1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Uma bala para o Che

Tópico em 'Cinema' iniciado por Cantona, 14 Nov 2012.

  1. Cantona

    Cantona Tudo é História

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Sinopse:
    Universidade da República, Uruguai. Em 17 de agosto de 1961, ao término do discurso de Che Guevara – um dos primeiros pós-Revolução Cubana, o professor Arbelio Ramirez é assassinado. A bala que lhe tira a vida tinha como destinatário Guevara, num atentado planejado pela direita uruguaia com a CIA. O crime, encoberto pelos anos de ditatura, passa a ser investigado por Ethel, viúva do professor, quando o governo decide liberar os documentos do período.

    Comentário:
    Uma das consequências do triunfo da Revolução Cubana foi o de construir no imaginário dos povos da América Latina a certeza de realizar a Utopia do justo. O clima era de guinada à esquerda, na arte, no cotidiano. Personificando esse movimento, a figura carismática de Guevara.
    Num contexto de Guerra Fria, que não pode ser desprezado, os setores reacionários das burguesias latinas, auxiliadas pelo braço econômico e armado dos EUA, empenhavam-se em manter o status quo, impedindo “novas Cubas”. É nesse embate entre esquerda e direita, que um dedo puxa o gatilho e, uma bala que teria como destino o peito de Che, põe fim à vida do professor de História Arbelio Ramirez, no Uruguai dos anos 60.
    E aqui entra a sensibilidade da cineasta Gabriela Guillermo, conduzindo o filme de forma a revelar os desdobramentos históricos–políticos não apenas na sociedade uruguaia como um todo, mas nas alterações provocadas no seio familiar, cujos membros são dilacerados pela perda e passam a conviver com perseguições e violências físicas de membros da extrema-direita, bem como, instalada a ditadura, de seus agentes de repressão.
    Na busca pelos culpados, após a liberação dos documentos pelo governo uruguaio, Ethel verá que alguns crimes permanecerão silenciados.
    O filme é extremamente interessante: por ele, conhecemos pontos da história recente uruguaia, percebemos o clima de revolução da época e vemos o fascínio que Che exerce sobre os povos latino-americanos, por representar o “inimigo do opressor”, nesse continente espoliado desde que Colombo por aqui se aportou com suas cruzes e canhões, e no qual os EUA, a partir do século XX, passaram a se colocar como senhores.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Uma bala para o Che (Una bala para el Che) [Uruguai, 2012, Dir.: Gabriela Guillermo]
     
    Última edição por um moderador: 5 Out 2013
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Thor

    Thor ἀλήθεια

  3. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Parece ser um filme bem interessante. Adicionado à minha lista de filmes pra ver.

    Editando: bizarro, esse filme não existe no IMDb, nem a diretora existe lá. Mas no Filmow há esse filme cadastrado.
     
    Última edição: 21 Mar 2016

Compartilhar