1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Artigo muito interessante sobre D&D

Tópico em 'D&D e d20' iniciado por RPGISTA, 16 Jul 2007.

  1. RPGISTA

    RPGISTA Usuário

    Pra quem gosta de D&D e D20 system, e também pra quem não gosta.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Um abraço e uma boa semana para todos.

     
  2. Elda King

    Elda King Senhor do passado e do futuro

    Só discordo dos níveis do Aragorn... Ele provavelmente teria 1 nível de Marshal, do Miniatures Handbook, mais um de Ranger (afinal de contas, ele é um Ranger - "guardião", na tradução - do norte), e talvez um nível de scout ao invés de três níveis de paladino, afinal de contas ele não usa nenhum smite evil, e não acho que ele tenha cura pelas mãos, no máximo uma habilidade sobrenatural que dá bônus em testes de cura, e bônus por usar Athelas. Além do mais, ele não pode ser leal e bom, já que ele comanda mortos vivos... :lol:
     
  3. Lukaz Drakon

    Lukaz Drakon Souls. I Eets Them.

    Já fiz alguns personagens focados em algumas "profissões" e isso realmente acontece. Você não precisa ser um cara absurdamente foda para dominar algum assunto, é só comprar as skills e feats possíveis e focar a construção do personagem nisso.

    A maioria dos meus rangers sempre são especialistas em Sobrevivência desde o começo, por exemplo.
     
  4. Armitage

    Armitage Usuário

    A impressão que tive é que o cara criou o artigo pra provar a colegas de discussão que D&D em sua 3º edição "emula" certos pontos da realidade com mais precisão que o velho AD&D, em outras palavras, D&D3.0 tem um maior grau de verossimilhança com o mundo real, do que o old D&D. Eu concordo.

    Obviamente, esse grau de verossimilhança não é tão alto quanto sistemas que se propõe a realmente ser uma emulação mais fiél da realidade (como GURPS, Runequest, etc. ) mas que há um grau de verossimilhnça, sim há. Inclusive é inegável que essas características da 3º edição são herança justamente desses pioneiros (Runequest principalmente, que foi o primeirão, com suas idéias de maior verossimilhança e sistema unificado que usa um tipo de mecânica pra tudo. )

    Foi uma questão de chutar as "vacas sagradas" pra fora e adotar idéias e conceitos interessantes de outros jogos. Penso que a 4º edição chutará ainda mais "vacas sagrdas" (Spells "por munição", Armor Classes, etc. ) e ousará ainda mais que a terceira. Se fosse pra apostar, eu diria que a 4º edição será um amalgama dos conceitos por trás de Mutants&Masterminds, Spycraft, True20 e (infelizmente) Star Wars SAGA.

    E D&D será, dentro do seu escopo de "Aventuras heróicas" (que traduzo como: "combates não-realistas"), cada vez mais universal e adaptável. (Será que o D&D do amanhã será o GURPS de hoje? :mrgreen: )
     
  5. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Armitage, não confunda "realismo" com "verossimilhança". D&D não é realista, mas ali tudo é verossímil.

    E sabe que eu estou mudando, devagarzinho, a minha opinião sobre o Saga Edition?
     
  6. Taverneiro

    Taverneiro Old school

    De vero, há uma distinção muito clara a esse respeito. Um sistema pode ser verossímil na "lógica" dos animes. E pra dizer mais eu DUVIDO que em algum momento os autores do D&D pararam e pensaram "ei, vamos fazer essa edição realista". Pra mim a essencia do joguinho de 1974 está toda lá, só incrementa quem quer... mas continua a mesma coisa.

    Duvido mto, a tendencia é o D&D de amanhã ser... o D&D de sempre. Se isso é bom? depende... mas o fato é: 4a. edição = mais miniaturas...

    apesar de que alguns lançamentos recentes da wizards me surpreenderem em temros de ambientação. Vamos ver o "feelin" dos novos titulos...
     
  7. Elda King

    Elda King Senhor do passado e do futuro

    O D&D não foi feito para ser realista. Se fosse, não haveria magia...
     
  8. Armitage

    Armitage Usuário

    Eu usei verossimlinhaça no sentido do dicionário (parecer real, parecer com a realidade), mas sim, quis dizer que o novo D&D é mais realista que o velho vovô D&D. (é que eu ultimamente tenho evitado falar essa palavra, realismo). Mas vocês entenderam o sentido. :D

    - - -

    Com certeza não. Mas talvez os autores tenham pensado "o uso de pericias faz bastante sentido, vamos investir nisso?".

    Sim e Não ao mesmo tempo. Deixa eu elaborar:

    Quanto a sua proposta sim, D&D vai continuar abordando aventuras heróicas / combate tático não-realista, mas cada vez mais ele vai se "abrindo" e adotando conceitos e idéias que surgiram no hobbie.

    Olhe para a 3º edição - foi exatamente isso que aconteceu: adotaram mecânica unificada (que melhorou a portabilidade do sistema), quebraram a Thac0, deram importância ao conceito de pericias, expandiram muito os nichos/esterótipos, e já estão chutando a AC e os Hit Points. Ou seja, chutaram algumas "vacas sagradas" e substituíram por uma série de conceitos que já estavam aí ha bastante tempo (com BRP, Champions, Gurps, etc. ). As ultimas implementações do sistema são a maior prova disso - Mutants&Masterminds, Spycraft, A Game of Thrones, True20, Star Wars SAGA, etc. Teve até um usuário do fórum, Deriel acho, que experimentou Mutants&Masterminds e achou tão parecido com GURPS que não conseguiu jogar. Isso é natural, afinal há conceitos de Gurps ali, percebe?

    Por isso digo que não me supreenderia se D&D no futuro, por exemplo, chutasse o conceito de Classes em prol de algo mais sutil (que mantivesse a idéia de nichos/estereótipos heróicos porém de forma mais flexível... Templates talvez? ), ou trouxesse as perícias pro centro do palco chutando BaB de vez, ou ainda chutasse a maior "vaca sagrada" da atualidade - o sistema de magias "Vanciano": um nome bonitinho ("Vanciano" que lindo!) pra um sistema bunda-suja que faz o absurdo de igualar a magia à munições de uma metralhadora.

    D&D sempre será "aventuras heróicas / combates táticos não-realistas", mas a forma como esse produto final é alcançado já mudou, e vai continuar mudando. Se pra melhor ou pior, vai de cada um. Pra mim é *muito* melhor, já que vem adotando idéias que fazem mais sentido em relação ao funcionamento da realidade sem deixar isso estragar sua proposta de heroísmo ( e que parece ser o mesmo ponto desse autor gringo quando escreveu essa Bíblia aí. ).
     
  9. Taverneiro

    Taverneiro Old school

    a evolução das regras permitiu um lance mais modular acho. Em termos de concepção de personagem a 3E é bem mais flexivel. Mas nao estao chutando AC e HP. Isso é no SW que desde a primeira edição D20 já alterou isso. Uma coisa é D20, a outra D&D. Na verdade eu acho muito dificil alterar alguma coisa nesse sentido.

    O grande lance do D&D é alcançar o status de lenda, e imaginar isso sem HP ou AC causaria uma estranheza mto grande. Apesar disso, "Defense" em SW está lá pra isso... só é um nome genérico pra mesma coisa em termos de mecanica: um "target-number" pra ver se o ataque foi bem sucedido ou não.

    Gosto de certas mudanças e odeio outras, mas o jogo é essencialmente o mesmo....

    OFF:Vou começar uma campanha de Dragonlance hoje, depois de anos num cenário caseiro, vai ser mto estranho pisar em terras "estrangeiras"... fui!
     
  10. RPGISTA

    RPGISTA Usuário

    Armitage, pegando o D&D 3.5 como base, apenas o livro do jogador, que mudanças voce realizaria para torna-lo um sistema melhor? Melhor digo para o seu gosto pessoal claro.
     
  11. Elda King

    Elda King Senhor do passado e do futuro

    Eu acho que realmente o D&D vai ter algumas mudanças e melhorias quando lançar uma 4ª Edição (não tão cedo, a 3.5 ainda dá muito lucro), mas não necessariamente em aspectos como CA e HP. Provavelmente eles realmente vão "unificar" mais o sistema, talvez colocando o BBA e os saves como perícias (o quão alto eles são dependeriam se é perícia de classe ou não, mas também se o jogador quer ou não), possivelmente transformando a maior parte das habilidades de classe em talentos e disponibilizando listas de talentos para as classes. O sistema de magia acho que infelizmente não deve mudar muito.
     
  12. Armitage

    Armitage Usuário

    Difícil dizer RPGista. Certamente chutaria o que vejo como a maior "vaca sagrada" - o sistema de magia. Talvez substituíndo por idéias de Mage ou Ars Mágica, não sei, só testando mesmo pra ver ( talvez esses jogos de d20 mais novos tenham modificado o sistema de magia de alguma forma, mas não os conheço bem ).

    Quanto a outras caracteristicas não sei dizer, RPGista. Na verdade o que sempre me atraiu a D&D foram os cenários - Darksun, Planescape, etc. (já fui fascinado por Forgotten, mas me desiludí um tempo atrás), mas do sistema D&D em si eu nunca fui muito fã, sempre me cheirou muito a wargame, jogo de tabuleiro, que é o lado do hobbie que menos enche meus olhos. Só fui investir mesmo na 3º edição porque achei bem legal as mudanças que fizeram, e aí comprei os 2 livros básicos. Joguei algumas partidas, gostei, mas nada que me fizesse adotá-lo como meu sistema "oficial" (se bem que nunca tive um sistema "oficial", sou muito mais ligado aos cenários, e sistema pra mim é coisa de época... apesar de nos ultimos anos só ter usado sisteminhas bem simples, tipo Fate, UA e Gurps Light ).

    E você RPGista, como vê essa nova edição em relação as antigas ? E o quê você modificaria nesta? (por favor não me diga que gostava quando "Elfo" era classe heim! :mrgreen: )
     
  13. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Adaptar o sistema de magias do Mago ao D&D seria o fim do mundo. O Mago já é poderoso bagarai com o paradoxo... imagina num mundo onde a "fantasia" é real?

    Ah, eu tô preparando um pdfzinho com umas house rules tiradas daqui e dali pra deixar o D&D mais legal... algumas coisas do Saga Edition do SW, inclusive.
     
  14. Elda King

    Elda King Senhor do passado e do futuro

    O sistema de magias do D&D, só refazendo a partir do zero mesmo... Eu acho que um sistema onde você tem a possibilidade de parar o tempo para todo mundo, sem chance de falha e sem nenhum desgaste, não tem conserto. Nunca joguei Mago, mas acho que também não combina muito... Teria mesmo que refazer, inventar magias novas, tirar um bocado, reunir algumas em efeitos mais genéricos, mudar o sistema de magia diárias para algo que faça sentido (a fadiga do CODA é legal, mas ia precisar de muita adaptação para dar certo com as magias high-power do D&D).
    E que tipo de regras que são essas, Sky?
     
  15. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Ah, swift e immediate actions, damage treshold, feats táticos...
     
  16. Armitage

    Armitage Usuário

    Eu quiz dizer testar os conceitos mecânicos da magia de outros jogos, não necessariamente portar sistemas de magia exatamente como são diretamente para D&D. Ajustes seriam necessarios, obviamente.

    Fala sério, QUALQUER coisa é melhor que o sistema "Vanciano".

    Algum desses jogos mais recentes de d20 (M&M, Spycraft, Game of Thrones, Eberron, etc.) inovou no sistema de magia? :think:
     
  17. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Spycraft não tem magias e Eberron é D&D.

    E eu não vejo problemas no sistema de magias do D&D. É claro que o do Arcana Unearthed/Evolved é muito melhor, mas o do D&D serve o seu propósito.
     
  18. Armitage

    Armitage Usuário

    Sim serve, principalmente se lembrarmos que D&D enquanto jogo, gira em torno de monster-bashing, dungeon-crawl, combate-tático, etc. (escolha o que preferir), e nesse contexto nada mais adequado do que um sistema de magia ser basicamente mais uma "arma", um meio para um fim (matar monstros ) - o guerreiro tem a espada, a lança, o escudo; o mago tem o fireball, o magic missile, o chromatic orb, etc. Ou seja, a "magia" foi rebaixada a mais um tipo de arma (com munição e tudo), uma ferramenta, uma tecnologia - com limitações e especificações bem definidas, da mesma forma que um rifle de assalto M-16, uma munição de ponta de titânio exaurido, um canhão de feixe laser, uma bomba guiada a laser de detonação atrasada, um colete com campo magnético repelidor de projéteis, um hunter-seeker drone com rotor duplo....

    ...resumindo: É se aproximar do sobrenatural com uma mentalidade científica. É tratar algo que deveria ser misterioso, imprevisível, fascinante, como apenas mais uma tecnologia - previsível, controlável, mundana. Desde Glorantha passando por Ars Mágica, Everway, Nephilim, e até os dias de hoje com Mage, Sorcerer, Unknown Armies, etc. houveram tentativas de dar um caráter mais "mágico" à mágica, e esses jogos tiveram êxito em maior ou menor grau. Seria interessante se D&D se inspirasse nas idéias desses jogos, e jogasse essa "vaca sagrada" penhasco abaixo( bem, essa é apenas a MINHA opinião :D ).

    Por que o sistema de AU/E é melhor? Dá pra dar uma resumida pra gente? :think:
     
  19. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Tu está tão, mas tão errado em relação a isso que nem vou me dar ao trabalho de contra-argumentar.



    O spellcaster no AU é uma mistura do sorcerer com o clérigo. Tu não tem limitação de spellbook pra memorizar, tu tem todas à tua disposição (que nem o clérigo) e tu não memoriza, por exemplo 3 mísseis mágicos. Tu memoriza a magia e lança ela quantas vezes quiser, dentro do teu limite de magias por dia. A contra mágica é bastante interessante, ela é feita através de um feat, o Brandish Magical Might, que é basicamente tu impor o teu poder mágico sobre o poder mágico de outrem. Isso não vale só pra contra magia, mas pra dispell e magias pra abrir portas com trancas mágicas, por exemplo.

    Tu também pode customizar as tuas magias, com templates que causam efeitos diferenciados (por exemplo, dando dano de fogo, deixando o alvo lento, etc.). Mas o mais legal, na minha opinião, é que tu pode lançar as magias de forma diminuída ou ampliada, usando slots de níveis mais baixos ou mais altos, tornando a magia mais forte ou mais fraca.

    As magias também são divididas em simples, complexas e exóticas, e nem todas as classes de spellcasters têm acesso à todas as complexas e exóticas.
     
  20. Elda King

    Elda King Senhor do passado e do futuro

    Eu concordo com o Armitage que o sistema de magias de D&D não faz muito sentido, a não ser do ponto de vista tático. Suas magias simplesmente acabam, sem mais efeitos, você não fica cansado nem nada, mas mesmo assim não tem nem como tentar lançar outra magia. O sistema do CODA é bem mais lógico: você faz um teste para lançar a magia, se der certo você lança e se não você fica cansado; lançar muitas magias seguidas, ou com outra magia ativa, acarreta penalidades crescentes. Mas não serve para combates, cada magia em menos de um minuto tem penalidades maiores, então um mago se torna "inútil" em combates; e em batalhas longas, 60 bolas de fogo em uma hora são muito fortes...
     

Compartilhar