1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Os VERDADEIROS Contos de Fadas!

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Elriowiel Aranel, 9 Set 2011.

  1. Elriowiel Aranel

    Elriowiel Aranel Usuário

    Antes de começar o tópico, 2 avisos:

    1º Eu sei que já existe
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , mas eu não vou postar apenas os dos Grimm, por isso criei um tópico novo.

    2º Para as garotas que - como eu - cresceram sonhando com as histórias da Disney, preparem-se para um enorme CHOQUE!

    Bom, achei isso agora há pouco. É um resumo de histórias adaptadas em desenho pela Disney, só que na versão real e sinistra.
    As únicas que eu conhecia eram a da Ariel [Pequena Sereia] e de Alladin [que não aparece nesse artigo, mas eu tenho As Mil e Uma Noites e vou procurar e posto depois ;)]. Outra, cujo desenho é bem mais recente e não é da Disney, que conheço bem é a de Anastasia... que além de ser muito mais sinistra, infelizmente é real! :(
    Ah, sim... Hercules tem umas diferenças gritantes da lenda original pro desenho também!

    Vou esperar outras opiniões para depois comentar, ok? [me passaram umas possibilidades interessantes pela cabeça :think:]





    A Verdade dos Contos


    Creio que não é só eu que conhece vários contos de fadas graças a Disney e quem sabe, outras produtoras de vídeos. O problema é que aquela versão fica para nós como a “certa” ou a “normal” e taxamos as originais com a “hardcore” ou a “true metal” ou também “from hell agressive”. Seja como for que se expressem, leiam o texto retirado do Leitor e conheçam um pouco das histórias que cresceram ouvindo, lendo e assistindo:



    Chapeuzinho Vermelho

    A versão desse conto que conhecemos é aquela em que Chapeuzinho Vermelho, no final, é salva pelo caçador, que mata o lobo mau.
    Porém, a versão original do francês Charles Perrault não é tão bonita. Nessa versão, chapeuzinho é uma garotinha bem educada que recebe falsas instruções quando pergunta ao lobo sobre o caminho até a casa da vovó. No fim, ela é simplesmente devorada pelo lobo. Só isso, e a história acaba. Não há caçador e nem vovozinha, apenas um lobo gordo e a Chapeuzinho Vermelho morta. A moral da história é que não se deve falar com estranhos.



    A Pequena Sereia

    A versão de 1989 de A Pequena Sereia poderia ser intitulada “A Grande Sortuda”. Nessa versão da Disney, a princesa Ariel termina sendo transformada em um ser humano para que possa casar com Eric. Há uma festa maravilhosa com a presença de seres humanos e seres do mar.
    No entanto, no original de Hans Christian Andersen, Ariel vê o príncipe casar-se com outra e entra em desespero. Oferecem-lhe uma faca com a qual ela poderia matá-lo, mas, em vez disso, ela salta para o mar e morre ao voltar para a costa. Hans Christian Andersen modificou um pouco o final para amenizar a história. Na nova versão, ao invés de morrer na espuma da praia, ela se torna “filha do ar”, esperando ir para o céu. De qualquer forma, ela morre.



    A Branca de Neve

    Na história da Branca de Neve que nós conhecemos, a rainha manda o caçador matá-la e trazer seu coração como prova. O caçador não consegue fazer isso e lhe traz o coração de um tipo de porco.
    A boa notícia é que a Disney não distorceu tanto essa história, mas omitiu detalhes importantes: no conto original, a rainha pede o fígado e os pulmões de Branca de Neve, que serão servidos no jantar daquela noite! Também no original, a princesa acorda com o balanço do cavalo do príncipe, enquanto era levada para o castelo. Não há nada de beijo mágico. O que o príncipe queria fazer com o corpo desfalecido de uma garota é algo que vou deixar para sua imaginação. Ainda na versão dos irmãos Grimm, a rainha má é forçada, no final, a dançar até a morte usando sapatos de pedra, quentes como brasas.



    A Bela Adormecida

    Na versão conhecida de A Bela Adormecida, a adorável princesa adormece quando fura seu dedo em uma agulha. Ela dorme por cem anos até que o príncipe finalmente chega, beija-a, e acorda-a. Eles se apaixonam, casam, e (surpresa!) vivem felizes para sempre.
    Contudo, o conto original não é tão doce. Nele, a jovem garota adormece por causa de uma profecia, não de uma maldição; e não é o beijo do príncipe que a desperta: o rei a vê dormindo e, querendo se divertir, a estupra. Depois de nove meses, nascem duas crianças (e ela continua dormindo). Uma das crianças chupa o dedo da mãe, retirando a peça de linho que fazia ela dormir. A princesa acorda para saber que foi estuprada e é mãe de gêmeos. Fim.



    João e Maria

    Na versão largamente conhecida de João e Maria, ouvimos sobre duas crianças que se perdem na floresta e encontram uma casa feita de doces e guloseimas que pertence a uma bruxa. Elas então são aprisionadas enquanto a bruxa se prepara para comê-las. Eles conseguem escapar e atiram-na no fogo, salvando-se.
    Numa versão francesa mais antiga (chamada As Crianças Perdidas), ao invés de uma bruxa, há um demônio, que também é enganado pelas crianças. Contudo, ele não cai na cilada e está prestes a colocá-los na guilhotina. As crianças fingem não saberem como entrar no instrumento e pedem para a esposa do demônio mostrar como se faz. Nesse momento, elas cortam seu pescoço e fogem.



    Cinderela

    Na Cinderela moderna, nós temos a linda princesa casando-se com o príncipe depois que este viu que o sapatinho de cristal servia em seus pés.
    Esse conto tem suas origens por volta do século I a.C, no qual a heroína de Strabo se chamava Rhodopis, não Cinderela. A história era muito parecida com a atual, com exceção dos sapatinhos de cristal e da abóbora. Porém, oculta por trás dessa linda história há a versão mais sinistra dos irmãos Grimm: nela, as irmãs de Cinderela cortam partes dos próprios pés para que eles caibam no sapato de cristal, querendo enganar o príncipe. Ele, então, é avisado por dois pombos, que bicam os olhos das irmãs. Elas passam o resto de suas vidas como mendigas cegas enquanto Cinderela vive no castelo do príncipe.



    Os Três Porquinhos

    O conto dos Três Porquinhos foi muito amenizado para as crianças de hoje, ao contar uma história cheia de violência sem mostrar violência. Terminamos com um conto muito simplório que mostra “como é bom ser esperto”.
    A história original perdeu muito. O conto original não é mais longo, já que o lobo mau não perde tanto tempo assoprando casas. Ele faz isso para pegar os dois primeiros porquinhos. Aqueles coitados são logo pegos e devorados. O terceiro porquinho – o mais esperto de todos – é o entrave. Sem conseguir assoprar a casa de tijolos, o lobo tenta blefar. Ele faz de tudo para trazer o porco para fora de casa, promete nabos, maçãs, e uma visita à feira. O porco recusa a tentação, sabendo que há coisas mais importantes. O lobo decide então voltar à violência. Ele escala a casa e entra pela chaminé. Porém, o porquinho tinha planejado isso, e colocou um caldeirão de água fervendo na lareira. O lobo cai ali dentro e morre. Ele – e os dois outros porquinhos em seu estômago – são agora o sinistro jantar do terceiro porco.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 12
    • Ótimo Ótimo x 2
  2. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    só uma coisa, é complicado classificar como "verdadeiros", porque o que os irmãos grimm fizeram foi o registro escrito de histórias que eram contadas oralmente ao longo dos anos (talvez até mesmo séculos), então tem pencas e pencas de versões dessas, algumas provavelmente até mais sangrentas. lembrando que eram histórias de cunho moralizante, parecido com os fabliaux, mas a contrário desses não eram costruídos sobre o humor, mas sobre o horror. aliás, vale lembrar que não existia a noção de infância, portanto nem a ideia de livro voltado para o público infantil, ou o que seria apropriado para esse público ou não - daí esse jeitão mais filme de horror b de algumas histórias que conhecemos mais fofinhas através de walt disney.

    para quem tem curiosidade sobre o assunto,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    tem uma introdução bem legal sobre o assunto (inclusive falando sobre o processo de bowdelirização que as obras sofreram até chegar na versão disney), além de algumas dessas versões mais cruas dos grimm.
     
    • Ótimo Ótimo x 6
    • Gostei! Gostei! x 6
  3. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Poxa, li o post inteiro só pra ver a parte da Anastasia! ><

    :lol:
     
    • LOL LOL x 5
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. Lalaith.

    Lalaith. Usuário

    Há um tempo atrás vi em uma revista, Aventuras na História se não me engano, algo falando sobre a versão "original" de vários contos de fadas -que de fadas não tinham nada-. Quando li fiquei aterrorizada, principalmente com a da Chapeuzinho Vermelho e a da Bela Adormecida, as outras eu já conhecia.

    Anastácia e Hércules são realmente histórias trágicas e muito tristes. Nada, nada parecido com seus respectivos desenhos.
     
    • LOL LOL x 1
  5. Siker

    Siker Artista Comercial / Projetista Gráfico

    Eu adoro essas versões mais antigas, bem que poderiam fazer adaptações delas para o cinema, apesar de em Cannes terem mostrado uma "Bela Adormecida" mais pesada, falando de drogas e prostituição, o melhor seria mesmo um terror com as versões mais sangrentas.
    A versão da chapeuzinho vermelho que já escutei foi que no final o lobo mata a vovozinha, faz um jantar ao estilo Hannibal com o corpo da vovozinha, e quando a chapeuzinho chega eles comem juntos a vovozinha, só não lembro como o lobo engana ela e nem o que faz depois...
    Também já li que a capa vermelha representa a menarca (primeira menstruação) e que o lobo come ela de uma outra forma, enfim, são todas versões melhores que as infantis :mrgreen:
     
    • LOL LOL x 1
  6. Siker

    Siker Artista Comercial / Projetista Gráfico

    Bom, já que o tópico é sobre os verdadeiros contos e como a Anica disse, é complicado definir "o conto verdadeiro", o que existem são várias versões antigas, acho interessante quem souber de uma nova versão postar aqui, ou mesmo que sejam apenas alguns trechos diferentes, vou começar com algumas:

    Branca de Neve

    Na versão dos Irmãos Grimm a pobrezinha da Branca de Neve só tem 7 anos, o que também levanta ideias sobre pedofilia. Dentre outras coisas amáveis, consta que Branca de Neve levou uma surra de algum parente ou servo, já adormecida, e um soco no estômago a fez vomitar a maçã e acordar de seu sono.

    Cinderela

    Talvez o mais antigo dos contos de fadas e também o mais bizarro. Cinderela teria ido parar na mansão das irmãs malvadas fugindo de um casamento incestuoso com o próprio pai: um velho gordo e pançudo, interessado em casar com ela por lembrar a falecida mãe.

    Alice no País das Maravilhas

    Alice de fato existiu. O escritor dos livros Alice no País das Maravilhas e Alice Através do Espelho, Lewis Carroll, era psicólogo e tinha, sim, uma queda por corpos de meninas pequenas. Alice era uma garota espevitada e curiosa. O médico, Carroll, dava chá de cogumelos para ela, nas sessões, para que expandisse sua mente em direção ao inconsciente. Segundo seus relatos, nunca chegou a se aproveitar da menina e, depois de algum tempo, foi afastado dela pelos pais. O fato é que Alice foi a obsessão profissional de Lewis e suas sessões com a menina, incluindo as viagens por causa do chá de cogumelos, foram os ingredientes para formar a história como a conhecemos.

    fontes:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .
     
    • Gostei! Gostei! x 4
  7. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Até a estória do Pinóquio que também tem a sua fadinha pode ser inclusa nessa lista de contos já que a versão do Pinóquio do Disney que eu até assisti no cinema quando criança é bem mais leve e no original mostra a vida dele de uma forma muito mais sofrida e dura.

    Sinceramente não acho condenável Disney ter suavizado/alterado os contos para que fossem melhor aceitos pelo público infantil, afinal quantas coisas suavizadas e alteradas nós adultos fazemos por aí como manter a tradição do papai noel, o coelhinho da Páscoa e explicar pra um filho ainda bem pequeno como um bebê nasce de uma maneira bem suave? Isso sempre fez parte, pois infância é um momento breve e único em nossas vidas. Aí depois crescemos e vemos que nem tudo é fantasia.

    Mas o importante que vejo nisso é nunca deixarmos de conhecer os originais e que estes não caiam no desconhecimento público em detrimento das versões mais "suaves".
     
    Última edição: 9 Set 2011
    • Gostei! Gostei! x 1
  8. Elendil

    Elendil Equipe Valinor

    Isso é bem interessante. Lembro-me de ter lido um livro (emprestado de um amigo) chamado "Os Mais Belos Contos de Fada Italianos", e nele havia versões diferentes de uma mesma história, todas elas muito parecidas com esses contos clássicos, com madrastas malvadas e mocinhas inocentes levando frutas pela floresta para a avó, até mesmo um idêntico ao "A Bela e a Fera", só que mais "pervertido", digamos. Mas os títulos eram outros. Aliás, para os leitores de Tolkien, havia o conto de um personagem que era um homem muito grande e mal humorado, com espessos pelos negros e que se transformava em urso (olá, Beorn!). Na verdade, muitos desses contos trabalham com arquétipos compartilhados por muitas culturas. E, certamente, dentro do território europeu o intercâmbio dessas histórias, e suas várias versões, era bem grande. Por isso encontra-se muita correspondência entre eles, a ponto de ser quase impossível afirma se ele é originalmente italiano, alemão, dinamarquês, francês...
     
    Última edição: 9 Set 2011
  9. Nihal

    Nihal Ventinha xD

    Já li uma vez uma matéria que saiu na Mundo Estranho sobre isso há um tempo, e mostrava até mais de uma versão da mesma história, uma mais sangrenta que a outra.

    Tem uma versão da Chapeuzinho inclusive que envolve canibalismo (ela come a vovó, sem saber) e sexo com o lobo. Com três finais alternativos, um em que o lobo devora a chapeuzinho, outro que ela pede pra fazer xixi e foge, e outro que o caçador abre a barriga do lobo e salva todo mundo.

    E também a da Bela adormecida, continua, depois que ela acorda e tem os gêmeos, a esposa do Rei aparece e resolve cozinhar e jantar todo mundo, os bebês, o rei e a Bela, junta um monte de bichos como cobras e etc na panela pra preparar o caldo, o Rei aproveita um momento de distração e joga a esposa lá dentro, que morre devorada pelos bichos. Aí aparece a mãe do Rei, que é uma ogra do mal que se alimenta de crianças, no fim o Rei acaba salvando todo mundo e foge com a Bela e os bebês.
     
    Última edição: 9 Set 2011
  10. Elriowiel Aranel

    Elriowiel Aranel Usuário

    Oxe, Bel... desculpa :lol: Foi mal!

    É que eu ia fazer um post depois com as 3 histórias que conheço, mas que não tavam na matéria: Anastasia, Alladin e Hércules.

    Mas resumindo...
    [Uma parte foi tirada de Aventuras na História e outra de um documentário do History Channel].

    Durante muito tempo acreditou-se que Anastasia realmente teria sobrevivido ao massacre da família real Russa. Se não me engano, a avó ou tia-avó dela realmente chegou a oferecer uma recompensa por seu paradeiro [tal como no desenho].

    E de fato apareceu uma moça dizendo que era ela... O problema é que ficou provado que no fim das contas a moça era louca. Naquela época não tinha exame de DNA, então demorou anos até descobrirem a verdadeira identidade dela. E depois que ela morreu acho que fizeram mesmo o DNA pra acabar com a polêmica de vez!

    Quanto à verdadeira Anastasia, eis o que de fato aconteceu:
    ela morreu ainda criança junto com o resto das irmãs.
    Os soldados que invadiram a casa levaram todas as meninas para um porão, para executá-las a tiros. Mas elas QUASE foram salvas justamente por sua ganância. Elas encheram as roupas e espartilhos de jóias da coroa na esperança de salvá-las. Quando os homens atiraram, as balas ricochetearam e eles não entendiam porque não conseguiam matá-las. Então, finalmente mandaram-nas virar de costas e atiraram na cabeça.

    Acreditava-se que a caçula Anastasia tivesse sobrevivido porque seu corpo não foi achado junto com o do resto da família - onde foram enterrados pelos comunistas.
    Daí - foi no documentário que vi - acharam o corpo dela depois e explicaram porque tava separado, mas não lembro o motivo e nem do resto...




    Ana,

    obrigada pelo adendo!


    Fúria,

    concordo com você!

    Mas ambos tocaram em pontos que eu já pretendia comentar depois. Só não vai dar pra postar agora. À noite escrevo com calma...
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  11. Almáriel

    Almáriel Die Sonne

    Vale lembrar que essas histórias foram criadas, em sua maioria, na Idade Média. Nos tempos medievais as florestas eram consideradas zonas perigosas (ainda são) onde viviam os loucos, os ladrões, os assassinos e demais marginalizados. Muitos contos eram criados como histórias aterrorizantes para impedir que as crianças vagassem sozinhas pela floresta.

    Alguns historiadores dizem que isso ocorria especialmente nos tempos de fome, em que os camponeses praticavam o canibalismo, e as crianças perdidas eram as principais vítimas. Mas a questão no canibalismo na Idade Média é bastante controversa.

    Então não tem mesmo como saber como eram as versões originais, dado que elas eram passadas oralmente e assim foram se modificando. Essa mudança de propósito dos contos de fadas é mesmo muito interessante de observar.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  12. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Se for isso faz sentido, já que eram outros tempos, outros costumes e a sociedade medieval tinha um sistema de punição a quem transgredia as regras daqueles tempos nada muito piedosa.
     
  13. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Achei outras versões, tem similaridades com o que Aranel postou (ou em alguns casos mais detalhes):

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Outras fontes sobre o tema (em inglês):
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    (português)
    O quê? pensei que você fosse explicar.
     
    • Gostei! Gostei! x 4
  14. Elriowiel Aranel

    Elriowiel Aranel Usuário

    Gentei... lembrem que eu postei a fonte! Não fui eu quem escreveu os textos!!!

    Mas tem o mesmo sentido que a versão que vc achou: necrofilia [é o + provável pelo menos!]
     
  15. Quickbeam

    Quickbeam Rock & Roll

    Eu acho fascinantes essas versões mais antigas desses contos de fadas. Provavelmente, a primeira vez que tomei contato com uma delas foi em Sandman, no arco A Casa de Bonecas. Neil Gaiman reconta a versão de Chapeuzinho Vermelho que aparece em The Great Cat Massacre: and other episodes in French cultural history, de Robert Darnton, que por sua vez é baseada na versão coletada por Achille Millien (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ) na província francesa de Nivernais, por volta de 1870.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Achei interessante que o final da
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    é feliz (para a Chapeuzinho), mas de um jeito que eu ainda não conhecia (e pela astúcia de uma menina, algo que não esperava nessas versões mais cruas).

    Agora, acho que, em relação a Pinóquio e A Pequena Sereia, são criações literárias de, respectivamente, Carlo Collodi e Hans Christian Andersen, não? São diferente desses contos de fadas transmitidos via oral e que não possuem "forma original". É claro que já viraram histórias clássicas, tiveram inúmeras adaptações e muita gente acabou não lendo as versões originais. Eu mesmo conheci Pinóquio pela versão da Disney, no cinema, mas depois de alfabetizado li o livro de Collodi (Pequena Sereia foi através de um filme sobre Andersen, só muito tempo depois li o texto).

    Por fim, encontrei uma página repleta de textos em inglês de uma infinidade de contos de fadas, nas mais diversas versões:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , por exemplo, está presente em 23 versões diferentes, de vários países.
     
    • Gostei! Gostei! x 6
    • Ótimo Ótimo x 3
  16. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Era sarcasmo, me desculpe se não consegui ser claro.
     
  17. Elriowiel Aranel

    Elriowiel Aranel Usuário

    De boa... eu tenho dificuldade pra identificar sarcasmos em certas situações [sério!]... então nem se preocupe!




    PS: não consegui ver a imagem
     
  18. Ebemiel

    Ebemiel Visitante

    Já ouvi falar sobre esses contos de "fadas" verdadeiros.
    Tem um matéria, em uma revista (não me recordo o nome :think: e não estou em casa para ver :blah:) onde fala que a história da Chapeuzinho vermelho tem um cunho totalmente sexual.

    Sempre achei Branca de Neve uma história sombria e é a minha preferida (nunca gostei de Cinderela).
     
  19. Aster

    Aster Usuário

    Quando eu li, há não muito tempo, o conto Snow, Glass, Apples do Neil Gaiman (do livro Fumaça e Espelhos ou Smoke and Mirrors) eu simplesmente adorei e ele continua sendo um dos meus preferidos. Apesar de, na época, não conhecer a versão dos irmãos Grimm e nem outras mais antigas, fiquei imaginando quais seriam os elementos não presentes na versão Disney (que eu tb gosto) que inspiraram o Gaiman (ele mesmo escreve que se inspirou a partir de um conto do
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , do Neil Philip, lido muitas vezes). Acho agora o conto ainda mais bacana, à luz dessas referências todas

    O fato de a Branca de Neve ser uma criancinha, o que é feito de sua natureza (um ser vampiresco!!), que casa perfeitamente com o lance da necrofilia do príncipe, a forma horrível como morre a madrasta (uma bruxa clássica), que tem a ver com os sapatos em brasa, etc

    Branca de Neve rocks!!!
     
  20. Eu já havia lido sobre isso quando estava fazendo pesquisa para escrever um conto que foi publicado no livro "Histórias envenenadas - contos de fadas de terror" (se alguém ficar curioso, pode ler mais informações sobre o livro aqui:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ).
    Algumas versões são surpreendentes. A que mais me chocou quando li foi a da "Bela Adormecida", que sempre foi minha princesa preferida quando menina.
     

Compartilhar