1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Artur de Azevedo

Tópico em 'Autores Nacionais' iniciado por Liv, 12 Jul 2010.

  1. Liv

    Liv Visitante

    Artur Nabantino Gonçalves de Azevedo nasceu em 7 de julho de 1855, em São Luís - MA e faleceu em 22 de outubro de 1908, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de David Gonçalves de Azevedo, vice-cônsul de Portugal em São Luís, e Emília Amália Pinto de Magalhães, que, separada, No nascimento de seus filhos (três meninos e duas meninas) já vivia maritalmente com David; casou-se logo depois do falecimento do seu primeiro marido na Corte.

    Em 1871 escreveu uma série de poemas satíricos sobre as pessoas de São Luís, perdendo o emprego de amanuense (copista de textos à mão).

    Seguiu para o Rio (1873), onde foi tradutor de folhetins e revisor de "A Reforma", tornando-se conhecido por seus versos humorísticos. Escrevendo para o teatro , alcançou enorme sucesso com as peças "Véspera de Reis" e "A Capital Federal". Fundou a revista "Vida Moderna", onde suas crônicas eram muito populares.

    Artur de Azevedo, prosseguindo a obra de Martins Pena, consolidou a comédia de costumes brasileira, sendo no país o principal autor do Teatro de revista, em sua primeira fase. Sua atividade jornalística foi intensa, devendo-se a ele a publicação de uma série de revistas, especializadas, além da fundação de alguns jornais cariocas.


    Infelizmente eu não encontrei nada dele na interwebs, mas essa informação é bem legal:

    Era irmão mais velho do escritor Aluísio de Azevedo, autor de "O Cortiço" e "O Mulato"

    Família bacana, heim!

    Escreveu cerca de duzentas peças para teatro e tentou fazer surgir o teatro nacional, incentivando a encenação de obras brasileiras. Como diretor do Teatro João Caetano, no Rio, encenou quinze originais brasileiros em menos de três meses.

    Escreveu ainda:

    "Sonetos" (1876)
    "Contos possíveis" (1908)
    "Rimas" (1909)
    Para o teatro escreveu, entre outras:

    O Rio de Janeiro de 1877 (1878)
    O Bilontra (1885)
    A Almanjarra (1888)
    O Dote (1888)
    O Badejo (1898)
    Confidências (1898)
    O Jagunço (1898)
    Comeu! (1901)

    Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Artur_Nabantino_Gon%C3%A7alves_de_Azevedo
     

Compartilhar