1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Você tem raça?

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 20 Out 2010.

?

Você tem raça?

  1. Sim

    38,5%
  2. Não

    61,5%
  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    A raça é um conceito usado vulgarmente para categorizar diferentes populações de uma espécie biológica por suas características fenotípicas (ou físicas); é comum falar-se das raças de cães ou de outros animais.

    A antropologia, entre os séculos XVII e XX, usou igualmente várias classificações de grupos humanos no que é conhecido como "raças humanas" mas, desde que se utilizaram os métodos genéticos para estudar populações humanas, essas classificações e o próprio conceito de "raças humanas" deixaram de ser utilizados, persistindo o uso do termo apenas na política, quando se pede "igualdade racial" ou na legislação quando se fala em "preconceito de raça", como a lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010 que instituiu, no Brasil, o “Estatuto da Igualdade Racial”. Um conceito alternativo e sinônimo é o de "etnia".

    O termo raça aparecia normalmente nos livros científicos e, (como os livros de geografia de Aroldo de Azevedo e a coleção "História das Raças Humanas" de Gilberto Galvão, que dá detalhado todas as raças, com fotografias), até a década de 1970, a partir de então, começou a desaparecer por receio de racismo, especialmente com o advento do politicamente correto na década de 1980.
     
  2. Conan

    Conan Cavaleiro Pendragon

    se não me engano foi provado atraves do projeto genoma q isto não ecxiste!
     
  3. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Tenho. Nerd.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  4. Allënheisch

    Allënheisch Slavsia!

    :lol:

    Tá, então eu sou um Aesir. :mrgreen:
     
  5. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Não sou cachorro, posso ser vira-lata, mas não cachorro.
     
  6. Kainof

    Kainof Sr. Raposo

    No WoW minha raça é Tauren...



    Então, não creio que as respostas deste tópico fugirão muito do conceito politicamente correto que vigora de não usar raça para referir-se a humanos, relegando o termo à espécies animais. Que é feio falar raça. Que não somos cachorros ou cavalos. Realmente.

    Mas não passa de um termo hoje abominado em função de não rebaixar determinados grupos, já que o termo está muito ligado a ideias de superioridade racial que apareceram não somente em Estados totalitários, como bem sabemos. Substituir "raça" por "etnia" não resolve as coisas, é uma anti-disparidade artificial. Ainda sabemos quem domina, independentemente do nome que possamos dar a isso. Apesar da melhora, que passa certamente pelo uso de uma terminologia não agressiva, pessoas de pele branca, euro-descendentes, whathever, são as mais influentes e poderosas. Não adianta muito o Secretário-Geral da ONU, o presidente dos EUA ou o apresentador do Jornal Nacional serem negros. Substituir raça por etnia é apenas isso, uma substituição.

    Mas creio mesmo que esses são reflexos de uma mudança em processo. Uma mudança não efetuada pela conscientização ideológica-humanitária da população, mas pelo crescimento do poder aquisitivo de etnias historicamente marginalizadas pelo sistema econômico.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  7. Conan

    Conan Cavaleiro Pendragon

    eu me baseio mais pelo q a propia ciencia afirma hoje em dia como dogma mesmo. se não me engano, foi provado por a + b q raça não existe. etnia é uma coisa completamente diferente.

    mas concordo q a descriminação e sua consequente hipocrisia termonologica é aplicada numa generalização.
     
    Última edição: 20 Out 2010
  8. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Pretensioooooso...
     
  9. Conan

    Conan Cavaleiro Pendragon

    minha raça é bebado degenerado sem futuro.
     
  10. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Minha raça é halfling. Minha classe é ladrão.

    Posso rolar meus atributos? :g:
     
    • Gostei! Gostei! x 5
  11. zorba

    zorba VAI CORINTHIANS!

    sou Humano, Druida!
     
  12. Fernanda

    Fernanda Andarilho de Eriador e

    minha raça é nerd véio e esquisito, já minha etnia é luso-italo-afro-holando-indio-franco descedente.
     
  13. Elring

    Elring Depending on what you said, I might kick your ass!

    Meio-dragão-undead... malditos zombie-nazis!
     
  14. Kainof

    Kainof Sr. Raposo

    Melhor eu voltar o tópico para a Comunidade. :lol:
     
  15. Excluído046

    Excluído046 Banned

    A polêmica quanto à utilização dos termos raça e etnia é muito abrangente, está presente no meio acadêmico, no Movimento de Igualdade racial, etc. Desde o final da Segunda Guerra Mundial, o conceito de “raça” e sua utilidade como categoria de análise cientifica vêm sendo contestado. Muitos intelectuais e educadores têm rejeitado o uso do conceito raça, fazendo opção pelo termo “etnia” para se referirem ao segmento negro da população brasileira. Alguns destes estudiosos afirmam que o conceito de etnia é mais adequado porque não carrega o sentido biológico atribuído à raça. A Antropologia argumenta que o termo etnia é o que melhor representa a dimensão histórica e cultural. Os seres humanos para eles, não são marcados apenas pelas características biológicas. Com essa justificativa, as Ciências Sociais tentaram substituir o termo “raça” pelo termo etnia, uma vez que para esses estudiosos não existem raças biológicas. O termo etnia, portanto, ganhou força no meio acadêmico por ser considerado o que melhor identifica a diversidade e os processos históricos e culturais dos povos judeus, índios, negros entre outros.

    Entretanto, alguns estudiosos questionam a substituição do termo raça pelo termo etnia, uma vez que, para eles, a identidade étnica abarca todas as outras etnias existentes na sociedade brasileira, sendo o termo raça o que melhor representa a dimensão do racismo sofrido pelo segmento negro da população brasileira. Conforme essa linha de raciocínio, constituindo ou não uma categoria válida do ponto de vista biológico, a “raça” persiste como dura e incontestável realidade em diversos contextos sociais. Por mais que os estudiosos do assunto protestassem a favor da invalidade cientifica da divisão da espécie humana em “raça”, isso não impediria que as desigualdades sociais continuassem a figurar de acordo com a diferença racial presente em muitas sociedades. Isso também não impediria que as práticas discriminatórias deixassem de incidir sobre indivíduos pertencentes a grupos classificados racialmente e considerados inferiores. A tentativa de retirar o termo “raça” no campo das ciências não conseguiu eliminar de sua presença os efeitos discriminatórios e perversos sobre os povos que atinge.

    Nessa perspectiva, raça passa a ser, portanto, um conceito relacional, que se constitui historicamente e culturalmente, a partir de relações concretas entre grupos sociais em cada sociedade. O termo continua fazendo-se presente na hierarquia social e exercendo forte impacto na vida das pessoas. Trata-se de um fenômeno socialmente construído.

    No caso do Brasil, discute-se que a substituição de raça pelo mote da cor ocorreu na tentativa de formar uma pretensa ideologia anti-racista, tentando encobrir a realidade de um sistema de dominação racial de extrema eficácia.

    A utilização do termo etnia, além de não resolver o problema que o racismo apresenta, faz com que ele seja cada vez mais encoberto. Assim, apreocupação teórica de centrar-se o enfoque cultural da etnia contra o racismo no critério biológico, é uma tentativa de obscurecer o sentido mais amplo de raça como “um grupo de indivíduos interligado por uma origem comum”.

     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  16. Allënheisch

    Allënheisch Slavsia!

    Ô Caio, se não for assim não tem graça! :mrgreen:
    (Porquê? Tá com medo de perder o reinado no Jotünheim, é? Tu tem o seu martelo e eu tenho a minha pretensão! Cada um joga com o que tem... :lol:)

    Mas falando sério agora, esse negócio de "raça" (alla arianismo e tal) tá totalmente furado, num país tão diverso e mestiço como o nosso, isso se torna tão obsoleto quanto equivocado.
     
  17. Conan

    Conan Cavaleiro Pendragon

    eu poderia responder a Melian Vairë citando bob:

    "enquanto fomos julgados pela cor de nosa pele a não pelo brilho dos nosso olhos, haverá guerra"

    mas foi de um buniteza tão grande o post dela q provavelmente demandaria muitos mais contra argumetos.

    eu prefiro lidar na minha mente q o fato cientifico de q raça é balela...

    mas claro, sem nunca fingir q não vivemos numa sociedade descrimanatoria.

    mas acaba q é muito mais valido pra quem estuda as sociedades, do que uma necessidade pra quem vive o dia dia destas sociedades. realmente não tenho nenhuma dificuldade de abstrair q existe este conceito de raça, não vejo mesmo nenhum praticidade ou vantagem nisto.
     
  18. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Sou raçudo pra carái!

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    Srsly, para mim o conceito de raça ou seja lá qual termo se use para dizer "oi eu sou diferente de você" é tão amplo e com limites por vezes tão sutis e relativos, que é impossível estabelecer qualquer divisão coerente.
     

    Arquivos Anexados:

    • Gostei! Gostei! x 1
  19. Ecthelion

    Ecthelion Mad

    Não, não tenho raça já que não sou um cachorro.
     
  20. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Os ditos arianos, só ditos mesmo, se embriagaram com um falsíssimo messianismo étnico. Foi isso que os levou a elevarem o conceito de raça à divindade.

    O mesmo erro que seus inimigos cristãos cometeram ao crer, herança grega, que o conceito de verdade era algo assim tão unilateral e de proprieda única do Vaticano.

    Respondendo à sua pretensão: Thor pode ser um babaca. Odin não. heheheheheheee
     

Compartilhar