1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[L] Histórias de vampiros - parte I

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Gwiddion Walsh, 3 Jun 2004.

Situação do Tópico:
Fechado para novas mensagens.
  1. Gwiddion Walsh

    Gwiddion Walsh Usuário

    Histórias de vampiros - parte I

    Criei essa história recentemente, mas ainda não sei se ela vai ter mesmo uma continuação. Espero que gostem, assim como espero as suas críticas :oops: :wink:


    História de Vampiros

    Você deve estar pensando, caro Vittorio, que ser imortal é uma benção. Juventude e vida eternas. Você sempre se atraiu por essa idéia, e isso o trouxe a mim. Então, deixe-me contar o lado adverso dessa imortalidade, antes de satisfazê-lo com esse dom.
    Contarei a minha história e a de meu criador, que mistura-se tão bem com a história de nossa raça, a dos vampiros. Nasci para as trevas, como você gosta de dizer, em 500 a.C. aquele que fez de mim um vampiro sumiu pouco tempo depois de eu ter renascido.
    É claro que ele me ensinou muita coisa, mas quem não sente a falta de um pai quando ele simplesmente some sem explicar o motivo? Como vê, continuo sob muitos aspectos, como um simples mortal. Não apenas eu sou assim, mas a maioria de nós. Ninguém sabe, ao certo, quem nos criou, ou quem foi o primeiro vampiro. Marius, que era como meu criador se chamava, era um dos vampiros mais antigos e nem ele sabia...
    Há uma lenda que diz que, originalmente, éramos guardiões da Terra. Não, não somos anjos. Eles não possuem corpo e eu, como você pode perceber, possuo um. Também não somos mortais, eis que não morremos ou envelhecemos. No início deveríamos protegê-los e ajudá-los quando achávamos necessário, ou quando a situação ficava muito grave. Por essa condição fomos chamados de gaia pelos gregos. A deusa da terra, o espírito do planeta.
    Em nossa honra foram feitos sacrifícios, que desagradaram muitos de nós. O motivo? Pode nos chamar de mediadores. Estamos entre vocês, e se existem mesmo, os deuses. Muitos vampiros não gostaram da idéia de serem honrados como divindade protetora, mesmo que não tivessem consciência da nossa verdadeira natureza.
    Você conhece a história desse rituais e libações tão bem quanto eu. Não são exclusivos dos gregos, mas foi nessa época que eles se tornaram tão imponentes e importantes. “O tempo é o remédio para tudo” diz um adágio popular. Com o tempo, os antigos perceberam que o sangue derramado nesses rituais era poderoso, e delicioso. Depois deles terem se acostumado a bebê-lo, todos os seus descendentes nasceram com essa inesgotável sede de sangue.
    Marius foi um dos vampiros que acabaram cedendo ao poder do sangue. Isso, e muitas outras coisas ele me ensinou no pouco tempo que ficamos juntos, o resto tive de aprender sozinho. Reencontrei Marius na corte do Rei Sol. Belo como sempre. Exatamente igual ao homem por quem me apaixonei quando “vivo”. A única diferença é que Marius tinha nos olhos a profundeza do oceano e uma tristeza e melancolia que me deprimia.
    Eu sempre disse que tudo o que você deseja tem um preço, lembra-se Vittorio? Marius disse-me isso, e completou dizendo: “o preço da imortalidade é ver todas as coisas que você gosta morrerem, sem cessar. É um ciclo que se prolonga por toda a eternidade. Assim eu vi meus amigos, minha família, meus amores morrerem sem que eu pudesse fazer nada. Vi impérios nascerem e ruírem a minha volta. Povos que convivi e amei desaparecerem deixando nada além de um tênue vestígio.”
    “Imagine como é perder tudo e todos a sua volta, vivendo um pouco em cada lugar. Não poder casar nem ter filhos. Ser pura e simplesmente, solitário. Você pode até gostar disso por séculos e divertir-se muito. Mas o que vai diverti-lo após, mais de três mil anos? A humanidade, em sua essência, não mudou muito. Você não se surpreende mais com grandes festas, guerras ou grandes histórias de amor... você já viu isso por milhares de anos.”
    “O preço, amado Lucien Leuwen, é nuca saber o que é morrer, nunca descansar e nem saber o que há depois da morte. Nunca ver um amor correspondido ou ver um filho nascer e se tornar um homem.” Marius pediu que eu o livrasse desse peso. Esse foi um dos motivos pelo qual Marius transformou-me em vampiro. Ele queria que um mortal, como ele fora um dia, apaixonado pela vida e um vontade quase inesgotável de aprender, virasse um vampiro e acabasse com essa agonia da “não-morte”.
    Para isso, ele precisa que eu compreendesse o que é ser imortal e o que a imortalidade representava, para que assim ele tivesse seu desejo atendido. Marius não poderia se matar, mesmo que quisesse, pois isso é algo impossível para nossa espécie. Vi que ele tinha perdido o encanto de viver eternamente, e por isso concordei. Antes de pôr fim ao seu sofrimento, Marius deu-me o poder da vida eterna para um mortal e o da morte sobre um vampiro.
    Confesso que por vezes também canso de viver, mas no fundo continuo o mesmo mortal apaixonado pela vida que Marius conheceu um dia. Posso torná-lo meu companheiro por essa noite sem fim que vivo, mas para isso você deve estar disposto a pagar o preço por isso. Então o que escolhe?
     
  2. Sméagol

    Sméagol Usuário

    Nossa, muito bom. Gosto de histórias de vampiros, e esse conto seu ficou bem legal. A narrativa ficou gostosa e nem um pouco cansativa. Escreva mais sobre o tema, com certaza só tende a melhorar! :wink:
     
  3. Skylink

    Skylink Squirrle!

    Muito bom sim! Achei bem interessante colocar a suposição de os rituais gregos serem o motivo para a sede de sangue e estabelecer os vampiros como algo diferente inicialmente... Estou curioso agora pra ver o que acontece^^

    Ah, só essa frase aqui que ficou meia estranha:

     
  4. Gwiddion Walsh

    Gwiddion Walsh Usuário

    É que a princípio, os vampiros são como meio-elfos. Estão entre a humanidade e os deuses. Eu não queria afirmar que eles sabiam que os deuses existiam, pois no início eu havia dito que eles não sabiam, ao certo, a sua própria origem, a não ser o que diz a lenda... se vcs tiverem uma idéia do que o Lucien pode fazer agora é só dizer. Estou aberto a sugestões :mrgreen:
     
  5. Excalibur

    Excalibur Hitokiri

    Putz!

    Como eu previa, desde instantes atrás quando li o parte II, muito bom este seu texto! A qualidade se manteve!
    Pessoalmente, gostei mais do parte II, mas isso significa q a história vai ficando cada vez melhor! Parabéns novamente!

    E prossiga com esta história! Está ótima! Eu diria até instigante! Já estou curioso pra saber o virá a acontecer.
    A propósito, vc conhece muito sobre lendas de vampiro? As lendas q vc descreveu, a meu ver, são bem interessantes e originais, vc as criou ou já as conhecia de algum lugar?
     
  6. Evestar

    Evestar Usuário

    adorei muito, mais tinha lido o segundo antes desse e os dois estão muito bons parabens :clap:
     
  7. Saranel Ishtar

    Saranel Ishtar Usuário

    Os dois tão show de bola, adorei!^^
     
  8. Gwiddion Walsh

    Gwiddion Walsh Usuário

    Conheço várias como a do jogo do vampiro, da anne rice, do drácula, mas essa é original de fábrica. Eu as inventei. Muito obrigado a vc e a todos que gostaram da história :oops: .
     
  9. Excalibur

    Excalibur Hitokiri

    Já q estas lendas são originais de fábrica, nem pense em parar esta história!

    É bom ler algo diferente (pelo menos, pra mim) das lendas de vampiros já conhecidas. Este é um tema bem manjado, no entanto vc conseguiu inovar com suas lendas.

    Eu gostei! 8-)
     
Situação do Tópico:
Fechado para novas mensagens.

Compartilhar