• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Adormecida, disputa de fronteira do Uruguai com o Brasil faz 85 anos

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Usuário Premium
Moradores de Vila Thomaz Alborno (RS) se sentem uruguaios e reclamam de descaso brasileiro

Em frente à escola General Bento Gonçalves, na Vila Thomaz Albornoz, ovelhas pastam no pampa gaúcho. A caixa d'água ao lado destaca a soberania do Estado brasileiro, com o lema do Exército pintado em sua fachada: "Braço forte, mão amiga".

Mas o prédio está fechado desde o início do ano por falta de professor, obrigando uma dezena de crianças brasileiras a se deslocar 2 km e atravessar a fronteira com o Uruguai para ter aulas numa escola pública da vizinha vila de Masoller.

"São crianças, têm de estudar, então nós as recebemos com alegria. Mas não temos professor de português. Elas também não têm direito aos tablets fornecidos pelo governo uruguaio, então dividem com os coleguinhas", diz a diretora da escola uruguaia, Blanca Ubal.

Se dependesse da vontade do Uruguai, as vilas irmãs fariam parte do mesmo país. Em agosto, completam-se 85 anos de uma das duas últimas disputas territoriais dos 16 mil km de fronteiras terrestres brasileiras (a outra é uma ilha no rio Quaraí, mais a oeste, também com o Uruguai).

Em 1934, o país vizinho formalizou em comunicado ao Brasil o desejo de rediscutir a posse de uma área de 22 mil hectares, equivalente a 15% do município de São Paulo.

Segundo o Uruguai, houve um erro de identificação do Arroio Invernada, definido como fronteira no tratado entre os países de 1851. O riacho para os uruguaios seria um pequeno curso d'água 15 km ao norte. Em 1974, mapas uruguaios passaram a chamar a zona de formato triangular de "área contestada".

Na região vivem 40 famílias brasileiras na vila Thomaz Albornoz, criada em 1985, nos estertores do regime militar, para reforçar a posse brasileira sobre o território. Mas seus habitantes sentem bem mais a presença do Estado uruguaio.

Fronteira do Uruguai com o Brasil

front.jpg

"Aqui estamos largados. Quando chove ficamos quatro ou cinco dias sem luz", diz Nilton dos Santos, 36, dono de uma pequena loja de ferramentas. "O Uruguai é incrível, nos dá assistência médica e odontológica", diz sua mulher, Virginia Costa, 34. O casal vive com duas filhas pequenas na vila.

A presença do Brasil, dizem os moradores, resume-se a ações esporádicas do Exército para cortar mato.
A vila consiste de algumas dezenas de casas em duas ruas de chão batido, três mercadinhos e duas lojas. A maioria dos moradores trabalha em fazendas de pecuária dos dois lados da fronteira.

A falta de conexão com o Brasil começa pelo acesso físico. Para chegar a Santana do Livramento (RS), cidade à qual a vila pertence e que fica a 60 km de distância, comerciantes que vão buscar produtos recorrem a um estratagema.

Com picapes vazias, usam uma estrada asfaltada pelo lado uruguaio, num trajeto de pouco mais de uma hora até a cidade brasileira.

Na volta, contudo, com os veículos carregados de mercadorias, não se arriscam a usar a mesma rota, porque temem que as autoridades uruguaias considerem os produtos contrabandos e os confisquem. São obrigados a usar uma estrada precária por dentro do território brasileiro, numa viagem que pode durar cinco horas.

"Esse negócio de Mercosul é só para gente grande, não se importam com os pequenos", diz Paulo Oliveira, que transporta produtos do Brasil para a vila duas vezes por semana.

A fronteira é evidenciada apenas por marcos de pedra centenários postados a cada 200 metros. A circulação entre os dois países é livre, sem nenhum controle.

"Aqui somos um povo só na prática", diz Carlos Suarez, 41, que chegou à região para ser peão numa fazenda de gado e hoje é mecânico.

A questão permanece dormente, sem afetar o dia a dia da relação dos dois países. As últimas manifestações do Uruguai sobre o tema enviadas ao Brasil são da década de 1980.

"Para o Brasil não interessa discutir esse assunto, que é visto como uma picuinha dos uruguaios", diz o militar aposentado da Aeronáutica Wilson Krukoski, 87, que foi chefe da comissão de limites do Itamaraty durante 21 anos e estudou a questão.

Procurada, a chancelaria uruguaia não se manifestou sobre o tema. O Itamaraty declarou apenas que o tema não faz parte da agenda bilateral, ou seja, que não pretende discuti-lo com o vizinho.
Em manifestações anteriores enviadas ao Uruguai, o Brasil diz que não há dúvida de que a fronteira demarcada no reinado de dom Pedro 2º está correta e estranha que o vizinho tenha demorado 83 anos para contestá-la.

Desabitada, ilha contestada sofre com ação de caçadores

Uma cruz de 5 metros de altura, feita de madeira de eucalipto, é a primeira visão para quem chega à Ilha Brasileira, a 5 km de Barra do Quaraí (RS).

Está ali em homenagem a José Jorge Daniel, um ex-empregado de uma fazenda de João Goulart que se refugiou na ilha após o ex-presidente ter sido derrubado pelo golpe de 1964.

Morto em 2011 aos 94 anos, "Seu Zeca", como era chamado, morava com a mulher e filhos na ilha de 200 hectares, onde plantavam e criavam alguns animais. A família simbolizava a soberania brasileira sobre o local.

Desde 1940, o Uruguai considera a ilha território sob disputa. O argumento é que ela se localizaria ao sul do encontro dos rios Quaraí e Uruguai, que marca a fronteira entre os países, acertada em 1851 --ou seja, território uruguaio.

O Brasil diverge dessa interpretação e se recusa a abrir discussão.

Com a morte de "Seu Zeca", a ilha está desabitada, mas não significa que esteja abandonada. A ONG local Atelier Saladero leva pesquisadores, turistas e estudantes para visitá-la.

"Não queremos que a ilha seja um símbolo de contestação, mas sim um ponto de integração dos países", afirma Argemiro Rocha, coordenador da ONG, que trabalha em parceria com entidades de Uruguai e Argentina.

Os países formam com o Brasil uma Tríplice Fronteira menos conhecida do que a existente mais ao norte, em torno das Cataratas do Iguaçu.

Foi a ONG a responsável pela colocação da cruz e pela restauração de um marco de pedra colocado em 1862 pelo Brasil para demarcar a posse da ilha. Uma ideia futura é restaurar a casa em que "Seu Zeca" vivia e transformá-la em ponto turístico.

Também há o projeto de criar um corredor biológico trinacional. Com diversas árvores nativas da região, pássaros, capivaras e alguns cerdos, a ilha teria grande potencial turístico.

"A ilha seria o coração desse corredor", diz Daniel Macias, da ONG Grupama, da vizinha cidade uruguaia de Bella Unión.

Atualmente, além da ONG, apenas pescadores a alguns caçadores clandestinos frequentam a ilha. Os militares brasileiros também já a utilizaram como base para fazer exercícios militares, numa demonstração de quem manda no local.

Mas já tiveram problemas nessas incursões. Em 2010, um tanque do Exército levado à ilha atolou. Foi preciso trazer dois tratores para liberá-lo.

https://www1.folha.uol.com.br/mundo...ira-do-uruguai-com-o-brasil-faz-85-anos.shtml
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Pra resolver uma questão de fronteira como essa, eu sou defensor da teoria da autodeterminação dos povos. Se o Uruguai é o país que dá a melhor assistência de saúde, educação, etc ao povo desse vilarejo, quem mora nele por votação legítima e democrática deveria ter o direito legítimo de escolher se preferem pertencer ao Brasil ou Uruguai e por maioria de votos decidir seu destino.

Fora que abrir mão de alguns poucos Km² de uma área mal assistida não faria a menor falta ao Brasil que continuaria sendo um imenso território. Se o Brasil não tem o menor interesse de dar a mínima assistência a um vilarejo isolado, que isso possa ser feito de forma plena e sem barreiras de fronteira por outro.
 

Anexos

  • front.jpg
    front.jpg
    197,9 KB · Visualizações: 1
  • front.jpg
    front.jpg
    197,3 KB · Visualizações: 0

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.920,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo