1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Cristal na Veia (Nic Sheff)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Anica, 26 Jul 2009.

  1. Anica

    Anica Usuário

    [align=justify]Livros sobre ex-viciados relatando o período no qual consumiam drogas dificilmente são muito diferentes entre si. Quando você começa a ler algum título como Christiane F., Trainspotting ou mesmo o lançamento da editora Agir, Cristal na Veia, invariavelmente somos apresentados à personagens que começaram a drogar-se para escapar de uma realidade incômoda, acreditavam ter controle sobre o consumo e em dado momento se dão conta do estrago que fizeram em suas vidas por causa da dependência química.

    Por causa disso, o interessante em livros desse tipo não é exatamente o que se conta, mas como se conta. No caso de Nic Sheff, ele consegue se destacar com o segundo. A escolha é a de uma narração em primeira pessoa, carregado de marcas de oralidade que dão a sensação de que ele está ali, na sua frente, contando como um rapaz de 18 anos se envolveu com a metanfetamina e luta para retomar (e agora manter) o controle da própria vida.[/align]

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
  2. Pips

    Pips Old School.

    Eu concordo em partes com o que você disse, mas acho que faltou algo mais emocionante para a virada do livro ser realmente interessante. Esses recursos de flashbacks, muitas vezes atrapalhava a tal da narrativa de diário.

    O interessante é que não existe um lado tão cômico ou de humor negro como os livros do gênero, existe sim, de fato, um relato sincero de quem foi e voltou do fundo do poço e vive nessa situação de pêndulo. Mas o ponto forte também é fraco, porque muitas vezes a narrativa parece não evoluir e em vários momentos soa repetitivo.

    É um grande acréscimo para quem tem a curiosidade de saber como pessoas com ótima formação e excelente caráter caem no mundo das drogas, mas é só. Não é um romance, é uma autobiografia.
     

Compartilhar