1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Autor da Semana Jostein Gaarder

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Arringa Hrívë, 11 Fev 2013.

  1. Arringa Hrívë

    Arringa Hrívë um papo e um bom chimarrão... Usuário Premium

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    (Jostein Gaarder - 08/08/1952, Oslo - Noruega).


    Gaarder atualmente vive como escritor. Depois do grande sucesso de seu livro "O mundo de Sofia" em 1993, sua obra de maior repercussão, dedicou-se exclusivamente à vida literária.

    Seu pai, professor e diretor, sua mãe, professora e escritora de literatura infantil, foram grandes precursores de seu gosto por literatura. Sendo filho de pais inseridos nesse contexto educacional, já era esperado que fosse para esse ramo na vida. Formado na universidade de Oslo em filosofia escandinava, história das ideias e teologia, sempre esteve próximo das questões existências e filosóficas, as quais caracterizam seus livros e personagens.

    Em 1974 casou-se com Siri Dannevig – tiveram um filho – e nos anos 80 mudaram-se para Bergen, onde Gaarder passou a lecionar como professor universitário de filosofia das ideias e teologia. Sua vida não se resumiria a lecionar, quando sua verdadeira paixão era escrever. Por onze anos trabalhou como professor, quando em 1991 lançou "O mundo de Sofia", o livro logo tornou-se um best-seller mundial. Sendo assim, a partir da década de 90, deixou a vida no corpo docente de Bergen e passou a dedicar-se à vida de escritor e a viver unicamente dessa prática.

    Gaarder, longe de revolucionar o gênero de romances filosóficos, ou impactar leitores na criatividade de cerzir mistérios e tramas dignas a viver na história, como Agatha Cristie, Conan Doyle, a revelação sueca Stieg Larsson, ou a incomparável e inenarrável habilidade de J.R.R.Tolkien em criar mundos, costumes, línguas e culturas.

    Podemos caracterizar Gaarder como um escritor de obras “...reformista de mitos, usuária de lendas, aproveitadora de indagações. Mesmo assim, o enredo desenvolve-se de forma poética, expressiva, bonita e infantil.
    [...] Suas obras discorrem acerca de questões relativas à crenças, como a vida após a morte, o sagrado, os conceitos de divindade, conceito de homem, mundo, cerimoniais, oração, sacrifícios, ética, entre tantas outras características indissociáveis." (Holtz, Daniela S., O mundo de Sofia, 2009).
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    Entrevistas:

    Folha SP - A literatura é uma boa forma de transmitir conhecimento, como ciência ou filosofia?

    Gaarder - "É a segunda melhor maneira. A melhor é a conversa, o diálogo com os jovens ou entre professor e aluno. Sempre, desde a antiga filosofia grega, o diálogo entre as pessoas vivas foi a melhor maneira de lidar com a filosofia."

    Jostein tem um defeito confesso que me desagrada, mas eu o perdoo: Em El mundo de Sofía o em Maya siempre se entrecruzan realidad imaginada y realidadvivida. ¿Por qué le interesa tanto el juego entre la realidad y la imaginación?
    Gaarder – "Estoy fascinado con la imaginación del ser humano y con su fantasía. Si usted me cuenta unsueño, me narra la historia del sueño y me dice algo sobre usted. Amo la imaginación, mecautiva. Pero odio la literatura fantástica.” (Me gustaria vivir eternamente, 2000, septiembre, nº 232, Muy Interesante).


    Folha SP: Por que acha que "O Mundo de Sofia", em que trilha a história da filosofia ocidental, fez tanto sucesso?
    Gaarder: Muitas pessoas têm interesse pela filosofia, mas pensam que ela é muito difícil. Tentei fazer um bom entretenimento que também fosse um investimento no aprendizado. As pessoas têm muita necessidade de filosofia.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    Parte do livro "O mundo de Sofia".
    Uma das questões levantadas pelo livro que me levaram a simpatizar não só este livro, mas todos que levantam as mesmas questões:

    “Haverá alguma coisa que interesse a toda a gente? Haverá alguma coisa que diga respeito a todas as pessoas, independentemente do que são e do sítio do mundo em que vivem?(…)

    QUAL A COISA MAIS IMPORTANTE NA VIDA?

    Se o perguntarmos a alguém como problema da fome, a resposta é: a comida. Se pusermos esta questão a alguém que esteja com frio, nesse caso a resposta é: o calor. E se perguntarmos a uma pessoa que se sinta muito sozinha a resposta será certamente: a companhia de outras pessoas. Mas admitindo que todas estas necessidades estão satisfeitas – será que resta alguma coisa de que todos os homens precisam? Os filósofos acham que sim. Segundo eles, o homem não vive apenas do pão. É evidente que todos os homens precisam de comer. Todos precisamos de amor e de atenção, mas há algo mais de que todos os homens precisam. Precisamos de descobrir quem somos e porque é que vivemos .Interessarmo-nos pela razão da nossa existência não é um interesse ocasional,como o interesse em colecionar selos. Quem se interessa por tais problemas,preocupa-se com tudo aquilo que os homens discutem desde que apareceram neste planeta.” (Editorial Presença, Lisboa, 1995,p.18)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    ---
    É pra mim uma das partes mais eloquentes do livro, também a questão que abre e prepara-nos para o que virá pelo restante da história. É como a introdução, dizendo “ei, prepare-se, chega de acomodação, chega de um pensamento pré-concebido e remastigado. Chegou a hora de pensar por si, pensar mais, chegou a hora de começar refletir..."


    SOBRE AS OBRAS:

    *Diagnosen og andre noveller (O Pássaro Raro) (1986)

    O livro traz, através de diversas histórias, a reflexão sobre o choque ao perceber a o que é a verdade. Não há nada muito específico ou teórico, se pensarmos ele é mais como uma preparação para seguir na compreensão da filosofia e nas “profundas questões humanas”.

    *Barna fra Sukhavati (Viagem a um Mundo Fantástico) (1987)


    *Froskeslottet (O Castelo do Príncipe Sapo) (1988)


    *Religionsboka (1989) - em parceria com Victor Hellern e Henry Notaker (O Livro das Religiões, ed. Companhia das Letras, 2005, ISBN 85-359-0698-3)


    *Kabalmysteriet (O Dia do Curinga) (1990)

    Sendo uma das grandes obras de Jostein, “O dia do Curinga” traz o mistério do jogo das paciências em Portugal.
    A inimaginável massa de personagens faz o livro tornar-se único, desafiante e C-O-M-P-L-I-C-A-D-O. Muito além de uma narrativa reflexiva, é uma costura entre histórias entrecortadas e extraordinárias, que ao final, entrelaçam-se e encontram o leitor.

    *Sofies verden (O Mundo de Sofia) (1991)

    Eis a “Galinha dos ovos dourados” de nosso autor. Gaarder, do contrário a que se imagina, disse ter feito “O mundo de Sofia” para o fracasso. Confessa ter dito a mulher que escreveria um livro que na certa não teria sucesso, se muito, publicado, o próprio editor lhe disse o mesmo. E no fim, conquistou o que vemos hoje, em 2011 a Editora Companhia das Letras revelou que “O mundo de Sofia” é ainda campeão de vendas em seus catálogos.

    *Julemysteriet (Mistério de Natal) (1992)
    Uma história que narra a história, envolvente, cativante. Inicia uma narrativa em primeiro de dezembro, cada dia um novo período rumo ao nascimento de Jesus, viajamos pelos anos, momentos e fatos. O livro tem 24 capítulos e cada capítulo equivale a um dia, até chegar ao nascimento do Gran Kabir Jesus Cristo.

    *Bibbi Bokkens magike bibliotek (A Biblioteca Mágica de Bibbi Bokken) (1993)- em parceria com Klaus Hagerup.
    Uma história infantil e gostosa, novamente o tesouro vem em misteriosas cartas. Duas crianças precisam descobrir o mistério de uma biblioteca e o fazem ao dar-se conta de várias pistas deixadas pela bibliotecária Bibbi Bokken.

    *I et speil, i en gåte (Através do Espelho) (1993)
    Eis o diálogo da vida, ou se preferir, da morte. Uma garotinha em fase terminal. Ela encontra sua vontade de viver em pequenas perguntas que ainda estão sem respostas. Questões do universo, da vida, minúsculas e eloquentes percepções que apenas no fim fazem sentido, e percebemos como, na verdade, elas sempre foram o começo.

    *Hallo? Er det noen her? (Ei! Tem alguém aí?) (1996)

    *Vita Brevis (Vita Brevis) (1996)
    Uma viagem pela histórias, cartas deixadas pela mãe do filho de Santo Agostinho e encontradas em um sebo de Buenos Aires. Não foi bem visto pelas Editoras por se tratar de uma total “ficção”.

    *Maya (Maya) (1999)

    *Sirkusdirektørens datter (O Vendedor de Histórias) (2001)
    E voltamos a contemplação da vida para a compreensão do universo.

    *Appelsinpiken (A Garota das Laranjas) (2003)
    Muito aguardado, com as velhas migalhas de pão de João e Maria, sim, novamente temos cartas misteriosas encontradas e/ou deixadas, mas não só a história constrói os livros de Gaarder, as questões que ele levanta complementam as obras, e nessa narrativa temos do pai ao filho. “O que preferiria ele: uma passagem breve pela Terra cheia de felicidade, mesmo sabendo que um dia iria morrer ou recusaria a oferta logo à partida?”

    *Sjakk Matt' (Xeque-Mate) (2006)

    *De gule dvergene (Os Anões Amarelos) (2006)

    *Slottet i Pyreneene (O Castelo nos Pirineus) (2008)

    *Vita Brevis (Pocket) (Vita Brevis (Edição de Bolso)) (2009)

    *De Gule Dvergene (Juca e os Anões Amarelos) (2011)

    *Maya (Maya (Edição de Bolso)) (2012)
    Questões do universo, MAS, Jostein tem mudado, e aqui, não a filosofia rege as ideias, mas a Metafísica, a ciência, dados, fatos, vemos um Jostein modificado.



    Bibliografia e entrevistas:
    Em 1998 – Os mistérios de Jostein Gaarder (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    )
    Em 2000 – Escritor diz que tem 4 bilhões de anos (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    )
    Em 2005 – Autor de “O mundo de Sofia” lança livro no Brasil (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    )
    Em 2010 – Escritor de "O Mundo de Sofia" diz que achou mais fácil escrever sobre adultos (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    )
    O Mundo de Sofia (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    )
    Biografia – Jostein Gaarder (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    )
    Financial Times - Small Talk Jostein Gaarder (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    )
    Em 2010 - "Nós já nascemos filósofos", diz Gaarder (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    )
    Em 2000 – “Me gustaria vivir eternamente” (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    )
    Sobre essa entrevista, especificamente ESSA, acho super legal que deem uma atenção especial a ela. Aborda questões muito boas, o autor realmente elaborou as respostas. Difere das entrevistas feitas pela Folha SP, não sendo focada numa obra em si do autor, mas conhecer o autor. Leiam e comentem. ;)


    P.S: Tive um pequeno problema com anexos (novidade), então tem anexo boiando por aí, perdoem. ^^
    Anexo
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

    Arquivos Anexados:

    Última edição: 12 Mar 2013
    • Ótimo Ótimo x 7
    • Gostei! Gostei! x 2
  2. abylos

    abylos Usuário Usuário Premium

    Concordo plenamente! Saber quem somos e qual nosso proposito é uma das maiores descobertas que podemos fazer.Embora eu creia que nós definimos nosso proposito, também creio que a nossa essencia, que é o que somos no mais profundo do nosso ser, antes de aprendermos qualquer coisa, de sermos influenciados pelo meio em que vivemos, segue uma, na falta de um termo melhor, programação basica e que, quando nos impedimos(ou nos impedem) de cumprir essa programação basica, não há como vivermos uma vida feliz ou como nos sentirmos realizados. POr isso, é extremamente importante que encontremos essa essencia dentro de nós, para que saibamos que tipos de atividades nos farão mais realizados em qualquer contexto :)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Liv

    Liv Visitante

    Só li "O Mundo de Sofia", na época achei o melhor livro da galáxia. Apesar das lições de filosofia serem um tanto looooongas.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. Amy Fowler

    Amy Fowler Visitante

    Li A Garota das Laranjas e achei a história muito boa. O enredo é envolvente e tem muita filosofia. Além de ter me deixado com uma dor no coração. Vale à pena no sentido de repensar a tua própria vida, o que é essencial e o que é descartável e lembrar que a eternidade é, muitas vezes, uma desculpa para aquilo que não temos coragem de fazer/bucar.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  5. Liv

    Liv Visitante

    Ele é um autor que se dedica mais ao estudo da filosofia, né? Lembro que comecei "O dia do Curinga" e achei semelhante com "O mundo de Sofia".
     
  6. Arringa Hrívë

    Arringa Hrívë um papo e um bom chimarrão... Usuário Premium

    Realmente Amy Fowler, ele dá uma lição de vida e ao mesmo tempo ensina filosofia. Independente do livro que ler dele, será sempre a mesma temática, entretanto, sempre aprendemos algo novo.

    Em parte, li muito sobre ele nos últimos anos, e ele mesmo tem deixado claro que sempre seguiu os caminhos da filosofia, desde jovem, mas agora ELA (a filosofia) parece ter perdido o rumo.
    Como eu citei no post principal, ele tem se dedicado cada vez mais a ciência, metafísica, isso é claro, não muda o fato de que ele AMA filosofia, mas que a filosofia moderna não mais busca as questões fundamentais da vida, houve novamente mais uma retaliação nos estudos, e agora temos outro ramo separado para estudar a parte de um todo, "metafísica".


    Opinião minha agora, estão fragmentando cada vez mais aquilo que era pra ser unido.
    Filósofos eram aqueles que estudavam matemática, artes, ciência... O conhecimento era um, cada um faz parte de um todo para se entender o que somos.
    Hoje, você é obrigado a escolher um, por quê? Não somos seres completos que vivem num mundo de ciência, espiritualidade, números e mais, em 'sociedade'? Não deveríamos fragmentar em partes, para depois precisar unir e então compreender. =/
     
  7. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Faz quase 10 anos que li O Mundo de Sofia, então não me lembro de quase nada, mas me lembro que achei o livro genial. Só li esse livro.
     
  8. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    já li quase a obra completa dele publicada no brasil. cada livro dele geralmente se baseia em 1 conceito filosófico ou mito/texto antigo, e recomendo mto p jovens e p os q estão iniciando na filosofia. mas p quem já estuda os texto originais em q ele se baseia, os livros acabam tornando-se superficiais.
     
  9. Ranza

    Ranza Macaco

    Li uma crítica sobre isso não lembro aonde, de um Alamão ou Austríaco não sei questionava os novos gênios e o sistema atual de educação, e cita entre muitos o Da Vinci.
    Particularmente, não tenho lido muito sobre educação. Acredito sim que a filosofia tinha que ter uma importância maior do que tem hoje no ensino mas não sei o quanto, e nem sei se essa especialização essa de tudo tão errada.
     
  10. Arringa Hrívë

    Arringa Hrívë um papo e um bom chimarrão... Usuário Premium

    Apesar de concordar, concordo discordando.
    Estudar tudo junto, a meu ver, seria o ideal, mas a sociedade pede especificidade das áreas e, hoje em dia, há muita informação, se não afunilar não chega a lugar nenhum.
    No entanto, minha opinião, com uma boa analise das áreas, relacionar os diversos campos de estudo. Nos ensinam separadamente coisas que, poxa, fazem muito mais sentido quando unidas, por que separá-las?

    Entendi geografia política só depois de ler muita história sobre "povos", não sobre as potências econômicas ou países ricos, mas a raiz da formação.

    Resumindo, muito a aprender, pouco tempo a dispor, mas no fim, o sistema de ensino é bom, só mal administrado e elaborado, essa é a verdade. Havendo alguém que realmente quisesse se envolver na elaboração de um plano mais 'relacional' entre as matérias, teria frutos, sem dúvida. Tentar despertar interesse nos jovens, saindo da mesmice do "estuda ou morre de fome". Precisa de estudo, mas pode gostar de estudar...
     
    Última edição: 10 Jul 2013
  11. Arringa Hrívë

    Arringa Hrívë um papo e um bom chimarrão... Usuário Premium

    Obs: Desculpem o flood, não tinha o que fazer... =/

    Terminando a leitura de "O castelo dos Pirineus" e, aproveito para comentar aqui, mesmo as características principais do autor em focar na filosofia não estarem tão fortes nesse livro, por outro lado, Gaarder explorou um lado onde a discussão não terá fim próximo.
    Adentra o campo do ateísmo e até onde a metafísica corresponde a uma realidade; o quanto os estudos sobre acontecimentos sobrenaturais são o resultado de algo maior, ou não, se fundamentados em crenças e superstições, talvez ainda, fruto de uma coincidência premeditada e/ou casualidade probabilística exata... (se é que isso existe), ou seja, dois personagens de credos distintos discutindo a fundo suas visões, super.

    Um bom livro, Gaarder nunca me decepciona, garimpando a Biblioteca encontrei uma mina de gaarders... rsrs
     
    Última edição: 24 Out 2013
  12. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Não é flood, Arringa. O outro post é de julho. Sua sinopse me deixou com vontade de ler esse. Parece ser bom.
     
  13. Lynoka

    Lynoka Like a lady, ya!

    Desse autor, eu li só O Mundo de Sofia, mas era pra aula de filosofia. Aí já viu né? Livro obrigado a gente acaba pegando birra... :(
     
  14. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    O Mundo de Sofia foi o livro que me tornou agnóstica :dente:

    Hoje em dia meu exemplar virou livro de consulta do meu pai, estudar teologia/filosofia virou o passatempo dele ^^
     
  15. Arringa Hrívë

    Arringa Hrívë um papo e um bom chimarrão... Usuário Premium

    Eu li ele pelo mesmo motivo, mas gostei bastante. Foi o que me fez ir atrás de todos os outros do autor.
    Muito do que ele escreve eu discordo na mesma hora, mas o modo como ele leva a discussão, o questionamento, isso me interessa. Ele instiga o não contentamento, o não comodismo, o olhar atento em diversas faces do mesmo objeto. Estar atento às coisas que acontecem no mundo e não só deixar a vida passar.
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar