1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Indo para a Califórnia

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por imported_Wilson, 27 Jul 2009.

  1. imported_Wilson

    imported_Wilson Please understand...

    Um conto antigo meu. Gosto bastante dele. Inspirado, obviamente, na música
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , da melhor banda de rock que já existiu.


    ---

    [align=justify]Havia o calor da lareira e o frio da escuridão lá fora, sentado no velho tapete da sala, alguma música tocando na velha vitrola, sobre minhas pernas cruzadas, bêbado de vinho, fumo rodopiando na cabeça, decido largar aquela casa, aquela vida, aquela mesmice, a mulher amarga dormindo no quarto ao lado, a falta de surpresas e o conforto do futuro, abandonar-me do tempo e recomeçar, decido ir para a Califórnia, com um pesar no coração.

    As passagens compradas, minha vida agora sobre um avião. A garrota sorri entre os meus dedos, bombas explodem lá fora, eu miro seus olhos azuis, as sardas em sua pele, as flores em seu cabelo, a paz em seu sorriso polaróide. Apóio minha cabeça no vidro e o mar lá embaixo é vermelho, o céu em chamas. Todos devemos partir, é apenas uma farsa, mas o coração vem na garganta. Minha vida amarrada a uma mochila, deixada ao vento, da sorte ou do destino, no dedilhar de um violão, deixado em casa. A foto desgarrada queima em câmera lenta durante os créditos iniciais, tamborilo os dedos no braço da poltrona, as luzes se acendem e todos aplaudem.

    Acordo, sujo, bêbado, torpe, vil e pálido reflexo no espelho, um fio de sangue escorre tímido na face esmurrada, uísque barato subindo-me as entranhas e cigarro em minha língua, apenas a sombra de um sonho perdido no caminho. A barba por fazer, os olhos vermelhos e fatigados. Eu tento sorrir para o espelho, segurando a dedos firmes a navalha junto ao pescoço. Você não teria coragem, seu olhar me desafia. Faria isso por mim? Seus doces lábios me pedem soprando anéis de veneno. Há mistério em seus olhos, tristeza em sua voz. Faria qualquer coisa por ti, minto. Afogo-me na banheira, enquanto a luz enfraquece, restando apenas a silhueta de seu rosto, sorrio para mim mesmo segurando a arma, carinhosamente ela desaparece da tela e antes que a música comece, emerjo da água fria. Caminho lá fora no escuro, aquecendo-me com uísque e cigarros roubados, a mente andando solta com os pés. Os dedos de anéis brincando com o violão, cabelos vermelhos escorrendo entre os versos de uma canção, perdida entre as paredes do beco, no lamento de uma mulher. Agarro-me a lembranças inventadas e espero que me joguem uma corda. À garota, digo que me encontre aonde todos os caminhos levam, sentada, à minha espera, não mais um sonho, o amanhã se confundindo com o hoje deixando de ser ontem. Eu sorrio com a música.

    Caminho na praia ao quebrar do amanhecer, deixando pegadas ensopadas na areia para não esquecer, mas a mente tem vontade própria, e ainda que de seus cabelos ao vento sinta apenas o cheiro, sigo atrás da mulher que nunca encontrei. Seu canto pairando gentil sobre a água, no dedilhar de um violão encontrado, ao som de sonhos deixados, na lágrima da atriz, sonho que sou eu o aplaudido, sentado sobre as dunas, procurando o amor que nunca tive, inventando vidas que não a minha, atrás de um sonho perdido entre outros mil. Não pode ser tão difícil assim, digo para mim mesmo, e sorrio.
    [/align]
     
  2. Farfael

    Farfael Usuário

    Poxa Wilson, grande banda, grande música e um conto alucinante. Gostei do ritmo, meio letra musical mesmo, com a cadência gostosa do Led Zeppelin. A história ficou demais, gostei dos toques pessoais que você acrescentou à história. Muito bacana, parabens!
     

Compartilhar