1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Existe Literatura Gótica?

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Shadowrunner, 4 Mai 2005.

  1. Shadowrunner

    Shadowrunner Usuário

    Bom pessoal, essa discussão foi levantada em um outro fórum e gostaria da opinião de vocês também. Pode-se classificar alguns livros como góticos?

    A discussão original está abaixo:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    []'s
     
  2. Lordpas

    Lordpas Le Pastie de la Bourgeoisie

    Eu nunca parei pra pensar nisso... mas a primeira vista a maioria dos Byronianos seguem um estilo gótico de Literatura.

    Alguma coisa relativa ao Sturm und Drang também, de repente.

    Em se tratando de Brasil eu me lembro de cara de Alvares de Azevedo & Junqueira Freire & Augusto dos Anjos.

    Repare que em textos deles (principalmente na prosa de Alvares) encontramos alguns aspectos que qualificam a sua literatura como gótica:

    1) "Peitar" o racionalismo, bem como o materialismo.

    2) Viagem ao interior da mente.

    3) Morte e terror.

    4) Desejo, libido.

    5) Duas obras: Macário e Noite na Taverna.

    Fora esses nomes ainda nos restam Baudelaire, Poe e até Mallarmé.

    :grinlove: Eu me lembrei agora que eu gosto bastante de Alvares de Azevedo. :grinlove:
     
  3. Idril

    Idril Usuário

    O ROmantismo em sí pode ser considerado um estilo bom para os góticos, em especial a segunda geração brasileira, que tem justamente o Álvares de Azevedo.
     
  4. TT1

    TT1 Dilbert

    Romantismo, acho que nao, mas o Simbolismo brasileiro tem todas as características do goticismo.
     
  5. Idril

    Idril Usuário

    O Romantismo também tem e, conforme eu disse, a segunda fase no Brasil pra ser mais correta.

    O Simbolismo também tem, mas não é pra desmerecer o conteúdo gótico, fortemente presente através do byronismo.
     
  6. Logan Mcloud

    Logan Mcloud Usuário

    nao eh o romatismo e sim o ultra romantismo... ele geralmente eh caracterizado por caisas q hoje em dia sao atribuidos aos goticos....


    como morte, amores mortos ou torturados, terror angustia e afins...




    Dwarf
     
  7. Idril

    Idril Usuário


    Ultra-Romantismo faz parte do Romantismo, não é um estilo literário a parte. É a segunda fase, dá no mesmo chamar de ltra-Romantismo ou Srgunda Fase do Romantismo. :wink:
     
  8. Logan Mcloud

    Logan Mcloud Usuário

    ok eu nao sei mesmo essas coisas....




    Dwarf

    mas continuo falando q chamar uma literatura de gotica eh o mesmo de dizer thunder metal....
     
  9. Idril

    Idril Usuário

    :o?:

    E quem disse qwue alguma literatura é gótica? Até onde sei, dissemos até aqui que o ROmantismo, a sua fase chamada de Ultra-ROmantismo, é próxima do estilo gótico. :?
     
  10. Logan Mcloud

    Logan Mcloud Usuário

    lol no outro forum... oq tem a url no topico acho q falava.... mas posso estar enganado....




    Dwarf
     
  11. Shadowrunner

    Shadowrunner Usuário

    É esse o X da questão. É isso que perguntei. Se pode-se chamar alguma obra de Literatura Gótica, pois eu li num livro de Literatura sobre essa nomeclatura, mas muitos afirmam que é errado chamar uma obra de literatura gótica.

    Vou botar abaixo o texto do livro em questão:

    _________________

    A Prosa Gótica

    Contrapondo-se aos valores racionalistas e materialistas da sociedade burguesa, certos escritores do Romantismo criam uma literatura fantasiosa, identificada com um universo de satanismo, mistério, morte, sonho, loucura, e degradação. Trata-se da literatura de tradição gótica, conhecida também como maldita, que até hoje encontra adeptos na literatura, na música e no cimena.

    Você já ouviu estes versos, de Rita Lee e Roberto de Carvalho?


    O vampirismo, o amor, a morte e o ambiente noturno, presentes no texto acima, são elementos da tradição gótica, introduzida na literatura brasileira pelo paulista Álvares de Azevedo e por outros poetas da segunda geração do Romantismo, marcada pelo byronismo e e pelo mal-do-século.

    A tradição gótica: ao diabo o status quo

    A tradição literária gótica é representada pela prosa de Álvares de Azevedo, por parte de sua poesia (a face Caliban) e por algumas contribuições de Bernardo Guimarães e Junqueira Freire.
    Essa produção representa uma ruptura não apenas com os padrões literários vigentes, estabelecidos pela primeira geração romântica, mas também com os próprios valoresa da sociedade. Trata-se, em suma de uma literatura que afronta o racionalismo e o materialismo burgueses e opta por zonas escuras e antilógicas do subconsciente, onde de fundem instintos de vida e de morte, libido e terror.
    A literatura gótica sempre teve um caráter marginal, de acordo com o sentimento de marginalidade experimentado pelos escritores ultra-românticos que deram origem a ela em nosso país. Na Europa, tiveram ligações com essa tendência Charles Baudelaire, pós -romântico, e Mallarmé, um dos pais do Simbolismo francês; nos Estados Unidos, o poeta e prosador romântico Edgar Allan Poe; no Brasil, os simbolistas Cruz e Sousa e Alphonsus de Guimaraes e o pré-modernista Augusto dos Anjos.
    Da Década de 1960 em diante, o macabro tem encontrado adeptos no cinema, na literatura e principalmente entre grupos de rock, jovens, adolescentes e sociedades alternativas, que vêem nessa tradição uma forma de protesto contra a ordem social.

    Álvares de Azevedo: amor e morte

    A produção gótica-romântica em prosa é representada pelas obras Noite na Taverna, de contos, e Macário, peça teatral, ambas realizações de Álvares de Azevedo.
    O ambiente noturno e degradado desses textos não tem nenhum vínculo direto com as vivências do escritor, morto precocemente aos 21 anos. São fruto da imaginação fantasiosa do quase adolescente Álvares de Azevedo e da influência exercida sobre ele pelo escritor Lord Byron.
     

Compartilhar