• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Autor da Semana William Shakespeare (Obras)

JLM

mata o branquelo detta walker
[video=youtube_share;vdCjKH5IKJ8]http://youtu.be/vdCjKH5IKJ8[/video]
 

lipelimaa

Usuário
Eu sou um novo amante de suas obras, não conheço todas e somente algumas por filmes e séries q já assisti ( The Hollow Crowns é mt bom) quero muito ter alguns livros como Rei Lear , Hamlet e Coriolanus. Do Hamlet adoro a cena do começo em que ele encontra o fantasma do pai onde ele cita aquele lindo texto( quero mt decorar essa parte pra atuar em casa sozinho msm rs) . Um resumo bem detalhado, ele merece nosso respeito e gratificação não é mesmo. Bjos e abçs até mais
 

Mavericco

I am fire and air.
Usuário Premium
Shakespeare's fingerprints found on three Elizabethan plays
Computer analysis gives the Bard a hand in three late 16th century dramas, says scholar Jonathan Bate

The hand of William Shakespeare has been identified in scenes or passages in three Elizabethan plays previously believed to have been written by others, following linguistic "fingerprinting" tests and other new research.

Arden of Faversham, The Spanish Tragedy and Mucedorus will now be included in a major edition of collaborative plays bearing the Bard's name. Jonathan Bate, a renowned Shakespeare scholar, said the evidence has convinced him that specific parts within those plays must have had input from Shakespeare.

The three plays will be included in the edition which he is co-editing with other scholars in a collaboration between the Royal Shakespeare Company and Palgrave Macmillan. Plays known as the "Shakespeare Apocrypha" have long intrigued scholars, with claims and counter-claims over whether he could have written dramas beyond the 36 in the First Folio, the edition put together by his fellow actors after his death. Arguments over plays beyond the "authorised" collection have raged since the 18th century. The strengthened evidence will be outlined in the book, William Shakespeare and Others: Collaborative Plays, to be published on 28 October.

Bate, professor of English literature at Oxford University, says the issue is "perhaps the single most significant lacuna in 21st-century Shakespearean scholarship". Advanced computer-assisted analysis of every surviving play of the period has allowed the authors to go "quite a lot further than previous scholars" in establishing Shakespeare's involvement, he said, noting that it presents Shakespeare in a new light – as "reviser, rewriter and collaborator".

Arden of Faversham – which the RSC will stage in spring – is a 1590s domestic tragedy, published anonymously. It tells of a woman from Faversham, Kent, who conspires with her lover to murder her husband, seeking to "wash away this blood" in a manner reminiscent of Lady Macbeth. The book points out that rare words such as "copesmate" (companion), alongside distinctive imagery such as comparing a troubled mind to a muddied fountain, suggest Shakespeare's hand.

"It is a well-known play among aficionados," said Bate, "and there have been many arguments about who wrote it. But our new evidence is that at least one scene – a central encounter between the lovers – is by Shakespeare and that, possibly, Thomas Kyd is the author of other scenes." Kyd is best-known for The Spanish Tragedy, a 1580s revenge drama with later extra scenes which the computer testing now attributes to Shakespeare rather than his rival, Ben Jonson.

"There are some remarkable additional scenes and amazing dialogue about whether it's possible for a painter to portray grief or whether only a poet can produce a portrayal," said Bate.

There is strong circumstantial evidence that The Spanish Tragedypassed to Shakespeare's acting company and that the central character was played by his friend Richard Burbage, for whom he wrote Hamletand King Lear.

Mucedorus is a 1590s tragi-comedy which Shakespeare's acting company revived in 1610 with extra scenes. Bate said: "At least one of those scenes is, we think, linguistically full of his fingerprints." It uses phrases unique to Shakespeare such as "worthless trunk" (also in Henry V) and "high extolment" (Hamlet) and his famous stage direction, "Exit, pursued by a bear" (The Winter's Tale).

But ultimately, is the writing worthy of Shakespeare? Bate said: "The passages in The Spanish Tragedy genuinely are. That has long been recognised."Another scholar, Stanley Wells, said "Shakespeare was both a great genius and a jobbing playwright. Taking a fresh look at plays that he may have had a hand in doesn't turn them into better plays than we thought they were, but it may well both increase our understanding of his professionalism."

Gregory Doran, the RSC's artistic director, described the new research as "fascinating", although he believes the ultimate test is when words are delivered from actors' mouths. "The plays were much more collaboratively written than we realise. We're suspicious in the theatre – but not in film or telly – of joint authorship," he said.

Commenting on Arden of Faversham, Doran said: "It is an absolutely terrific play. The complexity of the storytelling is brilliant and it does have strokes of absolute genius, so I'm very ready to accept that scholars might think there's Shakespeare's hand in it."

[url]http://www.theguardian.com/culture/2013/oct/12/shakespeare-new-plays[/URL]

Em 2010 a Arden Shakespeare publicou uma peça que teria sido baseada numa outra, perdida, de Shakespeare:

'Shakespeare's lost play' no hoax, says expert
New evidence that Double Falsehood was, as 18th-century playwright Lewis Theobald claimed, based on Bard's Cardenio

It has thrills, spills, sword fights, violent sexual assault and – to modern ears – a terrible ending, but the little-known 18th century play Double Falsehood was propelled into the literary limelight today when it was claimed as a lost Shakespeare.

Professor Brean Hammond of Nottingham University will publish compelling new evidence next week that the play, a romantic tragi-comedy by Lewis Theobald is – as the author always maintained it was – substantially based on a real Shakespeare play called Cardenio.

Hammond has been backed in his assertion by the Shakespeare publisher Arden and there are unconfirmed rumours that the play will open at the Royal Shakespeare Company's Swan Theatre in Stratford when the venue reopens after its three-year closure.

The claim represents 10 years of literary detective work by Hammond. "I don't think you can ever be absolutely 100% but, yes, I am convinced that it is Shakespeare," he said. "It's fair to say it's been something of an obsession. You need to ask my wife but a fair few of my waking hours have been devoted to this subject."

Theobald's Double Falsehood, or The Distrest Lovers was first performed in 1727 at the Drury Lane theatre in London, along with the remarkable claim that it was based on Shakespeare's "lost play" Cardenio, which was first performed in 1613. Theobald claimed to have three original texts of Cardenio.

Double Falsehood went down well with audiences, but it was badly received by expert observers who dismissed Theobald as a hoaxer. Alexander Pope, in particular, was scornful but the two were committed enemies. "Theobald was the author of a volume in 1726 called Shakespeare Restored which was a hatchet job on Pope's editing of Hamlet," said Hammond. "In that volume Theobald made it pretty clear that he considered himself superior to Pope."

The denunciation became accepted as fact: Theobald was little more than a hoaxer, albeit an audacious one. The play then went largely to ground apart from a performance in 1846 when – after the audience shouted "author? author?" – a plaster bust of Shakespeare was brought out. It was laughed off stage.

The play reads like Shakespeare, but reworked Shakespeare. Hammond called Double Falsehood a "flawed play", adding: "This version of the Shakespeare play has been doctored. Theobald cut out material that he didn't think appropriate, but this was quite common. Shakespeare was very frequently rewritten in the 17th and 18th centuries."

The play is much shorter and more bitty than a normal Shakespeare play and there are no long speeches. But there is plenty of action that centres on two men and two women, including an aristocratic villain called Henriquez who ravishes the virtuous young girl Violante. By the end he has repented and is strikingly forgiven by all.

The Arden Shakespeare's general editor, Richard Proudfoot, said the play was being made accessible for the first time in 250 years. "I think Brean Hammond's detective work has been superb. He is quite open to the obvious fact that there is an element of speculation, but both of us believe that the balance of doubt lies in favour of its claim being authentic rather than a total fabrication."

Over the years some 77 plays have been attributed in whole or in part to Shakespeare, about half of them wrongly. There are also plenty of theories and books published claiming Shakespeare's plays were written by Edward de Vere, Sir Francis Bacon or Christopher Marlowe.

[Clique no link pra ver um trecho:]

http://www.theguardian.com/culture/2010/mar/15/shakespeare-lost-play-double-falsehood
 

Bruce Torres

Let's be alone together.
Mas "The Spanish Tragedy" não é do Thomas Kyd?

EDIT: Never mind, li tudo já. Nossa, taí algo que não nos contaram na faculdade: dessa mania dos autores elizabetanos de mexerem nas peças uns dos outros.
 

Bruce Torres

Let's be alone together.
Batalha nas coxias

A academia se ouriça para ampliar número de peças de Shakespeare

RESUMO Às vésperas da comemoração dos 450 anos do nascimento de William Shakespeare, pesquisadores publicam livro com peças em que autor de "Romeu e Julieta" teria colaborado. Os textos, que teriam sido escritos a várias mãos ou sofrido alterações posteriores pelo bardo, reacendem debate em torno de seu cânone.

NELSON DE SÁ

"SAI, PERSEGUIDO por um urso" é uma das rubricas mais conhecidas de William Shakespeare (1564-1616). A indicação de cena, que faz parte da peça "Conto de Inverno", expõe uma face menos difundida do teatro londrino de então, acentuadamente popular: o vínculo com espetáculos de animais. Ela reaparece noutra peça, aumentada e representada pela companhia teatral de Shakespeare na mesma época (c. 1610), "Mucedorus".

Esta foi considerada a comédia mais popular na cidade, na virada do século 16 para o 17. Entre as tragédias, a de maior apelo era "The Spanish Tragedy", a qual também foi ampliada, em 1602. Shakespeare não é o autor original de nenhuma das duas, mas teria escrito esses acréscimos --inclusive a rubrica do urso.

É o que propõe "William Shakespeare & Others - Collaborative Plays" [St. Martins Press, 782 págs., R$ 96,30, sob encomenda], que reúne dez peças e ensaios, de vários autores, sobre elas.

O livro, publicado no final do ano passado na Inglaterra, em associação com a Royal Shakespeare Company (RSC), reúne o trabalho de seis editores, liderados por Jonathan Bate, da Universidade de Oxford. Desde então, o volume vem motivando ondas de apoio e também controvérsia na comunidade acadêmica shakespeariana.

Um dos editores, Will Sharpe, da Universidade de Birmingham, assina no livro o ensaio "Authorship and Attribution" (autoria e atribuição), no qual detalha as técnicas usadas para identificar as peças colaborativas de Shakespeare. Sharpe diz que os chamados "estudos de atribuição" são o reverso de uma discussão ainda mais controversa, a da "questão autoral" --que não propõe colaboradores para o dramaturgo, e sim alternativas a ele.

Essa causa refluiu nos últimos anos, depois de inspirar até uma superprodução hollywoodiana, "Anônimo" (2011), dirigida por Roland Emmerich, que defendia outro autor para as peças, o conde de Oxford --e que foi um fracasso de bilheteria.

Agora, nos 450 anos de Shakespeare --a serem comemorados no próximo dia 23, data convencionada, embora não comprovada, de seu nascimento-- a aposta são "estudos de atribuição" como os coligidos em "Collaborative Plays".

Além do cânone de 38 peças, um quarto delas reconhecidamente escritas tendo o dramaturgo como colaborador, buscam-se novos textos que o teriam como coautor.

James Shapiro, professor da Universidade Columbia que publicou um livro influente rebatendo as tentativas de revogação de autoria, "Quem Escreveu Shakespeare?" [Nossa Cultura, 356 págs., R$ 59], recorda que por muito tempo os acadêmicos se mantiveram afastados do tema das coautorias shakespearianas.

Por exemplo, quando começou a dar aulas nos anos 1980, abordando peças como "Titus Andronicus" e "Timão de Atenas", ele não fazia ideia de que tinham sido escritas por Shakespeare com os colegas George Peele e Thomas Middleton, respectivamente. Agora, sabe-se que ele trabalhou com colaboradores tanto cedo na carreira ("Titus") como mais tarde ("Timão").

Para Shapiro, o novo livro é uma edição marcante e rica das peças, permitindo revisitar de uma maneira nova a pergunta "O que é shakespeariano?".

CÂNONE Nem todos veem assim. Gary Taylor, da Universidade Estadual da Flórida, foi um dos editores de "The Oxford Shakespeare" em 2005 (Oxford University Press), no qual se incluíram pela primeira vez, entre as obras completas, textos como "Sir Thomas More". Num artigo para o "Washington Post", há dois meses, ele acusou a equipe de "Collaborative Plays" de ir longe demais ao tentar acrescentar dez novas peças ao cânone.

Taylor elogia o ensaio "excelente" de Will Sharpe, que reconhece que quatro das peças reproduzidas provavelmente não são de Shakespeare. Mas questiona o editor principal, Bate, que, em seu ensaio no livro, justifica a inclusão das quatro peças por terem sido atribuídas ao dramaturgo na época. Para Taylor, a explicação é frágil, pois muitas outras peças foram publicadas como sendo de autoria de Shakespeare e mesmo assim não foram incluídas no volume.

Questionado, Sharpe responde que a equipe chegou a discutir, antes da publicação, se a expressão peças colaborativas poderia ser enganadora ("misleading"). "O título guarda-chuva ideal seria Shakespeare Apócrifo', porque é isso o que as dez peças têm em comum, mas é o nome do livro clássico de C.F. Tucker [Shakespeare Aprocrypha', 1908, que lista e analisa 42 textos] e então seria necessário editar toda peça já atribuída a Shakespeare, uma tarefa imensa."

Ele acrescenta que não se deve sobrevalorizar o título, porque, quando se começa a ler, fica evidente que o volume não atribui todas as peças a Shakespeare. "Nós não estamos fazendo reivindicações sensacionalistas e falsas sobre autoria", diz, contrariado, apesar dos elogios de Taylor a seu ensaio de 104 páginas.

Parte das críticas deve ser contextualizada pela corrida --agora escancarada-- para comprovar e estabelecer o que mais deve ser incluído no cânone. Outras edições de obras completas, inclusive "RSC Shakespeare: The Complete Works", editada pelo mesmo Bate em 2007, vêm acrescentando peças à lista. A popular e prestigiosa coleção Arden somou "Double Falsehood", originalmente "Cardenio", à sua lista em 2010.

Das dez peças de "Collaborative Plays", cinco são identificadas por Sharpe como "quase certamente ou muito provavelmente" escritas por Shakespeare, em colaboração com outros autores: "Sir Thomas More", "Edward III", "Arden of Faversham", "The Spanish Tragedy" e "Double Falsehood". "Mucedorus", a sexta, "vale a pena ser considerada". As demais seriam "muito improváveis ou quase impossíveis": "A Yorkshire Tragedy", "The London Prodigal", "Locrine" e "Thomas Lord Cromwell".

CORRIDA O esforço centenário de distinguir entre o Shakespeare canônico, aquele encontrado na primeira edição das peças logo depois sua morte (o "First Folio", com 36 obras), e o apócrifo, com textos deixados de fora, nunca se repetiu com outros autores elisabetanos, segundo Peter Kirwan, da Universidade de Nottingham, também coeditor do livro.

Teria sido uma forma de afastar o dramaturgo do "mundo bagunçado" daquele início da dramaturgia moderna, no qual peças atribuídas a nomes como Ben Jonson (1572-1637) têm sua autoria dissolvida em colaborações, revisões etc.

Nas últimas décadas, porém, progrediu muito a compreensão sobre autoria nos séculos 16 e 17, graças aos exames com apoio de computador. Cresceu também a aceitação de que, como em filmes e séries de televisão na Hollywood de hoje, naquele momento as peças eram escritas e reescritas por muitas mãos, em ritmo industrial.

E novas trilhas são abertas. Meses antes de "Collaborative Plays" chegar às livrarias, um professor da Universidade do Texas, Douglas Bruster, publicou ensaio afirmando que 325 versos acrescentados a "The Spanish Tragedy" para uma encenação pela companhia de Shakespeare têm características que derivam de dificuldades de leitura, por parte dos tipógrafos, dos manuscritos do dramaturgo (revista quadrimestral "Notes & Queries", Oxford, agosto de 2013).

A peça é quase unanimemente atribuída a Thomas Kyd (1558-94), mas aquelas centenas de linhas seriam colaborações shakespearianas. Agora Bruster pretende editar sua própria versão das obras completas, prevista para 2016 e intitulada "Bankside Shakespeare", já com as passagens adicionais.

Ele não está sozinho na corrida editorial. Maior referência contemporânea no desenvolvimento de mecanismos de atribuição de autoria, MacDonald P. Jackson, da Universidade de Auckland, da Nova Zelândia, lança daqui a três meses uma edição de "Arden of Faversham" que vai propor expressamente acrescentar a peça ao cânone shakesperiano, a partir de juízo formado com técnicas estilométricas e testes quantitativos.

A equipe de editores de "Collaborative Plays" não esconde ter se baseado, em parte, nos perfis de dramaturgos elisabetanos desenvolvidos por Jackson nos anos 1970 e lista as seis "marcas estilísticas" centrais adotadas para indicar colaboração nas peças analisadas: contrações preferidas (como "I'll" em vez de "I will"), formas verbais (como "hath" em vez de "has"), métrica, palavrões, preposições e pronomes.

Jackson e seus colegas trabalhavam de início manualmente, mas dos anos 1990 para cá, sublinha o livro, "esse trabalho hercúleo se tornou relativamente fácil", com os textos do período elisabetano sendo absorvidos por bases de dados computadorizadas, munidas de funções de busca sofisticadas, que podem ser feitas em segundos, quando antes tomavam anos, "talvez décadas".

Daí a concorrência crescente pela revisão do cânone shakespeariano, agora potencializada pela proximidade das efemérides --além dos 450 anos de natalício, aproximam-se os 400 anos de morte, a serem lembrados em 2016.

TRÊS PEÇAS Apanhado no redemoinho acadêmico e editorial, Will Sharpe diz que o objetivo central do novo livro é apenas trazer para a boca de cena e para o público, um debate sobre as contribuições de Shakespeare que já acontecia em publicações universitárias e em bibliotecas. Não se deve procurar na obra uma grande revelação, embora a imprensa londrina tenha feito exatamente isso.

O "Observer", por exemplo, publicou em outubro uma reportagem intitulada "Shakespeare's fingerprints found on three Elizabethan plays" (digitais de Shakespeare são encontradas em três peças elisabetanas). O texto referia-se a "The Spanish Tragedy", "Arden of Faversham" e "Mucedorus".

Com relutância, Sharpe admite que talvez a maior revelação potencial seja mesmo "The Spanish Tragedy", por ser um clássico da Renascença inglesa, a primeira grande tragédia popular do palco elisabetano, enfim, "a melhor peça" dentre as dez editadas agora. Um texto que, firma o editor, merece ser mais representado do que é --o que certamente acontecerá se forem estabelecidos os adendos shakespearianos.

Argumento semelhante vale para "Arden", uma tragédia doméstica muito à frente de seu tempo, sobre uma cidade inglesa comum, sobre pessoas comuns e um assassinato, "uma grande peça para remontar". Não por coincidência, a mesma RSC que coedita o livro prepara uma produção da obra para o final deste mês, em Stratford-upon-Avon, cidade natal de Shakespeare (veja destaques da programação de comemoração dos 450 anos ao lado).

"Mucedorus" seria um caso diferente, até porque "precisa de mais investigação". Muito do estudo sobre atribuição no livro é dedicado a ela, que foi a peça mais publicada no período, anonimamente, com 17 edições entre 1598 e 1668. Há "provas linguísticas instigantes" que sugerem que Shakespeare se envolveu nos trechos adicionais, acrescentados quando sua companhia encenou o texto e ele era o dramaturgo-chefe.

Também os temas são similares àqueles das peças que escreveu então, como "Conto de Inverno" e "Cymbeline", mas Sharpe prefere esperar, em vez de ser assertivo, justificando que há um livro programado para sair em 2016, escrito por MacDonald Jackson, sua principal referência. "Aguardamos esse estudo com grande interesse."

O original de "Mucedorus" é usualmente atribuído aos chamados "university wits", dramaturgos com formação em Oxford ou Cambridge. Robert Greene e Thomas Lodge --este um escritor que curiosamente viveu alguns meses em Santos, no colégio jesuíta, em 1591/92-- são as apostas mais citadas por acadêmicos, mas não há prova que ampare uma autoria.

SANTO GRAAL Por mais convincentes que sejam os levantamentos de estilometria e outros utilizados em "Collaborative Plays", como um novo software para localização de autoplágios, o resultado obtido por meio deles é só um aumento na probabilidade de determinada autoria, não uma prova definitiva, física. A exceção é "Sir Thomas More", peça que sobreviveu apenas como manuscrito, com várias caligrafias, sem ter sido editada ou sequer encenada na época em que foi escrita.

Uma cena escrita na letra apelidada de "hand d", caligrafia d, vem sendo examinada desde o final do século 19 como possível Santo Graal dos "estudos de atribuição". Sir Edward Thompson, primeiro diretor do Museu Britânico e importante paleógrafo, especialista em escritas antigas, proclamava já em 1916 que era, sim, da pena de Shakespeare.

Os estudos acumulados desde então permitem afirmar hoje, segundo Sharpe, que há quatro características ortográficas das seis assinaturas conhecidas de Shakespeare que são totalmente únicas, não localizadas em qualquer outro documento, exceto pela passagem da caligrafia d, em que são encontradas todas as quatro.

São elas: um "a" com esporas, uma forma única de "w", um floreio estranho no "k" e traços superiores também únicos no "m" e no "w" de uma das seis assinaturas.

As formas das letras são "muito, muito idiossincráticas", diz Sharpe. Combinadas com as provas de ortografia, de contração e colocação de palavras, de repetição de imagens, entre outras, construíram uma causa mais forte para "Sir Thomas More" do que para as outras.

No manuscrito guardado hoje na Biblioteca Britânica, a peça é um volume disforme, com vários pedaços de papel colados, conformando uma ordem aparente. Com abundantes revisões, inserções e cortes, "é um dos mais fascinantes exemplos de um documento teatral em elaboração", segundo descrição em "Collaborative Plays".

No enredo, uma passagem creditada a Shakespeare mostra como o humanista Thomas More (1478-1535) contém uma revolta de artesãos e aprendizes em Londres, contra imigrantes. Ele questiona se, forçados a viver na França ou em Portugal: "Vos agradaria nação tão primitiva, que irrompesse com uma violência hedionda [...] ou vos chutasse como cães? [...] Eis vossa desumanidade horrenda" (leia a tradução de Alípio Correia de Franca Neto à pág. 8).

NO PALCO Numa resenha elogiosa a "Collaborative Plays", a revista "Around the Globe" (Shakespeare's Globe, primavera de 2014) afirma que a coletânea permite vislumbrar um mundo em que a autoria era comunal e complexa, avançando assim na compreensão de que Shakespeare foi de fato "um homem de teatro".

As últimas 36 páginas do livro são dedicadas a depoimentos de encenadores e atores que trabalharam com as peças. Terry Hands, que foi diretor-artístico da própria RSC e montou "Arden of Faversham", afirma não ver qualquer sinal do dramaturgo no texto.

Mas acrescenta que uma das cenas, com a destruição de um missal, um livro de orações para missa, "é mais audaciosa até"do que a queima do Corão em "Tamburlaine", de autoria de Christopher Marlowe (1564-93). Ele pergunta por que não se pode "celebrar uma peça marcante de um autor que não tenha escrito mais nada". Em outras palavras: Por que uma boa peça, como "Arden", precisa da assinatura de Shakespeare?

O diretor brasileiro Ron Daniels concorda. "Pois é, a indústria shakespeariana não para. Cada um de nós procura ganhar a vida, publicando livros, desenvolvendo teorias e montando peças. Para mim, só o que importa é descobrir uma maneira de encenar essas peças para que tragam sentido às nossas vidas. Que importa quem as escreveu? Que diferença faz?"

Questionado, ele responde que talvez seja oportunismo procurar novas peças nos 450 anos do dramaturgo, mas acrescenta que "tudo bem: quanto mais Shakespeare, melhor". Quanto à autoria colaborativa, insiste que é só curiosidade acadêmica. "Para o ator, para o diretor, o que importa é a vida que as peças têm no palco."

Daniels foi colega de Hands na RSC e assistiu à sua montagem, no início dos anos 1980. "Se bem me lembro, Arden' é um melodrama doméstico muito gostoso."

"Além do cânone de 38 peças, um quarto delas reconhecidamente escritas tendo o dramaturgo como colaborador, buscam-se novos textos que o teriam como coautor"

"Por mais convincentes que sejam os levantamentos de estilometria e outros usados no livro, o resultado obtido por meio deles não é uma prova definitiva"

"O esforço centenário de distinguir entre o Shakespeare canônico e o apócrifo, com textos deixados de fora, nunca se repetiu com outros autores elisabetanos"

Fonte: http://tools.folha.com.br/print?url=http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrissima/160019-batalha-nas-coxias.shtml&site=emcimadahora
 

Bruce Torres

Let's be alone together.
Sir Thomas More

SOBRE O TEXTO O manuscrito de "Sir Thomas More" teria sido redigido por sete pessoas, entre elas Anthony Munday (1560-1633), que seria o autor do texto original, por volta de 1600. A peça não foi encenada nem publicada à época. A primeira colaboração de Shakespeare é identificada no trecho manuscrito pela chamada "hand d" (caligrafia d), por volta de 1604. É o Ato 2, Cena 4, traduzido ao lado. Além de caligrafia, também ortografia e outras características remetem ao dramaturgo. Uma colaboração posterior e mais curta de Shakespeare, manuscrita por outra pessoa, "hand c", é atribuída a ele por paralelos verbais e outros. Considerada a passagem de mais qualidade da peça, é o Ato 3, Cena 2, também ao lado.

trechos atribuídos a WILLIAM SHAKESPEARE
tradução ALÍPIO CORREIA DE FRANCA NETO

Ato 2, cena 4

Entram Lincoln, Doll, o Bobo, George Betts, Williamson e outros.

LINCOLN - Silêncio, ouvi: quem não quiser arenque defumado a quatro pence, manteiga a onze a libra, farinha a nove xelins o alqueire e carne a quatro moedas de ouro quatorze libras, me escutai.

GEORGE - Se os estrangeiros forem tolerados, isso vai acabar em crise. Vamos dar-lhe atenção.

LINCOLN -O nosso é um país que come muito; ergo, eles comem mais no nosso país do que no deles mesmos.

O BOBO - Um pão por dia a meio pêni, sistema "troy".

LINCOLN - Eles cultivam vegetais de fora e péssimos, o que é apenas pra ruína dos pobres dos aprendizes. Ora, o que é uma mísera pastinaga prum bom apetite?

WILLIAMSON - Nada, nada. Causam dor nos olhos e podem infectar a cidade com a paralisia.

LINCOLN - Não, infectaram: esses vegetais bastardos do esterco --vós sabeis que eles crescem no esterco-- já nos infectaram, e a nossa infecção, que vai abalar a cidade, em parte está ocorrendo porque nós comemos pastinagas!

O BOBO - É verdade. Abóboras também.

Entra [Downes, o Sargento d'armas].

DOWNES - O que dizeis à piedade do Rei? A recusais?

LINCOLN - Quereis nos desequilibrar na luta, hein? Não, claro que não; aceitamos a piedade do rei. Só que não vamos demonstrar piedade pelos estrangeiros!

DOWNES - Sois os infelizes mais simplórios que eu já vi insistindo numa questão como essa.

LINCOLN - Como é que disseste, aprendizes?, aprendizes simplórios? Abaixo com ele!

TODOS - Aprendizes simplórios! Aprendizes simplórios!

Entram o Prefeito de Londres, Surrey, Shrewsbury [e More].

PREFEITO DE LONDRES - Parem! Em nome do Rei, parem!

SURREY - Amigos, camaradas, compatriotas"...

PREFEITO DE LONDRES - Paz, escutai, paz! Eu vos ordeno, conservai a paz!

SHREWSBURY - Meus camaradas, compatriotas"...

WILLIAMSON - O nobre Conde de Shrewsbury, vamos ouvi-lo.

GEORGE - Vamos ouvir o Conde de Surrey.

LINCOLN - O Conde de Shrewsbury.

GEORGE - Vamos ouvir os dois.

TODOS - Os dois, os dois, os dois, os dois!

LINCOLN - Paz, estou dizendo, paz! Sois homens sábios ou o quê?

SURREY - O que quiserdes, menos homens sábios.

TODOS - Não vamos ouvir meu Lorde de Surrey: Não, não, não, não! Shrewsbury, Shrewsbury!

MORE - Enquanto transbordarem a obediência Vão acabar com tudo desse jeito.

LINCOLN - O Xerife More fala: vamos ouvir o Xerife More falar?

DOLL - Vamos ouvir ele: ele como xerife tem uma mesa generosa, e arrumou pro meu irmão ser assistente do Sargento Safe. Vamos ouvir o Xerife More.

TODOS - Xerife More, More, More, Xerife More!

MORE - Mesmo que com o governo que seguis,
Ordenai-vos ouvirdes em silêncio.

ALGUNS - Surrey, Surrey! More, More!

LINCOLN e GEORGE - Paz, paz, silêncio, paz!

MORE - Tu, que esta multidão escuta e preza,
Ordena-lhe o silêncio.

LINCOLN - A peste caia sobre eles! Não vão manter a paz, O diabo não pode governá-los!

MORE - Que encargo duro e ruidoso tendes,
Governar quem o diabo não governa!
- Meus camaradas, escutai.

DOLL - Sim, pela missa, nós vamos ouvir. More: és hospitaleiro, e te agradeço a consideração em nome do meu irmão Arthur Watchins.

TODOS - Paz, paz!

MORE - O que ofendeis é o mesmo que pleiteais,
Ou seja, paz: não estaríeis aqui
Tivésseis tido outros iguais na infância
Pra degolar a paz, como quereis;
Se a paz em que vos criastes até agora
Fosse tomada, os tempos cruentos não
Vos levariam até à idade adulta.
Ai, tristes criaturas, qual o ganho
Se assegurarmos isso que pedis?

GEORGE - Ora, essa, a remoção dos estrangeiros, que só sabem se aproveitar dos pobres artesãos da cidade!

MORE - Vamos supor que ela houve, e vosso ruído
Vergou a majestade da Inglaterra.
Pensai nos estrangeiros, infelizes,
Com crianças nos ombros, bagagem pobre,
Se arrastando à orla e ao porto pra transporte,
E sentais como reis ante os desejos,
O poder silenciado às queixas altas,
Vós, trajando vanglória até os rufos;
O que lograstes? Digo. Ensinastes
Que empáfia e mão pesada hão de se impor,
A ordem, ser pisoteada, e com esse exemplo
Nenhum de vós acabaria ancião,
Pois mais rufiões, presas de fantasias,
Com iguais razões, mão, senso de direito,
Iriam predar-vos, e homens, devorar-se Como peixes vorazes.

DOLL - Por Deus, isso é tão verdadeiro quanto o Evangelho!

GEORGE - Ora, esse camarada é íntegro, garanto. Vamos ouvi-lo.

MORE - Deixai-me expor ao vosso juízo, amigos,
O que é uma hipótese; se a escutardes,
Percebereis quão repugnante é a forma
Desse motim; primeiro, ele é um pecado
Do qual o apóstolo já advertia,
Instando obediência à autoridade;
Não erraria se dissesse a todos
Que vos batíeis contra o próprio Deus.

TODOS - É claro, Deus proibiu isso!

MORE - Ou melhor, certamente vos bateis.
Deus concedeu ao Rei a autoridade
Do assombro, do poder, justiça e mando,
Deu-lhe o governo, quis que obedecêsseis;
E acrescentando majestade a isso,
Não só cedeu Sua figura ao Rei,
Seu trono e espada, como deu-lhe o nome --
O chama Deus na Terra. O que fazeis,
Negando quem o próprio Deus empossa,
Senão negar a Deus? O que fazeis
À alma com isso? Oh, desesperados,
Lavai vossa alma em pranto, e as mesmas mãos
Que ergueis como rebeldes contra a paz
Erguei por paz, e os joelhos profanos,
Fazei-os vossos pés. Vos ajoelhar
Para o perdão é guerra mais segura
A vós, cuja ordem é o tumulto. Vamos,
Recolhei-vos à obediência! Até
Vosso tumulto ocorre em obediência.
Me respondei: que capitão rebelde,
Já que há motins, chamado dessa forma,
Aquieta a malta? Quem segue um traidor?
Como a proclamação soará harmoniosa
Sem título senão o de rebelde
Pra designá-lo assim? Degolareis
Estrangeiros, lhes tomareis as casas
E ireis guiar a majestade da lei
em trela, então largá-la como a um cão.
Se o Rei -- piedoso com quem tem remorso --
Punisse vossa enorme transgressão
Só vos banindo, aonde iríeis? Qual
País, com a natureza dessa falta,
Daria abrigo? Ide à França ou Flandres,
Província alemã, Espanha ou Portugal,
Um lugar sem os usos da Inglaterra:
Sereis, por força, estrangeiros. Vos
Agradaria nação tão primitiva,
Que irrompesse com uma violência hedionda,
Não vos desse morada nesta terra,
Afiasse a faca odiosa em vossa goela
Ou vos chutasse como a cães, e como
Se estranhos a Deus, não criados por ele,
Com elementos não próprios ao conforto
E impingidos a ele? O que pensaríeis
De um trato assim? É o caso de estrangeiros;
Eis vossa desumanidade horrenda.

TODOS - É mesmo, o que ele tá falando é verdade. Vamos fazer pros outros o que queremos que nos façam.

LINCOLN - Vamos ser liderados por ti, Camarada More, se ficares a nosso lado pra conseguir nosso perdão.

MORE - Entregai-vos aos nobres cavalheiros,
Rogai-lhes a mediação com o Rei,
Cedei à regra, ouvi o magistrado
E será certo que achareis piedade
Se assim buscardes.

[...]

Ato 3, Cena 2

Uma mesa coberta por uma toalha verde. Sobre ela, uma almofada de cerimônia, a bolsa com a insígnia de Lord Chancellor e ao lado dela a maça. Entra Sir Thomas More

É no céu que eu estou, de um jeito ou de outro,
E o que chamamos "sorte", como ímpios,
É a provisão desse poder na altura,
Própria e moldada à força natural
Com que nascemos. Meu bom Deus, bom Deus!
Eu ascender de um ramo humilde à testa
Do meu país, como me aconteceu,
E legislar! Na vida de meu pai,
Ter direitos, tributos dos joelhos
Dos meus, mais velhos --e ele, por meu cargo,
Me dar a via plana a sua direita,
Dele por natureza! É, tais coisas,
Se não tratadas, tornam nosso sangue
Corrupto: só que, More... quanto mais tenhas,
Honra, carreira, posição, riqueza,
Que atiçam a acolhê-las, abraçá-las,
Mais lembra a natureza das serpentes,
Seu cerne agudo, e adota esta máxima:
Quanto mais fios de fases triunfais
Mais em ruína a meada se desfaz.

Fonte: http://tools.folha.com.br/print?url...60022-sir-thomas-more.shtml&site=emcimadahora
 

Spartaco

250 anos do nascimento
Não podia deixar de mencionar que há 450 anos, no dia de hoje (23 de abril) em 1564, nascia em Stratford, na Inglaterra, William Shakespeare, escritor, poeta e dramaturgo dos mais importantes da literatura universal.

CHANDOS3.jpg


Autor de obras como Hamlet, Romeu e Julieta, Ricardo III, Sonhos de Uma Noite de Verão, Rei Lear, Macbeth e tantas outras peças importantes, além de 154 sonetos e dois longos poemas narrativos, que, sem dúvida alguma, ajudou a formar a visão do mundo e a expressar os mais variados sentimentos.
 

Valinor 2021

Total arrecadado
R$250,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo