1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Complexo de Portnoy, Philip Roth

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Dindii, 6 Ago 2010.

  1. Dindii

    Dindii Usuário

    “O personagem mais inesquecível que já conheci”. Dizem que a primeira frase de um livro é essencial para prender o leitor a uma historia. E foi isso que aconteceu quando li o romance de Philip Roth, “O Complexo de Portnoy”, lançado em 1969 e reeditado pela Companhia das Letras. Com essa frase inicial já dá vontade de ler, pelo menos, o primeiro capítulo do livro e descobrir de quem se trata, afinal, essa pessoa tão inesquecível.


    E o autor sabe como começar não só o primeiro, como cada um dos capítulos que o seguem, de forma que desperta curiosidade seja no subtítulo (muitas vezes chamativos e até engraçados) ou nas frases seguintes. Não é por acaso que coleciona tantos prêmios, como a Medalha de Ouro de Ficção,dada pela Academia Americana de Artes e Letras.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
  2. Pips

    Pips Old School.

    Eu desisti dessa punhetagem judaíca. Não encontrei em Philip Roth tudo o que dizem por aí.
     
  3. -Arnie-

    -Arnie- Usuário

    Eu li sem saber o que iria encontrar, e para minha surpresa era um Nabokov mil vezes mais safado, malandro e engraçado (mas nem de longe tão bonito). Quer dizer, não tem como não rir do "Sou Raskolnikóv da ejaculação", enquanto conhecemos sua infância pertubada. :sim:
     
  4. Todd

    Todd Usuário

    Eu sou fã do Philip Roth, um grande escritor sem dúvida. Este livro é recheado de ironia e humor. Gostei, e me fez rir muito também, embora do meio para o fim o livro vá cansando um pouco, tornando-se um pouco repetitivo. Mas valeu a pena a leitura. Eu leria novamente, não fosse o fato de ter algumas pilhas de livros novos me esperando por aqui.
     
  5. Luciano R. M.

    Luciano R. M. vira-latas

    Eu gosto bastante do Roth. O Portnoy eu ainda não li... Na verdade li só umas coisas bem mais recentes. Mas eu gosto dele. E... quiçá a punhetagem judaica exista mesmo, hahaha Mas eu gosto dela =P
     
  6. G.

    G. Ai, que preguiça!

    fiquei muito interessado nesse livro. Um colega meu me indicou... dele também veio a indicação do livro Indignação, o qual ele me emprestou e li dia desses. Basta dizer que gostei deveras...
    Mas o que vim falar aqui mesmo, como não há um tópico só do autor, é se vcs já ouviram falar ou até mesmo já leram essa trilogia dele intitulada "ZUCKERMAN ACORRENTADO"?

    gostei demais da descrição sobre o
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    :sim:
     
  7. Anica

    Anica Usuário

    se não tem tópico é só criar um, gabriel.
     
  8. luisdeabreu

    luisdeabreu Usuário

    gosto muito desse livro, um dos meus favoritos.
    tem todo lance do humor (poucas vezes eu ri tanto com um livro), mas isso nem é tanto o foco, o lance da ironia é só a primeira camada. é um baita de um tratado sobre culpa, o puritanismo e a repressão sexual impostas na sociedade americana - tudo relevado nessa constante busca do Portnoy pela fixação de sua imagem de "homem bom, inteligente, sóbrio", quando tudo que ele realmente quer é desbundar sem arrependimentos. é um personagem que eu acho extraordinariamente bem montado. Roth é grande.
     

Compartilhar