1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Clint Eastwood

Tópico em 'Cinema' iniciado por Cantona, 15 Out 2011.

  1. Cantona

    Cantona Tudo é História

    Boa reportagem/entrevisa na Revista Alfa de jul/11, da Ed. Abril, sobre Clint Eastwood.

    Ele é o responsável por uma das melhores cenas do cinema, na minha opinião. O duelo final do filme
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .


    O último durão

    Aos 81 anos, Clint Eastwood se prepara para lançar seu 35º filme, diz que não vai parar e conta como a mulher e a filha o tornaram um outro homem

    Ele é a personificação do homem calado, que conquistou sua grandeza com persistência e determinação. Virou uma lenda na Europa com os spaghetti westerns de Sergio Leone. Criou o mais cool dos justiceiros como Dirty Harry e, aos 61 anos, dirigiu e atuou em Os Imperdoáveis, uma reinvenção radical do western que lhe deu o Oscar de melhor diretor. Hoje, é difícil imaginar que Clint Eastwood tem 81 anos. Ele é um dos mais robustos e saudáveis octogenários que se pode encontrar. Talvez sua jovem esposa — Dina Ruiz, de 45 anos — ou a filha deles, Morgan, de 14 anos, tenham ajudado a subtrair anos de sua mente. Ou o regime consistente de exercícios que Clint seguiu por toda a vida — levantando peso, correndo e jogando golfe — tenha mantido essa lenda das telas com tal físico e energia. Seja lá qual for a explicação, Eastwood é alguém para se estudar. Com um currículo de 35 filmes como diretor e outros 66 como ator, sua vida é uma fórmula no sentido de atrasar o relógio e reter o vigor, sempre olhando adiante.

    “Envelhecer foi uma liberação pra mim”, diz Clint. “Quando era jovem, tinha raiva do mundo porque ambicionava me tornar um músico de jazz e esse sonho foi interrompido quando tive de me preparar para a guerra da Coreia. Eu era muito estressado. À determinada altura, percebi que não precisava tornar tudo tão pesado. Me sinto muito mais livre hoje.” Ele continua adicionando elementos à lenda a cada novo trabalho. Na última década, provou sua supremacia na direção com filmes como Sobre Meninos e Lobos e Menina de Ouro, com o qual ganhou seu segundo Oscar de melhor diretor. Em 2009, o festival de Cannes lhe concedeu uma Palma de Ouro especial como “grande mestre em sua arte”. Para além de prêmios e reconhecimento, Eastwood sente que nada importa mais que a felicidade que encontrou em seu casamento com a jornalista Dina Ruiz, que já dura 12 anos. O relacionamento lhe trouxe a paz de espírito que ligações anteriores não conseguiram providenciar.

    “Meu trabalho tem sido importante, mas levei um longo tempo para encontrar uma verdadeira companheira”, diz. “Hoje minha mulher representa a felicidade e é nesse campo que me sinto mais bem sucedido. Sabe, aquele monte de rifles e revólveres impediu as pessoas de enxergarem em mim um romântico.” Esse renascimento que Eastwood parece sentir é a recompensa por seu espírito desafiador. Não só ele desafiou os críticos que nunca levaram seus primeiros trabalhos a sério, como desafiou as inibições e limitações que o mundo impõe a quem já passou dos 60. A genética pode bem tê-lo ajudado — a mãe de Clint viveu, vigorosamente, até os 98 — e sua devoção por se exercitar certamente representou um papel em mantê-lo forte e estruturado. “Sempre gostei da sensação que levantamento de peso dá. Traz mais energia do que quando simplesmente corro. Também é uma maneira de relaxar e limpar a mente de preocupações do dia”, diz. Mas há algo mais. “Estive aberto à mudança e em sincronia com a evolução do mundo. Me intrigava por que diretores como Billy Wilder ou Frank Capra pararam de trabalhar tão cedo. Penso que os 60 e 70 podem ser os melhores anos desde que você mude e evolua. Quando você alcança essa idade, aprendeu tanto e sua perspectiva se aprofundou tanto que somente um bobo não se beneficiaria desse conhecimento.”

    (...)


    Na íntegra em
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     

Compartilhar