1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Rosa de Versailles [Riyoko Ikeda]

Tópico em 'Anime & Mangá' iniciado por Primula, 6 Ago 2003.

  1. Primula

    Primula Moda, mediana, média...

    OK, li esse faz tempo e só agora vou postar sobre isso.

    A meu ver é um dos mangás de referência.

    Resumo

    Escrito por Riyoko Ikeda a partir de 1972. Titulo original : Berusairu no Bara.

    A ficção mistura-se com a estória real que aconteceu na França da Revolução Francesa.

    É a estória do filho do General Jarjeyes... ou melhor, da filha. E da imperatriz da França, Maria Antonieta.

    O general Jarjeyes é um homem azarado.... depois de mais de 10 filhas, a sua última esperança é que esta última gravidez agracie sua família com um menino, para que ele possa passar adiante a guarda da família real a ele.

    Só que nasce uma linda menininha.

    Sem hesitar ele toma uma decisão e chama o bebê de Oscar François de Jarjeyes. (para desespero e choque da ama).

    Oscar recebe a educação de um menino. Ao lado de André, ela cresce para proteger a futura rainha da França: Maria Antonieta.

    Na corte ela é idolatrada pelas mulheres (apesar de saberem que é uma mulher), apaixona-se pelo homem errado, toma consciência do estado calamitoso da economia da França.

    Sua consciência a impele a tomar parte dos revolucionários, morrendo durante a queda da Bastilha.

    Aqui a estória continua com Antonieta, através do começo do Terror que seguiu a revolução.

    Análise

    Oscar é dividida em vários conflitos. O conflito de ser mulher mas ter escolhido a vida de um homem. O conflito de ser parte da nobreza que oprime o povo. O conflito de compreender as razões porque Antonieta é cabeça de vento e gasta tudo com vestidos e jóias.

    Apesar dos conflitos, Oscar não fica paralisada. Ela age conforme suas decisões e crenças do que é certo.

    Interessante notar que Riyoko captou soberbamente que "ser um homem" tem seu preço, a essência do ridículo fanatismo que existe no feminismo xiita. Oscar a meu ver é melhor que as feministas pois aceita o preço. (o homem que ela ama não a vê como mulher)

    Por outro lado temos Antonieta.

    A Rainha é o caminho que Oscar negou. Sim, ela é mulher e aceita se apaixonar. Mas não pode casar-se com quem ama. Vítima tanto quanto o povo, ela tem de ser a rainha, a mãe, sendo apenas uma criança. E como criança, ela se consola com brinquedos: jóias e vestidos, para aplacar a dor de sua solidão.

    Apesar da ingenuidade dos reis da França ser forçado, não podemos esquecer que o Terror decapitou muita gente inocente, as cabeças pensantes e até cientistas, depois. Mesmo simbolicamente a execução de Antonieta retrata esse pedaço negro da Revolução.

    Existem duas rosas de Versailles nessa estória. As pessoas erroneamente imputam o título apenas à Oscar. Mas Antonieta desta ficção também é uma Rosa, massacrada pela Revolução. Em todas as Revoluções o que é belo é o que mais sofre vandalismo (arte, cultura, etc..)

    fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar