1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Você concorda com a existência do teste da OAB?

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 20 Dez 2010.

?

Você é a favor da existência do teste da OAB?

  1. Sim

    70,0%
  2. Não

    30,0%
  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Você é a favor ou contra a existência do teste da OAB para os advogados poderem atender clientes?
     
  2. Indily

    Indily Balrog de Pantufas Fofas

    Votei não e explico: O teste não testa nada!
    Simples assim.... ele aprova o que mais decora ou melhor escreve ou pior o que melhor transcreve o artigo para a prova! ISSO NA SEGUNDA FASE!

    Pq a primeira aprova quem melhor decora o Código de Ética e quem é melhor no chute nas demais matérias! Um "x" bem feito acerta mais.
    ___________________________________________________________

    Brincadeiras a parte... essa prova é absurda! Entreguei 3 delas pra advogados fazerem e de acordo com as respostas não teriam passado para a segunda fase. A prática é outra coisa, é outra experiência e num tem NADA do teste. Ele é abusivo e absurdo.

    Sou a favor de um estágio obrigatório melhor bem aplicado nos 2 últimos anos da faculdade e talvez até uma modalidade de estagio durante 6 meses ou 1 ano após a conclusão do curso. Isso sim prepara para o que vemos nos foruns e durante uma demanda judicial... mas esse teste é uma palhaçada sem fim!
     
  3. BeorZenni

    BeorZenni Usuário

    o brasil se eu nao me engano é o país que tem mais faculdades de direito no mundo
    em algum ponto é preciso ter uma peneira, se não vira bagunça
     
  4. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Eu acho que a peneira mais sensata seria não deixar que fossem criadas tantas faculdades de Direito de fundo de quintal como acontece hoje em dia. Se o MEC liberou e o cara cursou teria que poder exercer sem precisar de prova.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  5. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Eu vi em algum lugar que a grande maioria dos advogados são a favor do teste.
     
  6. Indily

    Indily Balrog de Pantufas Fofas

    São a favor pq antigamente era sensato!!!
    Tem que ver o teste antigo e esses de hoje em dia.

    Os de antigamente tinham perguntas pertinentes e as faculdades também eram decentes e explicavam direito. Hoje em dia é tudo uma vergonha!

    E o Éomer ta certo, o teste num peneira nada... o que deveria acontecer era realmente não deixar abrir tantas faculdades assim! o ensino aqui anda FEIO!
     
  7. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    Então você discorda da forma do teste. Mas que é necessário um teste, é. O que ia ter de advogado que não sabe nem o que é uma constituição...
     
  8. Primula

    Primula Moda, mediana, média...

    Qualquer prova não provaria nada. Ao mesmo tempo, quem aceita ser operado por um médico que passou por uma "avalição continuada" nos moldes propostos para a educação básica de Sao Paulo?

    Afinal, o exame de medicina não é obrigatório, e apenas 37% dos alunos que se consideram aptos (em geral os CDFs) são aprovados. Não vamos pensar nos alunos que não se consideram capacitados a fazer a prova, porque provavelmente teríamos um resultado muito pior. Que pode ser verificado na prática.

    Em teoria seria uma beleza não precisar dessa prova no final do curso, mas antes usar esse estágio supervisionado. Mas o modelo aristotélico só faz sentido para um grupo aristotélico. Ou seja, no máximo 20 alunos, onde o professor dá atenção para apenas uns 4 alunos "melhores,especiais".

    Deve-se ter alguma prova, para PROVAR, não é mesmo? Senão temos a palavra do professor contra a palavra do aluno. Se o aluno disser "eu sei tudo, mas o professor tem algo contra mim" a única coisa que pode ser avaliada é aquilo que o aluno escreveu em juizo. Sem nada em juizo, a palavra do professor vale tanto quanto a palavra do aluno (sobre antipatia).

    Tal qual um contrato, onde dizer que não leu não isenta quem assinou de honrar o acordo.

    Agora, vejamos a tal "na prática". Tenho um aluno que apesar de esforçado tirou media 3,8. Para passar é necessário que ele tirasse 4. Eu devo aprova-lo, considerando que em outras instituições a média para ser aprovado é 5?

    Numa pequena estatística familiar, metade de meus conhecidos e amigos ficou com dó do aluno, imaginando que ele perdeu o ano.

    Depois eu mudei a enfase da pergunta. Imagine que você é o pai ou a mãe da menina que recebeu silicone na veia. Voce daria "meio certo" ao hospital e à equipe que matou uma menina saudável porque na correria do caos hospitalar do Brasil, é plenamente justificavel um engano desses?

    Ainda acha justificável que os cerca de 92 professores permitiram que um incompente conseguisse obter o diploma sem saber o básico necessário para não ser um completo sem-noção idiota pra saber a diferença entre silicone viscoso e soro liquido feito água?

    A experiência demonstra que os péssimos profissionais foram alunos muito competentes no chororo (e o professor, mesmo sabendo que eram chamados de otários pelas costas, ficava com pena).

    Claro que meu aluno não vai matar DIRETAMENTE alguém por ser incompetente. Lembro que que em 1980 (tinha 8 anos), li numa revista um artigo interessante sobre "para quem reclamar quando o advogado que contratei perdeu tudo o que EU tinha?"

    O caso em questão era um divorcio litigioso, onde o homem não apenas tinha de pagar pensão, mas não conseguiu direito à metade da casa onde morou e construiu com sua ex-esposa. Basicamente, ele não tinha casa, e era escravo para trabalhar para sua ex-esposa, que não casou com seu namorado posterior.

    Procon não se aplica, e claramente o advogado era um incompetente para conseguir o acordo normal: metade das coisas para cada um, e pensão do marido para a mulher.

    Apesar de tal advogado ter passado pelo filtro da prova, pergunto: sem esse filtro a quantidade de sem-noção idiota despreparado diminuiria? As chances desse homem encontrar um advogado competente melhoriam se TODOS os sem noção entrassem no mercado?

    Outro exemplo: imagine que essa pessoa seja um engenheiro, e que o carro que voce comprou matou sua familia. Que além de seu carro, pelo menos outros 30 também tiveram acidentes fatais com esse carro.

    Imagine que voce está num avião, com uma equipe de manutenção cheia de incompetentes e preguiçosos, que passaram na prova chorando ou colando. Que trocaram uma vedação de cobre por uma de borracha (onibus espacial Challenger)

    Imagine que sua casa DESABE no berço de seu filho, porque o engenheiro calculou meio errado que tipo de laje seria melhor para sua casa.

    As coisas começam a ficar menos legais. Uma coisa é ficar do lado de um amigo "injustiçado" porque não pode exercer profissão, outra coisa é ser vitima de tanta incompetencia no mundo.

    Bem vindo ao mundo real.

    *******************

    Outro estudo interessante. Um Ph.D. maluco concluiu que prender bandidos não diminuia a criminalidade nos EUA. Ainda bem que os sistemas carcerários não soltaram todo mundo, pois como verificamos no Brasil, isso não diminui a criminalidade (ao contrario, aumenta, pois eles presos não cometeriam os crimes que cometem durante a condicional).

    O filtro educacional pode até ser FALHO tal qual nossas prisões que não corrigem ninguem. Mas a retirada dele é igual à conclusão do doutor que viu causa e consequencia entre maior numero de prisoes = maior numero de criminosos, logo vamos soltar todo mundo.

    Ah, é apenas questão de não permitir escolas ruins de serem abertas!

    Novamente, teoria. Funcionaria num mundo ideal. Conforme-se a trabalhar com um mundo real. E no mundo real, esperar que alguém detenha a burrice, mas ao mesmo tempo, permita a burrice de um "chegado" ser aceita, é no mínimo tolice, no máximo tragedia anunciada. Seria o equivalente de um advogado do diabo defender o diabo, e depois do diabo matar e estuprar a filha, perceber que era o diabo.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  9. dermeister

    dermeister Ent cara-de-pau

    Mas provavelmente os bacharéis em direito que não conseguiram ser advogados são contra :think:

    Copiando para cá o meu post
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    :
     
  10. deurost

    deurost Usuário

    defendo que toda profissão deve sim ter uma forma de avaliar alunos que estão preste a se formar. Esta em voga um projeto que tem como meta implatar os teste para profissionais realacionados a área da saúde também o que a meu ver e totalmente necessário. se o aluno se dedicou durante todo o ano letivo não tem nada a temer.
     

Compartilhar