1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Confessionário literário

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Haleth, 24 Jan 2011.

  1. Nírasolmo

    Nírasolmo Usuário

    Me diga um que não custe e eu te dou o meu p vc comprá-lo :lol:
     
    • LOL LOL x 2
  2. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    Será que eu devo arriscar confessar que muitas vezes eu gosto mais da literatura moderna e contemporânea do que da clássica? :tsc: Mas por outro lado eu não preciso pedir desculpas por gostar do que eu gosto. Entendam, muitas obras clássicas tem um ritmo diferente daquelas de hoje em dia, e eu sempre preferi uma leitura mais leve (que é uma característica também presente em algumas obras clássicas, mas não tantas).
     
  3. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    estava pensando nisso dia desses. tenho lido muito mais contemporâneos, e agora relendo o machado pra aula comecei a ficar nessas de "puxa, tem tanto clássico que ainda não li, tinha que ler mais clássicos", mas aí sempre sai livro novo e aaaargh
     
    • Gostei! Gostei! x 1
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  4. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    A cultura muda, assim como a literatura. Tem formas de se narrar uma história que na época em que foram escritas eram inovadoras mas que pra nós às vezes não tem nada demais ou são simplesmente chatas. Às vezes também acontece de obras antigas conterem referências a eventos históricos e personagens públicos que nós não conhecemos e, portanto, não entendemos tais referências. Isso sem falar em formas de humor que nós não achamos mais graça etc.
    Daqui 150 ou 200 anos suponho que as pessoas vão achar estranha a literatura da nossa época.

    Mas o principal motivo por eu preferir romances contemporâneos (assim como poesia) é porque acho uma literatura mais fluida, sem arcaísmos ou exageros. Claro que existem exceções, mas de maneira geral eu tenho que fazer um esforço mental pra ler os livros antigos, enquanto que os modernos eu leio de forma mais tranquila.
     
    Última edição: 23 Out 2018
  5. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    Confesso que eu já esperava que a leitura de cabo a rabo da Bíblia seria chata, mas não tanto! Tô cobiçando a última folha do Velho Testamento mais do que Gollum cobiçava o Anel.
     
  6. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    Seria melhor ter começado pelo Novo Testamento. :g: Não é uma boa ideia ler de capa a capa na ordem "normal".
     
  7. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    Sim, eu já vi que a leitura do Novo é bem mais agradável, mas tenho tique de começar pelo "meio". :dente: E de qualquer forma é algo que eu sempre quis fazer. Mas livros como Salmos e Provérbios eu fiz aquela leitura dinamicona mesmo.
     
  8. G. Asaph

    G. Asaph O Fenrir

    Adorei ler provérbios haha
     
    • LOL LOL x 1
  9. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    Não só por ser mais agradável, mas porque cada livro da Bíblia tem um objetivo diferente. O Pentateuco (os cinco primeiros livros) não são simplesmente lidos pelos judeus de uma vez só, como se fosse um romance. Esses livros foram feitos para ser lidos de pouquinho em pouquinho (a parsha diária) acompanhados de comentários que registram a tradição oral. Ler só a Bíblia isoladamente sem a explicação é dificílimo e não se entende quase nada. E o mesmo vale no caso do Novo Testamento, só que aí na visão cristã ao invés da judaica (pois o Novo Testamento não faz parte da Bíblica hebraica, só da cristã).
     
  10. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    É isso, talvez eu devesse ter pegado essas dicas antes.
     
  11. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    O Talmude é a coletânea de livros judaicos onde está registrada a tradição oral com comentários e explicações de cada versículo. No cristianismo há também comentários da Igreja Católica que é quem explica o significado de cada passagem. No caso da tradição protestante há também comentários, mas eles dão menos ênfase pra esse tipo de coisa e focam mais só no texto, mesmo, sem se ligarem tanto assim na tradição oral.

    E só pra deixar claro: independentemente da pessoa ser religiosa ou não, as histórias da Bíblia contêm um profundo simbolismo que simplesmente não é captado com uma leitura superficial. Se você ler alguns bons comentários vai se impressionar com o conteúdo do texto (independente de você acreditar ou não se o texto é de origem divina). Há passagens onde você não entende qual é o ponto de tudo aquilo (principalmente genealogias e leis ritualísticas na Torá), mas a verdade é que é tudo carregado de significados profundos.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  12. Melian

    Melian Período composto por insubordinação.

    Confesso que uma das piores coisas que fiz neste ano foi reler "As Bruxas de Salém". É uma peça brilhante, mas, salvas as devidas questões contextuais, é muito real, é muito visceral, e eu não estou num bom momento para lidar com isso. Além de ser uma alegoria do Macartismo, a peça choca (e dessa vez, me chocou ainda mais) por retratar os perigos de um processo penal pautado na delação, em que não há distinção entre justiça humana e julgamento religioso. Extrapolando os limites do texto, eu considero a Abigail como uma alegoria das redes sociais (sim, estou sendo anacrônica, mas tô tentando tornar claro o quanto foi difícil reler essa obra), o ponto chave para o desencadear de uma histeria coletiva fodida. Enfim, "A história se repete. Primeiro, como tragédia. Depois, como farsa" e a literatura é o que fica, tanto de uma quanto de outra.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  13. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    também reli este ano sentindo as mesmas porradas. e dia desses, logo depois que saiu aquele discurso de "petralhada, vcs vão todos para a ponta da pedra", lembrei de um trecho da introdução ao primeiro ato e joguei lá no meu tumblr.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    ***

    ontem eu tive uma aula linda sobre esaú e jacó. eu acho que é um livro maizomeno do machado (pelo menos se for comparar com memórias póstumas), mas a aula do meu professor foi um negócio espetacular, porque ele chamou a atenção para um monte de ponto que ainda é atual. o principal, e a frase eu até anotei no caderno porque né "o tempo passa mas não se acumula experiência histórica". e é isso. vamos cometendo os mesmos erros.

    ***

    PS: amo muito o arthur miller, queria que ele estivesse vivo e fosse meu melhor amigo. :~~
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  14. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    Lembrei dessa citação:
    "We learn from history that we do not learn from history". - Georg Hegel
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  15. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Confesso que estou feliz em saber que as Crônicas Eletrônicas de Bêda Marques, até então diluídas em pílulas em algumas edições da antiga publicação Aprendendo e Praticando Eletrônica, além de outras que nunca foram publicadas serão finalmente reunidas num único livro. Desde a sua morte em 2004, era um desejo antigo de seus leitores e fãs um livro que reunisse tudo, já que era um das poucas pessoas que escrevia sobre eletrônica, de uma forma nada técnica e sim romantizada, poética bem leve e divertida. Até quem não tinha a menor afinidade com o tema acabava amando suas crônicas.
     

Compartilhar