1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A Carteira de Meu Tio (Joaquim Manuel de Macedo)

Tópico em 'Literatura Brasileira' iniciado por -Jorge-, 6 Fev 2011.

  1. -Jorge-

    -Jorge- mississippi queen

    [align=justify]"Eu! Bravo! Bem começado." é dessa maneira irônica que começa A Carteira de Meu Tio, livro em que Joaquim Manuel de Macedo faz uma crítica ácida à política e às elites da época através da cínica figura do "sobrinho de meu tio".

    Depois de viajar às custas do tio pela Europa para aprender alguma coisa, o "sobrinho de meu tio" retorna ao Brasil e comunica ao tio a decisão de ser político. Seu tio concorda com algumas condições: que ele viaje pelo Brasil antes de entrar na política e que leve dois companheiros: uma defunta (apelido da Constituição) e um ruço-queimado.

    Na viagem, o narrador encontra o compadre Paciência, liberal sincero e que por isso mesmo não dá para a política, que o acompanhará e assistirá com ele a todo tipo de arbitrariedade.

    ----
    Nessa obra, Macedo, um macedo distante de A Moreninha critica quase todas as instituições do Império: (o descumprimento d)a Constituição, as eleições, os partidos, os políticos, o liberalismo falso do Brasil com seu apadrinhamento, a Justiça, as prisões, enfim, ele atira para todo lado.

    O que é triste é que quase tudo continua igual... 150 anos depois da publicação do livro e com várias mudanças de regime. Por exemplo:

    - "O nosso governo é essencialmente governo das maiorias e como quer o compadre que os ministérios se moralizem, se lhes é necessária a desmoralização para arranjar maiorias?..." Não se aplicaria isso ao Mensalão?

    A descrição de uma prisão fétida e a apresentação do artigo da constituição:

    - "As Cadeias serão seguras, limpas, o bem arejadas, havendo diversas casas para separação dos réus, conforme suas circunstâncias, e natureza dos seus crimes."

    Enfim, muito bom. Em vários trechos, para mim, a ironia dele se parece muito com a de Machado de Assis. Há também uma continuação Memórias do Sobrinho do Meu Tio de 1869. Vou tentar ler.
    [/align]
     

Compartilhar