1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Remorso

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Luciano R. M., 30 Jun 2010.

  1. Luciano R. M.

    Luciano R. M. vira-latas

    [align=right]“He will never know discretion,
    Never eat. the bread of honor,
    Never drink the cup of wisdom”
    -do Kalevala
    [/align]

    Ainda estava no começo da noite e eu acabara de adormecer. Uma das raras horas em que é noite para nós dois. E fui despertado com sua voz, aflita, ao telefone:
    ‘Minulla oli unelma, painajainen, ja olet kuollut.’
    ‘O quê?’ respondi, sem entender.
    ‘Minulla oli unelma, painajainen, ja olet kuollut.‘
    E você começou a chorar e desligou e eu comecei a chorar e não pude mais dormir.
    Minha vida é como uma colcha de retalhos. Pedaços vindos de muitos lugares, todos costurados de forma mais ou menos organizada, mas ainda num desalinho impossível de ser desfeito. Mas o mais distante é o mais próximo.
    Éramos tão promissores e agora somos nada: vozes que se despertam para conversar, em idiomas distintos, sobre a morte, sobre a dor, e que depois desaparecem. Coisas que duram para sempre, desde que o Sol não apareça, desde que os pesadelos persistam.
    Eu poderia nos comparar a uma partida de xadrez, entre campeões, entre homens apaixonados pelo jogo: movimentos calculados mas ainda irrascíveis e impulsivos. Cada movimento de ataque corresponde a um movimento defensivo que, por sua vez, é um novo ataque.
    Jogamos, no entanto, sem reis: ninguém podia vencer, ninguém podia perder. Uma partida infinita, torturante e ao mesmo tempo envolvente. Jogamos até o tempo acabar, e depois que isso aconteceu, sobrou apenas a frieza da possibilidade abortada.
    Eu desliguei o telefone e não pude dormir. Eu desliguei o telefone e não pude dormir, por isso sentei-me na cama e acendi um cigarro. No escuro, eu só podia ver os dígitos, verdes e terríveis do rádio-relógio, que serviam para me lembrar das seis horas que nos separavam. No escuro, eu só podia ver a brasa do cigarro, queimando vermelha, prestes a desaparecer.
    Tudo sempre esteve prestes a desaparecer. Agora é tarde demais para reconhecer, agora é tarde demais para sonhar que eu morri.
    Observo- sem na verdade enxergar- a fumaça do cigarro que se espalha pelo quarto e torna-se invisível. Observo as suas palavras que se diluem em mim e se tornam indistinguíveis dos meus remorsos.
    Era outra coisa que eu queria ter respondido. Era outra peça que eu queria ter movido: não tinha um rei para tombar, mas desistiria da vitória, pediria um armistício. E assim talvez pudéssemos ter um continente único, nossa própria Pangeia: era usando uma terceira língua, da qual ambos éramos filhos adotivos, que conversávamos longas noites e trocávamos cartas.
    ‘Teit meistä kauniin. Teit meistä kauniimpaa kuin mikään muu‘, foram as primeiras palavras que você me ensinou: como uma criança que aprende poesia antes de saber chamar os pais. E eu nunca mais lembrei disso. Mas é porque eu nunca me esqueci: não se precisa lembrar daquilo que não se esquece.
    Eu achava que o jogo havia acabado, que os retalhos eram todos iguais. Eu achava que a fumaça realmente sumia e eu achava que se eu morresse em seus sonhos, o tabuleiro seria jogado fora. Mas eu estava enganado: eu estava enganado porque as histórias nunca acabam e os remorsos nunca desaparecem e as pessoas nunca são esquecidas, e os heróis nunca existiram.
    E se eu não tivesse sido surpreendido pela sua voz eu diria que também sonhei com a sua morte, eu diria que queria uma noite de Sol, branca como a tristeza e fria como a neve.
     

Compartilhar