1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

De volta ao país, brasileiros sofrem 'síndrome do regresso'

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 6 Mar 2012.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    A crise dos países desenvolvidos está levando muitos brasileiros a fazerem as malas de volta para casa. Segundo o Itamaraty, 20% dos que moravam nos EUA e um quarto dos que moravam no Japão já retornaram desde o começo da recessão, em 2008.

    O relatório de 2011 sobre a população expatriada sai no fim deste mês, e a taxa de retorno deve ser ainda maior. Há tanta gente comprando a passagem de volta e tanta dificuldade de reintegração ao mercado de trabalho brasileiro que o Itamaraty lançou o "Guia de Retorno ao Brasil", distribuído nas embaixadas.

    O caminho de volta pode gerar depressão. É a "síndrome do regresso", termo cunhado pelo neuropsiquiatra Décio Nakagawa para designar certo "jet lag espiritual" que aflige ex-imigrantes.

    Morto em 2011, Nakagawa estudava a frustração de brasileiros que voltavam ao país após uma temporada de trabalho em fábricas japonesas.

    diz a psicóloga Kyoko Nakagawa, viúva do psiquiatra e coordenadora do projeto Kaeru, de reintegração de crianças que voltam do Japão.

    BONDE ANDANDO

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    O gerente de marketing Rafael Marques, 33, no centro de São Paulo​

    Se ao sair do país o imigrante se cerca de cuidados para amenizar o choque cultural, no retorno a ilusão é de que basta descer do avião para se sentir em casa.

    "Retornar é uma nova imigração", diz a psicoterapeuta Sylvia Dantas, coordenadora do projeto de Orientação Intercultural da Unifesp.
    Quando voltou do segundo intercâmbio no Canadá, o gerente de marketing Rafael Marques, 33, descobriu que havia ficado para tio:
    Resultado: deprimiu. Recuperado, hoje ele trabalha com intercâmbios.

    Para amenizar o estranhamento, a analista de marketing Natasha Pinassi, 34, se refugiou nos amigos feitos durante sua vivência de um ano na Austrália:
    A família pouco ajudava:
    diz Natasha, que tomou antidepressivos para tentar sair desse estado.

    A síndrome não é exclusividade dos brasileiros.
    diz Caroline Freitas, professora de antropologia da Faculdade Santa Marcelina.
    ABANDONO

    Quem sofre de síndrome do regresso é frequentemente considerado esnobe. Parentes e amigos têm pouca paciência com quem volta reclamando:
    explica Dantas.

    Para Nakagawa, amigos costumam simplificar o processo de reintegração:
    Se a família também não ajudar, o ideal é procurar um psicólogo com formação intercultural. Em São Paulo, o núcleo intercultural da Unifesp dá orientação gratuita.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Pearl

    Pearl Usuário

    A primeira coisa que eu pensei quando eu vi o título do fórum foi da sensação que o turista brasileiro tem quando retorna e ve algumas coisa no Brasil, como, por exemplo, o preço dos carros.


    Um outro sentimento é que as pessoas consideram as pessoas que preferem o outro país como antipatriota.

    Conheço gente retornando ou que gostariam de retornar. Aqui em Minas tem a cidade de Governador Valadares que durante muito tempo a população imigrava principalmente para os EUA. Agora está acontecendo o oposto, as pessoas estão voltando e nem sempre sozinhas, muitas vezes com a família que formou no outro país. Não sei se o fato de estar acompanhado poderia facilitar a readaptação.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Reverendo

    Reverendo Usuário

    Isso é simplesmente assustador. O pobre rapaz parece estar vivendo um episódio de "Além da Imaginação".
    Fugindo um pouco do assunto do tópico, a juventude portuguesa (apenas uma impressão minha) parece absolutamente pessimista com as possibilidades futuras de seu país.
     
  4. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Eu já postei diversas vezes e não canso pois já morei em Minas, mineiro é um caso particular de estudo profundo.

    Como esse povo tem essa obcessão de não querer ficar fixo em sua terra e são os brasileiros campeões em deportação quando não conseguem cruzar a fronteira México/EUA e quando morei em BH vários preferindo casar com mulheres de outros lugares e as mineiras de lá ficando solteiras aos montes.
     
  5. Pearl

    Pearl Usuário

    8-O:eh:

    Bom já vi até gente "arrumando" casamento para conseguir um green card.

    Mas essa história de homens preferindo mulheres de fora eu não conheço não. Por que? Por causa de imigração? Não faz sentido, não existe essa maioria feminina imigrando.

    Sim, BH tem muita mulher solteira, mas é só sair a noite para perceber. Em BH existe uma maioria feminina que se não me engano é da proporção de 7 mulheres para cada homem.
     
  6. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Nem era por imigração não. Talvez isso seja mais comum com os que moram em GV.

    Dos meus melhores amigos que tenho em BH, tenho dois que são casados com paulistas e outro com uma curitibana e sempre brinco com eles que com tanta mulher sobrando nessa região vocês tiveram a cara de pau de buscar fora e nenhum deles consegue explicar.
     
  7. Excluído045

    Excluído045 Banned

    O Furia está falando de casos isolados, Pearl. Ou seja, fué.

    Em todo caso tenho uma amiga querendo voltar pra Inglaterra depois de ter retornado pra cá. Mas não creio que seja depressão, me parece saudade mesmo das Ilhas Britânicas.

    Entendo totalmente, por mais que tenha pessoas queridas aqui... seu algum dia eu conseguir morar na Inglaterra, acho difícil querer voltar pro Brasil pra ficar mais que um ano.
     
  8. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Saia um dia de Cubatão pra viajar de verdade (leia-se sair da linha divisória do estado de SP) e comprove :)

    Não fosse o fato de você preferir o celibato, BH seria o lugar muito bom que eu recomendo não só pra você e qualquer amigo aqui do fórum arrumar uma excelente compania
     
  9. Pearl

    Pearl Usuário

    Ué são como a maioria dos relacionamentos que eu conheço, iniciados ou por convivencia ou por grupos. Se seus amigos viajam muito a negócios e tal não é incomum conhecer alguem interessante em outro lugar e formar um relacionamente. Mas e dai? Não quer dizer nada para o lugar de origem.

    Então como ele é celibatário você não recomenda. Eu entendi bem? Você recomendaria então numa espécie de turismo sexual? :eh:

    Na minha família tem gente que não volta para o Brasil. Acho que nem pagando. Pessoal acostuma com um estilo de vida e gosta. Eu respeito isso. Mas não acho fácil olhar de dentro do Brasil, da mesma forma que tem pessoas que se adaptam a lugares que achariam bom, também tem as que não se adaptam.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  10. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Pretendo fazer isso nas minhas férias, em junho. Talvez ir pra MG, interior de São Paulo ou, com sorte, Sul do país. E não tenho muito interesse em turismo sexual não. Mesmo sem celibato eu prefiro arrumar uma pessoa que eu goste mesmo e não ir caçar bundas em regiões aleatórias.

    Mas entendi o que você quis dizer. Mudar de ares...
     
  11. Felagund

    Felagund Well-Known Member

    Caramba! Eu juro que imaginei que algo assim existia!
    Eu morei na Inglaterra um tempo, e lá passei natal, ano novo, aniversario, tudo "sozinho", e digo entre aspas porque lá eu tinha meus amigos, minha galera, mas sempre dava saudades dos camaradas que deixamos no Brasil. E ainda mais saudades da família, até porque quando morei lá fiquei em uma pensão, não em casa de família.

    Mas enfim, quando voltei pro Brasil foi complicado! Não só pelo choque cultural e etc (alias, aprendi a admirar muito mais o Brasil depois de passar tanto tempo na Europa) mas sim por tudo que tinha acontecido aqui enquanto eu tava lá.
    Amigos namorando, outros tinham terminado, no meu colégio tinha entrado aluno novo que já tava amigo de todo mundo... E eu parecia um completo ET para o pessoal! Tinha engordado, tava com piercing, ficava falando dos países que visitei e ninguém estava tão interessado em ouvir como eu em falar, e isso deixa a
    gente um pouco chateado.

    Mas tudo passou rapido! Pelo menos para mim, em poucas semanas tava tudo resolvido e o estranhamento inicial passou! Mas quem passa mais tempo pode sofrer mais, talvez.
     
  12. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Nenhum deles viaja a negócios, os três tem residência fixa.

    Bom cada um faz o que quiser

    Mas eu recomendo de coração visando relacionamento sério, porque até 8 anos atrás eu namorei firme 2 mineiras da cidade que preencheram minha vida sentimental durante 7 anos. Se tivesse dado em casamento poderia estar morando lá até hoje sem nenhum problema.
     
  13. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    O foda deve ser quando a pessoa vai, volta, deprime e vai de novo, e fica com a sensação de não pertencer mais a lugar nenhum. Resta a opção de se adaptar a algum dos lugares ou, mais difícil mas com mais ganhos, se conformar com ser uma pessoa não mais inter, mas supracultural.
     
  14. Felagund

    Felagund Well-Known Member

    Isso rolou com o Giovanni, ex jogador do Santos!
    Ele jogou anos na Grécia, e não conseguia se comunicar lá, nem se adaptou a cultura.
    Quando voltou ao Brasil ele já tinha passado tanto tempo na Europa e em paises que nao sabia falar a lingua que ele nao falava mais direito nem o portugues! Ele parecia um retardado dando entrevista! Era muito esquisito :lol:
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar