1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A endemoninhada

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por imported_Wilson, 2 Abr 2009.

  1. imported_Wilson

    imported_Wilson Please understand...

    [align=center]
    A ENDEMONINHADA
    Sendo a curta história de uma bruxa e seu filho bastardo
    [/align]

    [align=justify]Eu nasci na vila de St. Exupéry, no ano cristão de 1216. Morri nas florestas de Baudés, no solo sagrado do meu povo, pro lado de leste da vila, com dezenove anos de vida em terra. Meu pai eu não sei quem foi: minha mãe foi atacada por um bandoleiro, de grupo de bárbaros que invadiram a cidade alguma vez, fazendo como eles fazem, levando as coisas de todo mundo, ateando fogo nos telhados, matando homem e menino e cachorro e destroçando as mulheres, tanto mesmo as menininhas, como era minha mãe, e os filhos se formavam do avesso, porque não era natural, e morriam eles e as mães. Eu não morri. De vez em quando minha mãe vem me assombrar, de ódio, por eu ter nascido e ela morrido. A Mãe Baba diz que eu matei minha mãe e tudo o que uma pessoa mata fica com ela, o fogo azul que ninguém vê, dentro da cabeça, sussurrando coisa ruim, e o fantasma fica com a pessoa até que ela também morra, e então eles passam para outra pessoa e para outra e para outra, e quando não tiver mais espaço para os mortos, o mundo chegará ao final, e esqueletos andarão sobre a terra com espadas e foices. É a sina de todos os que morrem, vagar pelo mundo esperando que tudo acabe. Eu consigo ver minha barriga, destripada com minhas partes do lado de fora, tudo bem vermelho, e eu penso que não é diferente dos bodes. E minha cabeça dói e meus braços doem e minha xana e meu cú doem e eu não sinto minha perna e eu não consigo levantar minha cabeça para ver se ela ainda está lá. Mas eu estou morta porque eu posso ver minha mãe deitada no chão e um homem em cima dela batendo em sua cara com uma pedra e metendo dentro das pernas dela. O homem começa a uivar e se levanta e ninguém vem ajudar minha mãe, com a cara toda inchada e partida, sangrando e cuspindo os dentes para fora da boca. Ao mesmo tempo eu estou lá dentro dela, chorando porque vou matar minha mãe. E agora eu estou nascendo, é tudo pegajoso, e eu olho para baixo e vejo minhas pernas escorregando pelo túnel vermelho e apertado de paredes vivas que estão tentando me sufocar, mas tem alguém puxando meus pés e quando eu saio do buraco aos arranhões e chutes, estou lambuzada de sangue, e lambuzada de sangue, deitada na grama, eu tenho meu primeiro filho. Ele tem um par de chifres, e é vermelho e seu choro é mesmo que choro de bicho, que quando nasce, mata a própria mãe.[/align]
     
  2. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    interessante, a ambientação e olhar narrativo diferenciado soaram bem.

    mas achei que "xana" e "metendo" ficaram muito contemporâneas pra um escrito de 1216.
     
  3. imported_?

    imported_? Usuário

    Você estava perturbado quando escreveu isso? :susto:

    Concordo com o JLM, a narrativa soou bem.
     
  4. imported_Wilson

    imported_Wilson Please understand...

    me inspirei no primeiro capítulo de um livro do Alan Moore (A voz do fogo), em que ele conta a história a partir do ponto de vista de um garoto da pré-história (não lembro o período) possivelmente retardado, usando uma narrativa meio quebrada e com um vocabulário limitado como ele imaginava que seria o de um garoto possivelmente retardado da pré-história. obviamente eu não consegui. valeu pelo toque!

    clover, eu to sempre meio perturbado :sim:

    mas talvez eu tenha pego pesado dessa vez, eu admito...
     
  5. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    pelo contrário, vc conseguiu, as duas palavrinhas q não conseguiram te acompanhar e ficaram boiando...
     
  6. Na verdade as duas palavrinhas ficou parecendo que o personagem caiu de 1216 para os tempos atuais....se for pensar assim, até que fica interessante.
     
  7. Vail Martins

    Vail Martins Usuário

    Muito bom seu conto.:sim:
    Tava sentindo falta de algo mais duro e bruto aqui. O pessoal tava muito comportado.
    Gostei da narrativa, da maneira que você descreveu.:clap:
    Não acho que alguns dos termos ficaram tão deslocados. Por que na verdade não foi um texto de época. Como não haviam diálogos mas pensamentos essas palavras só como conceitos mesmo funcionambem, de outra forma você teria que ter escrito em francês, né? XD

    Parabéns.
     
  8. imported_Wilson

    imported_Wilson Please understand...

    Valeu Vail!

    Carlinha, vc me deu uma boa idéia XD (arquivada pra o futuro)
     
  9. hum.....até que consegui ajudar alguém aqui, IUPI!:sim:
     

Compartilhar