• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Prêmio Nobel de Literatura 2022

Acho que vou virar fã da escrita da mulher. E não é piada. Eu tô lendo sinopses dos livros dela, e tô amando. Juro.​
Ela é maravilhosa!!! E os livros são curtos, o que ajuda 🤭

Feliz pela Fósforo, editora indepedente que a publica. Espero que eles lancem logo Paixão Simples, um livro imediato sobre obsessão amorosa.

Um filme premiado do ano passado baseado em um dos livros dela, já lançado aqui, O Acontecimento, dá pra assistir por aí :)
 
Última edição:
Li a sinopse de O Acontecimento, e achei fantástica, e pesada, claro. Por impulso, acabei comprando O Lugar, para Kindle. Vou ler? Claro que não. Não tenho lido nada. Mas comprei. :rofl:

Amei a epígrafe do livro, gente! :grinlove:

Arrisco uma explicação: escrever é o último recurso quando se traiu. (Jean Genet).
 
No site do Nobel publicaram uma biobibliografia, explicando a vida e obra:

Legal por ser mais uma mulher ganhando o prêmio.

Só fico frustado por novamente ser alguém do primeiro mundo.
 
O mediador do comitê do Nobel, Anders Olsson, sugeriu as obras preferidas dele da autora (como a fonte é de um site sueco e alguém, provalmente pelo google, traduziu pro inglês, vou manter assim, só mudando os títulos em PT que já foram publicados:

1. "O Lugar"
My first choice is Annie Ernaux's masterful portrait of her father from 1983, "La place". Throughout her writing, she examines her upbringing in Normandy and the social class she leaves to study and eventually become the writer she is.
Her investigation already begins in the debut "Les armoires vides" from 1974, but it is with "A Man's Place" that she has her big breakthrough. In just under a hundred pages, it is a small masterpiece, a wonderfully factual and nuanced portrait of the father and of the entire environment that shaped him.
Here she shows off the simple and artless language that will become her hallmark and which in itself expresses a solidarity with the father.

2. "A Woman's Story"
My second choice is "Une femme" from 1987, where Ernaux gives an even more sparse portrait of the mother. It is a beautiful tribute to a woman, who is in many ways stronger and freer than the father and who manages to preserve her dignity under harsh conditions. Nor is she as marked by shame and humiliation as the father.
In both cases, two struggling and complex people are portrayed, who would never have become visible to the world without these books.

3. "O Acontecimento"
An obvious favorite is "L'événement" from 2000, a small shocking work about the illegal abortion that Ernaux had as a 23-year-old. In her short, terse style and in her repressed anger, Ernaux avoids any invitation to identification.
She has called the book "the happening", because she wanted to make the unique universal, a form of initiation that everyone can take part in.

4. "A Girl's Story"
In the strange "Mémoires de fille" from 2016 Ernaux touches on a different experience of shame than that in the books about the parents. Here it is the shame over the pride of having been the object of love.
She describes the first sexual experience as a young person at a summer camp in Normandy, which when she spreads the news results in her being mocked and ostracized from the community. Ernaux is as merciless to herself as to the others who bullied her.
It is the courage that is Ernaux's signature, that she writes about what no one else writes about, dares to touch her pain points and does it with such simplicity and power.

5. "Os Anos"
Impossible to ignore is Annie Ernaux's most elaborate, but also controversial, work "Les années" from 2008, which was a resounding success in France and also internationally.
It has been called the first collective autobiography and inspired a new wave of writers in her home country. Ernaux replaces the self's spontaneous memory work with a "someone" who shows the power of the zeitgeist over our lives. Our lives are filled with the stories that surround us, the songs that are sung and the fashions that are prevalent.
But everything we share fades away so quickly. This makes it extremely difficult for Ernaux to recognize herself in who she was when she was young. In this broad account of life, personal memory has grown together with collective memory and the flow of history.

das entrevistas no vídeo do anúncio, ele também disse:

Quando perguntado se há alguma mensagem específica que a Academia deseja entregar ao mundo:
Concentramo-nos na literatura, na qualidade literária, e não temos mais mensagens para o mundo, mas é muito importante para nós, também, claro, que a laureada tenha uma consequência universal na sua obra, que possa chegar a todos. A esse respeito, acho que a mensagem é que essa é uma literatura para todos.

Questionado sobre ser outro europeu:
Temos muitos, muitos critérios diferentes, e você não pode satisfazer todos eles, só podemos ter certeza de que o que buscamos, qualidade literária, todos os anos, você tem que satisfazer esse critério. Mas um ano demos o prêmio a um escritor não europeu, no ano passado, Abdulrazak Gurnah, este ano entregamos o prêmio a uma mulher, e em ambos os casos, acho que temos muito poucos laureados, como você sabe, no passado. Tentamos antes de tudo, é claro, ampliar o escopo do prêmio Nobel, mas nosso foco deve ser a qualidade literária em primeiro lugar.
 
O que eu adorei é que a tradução dos livros dela que temos em Português é da Marília Garcia, poeta que eu amo!

Ah, não li o trem que está em inglês (por motivos óbvios), mas achei legal que, após ler as sinopses dos livros que estavam disponíveis para kindle, eu optei por comprar, primeiro, O Lugar, porque achei interessante a pegada sociológica da coisa (sim, sei que perpassa os outros livros), e vi que ele ocupa a primeira posição, aí, no trem que o Gabriel colocou.​
 
Ainda não li a Annie Ernaux, mas, como francófilo, gostei da premiação. Tenho "Os anos", e adoro a epígrafe do Tchekhov (acho que de As três irmãs).

Não vou correr para comprar os outros livros dela que já foram publicados aqui (muitos já esgotados), mas vou colocar "Os anos" na lista de leitura.
 
Ela é maravilhosa!!! E os livros são curtos, o que ajuda 🤭

Feliz pela Fósforo, editora indepedente que a publica. Espero que eles lancem logo Paixão Simples, um livro imediato sobre obsessão amorosa.

Um filme premiado do ano passado baseado em um dos livros dela, já lançado aqui, O Acontecimento, dá pra assistir por aí :)

ano passado quando ela estava entre os favoritos pensei justamente na fósforo, que tinha acabado de lançar algumas obras dela. é o tipo de coisa que faz toda a diferença para o orçamento de uma editora independente e que possibilita mais traduções e mais apostas.

(lembrei de abrir o link da transmissão 2 minutos antes, já fui mais empolgada com nobel :rofl: )
 
Dos 22 laureados neste século, só li alguma coisa do Vargas Llosa e do Naipaul (e ouvi alguma coisa aleatória do Bob Dylan rs). Acho que não sou muito nobelista. :hihihi:
 
Tanto que eu nem me iludo com essa aí. Sei que vou acabar não lendo também. Tem um livro daquela Olga lá não sei das quantas que até quero ler. Saiu pela Todavia e tem uns bichos esquisitos na capa. Afora isso, volta e meia cruzo com um Le Clezio no sebo mas nunca compro. E tenho algo do Coetzee e do Ishiguro aqui na estante, para quando der na telha. Não vou mais longe. Quem sabe um dia...
 
Já eu, sou o maior Maria Nobel.

Naipaul, Coetzee, Pinter, Pamuk (só o livrinho de conferências, do qual só le lembro de que ele adorava Anna Kariênina), Le Clézio, Vargas Llosa, Modiano, Aleksiévitch, Ishiguro, Tokarczuk...
 

Valinor 2023

Total arrecadado
R$2.404,79
Termina em:
Back
Topo