1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

László Krasznahorkai

Tópico em 'Autores Estrangeiros' iniciado por Jacques Austerlitz, 1 Set 2010.

  1. Jacques Austerlitz

    Jacques Austerlitz (Rodrigo)

    László Krasznahorkai é um escritor húngaro, nascido em Gyula, Hungria em 05 de janeiro de 1954. Ele completou seus estudos universitários na Hungria, e começou a carreira de escritor desde então. Quando em 1985 a sua primeira publicação importante, Sátántangó, fez grande sucesso, Krasznahorkai foi imediatamente elevado à vanguarda da vida literária húngara.

    Ele fugiu comunismo na Hungria, pela primeira vez em 1987, passando um ano na Berlim Ocidental como um beneficiário de uma bolsa do DAAD. Desde o colapso do bloco soviético, ele tem vivido em uma variedade de locais. Ele retorna muitas vezes a Alemanha e Hungria, mas ele também passou e passa vários períodos de tempo em França, Espanha, E.U.A., Inglaterra, Holanda, Itália, Grécia, China e Japão.

    Em 1993, seu romance The Melancholy of Resistance recebeu o alemão "Bestenliste-Prize" para a melhor obra literária do ano. Dos Estados Unidos ao Japão, os críticos reconheceram a importância de sua escrita. De acordo com Susan Sontag, ele é "o mestre contemporâneo húngaro do apocalipse que inspira comparação com Gogol e Melville". WG Sebald declarou: "A universalidade da visão de Krasznahorkai rivaliza com a de Gógol em Almas Mortas e ultrapassa todas as preocupações menores da escrita contemporânea." Em 1996, ele foi um dos convidados do Wissenschaftskolleg em Berlim. Enquanto concluía o romance War & War, viajou extensamente por toda a Europa. O poeta Allen Ginsberg foi de grande ajuda para a realização do trabalho; Krasznahorkai residiu por algum tempo no apartamento de Ginsberg em Nova York.

    Em 1990, pela primeira vez, ele foi capaz de passar um período mais longo da Ásia Oriental. Krasznahorkai coloca um relato de suas experiências na Mongólia e na China, em sua obra The Prisoner of Urga and Ruin and Sorrow beneath the Heavens. A partir deste ponto, ele voltou várias vezes para a China. Em 1996, 2000 e 2005, ele passou seis meses em Kyoto, no Japão.

    Desde 1985, o renomado diretor e autor e grande amigo Béla Tarr fez filmes quase que exclusivamente baseadas em obras Krasznahorkai, incluindo o Sátántangó altamente bem sucedido e Werckmeister Harmonies. Sua colaboração com Tarr continua atualmente: Krasznahorkai escreve os roteiros, e auxilia o diretor em todas as decisões importantes.

    Suas obras foram traduzidas para o Inglês (New Directions Publishers), em alemão (Rowohlt, Ammann, S. Fischer), francês (Gallimard, Cambourakis), espanhol (Acantilado), polonês (WAB), Tcheco (Host, Mlada Fronta) Búlgaro (estigmatização) e japonês (Shoraisha, Keio), entre outras línguas.

    Krasznahorkai foi honrado com vários prêmios literários, entre eles o maior prêmio do estado húngaro, o prêmio de Kossuth.

    From: Wikipedia
    ---

    Alguém conhece? Os livros dele não chegaram aqui no Brasil (embora se possa adquirir "War & War" e "The Melancholy of Resistance" traduzidos para o inglês na Cultura), e ele provavelmente deva ser mais conhecido como "o cara que escreve os romances em que os filmes do Béla Tarr se baseiam", mas depois de ler um artigo sobre ele no Quarterly Conversation (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ), estou com uma vontade imensa de tentar a leitura do Melancholy.
     

Compartilhar