1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

John Dos Passos

Tópico em 'Autores Estrangeiros' iniciado por Bazarov, 1 Set 2012.

  1. Bazarov

    Bazarov Usuário

    John Roderigo Dos Passos (Chicago, 14 de janeiro de 1896 — 28 de setembro de 1970) foi um novelista e pintor estadunidense, descendente de imigrantes portugueses originários da Madeira.
    John Dos Passos pro alguma razão não é muito lido no Brasil, talvez por ser o escritor mais a esquerda que surgiu durante o entre guerras, e por diversos fatores não tenha sido traduzido no Brasil até os anos 80.

    É muito comum encontrarem em sebos de todo Brasil seu livro 1919, contudo o que muitos não se percebem de ínicio que esta obra é a segunda de uma trilógia chama U.S.A. que transcorre no período da primeira guerra mundial pegando a década de 1920. Eu de facto não li as outras duas obras, mais sua narrativa é da melhor tradição americana, ele consegue criar um amplo panorama do Estados Unidos e da Europa dando detalhes quase jornalísticos como Hemingway, contudo ele se foca mais no enrredo do que nos personagens em sí, ainda que estes tenham grande importância. Nesta obra por exemplo ele trabalha com um personagem que é marinheiro contando a vida de um trabalhador americano nos mares, criticando a United Fruit, a guerra nos mares, etc,etc. Outro personagem é um pequeno esforçado que se polítiza na tradição "repúblicana" americana, outras duas personagens , uma sulista do texas, metódista e preconceituosa, e outra pequena do leste que tem uma educação não tão rígida mas que tem seus preconceitos puritanos. A história contudo não é panfletaria. Claramente o autor apresenta que por todo mito existe a loucura e a sordidez, como é o caso da narrativa da vida do presidente T.E. Roosevelt, ou de Wildrow Wilson.

    Não bastando esses recursos todo, o autor entre os personagens faz uso de línguagens de manchetes jornalísticas, de noticiário do rádio, de homenagens - a John Reed - faz essa troca de cidades, você sai de Dallas, passa por Santa Fé, New Jersey, Cambridge, Paris, Roma, Genôva. É um turbilhão causado pelo "descobrir" além do umbigo que a guerra trouxe aos isolacionistas americanos.

    Espero poder ler as outras duas obras do autor desta trilógia. Quanto a isso quero falar, a famosa edição 1919 lançado pela Ed. Abril nos anos 1980 foram traduzido por Daniel Gonlçalves, apos a leitura percebi que existia algumas palavras serem usados comumentes no Português de Portugal, como exemplo "Fixe", "Camiões", "Aldeabra". Não encontrei nada sobre o tradutor, somente que ele é português , ainda que pela Wikipédia diga que o tradutor da trilógia na Europa foi feita Hélder de Macedo. Nos anos 80 ainda a Rocco lançou outra tradução , da trilogia completa pelo Marcos Santarrita. Esta mesmo tradução foi relançada pela Ed. Benvirá. Contudo apesar do aportuguesamento, a obra é muito bem traduzida, com boas notas editoriais. Este sem dúvida é um autor a ser descoberto, ainda que discorde de Sartre ao dizer que ele é o maior autor do século XX.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    fontes:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    Última edição por um moderador: 6 Out 2013
  2. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Ué, não tá aparecendo nada desse tópico aqui pra mim. O que pode ter acontecido?
     
  3. Anica

    Anica Usuário

    Tinha caído em moderação por causa dos links, eu já liberei. Aparece para mim mas aparentemente deve estar dando erro para os demais usuários. De qualquer forma, vou citar o post do Bazarov aqui para vocês saberem do que se trata, até porque vale a leitura:


     
  4. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Estou afinzão de ler o Dos Passos, já até tenho a trilogia U.S.A. completinha aqui. Mais um estímulo para começar a ler. Em várias bibliografias sobre a literatura e a história estadunidense do período ele aparece como um dos grandes nomes, inclusive como da tradição de questionamento crítico profundo sobre os rumos da economia, da política e da sociedade da época.

    Não posso dizer muito mais sobre porque não li, mas o nome do primeiro livro da trilogia é bem sugestivo sobre como ele estava atento às mudanças da época: O Grande Capital (Big Money), já que a ascensão do grande capital, o especulativo, financeiro e industrial estava em alta na época mesmo, inclusive esmagando os pequenos comerciantes, empresários, e proprietários.

    Só de comentar aqui já me dá vontade de ler...hehe
     
  5. Bazarov

    Bazarov Usuário

    Você tem muita sorte, estou muito interessado na leitura dos outros livros da trilogia, infelizmente o valor está um pouco acima do que posso agora, talvez nas férias , se houver férias este ano, da universidade eu faça uma vaquinha e adquira. O que posso dizer que a leitura do seu livro 1919 me causou o mesmo como estivesse lendo um Hemingway, o livro tem casos de amor, conflitos de uma juventude criada na guerra, além de mostrar que o EUA não são uma pátria tão aberta a liberdade de expressão, hoje depois de 80 anos de publicado a obra nos parece algum comum pensar deste modo, contudo imagino que foi uma grande coisa quando ele escreveu estes livros e mostrou ao mundo o tão perverso o EUA também era como país.
     

Compartilhar