• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Nova Mulher-Maravilha da DC pertence a uma tribo da floresta amazônica

Elring

Depending on what you said, I might kick your ass!
Usuário Premium
A premissa dessa revista da Mulher Maravilha Imortal é interessante, o problema é que tipo de abordagem será, estilo Highlander? Old Man Logan? Old Man Quill? Homem Bicentenário? Orlando? Ou estilo elfos de Tolkien que vão ficando mais tristes e contemplativos como a Galadriel ou amargo como Elrond?
Possibilidades de fazer uma boa história existem aos montes.
 

Béla van Tesma

Blood-sucker
Eu podia jurar que eu já tinha comentado neste tópico mas só o que fiz foi dar um coração pela postagem do Fúria. Eu curti o visual que criaram pra ela e a concepção geral da personagem, até do nome, em que pese soar folclórico demais a alguns ouvidos rs. Era esperado. Chamar uma deusa "greco-romana" de Diana não o é menos. :hxhx:

Mas enfim. O que eu vim trazer aqui na real foi esta primeira impressão do Omelete sobre o quadrinho. Pelo visto, a arte interna segue o mesmo nível lindão que já podíamos ver na abertura do tópico:

 

Elring

Depending on what you said, I might kick your ass!
Usuário Premium
Um mergulho no folclore brasileiro... hidras selvagens... um Pégaso chamado Jerry e uma Caipora que tá por dentro do mercado negro de itens mágicos. Digo nada, só aviso
images (10).jpeg
 

Ilmarinen

Usuário
Um mergulho no folclore brasileiro... hidras selvagens... um Pégaso chamado Jerry e uma Caipora que tá por dentro do mercado negro de itens mágicos. Digo nada, só aviso

Desculpa, Elring, mas, a julgar pelo material que foi mostrado nessas histórias que antecipam a introdução do conceito, pelas mãos empoderadas do Di-vi-no Steve Orlando, a coisa vai ser mais cautelosa e BEEEEMMMMMM menos clichê do que vcs estão prevendo (tipo amazonas com ALTA tecnologia superior à das Banas, por exemplo e há mais tempo lá do que existe a Ilha Paraíso).... Até pq, veja só , já começa com a moça tendo o prenome IARA.

Piadinha simbólica....Diana é principalmente terra, "vinda do barro" e "engessada" enquanto a futura WW poderá ser mais fluida e menos apegada a modelos oriundos da Heroic Fantasy, Sword and Sandals do século passado. Lembra da WW do universo dos Planetários e dos Quatro? De Warren Ellis e John Cassaday?
Até lá

Checa aí:


Leia esse de cima e os números 51 a 55 desse volume Pós Rebirth. Todos do Steve (nome empoderado, o "Coroado") Orlando.

Furthermore....pq só um Percy Jackson pode dar dibs na idéia de que entes ou até deuses do mito greco romano MIGRARAM pro novo Mundo antes da Queda do Sacro Império Romano Germânico?

Outra coisa que vcs ainda não sacaram....Essa nova WW, Iara Flor, está sendo desenvolvida e recebendo tanta publicidade e empoderamento quanto está pq daqui a uns 7 a 8 anos anos,ou no máximo mais uma década e meia, em 2027-2038,+ou- , a WW do Marston (morto em 1947, data da expiração do copyright contado 77 anos depois da morte do autor) da DC, a reformulada por George Pérez em 1987, estará se tornando de domínio público.



Nick Cooper

, Interested in UK copyright law, particularly relating to photographs and films.
Answered August 11, 2017


There are a number of aspects to this. In the first instance, the earliest Wonder Woman strips were written by Marsden, but drawn by Harry G Peter. While Marston died in 1947, Peter lived until 1958, so if the 70 year rule were applied, the copyright on those strips runs until the end of 2028, not 2017. It would probably be argued, though, that the strips constitute a corporate work, which would have protection of publication plus 95 years. As the first strips were published in late 1941, the copyright will expire at the end of 2036.

However - and it’s a big however - comic book characters, appearances, names, logos, etc., are trademarked half-way to the Moon and back, and they would almost certainly be used against anyone who tried to exploit the public domain status of any early strips. Unlike copyrights, trademarks never expire, as long as they are still in use, which the ones relating to Wonder Woman surely will be.

A DC precisa de uma nova Wonder Woman da qual possa ter controle da Marca Registrada e do Copyright. Daí a ênfase que DC e Marvel estão dando ao conceito de Multiverso e crossovers entre realidades com sósias dos personagens, agendas, idades, cores de peles e orientações sexuais diferentes.
 
Última edição:

Melian

Período composto por insubordinação.
Achei a proposta sensacional. Pelo pouco que li, até agora, parece que o projeto foi desenvolvido de modo honesto e respeitoso. Quando sair por aqui, em Português, lerei. Viva o folclore brasileiro!
 

Béla van Tesma

Blood-sucker
Por aqui só deve sair lá pro fim do ano. Pessoal estava dando piti na página da DC Brasil no Facebook... Ninguém tem paciência com mais nada hoje.
 

Ilmarinen

Usuário
Além do mais tem ISSO AQUI Ó:

Leiam com atenção:


Rainha do Ignoto olhem o livro ai

Paulo Lages

is with​

Kairam Ahmed Hamdan

and​

10 others

.​

2g0t FetbruSaptonaoreemy s201oorfaehdeldc8lt ·
Shared with Your friends and friends of anyone tagged

Friends



https://www.cartacapital.com.br/.../a-mulher-que...
Não desconto a hipotese de que a Wonder woman do Marston (1941) possa ter isso no DNA. A Rainha do Ignoto é de 1899!

Qualquer estudante brasileiro de psicologia chegado em literatura fantastica com ecos do Ela do Rider Haggard, o qual, comprovadamente, influenciou Marston, Freud e Jung, e é doze anos anterior ao livro da Freitas * poderia ter falado do livro para ele em termos de sinopse de plot.
*o qual deve, MUITO presumivelmente, ter influenciado, já que diversos dos livros do Haggard têm, em solução, distribuídos entre si os componentes do livro da Freitas, só o Ela, sozinho, já tinha uma PORÇÃO deles. Além do que a influência comum e recíproca do Haggard e da Blavatsky ( Isis sem Véu) poderia, no intervalo entre 1887 e 1899, ter sido descortinado pra Emilia Freitas: e sua Ayesha original, ANTERIOR à do Haggard.
E "A Rainha do Ignoto" ja toca mesmo algumas "notas" especificas da WW com 40 anos de antecedência mesmo que não tenha tradução oficial para o inglês até os dias de hoje.
Exemplo os pontos destacados em maiúscula do trecho da matéria da Carta Capital aí:
"Dona de um coração bondoso e um espírito justiceiro, a chamada Rainha do Ignoto saía pelo Brasil a resgatar mulheres que sofriam de violência, solidão ou depressão, recrutando-as como suas paladinas. Essa ordem de mulheres passava a viver na ILHA(!)
😮
do Nevoeiro
, um lugar fictício que Emília Freitas posicionou em algum lugar no litoral nordestino, e que era mantido invisível dos navegantes por meio de hipnose. O hipnotismo, aliás, era o principal poder da Rainha do Ignoto, também conhecida por outros nomes: Funesta, Moça Encantada, DIANA(!)
😮
, Zuleica Neves, Zélia, a depender do disfarce e da aparência com a qual se apresentava. "
 
Última edição:

Elring

Depending on what you said, I might kick your ass!
Usuário Premium
Em casa eu leio. E, Ilmarinen, não vai mais me pegar com essa conversa mole de criticar antes de ler. Já dei uma chance para aquela fuleragem da Raven e foi perda de tempo. Não passo pano em nome famoso e sei que nem sempre são eles que ditam as regras do jogo nas empresas e sim os cabeças.

É estranho ler os comentários da Melian sobre a Iara depois de ter descido a lenha na WW do cinema. Acredita que a Noelle fará um trabalho melhor do que a Patty Jenkins? Que achou um Pégaso Jerry aqui? Serio?

E não é só aqui que tem fãs da amazona torcendo o nariz para o Future State, Bela van Tesma, nos EUA eles pegam bem mais pesado. E eu nem uso Facebook pra isso.
 

Ilmarinen

Usuário
Pois vai por mim, Elring.

Confiando ou não nos planos da DC pra curto ou médio prazo pode ter CERTEZA de que o trabalho do Orlando como roteirista é , de longe, o mais sólido no combo Easter Eggs pra continuidades pré-existentes, world building, caracterização e desenvolvimento da mesma, desde, pelo menos, os melhores momentos de Erik Luke, Byrne e Jimenez..

Ele praticamente reúne o que tem de melhor no Byrne, com o melhor do Luke, do Jimenez. E os artistas da Diana hj se empoderam trabalhando no titulo. Leia os dois Annuais dele, 3 e 4, e os WW 51 a 55. Dê uma olhada tb no vol 2, 177 do Phil Jimenez, onde o espírito de Antíope falou de outras tribos.


Teve até um pesquisador empoderado da CBR( tipo um dos Meus) que coletou e relacionou TODAS as "tribos" amazônicas já surgidas nos comic books da editora....De TODAS as eras.

Taí:


 
Última edição:

Elring

Depending on what you said, I might kick your ass!
Usuário Premium
Li por alto a pesquisa sobre todas as tribos referenciadas ao longo da história da Mulher Maravilha, grande parte provavelmente surgiu naquele boom sobre tribos perdidas de amazonas, assim como a África cheia de tesouros e mistérios - que foi febre nos quadrinhos na época de Tarzan, Fantasma, Flash Gordon e Barbarella e Druuna e Heavy Metal mais recentemente. Foi um trabalho de monje copista analisar todas as hq's que possuiam alguma história sobre as Amazonas desde Atalanta, passando pelas Bana-Mighdall até as alienígenas de Perjuto.

Posso afirmar sem medo de errar que da década de 40 até o fim dos anos 50, as amazonas foram o fetiche de muita garotada e não duvido que alguns tenham se tornado marinheiro na vã esperança de serem capturado por alguma tribo de belas mulheres :lol:

Sou obrigado a fazer destaque para a comico do Superman de 1957 onde ele aparece preso por correntes feitas com kriptonita enquanto que a rainha Elsha e demais amazonas oferecem montantes de jóias à Lois Lane pelo azulão. Fiquei com vontade de ler essa preciosidade e bateu uma puta nostalgia.

Ah, de quebra vi um vídeo do guri que apresenta o canal A Batcaverna sobre o resumo dessa nova WW. Bem meia-boca e cheia de piadinhas no estilo Bill e Ted ou os Fastasmas se Divertem quando ela rouba uma moeda de um lutador de sumô. Do jeito que a garotada leite de pera gosta, sem contextualização ou explicações. Tudo mastigado.
 

Valinor 2021

Total arrecadado
R$200,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo