MITCH ALBOM, que escreve sobre Morrie Schwartz, seu professor na universidade, também em estado terminal.

    Como trabalho com relações humanas, o pessoal compra lê e traz para eu ler e trocar impressões, atualmente peço gentilmente — conta para mim, marco um chazinho.

    É bem construtiva a opção de fazer algo que alegre a si e aos outros, é útil e o ambiente fica lúdico, auxilia a não se fixar só no tratamento de saúde. Boa indicação Amélie.
     

Compartilhar