• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

O serviço de entregas monstruosas (Jim Anotsu)

Béla van Tesma

I’m hoping to do some good in the world!
Literatura infanto-juvenil
Magia contra o fascismo
Autor mineiro cria um Brasil alternativo habitado por fadas, dragões e liliputianos, mas que não está livre do autoritarismo
Samir Machado de Machado - 01set2021 04h51 (01set2021 09h08)

Após séculos de afastamento, seres mágicos que conviveram conosco na Antiguidade decidiram se reaproximar. E, por motivos que só a literatura possibilita, o Povo Mágico resolveu fazer isso enviando um embaixador ao presidente Juscelino Kubitschek em 1957. Desde então, “o mundo ficou do avesso: lobisomens em cada esquina, zumbis em competições de dança na tv, hotéis para vampiros, basquete com gigantes de verdade e Olímpiadas mágicas”. É o que propõe O serviço de entregas monstruosas, do mineiro Jim Anotsu.

O livro acompanha Gustavo, um menino de treze anos que trabalha na empresa da família, especializada em entregas de objetos mágicos. Com sua motoneta DKW voadora e acompanhado de Strix, uma fada rejeitada por sua comunidade devido a uma deficiência física, ele voa pelas ruas da capital mineira, aqui renomeada Bello Horizonte. Mas uma encomenda misteriosa o torna alvo de Le Chat, o maior ladrão do mundo. E Gustavo logo descobre que está carregando o último ovo de dragão da Patagônia, que ao ser chocado libera um temperamental filhote de dragão, batizado de Pudim.

Para compor esse mundo, Anotsu não tem medo de iniciar seu livro com um par de epígrafes que dizem muito da obra que virá, mesmo que seus autores, no caso Jacques Derrida e Thomas Pynchon, sejam completos desconhecidos do leitor infantil. Este, aliás, é um dos grandes trunfos do livro: ao tecer os fios e esculpir as filigranas que vão compor mundos mágicos, tanto faz ao leitor quais folclores, literaturas e culturas estão referenciadas, contanto que atinjam o efeito duplo de causar um misto de familiaridade e estranhamento. Sendo assim, revela-se engenhoso trocar as habituais referências obscuras à cultura europeia por referências (nem tão) obscuras à cultura brasileira, soando tão exótico ao leitor juvenil quanto infinitas versões mágicas de Londres ou Nova York.

Literatura ergódica​

No Brasil contemporâneo e mágico de Anotsu, os Mamonas Assassinas já estão no seu décimo disco, a revista O Tico-Tico ainda está nas bancas, e como o golpe militar de 1964 nunca aconteceu, também a PanAir do Brasil continua voando, as TVs Tupi e Excelsior ainda estão no ar e carros da Gurgel circulam pelas ruas. Todos esses pequenos e deliciosos anacronismos convivem com gangues de fadas motoqueiras, liliputianos vivendo no parque municipal e uma cucafera que habita o lago da reitoria da Universidade Federal de Minas Gerais, entre outros tantos detalhes.

Anotsu aplica ao texto o conceito de “literatura ergódica”, de Espen J. Aarseth — no qual o leitor, para atravessar o texto, precisa fazer um esforço “não-trivial” —, e o livro vem recheado de pequenas intervenções. Estas vão desde as notas de rodapé da fada Strix (que comentam ou corrigem a narrativa e nos lembram o tempo todo que é Gustavo, e não Anotsu, o verdadeiro autor do livro), ilustrações ao estilo de Keith Haring e páginas de uma monstropédia on-line até anotações que os personagens deixam em cadernos e um mapa das linhas de bonde de Bello Horizonte.

Esse caldo é pontuado por um humor e ritmo que remetem aos livros de Roald Dahl (Matilda e A fantástica fábrica de chocolate), Cressida Cowell (Como treinar seu dragão) e David Walliams (Vovó vigarista). Mas também há ágeis momentos de ação que lembram as animações da Pixar, assim como uma sensibilidade e atenção ao detalhe dignas dos desenhos do Studio Ghibli, referência presente já no título, que remete ao Serviço de entregas da Kiki (1989), de Hayao Miyazaki.

Deltalismo​

Mas mesmo essa Minas Gerais alternativa não está livre da ameaça do autoritarismo. E ela surge por meio de um grupo secreto de fanáticos, os deltalistas — versão alternativa do nosso fascismo nativo, o movimento Integralista, que aqui troca as camisas verdes e a letra grega sigma por camisas azuis e a letra delta.

Tendo como fachada uma rede de escolas de idiomas (que ensinam esperanto), estão infiltrados entre os grandes nomes da cidade desde políticos poderosos como Arthur Neves Filho a um velho editor “de livros ruins de ficção científica”. Como a certo momento lembra um sábio de patafísica, “até hoje existe gente que acredita que uma característica do corpo torna alguém melhor ou pior, que uma pessoa de certa etnia está mais perto de um centauro do que de outro ser humano. E os deltalistas são assim, não acreditam que as diferenças possam ser resolvidas com uma conversa. Pra gente desse tipo, o único diálogo é a força bruta, a violência. Pessoas vazias que só florescem num jardim de ódio”.

Os planos dos vilões envolvem, justamente, o dragão Pudim, com o qual Gustavo formou elos mentais. Para sua dor de cabeça, somam-se problemas inerentes a toda infância: a mãe de Gustavo é uma cientista que vive distante, em pesquisas de campo, e seu pai só pensa em trabalho. A certa altura, ele precisará lidar com o divórcio inevitável dos pais, além da relação difícil com a irmã mais velha, obcecada por livros de negócios. Pois, mesmo num mundo fantástico, há coisas que não se resolvem com mágica.

Jim Anotsu.
O serviço de entregas monstruosas.

Ilustrações de Felipe Nero Cunha
Intrínseca • 416 pp • R$ 49,90 / R$ 21,90
51pqE2yY9lS.jpg

Este texto foi realizado com o apoio do Itaú Social.
Fonte: Quatro Cinco Um




O Samir compartilhou lá no FB a resenha dele para esse livrinho.
Eu achei fofo e resolvi trazer pra cá; de repente alguém se interessa.
^___^

 

Zirak-tarâg

Moleculista
Tendo como fachada uma rede de escolas de idiomas (que ensinam esperanto), estão infiltrados entre os grandes nomes da cidade desde políticos poderosos como Arthur Neves Filho a um velho editor “de livros ruins de ficção científica”
Poxa, não existe nada mais antifascista que o Esperanto. Mi tute ne ŝatis tiun mencion. u.u
 

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Porque aqui dezenas de escritores de todos os escalões adoram usar o fórum como vitrine pra promover seus livrinhos. :rofl:
 

Meneldur

We are infinite.
Usuário Premium
Terminei de ler hoje. Amei o livro. Ele é muito divertido, você lê um tantão e nem percebe. A linguagem é fácil, fluida, mas não é rasa. As notas de Strix dão um toque especial ("Mineiro não pode ver uma coisa junta que já quer separar. Minas adora uma liberdade ainda que tardia"). Recomendo fortemente. Doido pra ter continuações.

Inclusive acho que a @Melian conseguiria usar u livro numas atividades legais pros alunos.
 

Fianna

PrapedirsilêncioeuBERRO,prafazerbarulhoeumesmofaço
Literatura infanto-juvenil
Magia contra o fascismo
Autor mineiro cria um Brasil alternativo habitado por fadas, dragões e liliputianos, mas que não está livre do autoritarismo
Samir Machado de Machado - 01set2021 04h51 (01set2021 09h08)

Após séculos de afastamento, seres mágicos que conviveram conosco na Antiguidade decidiram se reaproximar. E, por motivos que só a literatura possibilita, o Povo Mágico resolveu fazer isso enviando um embaixador ao presidente Juscelino Kubitschek em 1957. Desde então, “o mundo ficou do avesso: lobisomens em cada esquina, zumbis em competições de dança na tv, hotéis para vampiros, basquete com gigantes de verdade e Olímpiadas mágicas”. É o que propõe O serviço de entregas monstruosas, do mineiro Jim Anotsu.

O livro acompanha Gustavo, um menino de treze anos que trabalha na empresa da família, especializada em entregas de objetos mágicos. Com sua motoneta DKW voadora e acompanhado de Strix, uma fada rejeitada por sua comunidade devido a uma deficiência física, ele voa pelas ruas da capital mineira, aqui renomeada Bello Horizonte. Mas uma encomenda misteriosa o torna alvo de Le Chat, o maior ladrão do mundo. E Gustavo logo descobre que está carregando o último ovo de dragão da Patagônia, que ao ser chocado libera um temperamental filhote de dragão, batizado de Pudim.

Para compor esse mundo, Anotsu não tem medo de iniciar seu livro com um par de epígrafes que dizem muito da obra que virá, mesmo que seus autores, no caso Jacques Derrida e Thomas Pynchon, sejam completos desconhecidos do leitor infantil. Este, aliás, é um dos grandes trunfos do livro: ao tecer os fios e esculpir as filigranas que vão compor mundos mágicos, tanto faz ao leitor quais folclores, literaturas e culturas estão referenciadas, contanto que atinjam o efeito duplo de causar um misto de familiaridade e estranhamento. Sendo assim, revela-se engenhoso trocar as habituais referências obscuras à cultura europeia por referências (nem tão) obscuras à cultura brasileira, soando tão exótico ao leitor juvenil quanto infinitas versões mágicas de Londres ou Nova York.

Literatura ergódica​

No Brasil contemporâneo e mágico de Anotsu, os Mamonas Assassinas já estão no seu décimo disco, a revista O Tico-Tico ainda está nas bancas, e como o golpe militar de 1964 nunca aconteceu, também a PanAir do Brasil continua voando, as TVs Tupi e Excelsior ainda estão no ar e carros da Gurgel circulam pelas ruas. Todos esses pequenos e deliciosos anacronismos convivem com gangues de fadas motoqueiras, liliputianos vivendo no parque municipal e uma cucafera que habita o lago da reitoria da Universidade Federal de Minas Gerais, entre outros tantos detalhes.

Anotsu aplica ao texto o conceito de “literatura ergódica”, de Espen J. Aarseth — no qual o leitor, para atravessar o texto, precisa fazer um esforço “não-trivial” —, e o livro vem recheado de pequenas intervenções. Estas vão desde as notas de rodapé da fada Strix (que comentam ou corrigem a narrativa e nos lembram o tempo todo que é Gustavo, e não Anotsu, o verdadeiro autor do livro), ilustrações ao estilo de Keith Haring e páginas de uma monstropédia on-line até anotações que os personagens deixam em cadernos e um mapa das linhas de bonde de Bello Horizonte.

Esse caldo é pontuado por um humor e ritmo que remetem aos livros de Roald Dahl (Matilda e A fantástica fábrica de chocolate), Cressida Cowell (Como treinar seu dragão) e David Walliams (Vovó vigarista). Mas também há ágeis momentos de ação que lembram as animações da Pixar, assim como uma sensibilidade e atenção ao detalhe dignas dos desenhos do Studio Ghibli, referência presente já no título, que remete ao Serviço de entregas da Kiki (1989), de Hayao Miyazaki.

Deltalismo​

Mas mesmo essa Minas Gerais alternativa não está livre da ameaça do autoritarismo. E ela surge por meio de um grupo secreto de fanáticos, os deltalistas — versão alternativa do nosso fascismo nativo, o movimento Integralista, que aqui troca as camisas verdes e a letra grega sigma por camisas azuis e a letra delta.

Tendo como fachada uma rede de escolas de idiomas (que ensinam esperanto), estão infiltrados entre os grandes nomes da cidade desde políticos poderosos como Arthur Neves Filho a um velho editor “de livros ruins de ficção científica”. Como a certo momento lembra um sábio de patafísica, “até hoje existe gente que acredita que uma característica do corpo torna alguém melhor ou pior, que uma pessoa de certa etnia está mais perto de um centauro do que de outro ser humano. E os deltalistas são assim, não acreditam que as diferenças possam ser resolvidas com uma conversa. Pra gente desse tipo, o único diálogo é a força bruta, a violência. Pessoas vazias que só florescem num jardim de ódio”.

Os planos dos vilões envolvem, justamente, o dragão Pudim, com o qual Gustavo formou elos mentais. Para sua dor de cabeça, somam-se problemas inerentes a toda infância: a mãe de Gustavo é uma cientista que vive distante, em pesquisas de campo, e seu pai só pensa em trabalho. A certa altura, ele precisará lidar com o divórcio inevitável dos pais, além da relação difícil com a irmã mais velha, obcecada por livros de negócios. Pois, mesmo num mundo fantástico, há coisas que não se resolvem com mágica.

Jim Anotsu.
O serviço de entregas monstruosas.

Ilustrações de Felipe Nero Cunha
Intrínseca • 416 pp • R$ 49,90 / R$ 21,90
Ver anexo 91161

Este texto foi realizado com o apoio do Itaú Social.
Fonte: Quatro Cinco Um






O Samir compartilhou lá no FB a resenha dele para esse livrinho.
Eu achei fofo e resolvi trazer pra cá; de repente alguém se interessa.
^___^


Me parece interessante...🤔
 

Valinor 2021

Total arrecadado
R$400,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo