1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Notícias Morre o historiador Peter Gay, biógrafo de Sigmund Freud

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Bruce Torres, 14 Mai 2015.

  1. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    LUIZ ZANIN ORICCHIO - O ESTADO DE S. PAULO
    12 Maio 2015 | 18h 47
    Alemão radicado nos EUA e autor de mais de 25 obras, ele tinha 91 anos e morreu em sua casa, em Nova York
    (Atualizada às 19h40)

    O historiador Peter Gay, alemão de nascimento e norteamericano naturalizado, morreu ontem, aos 91 anos, em sua casa em Nova York. Autor de vasta obra, com foco no período vitoriano, Gay, nascido Peter Joachim Fröhlich em 20 de junho de 1923, em Berlim, tornouse muito conhecido como biógrafo de Sigmund Freud, o criador da psicanálise.

    Gay fugiu da Alemanha nazista em 1939 e instalouse nos Estados Unidos, com a família, em 1941. Obteve a cidadania norteamericana em 1946 e adotou uma forma original para "americanizar" seu sobrenome Fröhlich quer dizer exatamente Gay: ou seja, feliz. De resto, toda sua educação e carreira acadêmica foi feita nos Estados Unidos, na Universidade de Columbia. Gay lecionou em Yale até sua aposentadoria. "

    A escolha do período vitoriano como foco do seu interesse deu consistência ao seu trabalho. Sua obra é feita de livros muito pesquisados, com atenção às fontes primárias, mas também magnificamente escritos, altamente legíveis, mesmo para o leitor não especializado. São obras, em sua maioria, dirigidas ao leitor culto, que não necessariamente domina o jargão acadêmico. Ademais, mesmo numa carreira feita integralmente nos Estados Unidos, Gay não perdeu um certo toque europeu. Seus textos encantam pelo rigor, mas também pela facilidade como estabelece nexos entre disciplinas diferentes. Se for preciso qualificálo, poderiase chamálo de um historiador da cultura.

    Entre seus livros encontrase o monumento que é A Experiência Burguesa: Da Rainha Vitória a Freud, composta por cinco volumes: A Educação dos Sentidos (1989), A Paixão Terna (1990), O Cultivo do Ódio (1995), O Coração Desvelado (1999) e Guerras do Prazer (2001). Escreveu ainda o delicioso O Século de Schnitzler (2002), sobre o escritor austríaco e o não tão notável Modernismo (2009). Sua última obra que compreende ainda ensaios sobre Voltaire e o Iluminismo e sobre outros assuntos foi Represálias Selvagens (2010), ensaios sobre Dickens, Flaubert e Thomas Mann.

    Em 1989, lançou Freud: Uma Vida para o Nosso Tempo, aqui editado pela Companhia das Letras (tradução de Denise Bottman). Era uma operação arriscada. Afinal, Freud, por sua importância para o século 20, havia sido abordado em dezenas, talvez milhares de escritos. Biografias, havia duas a do seu médico Max Schur, e a do inglês Ernest Jones, em três volumes, considerada durante muito tempo a biografia "definitiva" do pai da psicanálise. A de Jones, era, de fato, a biografia oficial, sob o selo da Associação Internacional de Psicanálise, criada por Freud e sediada na Inglaterra, país onde ele se exilou durante o nazismo, e onde veio a morrer, em 1939. E permaneceu como o texto canônico sobre a vida de Freud, até que o de Gay.

    Não que a de Gay "supere" a de Jones. Na história das ideias, as coisas não se passam assim. Acontece que foram escritas em época e condições diferentes. A de Jones tornouse dominante nos anos 1950, quando a morte de Freud era ainda recente e a psicanálise ocupava um espaço mundial através da sua associação, tornada rigidamente ortodoxa por seus seguidores. A de Gay surge já numa época de contestação, com o legado do mestre sendo discutido de maneira mais aberta. Valese, além do mais, de material inédito, como boa parte da correspondência de Freud, inacessível para Jones.

    O próprio subtítulo do livro Uma Vida para o Nosso Tempo sugere a intenção de Gay: trazer a mensagem freudiana, seu exemplo de rigor intelectual, correção e estoicismo diante do sofrimento para a nossa época. Freud não era apenas um herói intelectual que revolucionou uma disciplina específica. Ele criou sua própria doutrina, revolucionou a clínica das neuroses e influenciou todo o pensamento cultural de sua época e o posterior. Gay reaviva esse personagem, através dos seus atos e ideias.

    Claro que havia um profundo ponto de identificação entre os dois, mesmo que separados por várias gerações. Como Freud, Gay abandonou a Alemanha nazista. Freud, no fim da vida, Gay no começo da sua. Ambos eram judeus de cultura germânica, não religiosos e confiantes no poder liberador do conhecimento. Nada mais lógico que Gay prestasse esse tributo ao seu antecessor, na forma de uma extraordinária biografia.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Ótimo Ótimo x 2
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Spartaco

    Spartaco James West

    Curiosamente, eu adquiri a pouco tempo essa biografia do Freud, dita edição econômica.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Historiador com formação psicanalítica, Peter Gay tinha um interesse especial pelo período de efervescência intelectual e profunda instabilidade política que foi a segunda metade do século XIX e a primeira metade do século XX. Ao examinar as paixões, sondar o intelecto e expor com clareza as teorias de Freud, ele construiu uma obra que é considerada por muitos como a biografia definitiva do criador da psicanálise, um homem que ousou repensar radicalmente a cultura ocidental.
     
    • Gostei! Gostei! x 3
  3. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Valeu por lembrar que foi relançada, @Spartaco . Tô atrás dela também.
     
  4. -Jorge-

    -Jorge- mississippi queen

    Por acaso eu tinha conhecido o autor recentemente também. Não lembro como, mas acabei caindo no site da Companhia sobre ele (acho que estava buscando outros livros e foi indicado ao lado). Tem uns livros interessantes a conferir no futuro (quem sabe).
     

Compartilhar