• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

As melhores e as piores leituras de 2022

Béla van Tesma

Nhom nhom nhom
Colaborador
O ano ainda não acabou, mas tem gente que já sabe que não vai ler mais nada e quer eleger seus melhores e piores. Eu ainda tenho fé de que lerei mais dois livros curtos (e, com sorte, bons) até o réveillon, então deixarei para dar meus dois centavos ano que vem.

Vocês fiquem à vontade pra listar em forma de top5, top10, top50 (esse é exclusivo para o Meneldur kkk) ou de qualquer outro modo que desejarem.

É isso. :joinha:
 
Também devo terminar o que estou lendo, mas acho que não mudaria o meu TOP 5:

1. A Primeira História do Mundo - Alberto Mussa
2. Crônicas Saxônicas XII: A Espada dos Reis - Bernard Cornwell
3. The Three Musketeers - Alexandre Dumas
4. Capitães da Areia - Jorge Amado
5. Flores para Algernon - Daniel Keyes

As piores, não por serem obras ruins ou porque eu não tenha gostado, mas porque em comparação às demais me agradaram ou me entretiveram menos:

1. Serial Killers: Made in Brazil - Ilana Casoy (mais científico e aprofundado nos casos, bem menos interessante que o primeiro).
2. O Mochileiro das Galáxias, v. 3: A Vida, o Universo e Tudo Mais - Douglas Adams (apesar de boas piadas, a narrativa de Adams nunca me prende)
3. The Great Gatsby - F. Scott Fitzgerald (achei este e Adeus às Armas muito superestimados. Suponho que ambos fiquem melhores como filmes; como clássicos literários, deve haver algo, mas não enxerguei ou senti o porquê).
4. Mahabharata: Versão condensada da maior epopeia do mundo - Krishna Dharma (foi uma experiência válida, mas acho que eu nunca contei tantas vezes as páginas que faltavam para terminar um livro).
5. Cosmos - Carl Sagan (os trechos sobre história da ciência e as reflexões mais epistemológicas foram muito bons, mas passei arrastaaado pela parte mais pesada de divulgação científica. Os muitos meses que eu levei para terminar dizem tudo).
 
Está na ordem de leitura, não de mais ou menos gosto.

Melhores:
  1. A guerra dos mundos - H. G. Wells (L&PM)
  2. Fausto, primeira parte - Johann Wolfgang von Goethe (34)
  3. Tropas estelares - Robert A. Heinlein (Aleph)
  4. Diário de um velho louco - Jun'ichiro Tanizaki (Estação Liberdade)
  5. A honra perdida de Katharina Blum - Heinrich Böll (Carambaia)

Piores:
  1. Coração-granada - João Doederlein (Paralela)
  2. A ilha misteriosa - Jules Verne (Zahar)
  3. Úrsula e outras obras - Maria Firmina dos Reis (Edições Câmara)
  4. As fontes do paraíso - Arthur C. Clarke (Aleph)
  5. O peso do pássaro morto - Aline Bei (Nós)

*Editei os piores. Troquei o Goethe pela Aline Bei.
 
Última edição:
Piores:
  1. Coração-granada - João Doederlein (Paralela)
  2. A ilha misteriosa - Jules Verne (Zahar)
  3. Úrsula e outras obras - Maria Firmina dos Reis (Edições Câmara)
  4. Fausto, segunda parte - Johann Wolfgang von Goethe (34)
  5. As fontes do paraíso - Arthur C. Clarke (Aleph)
esses piores ta mais pra menos melhores :mrgreen:
 
Como não listei minhas leituras, estou totalmente sem condições de fazer uma lista dessas. Mas menciono três das minhas melhores leituras este ano:

Viva o povo brasileiro, João Ubaldo Ribeiro
Casa-grande e Senzala, Gilberto Freyre
The poetry of pathos, Gian Biagio Conte
 
Acho que o meu ano de leituras foi mais fraco. Comparando com as leituras dos últimos anos, os livros que me empolgaram foram mais escassos.

Para a minha surpresa, inclusive, a leitura de que mais gostei no ano inteiro foi de um romance do Sarney.

Sobre o Eça de Queirós, que está no top 5 abaixo, embora eu tenha gostado de O Primo Basílio, tinha expectativas mais elevadas. Gostei muito mais de A Cidade e as Serras, que foi o primeiro livro do Eça que eu li.

Top 5 do ano:

1) O Dono do Mar, de José Sarney.
2) Terras do Sem Fim, de Jorge Amado.
3) O Mundo se Despedaça, de Chinua Achebe.
4) A Morte de Ivan Ilitch, de Liev Tolstói.
5) O Primo Basílio, do Eça de Queirós.

Dos que não gostei, lembro dois aqui:

1) A Paixão Segundo G.H., da Clarice.
2) A Megera Domada, do Shakespeare.

Entre as descobertas do ano que valeram à pena, destaco dois: Achebe e Sebald.
 
Top do ano:
1) A tortura, de Henri Alleg
2) Minha mãe morrendo e o menino mentido, de Valêncio Xavier
3) Cartas portuguesas, de Mariana Alcoforado/Gabriel de Guilleragues
4) Eu sou a lenda, de Richard Matheson
5) Depois do último trem, de Josué Guimarães

Bottom do ano:
1) Os robôs da alvorada, de Isaac Asimov
2) De quinhentos uma alma, de Ana Paula Maia
3) Luka e o fogo da vida, de Salman Rushdie
4) O peso da luz, de Ana Miranda
 
Melhores:

1. Atlas de nuvens (David Mitchell)
2. O Terceiro Reich (Roberto Bolaño)
3. Vila triste (Patrick Modiano)
4. O jardim do Finzi-Contini (Giorgio Bassani)
5. O sonho do celta (Mario Vargas Llosa)

Acho que a grande surpresa foi ter gostado tanto do Atlas de nuvens.

Piores:

O homem de areia (Lars Kepler)
Espinosa sem saída (Luiz Alfredo Garcia-Roza)
Sentimento do mundo (Carlos Drummond de Andrade) :naoteouc:

Também ia colocar A megera domada entre os piores, mas a peça tem pelo menos uma qualidade redentora: ter inspirado “10 coisas que eu odeio em você”.
 

Valinor 2023

Total arrecadado
R$2.404,79
Termina em:
Back
Topo