• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Simpósio Belo Monte

Elessar Hyarmen

Senhor de Bri
Pra galera da Valinor que se interessar e quiser participar.

A HIDRELÉTRICA BELO MONTE

Perspectivas socioambientais, culturais e energéticas

Após quase duas décadas de crise econômica nacional, os anos 2000 marcaram a retomada de antigos projetos e a aceleração de novos. Na Amazônia, aos projetos que nos anos 1980 foram abolidos pela manifestação pública nacional e internacional organizada em torno de povos indígenas e ambientalistas, como no caso da barragem de Belo Monte, no Xingu, juntaram-se as duas barragens no rio Madeira, Jirau e Santo Antônio, em construção; e quase duas dezenas previstas para os rios Tocantins, Tapajós, Teles Pires, apenas para citar aquelas cujos estudos de viabilidade já foram concluídos. Caracterizam estes empreendimentos a franca colisão com os modos de vida tradicionais, de Povos indígenas e ribeirinhos, com áreas de proteção ambiental em biomas protegidos pela legislação (Amazônia e Mata Atlântica, por exemplo). E, ademais, processos de decisão marcados por controvérsias sociotécnicas e disputas jurídicas (em cortes nacional e internacional) que apontam para situações de conflitos relevantes, envolvendo uma multiplicidade de atores..
Nenhuma hidrelétrica representa, no momento, o que Belo Monte representa com os seus muitos e profundos impactos sociais e ambientais previstos. Planejada para ser instalada em uma das áreas de maior diversidade cultural e biológica do país, além de inundar uma área de mais de 600 km2, promoverá até 80% de redução da vazão de um trecho de mais de 100 km que compreende a Volta Grande do Rio Xingu. Nesta área, residem os Arara, os Juruna e os Xikrin, além de milhares de famílias ribeirinhas, indígenas e não-indígenas. Ainda no Médio Xingu e seus tributários, residem os Parakanã, os Asurini, os Kararaô, os Araweté, os Arara, os Xipaia e Kuruaia, além de centenas de famílias que habitam nas Unidades de Conservação que conformam o corredor ecológico do Xingu (Resexs, APA, FLONA, ESEC, PARNA). Mais próximos das cabeceiras do rio Xingu, estão os Kayapó do Sul do Pará, os Metuktire e os diversos Povos que habitam no Parque Indígena do Xingu.
É necessário adensar a discussão sobre essa barragem sobretudo naquilo que ela significa para as populações afetadas. Assim, no 14 de março, a Universidade Federal de Minas Gerais, através do Grupo de Estudos em Temáticas Ambientais (GESTA), e o GT Povos Tradicionais, Meio Ambiente e Grandes Projetos da Associação Brasileira de Antropologia (ABA), resolveram promover este simpósio para que especialistas no assunto possam debater tema que tanto interessa à opinião pública nacional e internacional.

PROGRAMAÇÃO:

Expositores:

Profa Sonia Maria Barbosa Magalhães (UFPA-ABA)

Prof. Oswaldo Sevá Filho (UNICAMP)

Prof. Francisco Del Moral (USP)



Coordenação:

Profa. Andréa Zhouri (GESTA/UFMG - ABA)

DATA: 14 de MARÇO

HORÁRIO: 19:00 horas

LOCAL: Auditório Sonia Viegas (UFMG)



REALIZAÇÃO: Grupo de Estudos em Temáticas Ambientais (GESTA-UFMG) e GT Povos Tradicionais, Meio Ambiente e Grandes Projetos da ABA

APOIO: Diretoria da FAFICH; Departamento de Sociologia e Antropologia; CACS e CASa


--
Andréa Zhouri
Profa. Associada do Depto. Sociologia e Antropologia
FAFICH-UFMG
Coordenadora do GESTA-UFMG
Tel. 55-31-34096301
--
Visite o saite do CEDEFES: http://www.cedefes.org.br

 
Última edição:

Neithan

Ele não sabe brincar. Ele é joselito
E cadê os impactos na produção de energia, e os milhões de brasileiros que serão beneficiados com a conclusão da usina?
 

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.495,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo