1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A Valsa dos Adeuses (Milan Kundera)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Anica, 2 Out 2010.

  1. Anica

    Anica Usuário

    Poucos títulos conseguem dar conta de uma obra como acontece no romance A Valsa dos Adeuses, de Milan Kundera. A imagem da valsa é tão forte e representa tão bem o todo, que acompanha o leitor mesmo quando o livro acaba. Uma obra-cebola, cheia de camadas que você só vai percebendo a medida que vira as páginas. Nesse caso lembra muito algumas comédias de Shakespeare, que conseguia mesclar o cômico com o trágico de uma maneira ímpar.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
  2. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Ótima resenha Anica, fiquei com vontade de ler.

    Aquele tom angustiante e deprimido de A Insustentável Leveza do Ser estão na obra também?
     
  3. Anica

    Anica Usuário

    eu achei mais leve, apesar de lidar com temas bem pesados como aborto e suicídio. nesse caso fica naquela dualidade constante da leveza e do peso hehe. algumas personagens chegam a ser engraçadas, coisa que eu não vi em a insustentável leveza do ser, por exemplo.
     
  4. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Deve ser muito legal mesmo, essa relatividade constante do Kundera é sensacional, te faz ficar pensando sobre o que você considera bom ou ruim, certo ou errado, sagrado e profano, aceitável e execrável...e assim por diante.
     

Compartilhar