1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Fama à Mesa (Fabiano Dalla Bona)

Tópico em 'Literatura Brasileira' iniciado por Anica, 22 Dez 2010.

  1. Anica

    Anica Usuário

    Em casa para o Natal, o curitibano Fabiano Dalla Bona não vai embora sem comer o escargot do restaurante Île de France. “É o melhor que eu comi na vida”, diz o professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro e doutor em língua e literatura italiana. Vivendo na capital fluminense, ele acaba de publicar o livro Fama à Mesa pela editora Tinta Negra.

    O escritor nascido em 1969 defende há tempo a proximidade entre literatura e gastronomia, aliando dois de seus interesses mais caros nos livros O Céu na Boca (Tinta Negra, 2010) e, justamente, Literatura e Gastronomia (Itália Nova, 2005). O segundo versa sobre a culinária do sul da Itália, tema de seus estudos acadêmicos.

    Dalla Bona acredita que os livros que compilam receitas, hoje, precisam oferecer algo mais, pois o modo de fazer é acessível a qualquer um na internet. Difícil é encontrar referências confiáveis.

    A proposta de Fama à Mesa é coligir receitas e dar o contexto em que surgiram, explicando o motivo dos nomes e as particularidades do preparo. São fragmentos de história gastronômica. O resultado é um compêndio de pratos saborosos com anedotas e curiosidades culturais. Há também receitas de bebidas, entre elas, o bloody mary, o dry martini e o alexander, símbolo dos anos 1970 e 80 (qualquer um com mais de 30 anos já ouviu falar do drinque).

    Tendo como referência algumas celebridades, o pesquisador procura discutir a fama, uma noção que muda bastante com o tempo. Se a Grécia Antiga cultuava seus heróis, o mundo atual tem essa fixação estranha em pessoas que aparecem em capas de revistas de fofoca.

    Uma peculiaridade da lista de Fama à Mesa é colocar lado a lado pessoas de fato (o cantor Frank Sinatra, ítalo-americano chegado em almôndegas, é uma delas) e figuras fictícias (como a Miss Marple, de Agatha Christie).

    Sem preconceitos na mesa ou na literatura, Dalla Bona aprecia de tudo (menos chuchu e ouriço-do-mar). Podem ser os romances policiais do italiano Andrea Camilleri, de 75 anos, que criou o inspetor Montalbano, ou O Leopardo, obra-prima de Giu­­seppi Tomasi di Lampedusa (1896-1957), que inspirou Fama à Mesa e serviu de referência para uma das receitas.

    “Aliar literatura e gastronomia é a coisa mais fácil do mundo”, diz Dalla Bona, e cita o clássico fundador Odisseia, de Homero, como um exemplo de história que se passa ao redor da mesa, durante um banquete.

    Para o escritor, a comida é semelhante a uma narrativa. “Se você der um texto para cinco pessoas, elas farão cinco leituras diferentes, cinco variações para uma mesma história. O mesmo acontece com uma receita. Comida também é uma interpretação. Minha colher de farinha é diferente da sua”, diz.

    “Extremamente curioso”, como ele mesmo se define, Dalla Bona percebeu que é comum as receitas receberem nomes de pessoas, ao menos no Rio, mas pouco se sabe a respeito delas.

    Um dia, se pegou discutindo a origem do filé à Oswaldo Aranha, uma receita com muito alho, batizada pelo político gaúcho. Quando se dispôs a pesquisar os pratos e seus surgimentos, usou referências escritas e orais. No primeiro caso, usou a Biblioteca Nacional, sebos, “paciência” e “sapato”. No segundo, colheu depoimentos e versões para as receitas e acabou eliminando aquelas que pareciam incertas quanto ao modo de preparo.

    Levou em conta também os ingredientes e evitou incluir pratos complicados de fazer ou com matéria-prima difícil de encontrar. Cozinheiro diletante, o curitibano prepara comida quase todos os dias, mas nem sempre faz alta cozinha porque, afinal, “tudo que é demais, enjoa”.

    Hoje, parece estar na moda o interesse por gastronomia. Muitos se inspiram a cozinhar e a buscar paladares diferentes à mesa. Esse é um público que deve apreciar a comida contextualizada, que não se satisfaz apenas com um bom prato e que exige também uma história para acompanhá-lo. Fama à Mesa tem esses ingredientes e os utiliza de maneira inspirada.

    Dalla Bona vê a disposição de apreciar boa comida como algo que está nos genes. O bom gosto seria hereditário, estaria no DNA, mas pode também ser adquirido. Na verdade, dizem que a experiência com sabores é um caminho sem retorno. “Sem dúvida”, diz o pesquisador. “O paladar é relativo e muito pessoal.”

    Depois de comer uma feijoada bem feita, o sujeito nunca mais vai se satisfazer com outras meias-bocas.

    Serviço:
    Fama à Mesa, de Fabiano Dalla Bona. Tinta Negra, 184 págs., R$ 37.

    Banquete

    As receitas explicadas em Fama à Mesa vão da omelete afrodisíaca de Luís XV às tortinhas Dona Sophia, criada para a atriz Sophia Loren. Confira alguns pratos célebres que fazem parte do livro:

    > Bacalhau à Gomes de Sá (Portugal)

    > Bolo-esponja da Rainha Vitória (Inglaterra)

    > Frango atropelado de Tom Jobim (Rio de Janeiro)

    > Almôndegas de Frank Sinatra (Estados Unidos)

    > Risotto Giuseppe Verdi (Itália)

    > Vitela balsâmica de Pavarotti (Itália)

    > Camarão à Marta Rocha (Paraná)

    > Filé à Oswaldo Aranha (Rio de Janeiro)

    > Filé à Bismarck (Alemanha/Itália/Espanha)

    > Ovos Benedict de Agatha Christie (Estados Unidos)

    > Sopa de caranguejo de Martha Washington (Estados Unidos)

    > Madeleines de Proust (França)

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar